. › saí-J
O l/ 

 

fa-;  a - - r
e. . 1.4 .  i§»s› ,  mu_ xvuntsgs~gq -
x J5' 'i ' #W

roteiro |  Héctor Oesterheld
arte ...
Copyright text and Illustration © 2008 by (ÍarIsciiVcrIng GmbH.  Hamburg
All rights reserved. 

Copyright desta edição © 2...
rnttiro |  Héctor Ot-slcrlusld

; H'l(' Í Alberto o Enrique Brervia

 

os ÚLTIMOS DIAS DE UM HERÓI
"A mon: - é . l mim¡ rum . sr'›litl. i
que a vida ÍIIYUIILOL¡ ; ni- agora. "

1:'.  .l l.  (Íinram
Prólogo
Ernesto Sálmm

Ernesto (luevara não morreu simplesmente para elevar o iiível de vida
material dos povos iniser-. i...
O fato de essa mentalidade pautada na eficácia e na técnica ter ganhado
a alma de muitos revolucionários (talvez porque nã...
de uma família privilegiada.  se lançou  luta ¡novido por ideais românticos
e.  embora preocupado com as cilias da producã...
transformam a pele de : qualquer ser humano em um manto de miséria. 
A vegetação iiiextricavelmente seca e «solverta de es...
então lhe prestou os primeiros socorros sob orientação do próprio Guevara, 
que instri1ia: "Aí.  no peito.  por favor".  (...
(DEVO ATIRAR EM
VOCÊ,  SOLOADINHO. ..
O PRECO DE TANTA
MISÉRIA. .. DEVO
ATIRAR EM VOCÊ. 
SOLDADINHO. ..)

 ; _
l (DEVO ATI...
95o" PIL. b.- e ,  " › "JI-'YU
'aíáããàfnmüaaàkpéàíââííifâ -
5' "
Y/  3 f -
. i 7 Ã «
I _ ¡ ›
l 'A / 
t x
A , , ¡ . 
I . 
É r . l r
Í
l
I _r
I _/ 
I

/  _f

c
I

A' l/  Í d¡ / f , 
,m...
“PERDE/ AOS O MELHOR HOMEM DA GUERRILHA. .. LIM DE SEUS
PILARES,  COMPANHEIRO MEU DESDE QUE FOI MENSAGEIRO DA
COLUNA 4, QU...
7___ezprcaad4_ niña,  u lc M ; mala al nombre da . 

r¡r_gnrol›

1945 x/ zaêymf-'Ímij' i . de nIÍI¡é_! É~-~-L&é<í%z~4.ó2. ...
A CASA DA FAMILIA E ALEGRE,  suJA, 
MAL CONSERVADA.  QUANDO A GATA

_ FAZ XIXI NO ANDAR DE CIMA.  E
PREciso LIMPAR o DE BA...
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL. .. A MÃE
CHORANDO PoR OUTRA PÁTRIA. 

PERÕN.  QUIJANO.  . . !
DOIS PORCOS
DESGRACADOS! 

7 MANIF...
água/ E 441.444;-

“MAIs TARDE. 
INFORMOU soeRE
A5 VÁRIAS EXPEDI-

CÕES DE SOLDADOS
QUE CHEGAVAM
ATÉ A CURVA DO
RIO E VOLT...
FALA COMO UM SARGENTO IANGUE. ..
LEVOU A SÊRD ESSA GENTE. 

RANYE5¡
SEU IDIOT A. 

SILÊNCIO!  ESTAMOS BEM
PERTO DELES.  PE...
u.  .W 1. . üPZnÍVJuHQúJxnA-EÚMFz~w. nuu. ümn. u“uüànuurà R145!

  . . . TF.  É. : .  .. âvr. ..z. r.
.
.  'I 1 _ . 
'.  4/
ç .  Ç
. 
A l ¡
, 
,
, r o Jé¡
.  a'
,  / - ›. 
__- -_
. 

é? 

~ , z m7»

". .. OS DEMAIS FUGIRAM. ...
?Óàoo
SIM,  ERNESTO.  OS TRÊS
LEPROSOS.  ALÉM DA MISÉRIA. 
DA FOME,  DOS PIOLHOS. 

A LEPRA. .. 0 QUE

VOCÊ ACHA? 

ALBERTO GRAN...
EM TODOS OS LUGARES,  AS MESMAS
CRIANÇAS,  OS MESMOS OLHOS FUNDOS
DE TANTO SONHO INLTTIL.  BRACINHOS
PINOS,  VENTRES REDON...
O ARQUEÓLOGO OuE HÃ EM ERNESTO
ExIGE UM DESVIO PARA MACHu PICHu, 
A CIDADELA INCA. 

. A

NAO DEIxA ESCADA NEM TERRAÇO SE
...
O PIOR PROBLEMA E A COMIDA, 
NÃO PORQUE ESTEJA EM FALTA
MAS PORQUE AS COTAS NÃO
SÃO RESPEITADAS,  PARECE
MENTIRA QUE SEJAM...
El,  UM MOMENTO!  AQUI
TEM FEIJÃO!  LIMA BOA
QUANTIDADE! 

vamos LEVAR v ;  É .  ' .  A ' MAS. ..
Tuoo o aus › M.  - _ .  ...
í' . ÁÍ, 
 j' A

›/ , l _/ ¡  : (1437
  o ,  A Í'
4', ' : IAM ,  z' ›

w ' ,  "1- 
,  /z y 3 m
t¡ _/ ,/ _ '

A
:  1 4/9' t...
A;  .. 
w

a _ .  n 4.
e l z. 
_ asñmz:  .u,  e. 

, "›lt. ¡. ›5 ; o IMPÉ.  wiki».
@E
ESTAÇÃO DE RETIRO,  A PARTIDA.  A MÃE,  OS DEDOS QUE NÃO QUEREM
SE SOLTAR.  ATÉ A VOLTA,  NÃO DESISTA.  OS OLHOS CUSTAM A ...
ãuAvAauuL,  EQUADOR. 
CALOR,  remo,  QUEM
TEM 1 PESO?  FALAR
DISCUTIR,  NuNcA
PARE/ MOS OLITRA COISA

A NÃO SER FALAR? 

N...
COSTA RICA.  EXILADOS

DE TODAS AS PARTES. 

A “LEGIÃO DO CARIBE”. 

BOLÍVAR É QUE TINHA

RAZÃO.  UMA SÓ GRANDE

PÁTRIA.  ...
ARsENz DEsMORONA,  NÂO SABE LLITAR, 
o PRÓPRIO ExERCITo ExALA TRAICAO. 

. '.r 'A'
.  h 1,¡

HA AQUELES QUE PEDEM ARMAS,  ...
EM UMA DAS TANTAS REUNIÕES DE
EXILADOS,  ERNESTO CONHECEU RAUL,  O
IRMÃO DE FIDEL.  RAUL OS APRESENTA. 

O MExICO RECEBE

...
Í I 'No : mao DA CAMINHADA,  nv:  UMA CÕLICA
* ; cansam COM VÕMITOS s : :mamy

 

 

 

 "ME DERAM oeMErzoL E PERDI 
A MOÇ...
n

'PASSAMOS TODO O DIA ALL COMIGO ADORMECIDO. 
COCO E NATO FIZERAM UMA EXPLORAÇÃO E
ENCONTRARAM UMA TRILHA NA DIREÇÃO SUL...
PODE $EGLIIR VIAGEM.  O5 GUERRILHEIROS SÃO AMIGOS D05
CAMPONESES.  SÓ NÃO DIGA A NINGUÉM QUE
ATACAREMOS SAMAIPATA. 

NÃO! ...
ESTE DINHEIRO É PELO BODE, 
VOVÓ.  E ESTE PARA NÃO
DIZER A NINGUÉM QUE
NOS ENCONTROU INDO
NA DIREÇÃO DAS
CAVERNAS. 

- ,  ...
ÁLGUJI/ IAS HORAS vem-s, 
A GUERRILHA nmznczprou
LIM CAMINHÃO E um ômaus
com ESTUDANTES. 

PRONTO! 
AO GUAR-

NÃO TENHA ME...
_
.
à
g (WI

OITENTA E DOIS CAMINHANDO PELA COSTA,  NÃO
VEMOS NADA,  MAS FIDEL ESTÃ GRITANDO:  'PARA A
MONTANHA!  JÃ ESTAMOS EM ...
x3*
À: 
:v
m ~
É
9.'
D. .

  +22: '
I

.  " ' '/09 
/ ZJ ›,  ' 7 . 

DUAS BALAs.  No PEITO E
No PESCOÇO. 

 

CAMILO CIENFUEGOS. 
MACHO.  sE Topos
EossEM ASSI...
A SERRA,  AauI NÃO Nos ENCONTRA-
RÃO NUNCA.  CRESCENCIO PEREZ
TRAZ VOLUNTÁRIOS CAMPONESES. 
TREINÁ-LOS LEVARÃ TEMPO. 

DIA...
O QUE VOCÊ FARIA COM ESSE FIDEL CASTRO SE Çmçuo 050m0¡

0 PE6A55E?  CAPATAZ DE uM

CORTARIA O PESCOÇO DELE,  MEU SENHOR LA...
QUE SE RENDA A
SUA IRMÃ,  FILHO
DE UMA CAPELA! 

CHEGA! 
NÃO ATI-
REM! 

DOIs MORTOS E CINCO
FERIDOS ENTRE os INIMIGOS, 
N...
CRESCENCIO VOLTA A TRAZER VOLUNTÁRIOS.  MUITA VONTADE DE LUTAR.  QUEIMARAM MINHA
CABANA E LEVARAM MINHA VACA.  UM EQUIPAME...
ENFIM.  os nerorzcos. 
AGORA somos OITENTA, 
MAS É PRECI5O TREINÃ-LOS. 
NAS cAsAs ou saum cus

VOLTA Ã MEVICINA.  NUNCA

H...
A COLUNA DE CHE FAZ SUA PRIMEIRA
INCLIRSÃO EM BLIEYCFTO,  UM POVOADO
OCUPADO PELOS SOLDADOS.
O GARAND DO SOLDADO FUNCIONA,  MAS
NENHUMA BALA ATINGE O ALVO.  OS TIROS
DEFLAGRAM O ATAQUE.  EM POUCOS MINUTOS

O BUEYCIT...
AINDA POR CIMA,  FIDEL TEM
UMA IDÉIA:  ACHA QUE PRECISA
DE UM JORNAL. 

; v--t

r EIJ,  UM .  r
I JORNAL?  E COM  -' V , L...
A GUERRILHA ESTÃ CADA VEz MAIs uNIDA. 

o ExERCrro TEM MLIITAs BAIXAS.  As ARMAs
MuDAM DE MAos.  ACoRA sao EAzucAs CONTRA
...
ÕENTO E CINOUENTA HOMENS,  JIPES,  EQUIPAMENTOS
E ARMAS NOVAS.  MAS O CAMINHO É MUITO LONGO.  UM
MÊS CONVIVENDO COM OS P-4...
COMPLEXO.  CAEM A UNIVERSIDADE,  AS OBRAS PÚBLICAS. 
UM TREM BLINDADO COM REFORCOS,  CHOVEM OS MOLOTOV, 
ASSALTO FURIOSO. ...
E ENTÃO? 
ALGUMA NOTICIA
DE HAVANA? 

SIM,  SENHOR.  E MUITO RUIM. 
ACABO DE OUVIR NO RÁDIO. ..
O PRESIDENTE ABANDONOU
0 P...
A RevoLucAo se AHRMA. 
PROBLEMAS DE TODOS OS
TIPOS.  As COISAS vAo
ACONTECENDO.  PAREDÃO
RARA os aue MAssAcRARAM
ESTUDANTE...
COMO os PAIses PeaueNos
coNseOueM SOBREVIVER ENTRE

ooIs BLOCOS COLOSSAIS?  JAPÃO,  ' -
A CHAGA PeseRTA oe HIROSHIMA.  z*
...
BEBE MATE NO ESCRTTÓRIO,  NÃO UISQUE,  MAS E O NMIS ORGANIZADO DOS
BANQUEIROS.  TRABALHO BEM-FEITO E SEMPRE EM DIA,  NUNCA...
CHE LUTA PARA RENOVAR A ECONOMIA .  GANHAM o Rggpafo DO

“EMA- É PRECISO 'N°“9m'^'-'Z^”~ _ v -T ADVERSÃRIO.  A T/ ME LHE D...
"AggM N05 pgâpa- í  1 * 1 17 oe ABRIL oe 1961. CHEGA A TEMIDA INVASÃO.  MILHARES oe ANncAsTRIsTAs TREINADOS
“M05 MAs NÃO N...
OS DOIS FRENTE A FRENTE.  NENHUM DELES VEIO DO POVO.  MAS UM SOUBE
IR ATÉ A RAIZ DA MISÉRIA E DO BRACINHO FINO.  DEFENDE O...
O ACORDO NUNCA SERÁ CONCLLIIDO.  CRESCEM O ÔDIO E

AS PRESSÕES DE TODO TIPO.  HA MÍSSEIS RUSSOS EM

CUBA,  PRONTOS PARA DE...
ESTAVAM ERRADOS. 
A VERDADEIRA REVOLUÇÃO

SÓ SE FAZ DENTRO DO HOMEM. 

ABAIXO O HOMEM LOBO,  O
DEVORADOR DO PROXIMO, 

JÃ ...
DesPeoe-se aos FILHOS. 

   

x

  

_T-_í-"í" 

í_J-'; ›_' . ._
  7o Iara. :
 . . _. ._. __.    _ _

" ' . l6LJ4az'7_d~. ...
O LUGAR IDEAL PARA REINICIAR A AÇÃO REVOLUCIONÃRIA ERA O CONGO. 
CHE VAI PARA LÃ EM SEGREDO ABSOLUTO,  PARA ORGANIZAR A GU...
I â. . .  m. :
. a.". “.. ... “.n. “.“. x.x 3.. ...  .
.  .. ._. ... ... ... ... ... ... .m. .. . a . ... 
.. ... É.. _.. ...
JÂ É IMPOSSÍVEL ESCONDER ALGUMA COISA.  SOLDADOS POR TODA
PARTE,  OS PRIMEIROS TIROS.  É MUITO CEDO.  NÃO ESTÃO PREPARADOS...
'CUMPRIRAM-SE OS ONZE PRIMEIROS MESES
DE NOSSA EMPREITADA GUERRILHEIRA,  SEM
COMPLICAÇÕES,  BUCOLICAMENTE. ..”

 
 
   
  ...
TOME,  VOVÓ. 
CINQLIENTA 
NÃO DIGA NADA A
NINGUÉM, 

    
   
      
  

'PoucAs sAo As
ESPERANCAS oe
aue CUMPRA A
PALAVRA...
Ounzos AMANHÃS? 
NOVAS ENTRADAS no DIÁRIO? 

UM COMPANHEIRO MONTA GUARDA- OLHAR
A NOITE COM ELE,  TANTA ESTRELA,  A ÃGUA

...
OS COMPANHEIROS.  CADA UM APOSTOU TUDO O

QUE TINHA.  PERDERAM TODOS.  MAS SERÃ QUE I
PERDERAM MESMO?  DE QUALQUER FORMA, ...
, o POR AQUI TAMBÉM NÃO. .. V .   ' D' 7 DO PRECISAMOS METER
? EÍOÊWQE/ Çopãfzywpgôomw ESTÃO POR TODOS os 'I - _ BALA.  ou...
CERCADOS.  TRÊS HORAS DE TIROTEIO,  E OS SOLDADOS
CADA VEZ MAIS PERTO.  APRENDERAM A LUTAR.  OS
SOLDADINHOS.  SE COBREM.  ...
II




- os.  xtf: ¡1:›. -r›- zu:  .. zu : z-¡z-, uv-aqazaaax-; Lux oa-ufaenzuu "'
q
.g3

"-'y. rsv“"“ : :e -rozmaaçvr- ú aum' “zaga-xa- e*

O I
I; 

. c›. .!4-¡KP? ..'¡ . mz-e
VESARMADO. .. NADA A FAZER AGORA. 
A_ MAS,  NÃO,  SACRIFICIOS EM VÃO.  NÃO. 

 

 

SI
UM QUARTO SEM NADA,  PISO DE TIJOLO.  UMA SALA DE AULA DA ESCOLINHA DE LA HIGUERA.  E PARA
LÁ QUE CARREGAM CHE,  FERIDO,  ...
,I
I
. ','I

   

  
 

  

RISOS,  GRITOS MOVIDOS A PISCO no QUARTO vnznnuo.  I .  ,
TÃO conrenres,  TERMINOU A CAMPANHA....
7 ' ' 7 T 'íãlÉãYzÍifn  75.1752** *' 7 'TZÉ-ÀYÀBBX. . ' '7' ' ' '

2h52?" 7°** LS'LÉ'Ê'RÍÊUA7' 7' °' " l



_ .  1 JÍÃÊMÃJ...
É"   ' - 777 NÃOQUEROESTAR w,  ;
- ' ,  I ›,  _ a ,  DEITADO.  ,vs › *

. E51, r. __. .¡

H

M'
_ - 2mm_-

, m ALL. R,. ,,. .._I, ,.. .,. _ . N. , _. . a . 



›$III,  _   lítlll:  zl,  I

; aan : sa-; M-_zsasç--n -r ....
SS

O couro ESTÃ eM VALLEGRANDE, 
COM FORMOL nAs VEIAS.  conveM
ENTERRÃ-LO eM uM BOM CAIXÃO, 
Isso SIM.  seM cnuz neM MARC...
Nota da Edição Brasileira

Rqguirio dc (Jampos

"Demos um sumiço nele,  por ter leito a mais bela Iiistória do Che
que foi...
Os generais falam muito de tlefesa da patria.  mas da pátria mesmo pa-
recem gostar apenas das bandeiras.  dos hinos.  dos...
Em entrevista a jan Baetens,  realizada em 1992 ei11 Bruxelas.  Alberto
afirma:  “Clic é,  sem Llúvidil nenhuma.  o mais b...
A primeira a “desaparecer” foi Beatriz Marta Oesterheld.  em _junho
de 1976. Diana Irene Oesterheld Araldi desaparece em _...
E o general Menendez fez sua parte:  matou ã xrontatle.  ;riem de organizar, 
em 26 de ; ibril de 1976. a maior fogueira d...
ntre as inúmeras biografias _a esrtas s: :'e :  e. : -:  :'31 L-e
Guevara.  esta e sem CL'.  oa a : se

 
 

acaloradas.  ...
Che os-ultimos-dias-de-um-heroi
Che os-ultimos-dias-de-um-heroi
Che os-ultimos-dias-de-um-heroi
Che os-ultimos-dias-de-um-heroi
Che os-ultimos-dias-de-um-heroi
Che os-ultimos-dias-de-um-heroi
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Che os-ultimos-dias-de-um-heroi

669 visualizações

Publicada em

Che-Os-ultimos-dias-de-um-heroi

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
669
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Che os-ultimos-dias-de-um-heroi

  1. 1. . › saí-J O l/ fa-; a - - r e. . 1.4 . i§»s› , mu_ xvuntsgs~gq - x J5' 'i ' #W roteiro | Héctor Oesterheld arte | Alberto e Enrique Breccia 5,' TÍEVÉÍEÀÍ-'ÀKÀÍFJM' 'ííuâezguunzemursmíqauic--uvr . àruiKKíní-A. a--e i l ii . i lixar! i i ÚEEYNNEAF. ) , ,, ,, ,. ., . nr, @ÉEÊMWÊHÊÊÊ_eaindâsrrriiitiiitiiit»i, l r i taí-Ê'. e q. . a . .l e íã"*: w.“'ç _ r. ° "Í
  2. 2. Copyright text and Illustration © 2008 by (ÍarIsciiVcrIng GmbH. Hamburg All rights reserved. Copyright desta edição © 2008 by Conrad Editora do Brasil Ltda. Título Original: Ch: - (Êapa: jonathaiiYainakaini ¡Jiaigrzuiiação c Letras: Evandro Piinriitcl Tradução: Marcelo Barbão Edição: Alexandra- Boidc (Íonsiiltoria Histórica: Luiz Bcriiardo Pcricás Revisão: Monika Kratzcr cVivian Miwa Matsushita Produção Gráfica: Alba-rio Gonçalves Veiga Impressão: Escolas Profissionais Salt-sumos Dados Internacionais de (Limlogaçfio ii. i Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro. SP. límsil) Ocstcrhcld. Héctor (Ihc : os íiltiinos dias de um herói / roteiro Iriéctor Ocstcrltcld : JHC AIbcrtu c Enrique Brcccia ; [tradução : Marcelo BarhâoL -- São Paulo : Conrad Editora do Brasil. 2008. Título (iriginal: (Íhc ISBN 978-S5-7(iI6-322-f) I. (inovam. Ernesto. |92X-I*)(›7 - (Êucrrilltciros - América Latina - Biografia 2. Histórias cm quadrinhos I. Brcccin. Alberto. II. Brg-cria. Enrique. III. Título. ilB-IUSSI (ÉDD-NLS Indices para catálogo sina-mítico: l. Ernesto (inovam : Histórias cm quadrinhos 741.5 Conrad Editora Rua Simão I)I. I da Fonseca. 93 - Aclimação São Paulo -SP oi53i¡ o. :c 'll-la ii ; gnooss ¡ Fax: ll 53461.03 . NCIWIIIIICIIKO@TOMl'. ltICtIll0l'. l.L'0ll| .hr wwx-. conndcditornxoiiilir
  3. 3. rnttiro | Héctor Ot-slcrlusld ; H'l(' Í Alberto o Enrique Brervia os ÚLTIMOS DIAS DE UM HERÓI
  4. 4. "A mon: - é . l mim¡ rum . sr'›litl. i que a vida ÍIIYUIILOL¡ ; ni- agora. " 1:'. .l l. (Íinram
  5. 5. Prólogo Ernesto Sálmm Ernesto (luevara não morreu simplesmente para elevar o iiível de vida material dos povos iniser-. iveis. Para mim. e ; iclio que para muitos, na realidade para milhões de homens e sobretudo de jovens que clioraiziiii sua morte. ele morreu por um ideal infinitamente mais valioso. ;melo ideal de um Novo Homem. O que supõe. e claro. a luta contra . i miséria dos povos oprimidos. mas que. em ftltima e ate talvez em ¡irimcira instfiiicia. implica uma nova forma de CQl1›'l~'Õ11L'i1l. uma (Íoiiiuiiitiatle em que não só os bens materi-. iis estejam 'assegurados para todos os seres humanos. mas uma (Íoinuiiitliitic- que seja precisamente isto: uma comniilião. um vínculo visceral entre homens livres. uma colaboraçãci de pessoas dignas. Não um conglomerado dc nifiquiii-. is e seres numerados. Não o advento de uma nova sociedade que. embora PFCCCClÍClO de uma cruel revolução. termine por nos oferecer um Estados Unidos às ; ivessas. sem a hegemonia das empresas capitalistas mas dominada pelos instrumentos todo-poderosos de uma tlitadura burocrática tão desumanizadora quanto. Em resumo, ¡ienso que (iuevara combateu e morreu por uma conviveiiciii em que os homens sejam verdadeiros seres liuiii-. iiios. com a ; iltíssinia dignidade que lhes corresponde. resgatados enfim não só da ; ilienacúio economica provocatla por regimes exploradores. mas também dessa ciutra ; ilienacãtx mais sutil e . issust-. ttiora. por ser capaz dc sobreviver a uma revolução . social equivocada. que e a alienação científica. que está traiisfíiriiiaiitlti o mundo em uma nionstruosa maquinaria de robôs. Guevara teria negado Clliiltitlllllclitk' essa conclusão. em nome de seu inatcrialisiiiti dialético, mas essa negativa careceria de il1lp()1'[2il1('l'.1 histórica e filosófica. Afinal. o que nos diz . i razão e menos válido em relação : is atitu- des do homem do que aquilo que instintim mas fortemente nos . sugerem . is razões que Pascal (lCll0lllilhl'. l ser do coratjão. Ainda estudante. (Guevara não se lançou Ii luta pela _justiça e a dignidade depois de estudar O Capital. nem de sc convencer da validade dos ¡iostttlados do marxismo. 1). ¡ mesma forma, os milhões dejoveiis que neste mundo ; ingustiaitlo seguem seus passos. ccilocam seu retrato na cabeceira de suas camas e o ; iciorani com fervor iifio o fazem por terem se convencido da irrefutabilitladc' do materialismo tlialetico. A revolta da maior parte tlesses _jovens contra o grosseiro materialismo da sociedade soviética. que no fim das contas e uma conseqüência ortodoxa do marxismo, PYQYJ que o que está emjogo c- . ilgo mais profundo c valioso do que os famosos fatores económicos e a supervalorizaçãci da ciencia e da tecnica que ; ifeta a doutriiiii comunista.
  6. 6. O fato de essa mentalidade pautada na eficácia e na técnica ter ganhado a alma de muitos revolucionários (talvez porque não seja possível lutar duramente contra um ; idversário poderoso sem terminar se parecendo com ele) pode ser percebido em certas críticas a Guexiara. Os comunistas que o abandonaram) na trágica luta final reproxravam seu ax-'entnreirismtxsua Falta de um sentido realista. seu romantismo ; in; irqtiico. Si1ii. c- prox-'íntel que. trancado em algum escritório remoto e seguro, enviando ordens por correio ou radio. Guevara tivesse sido mais eficaz aos olhos LlCSSCS cientistas da rev<›l1¡cão. Mas. sem díivida, não teria sido tão eficaz como desse outro modo. romxintico e heróico, ntorrc-ndo à frente de nm pequeno pelotão perdido. lutando até o íiltimo suspiro e até a íiltima bala de sua arma. (Íontr-a a mentalidade das planilhas e dos arquivos. dos escritórios e dos Llitzifones, reivindicou com sua vida o sacrifício e a solidão. O (Iuevara que esses técnicos queriam teria vivido alguns anos mais: o que morreu à ticnte de seu grupo de camaradas terá, por outro lado. a longa vida das bandeiras. a eternidade dos símbolos. Porque sua morte tem isto: o valor de um simbolo. E. nesta sociedade racionalizada que descartou. esqueceu e menosprezou os símbolos. nesta sociedade em que a eficacia e a técnica ¡vassaram a ser mais valiosas que o fervor e o sacriticio, pode se 'atribuir a Guevara. efetixziiiiente. um romantismo louco. Mas é ¡arecisamente esse romantismo. ejustamente essa imagem heróica e solitária que desperta a esperanca. a coragem e a fé em milhões de _jovens generosas nos quatro cantos do plametzi. Deixeinos os norte-americanos falarem de eticáciai. 'assim como tleixamos McN-amara Falar do Vietnã em termos ennpresariais. calculando o custo em dólares de cada vietcongue morto por sua patria. l)e seu : ibsurdo ponto de vista. isso é coerentc-, já que. no tim das contas. Faz parte do paradigma da civilização quantitativa que c- seu país. Mas os vietnamitas não seguiam essa lógica aritmética. e provaram com seu holocausto que os valores hunranos são qualitativos. que a Fé é mais forte que o número de canhões: que a esperança é mais poderosa que a ambição dos mercadores; que a kllgllldildc' é mais resistente que a sórdidg¡ e sangrenta obstinactão dos empresários. Assim, qtiaisquei' que tenham sido suas próprias ilusões ou teorias sobre a preeminencia dos fatores económicos na história. acredito que a luta de Guevara contra os Estados Unidos foi a luta do Espírito contra a Matéria. Do mesmo modo como. no seculo passado. yrantles pensadores acreditavam desentranhztr tiianiente as causas materiais da injustiça em vastos tratados. mas na prática faziam ; icender os ; inimos dos homens generosos graças a sua ardente sede reivindicatória. graças ao ti-rvoi' com que suas páginas faziam despertar saudades das virtudes de uma sociedade cavalheiresca arrasada pelos mercadores. também em nosso doloroso tempo um rapaz que ¡wessoailmente nada necessitavamlgtiéin que tinha nascido. como ; iqueles pensadores. no seio
  7. 7. de uma família privilegiada. se lançou luta ¡novido por ideais românticos e. embora preocupado com as cilias da producãt) em um molnento «crítico da economia cubana. se negou a fomentar a produção mediante prêmios Iirateriais. sustentando que era importante mudar a mentalidade da massa para chegar ao homem novo que a remltlção defendia. apelando Lmicamente ao entusiasmo revolueionírrio. ao patriotismo. ao esforço desinteressado e à fe que move as montanhas. POdC-SC ; rrgunientai- - e seguramente assim se disse - que essas ideias não são sensatas. Mas quen¡ provou que é a sensatez que move as montanhas? 'Iiilvez vencido por uma realidade que não aceitou. preferiu sair de sua amatlzi ilha. deixando la sua mulher. seus filhos peque- nos. seus companheiros de combate da Sierra Maestra: "os seres que amo". como ele mesmo tlisse em sua tlolorosa carta de tlespetlitla. F. na (farta que en- via a seus pais na Argentina. entre palavras terrramente brincallioiias que. com seu habitual pudor. ;Itenuax-'am seus grandes princípios. escreve: "Queridos pais: outra vez sinto sob meus calcanhares as costelas de Rocinairte: volto ao caminho com o escudo no bracoÍAí está seu ideal escondido, dito de passagem e «somo ¡iiadaz Dom Quixote. O homem puro de coração, lança em riste e coragem¡ invencível. não só para enfrentar a mediocridade dos acomodados e sensatos. mas pronto para lutar em meio a gargalhadas pelos tlesamparados. pelos humilhados e ofendidos. O ideal de um cavalheiro espa- nhol. reencarnado agora em um homem que antes de tudo era justamente isto: um fidalgo pobre de uma raça imortal. um jovem. doente e generoso titlalgo disposto a enfrentar os poderosos e mesquinhos. Um homem tão louco em sua generosidade que finalmente consegue alffklllCáll' a ; Idesão e até as lágrimas de um servente' materialista e sórtlitlo. Aí está, pois_ a segunda _jornada do valoroso Dom Quixote. que o levará a um dos piores internos do mundo. em ¡nomentos nos quais poderia em vez disso ter desfrutado as vantagens de um cargo oticial. Volta a «deixar tudo para tras, como em sua moeitladt' tinha abandonado as comodidades de uma tiunília burguesa. Em virtude desse paradoxo histórico - tantas vezes injustamente esquecido -- ¡aroduziram-se grandes revolucionários. talvez os melhores. entre as fileiras das classes privilegiadas: desde ¡aríncipes como Kropotkin até bttrgtreses como Marx e Eirgels. já o encontramos lutando de novo no meio da selva. niinado pela gisma. muitas vezes precisando ser ajudado pelos companheiros. ou atormentado pela doença sobre sua mula. mas estóico e invencível. Dias. semanas. meses infinitos de penúrias e sobressaltos e. finalmente. de implacável perseguição. Agora podemos reconstruir seus dias finais. o termino de sua Via (Irúcis. Tambem precisou existir um judas. que se chamou Antonio Rodríguez Flores. Rendido pelas forças bolivianas. deu as exatas indicações para encontrar Guevara. No dia 7 de outubro. véspera da captura. o New ibrk 'limas ; lava uma descrição dos htgares: "A terra e as picadas de insetos
  8. 8. transformam a pele de : qualquer ser humano em um manto de miséria. A vegetação iiiextricavelmente seca e «solverta de espinhos torna quase l111p0SSl-'Cl o tlesloca1nento. ;1 115w ser pelas trilhas e pelo leito dos riachos. que estão estreitamente vigiados. De 'acordo com os informes militares, o comandante cubano e seus : dezesseis camaradas estão cercados ha : ilgunias semanas. Os militares afirmam que o (Dnlalulklllttf não sairá vivo". O capitão Prado fez mais tarde o seguinte relato aosjornalistas: "No dia 8 de outubro, às (› da nlanhã. o grupo foi lOCàlllliltlü. O primeiro ¡ielotâo entiwsntoii os rebeldes e dois soldados foram mortos. Nos separamos para fazer o CCTCO aos guerrilheiros e em seguida partimos prara o ataque. O primeiro rebelde que 'rimos foi Willy. seguido por ; iquele que Llepois identificamos como (Íhe. Abrimos fogo imedi-atanieiite. ferindo as pernas de (Íhe com tiros de nietralhadoiti. Willy e os outros tentaram ; irrastíi-lo. ainda em meio ao combate. Uma rajada de balas dos soldados fez voar a boina do comandante. lerintlo-o nas ¡vernas e no tórax. Enquanto seus companheiros (lavam cober~ tura. Willy Conseguiu conduzir seu chefe morro ; icima, onde havia mais quatro soldados de tocaia. Sen1 fine-go por causa do esforçoÁX/ 'illy chegou até o alto com o corpo do chefe sobre os ombros. E. quando ¡iarou para recuperar as tlwças e socorrer Guevara. os ; itocaiaelos ordenamm que se rendessem. Antes que tvudessem reagir. os soldados. em uma rajada, Cl'Í'; ll': ll1]-ll1CS de balas. .. Logo chegaram até eles. (Íhe estava gravemente ferido. e a asma o impedia de 1'es¡ai1'a1'". Ao termino do combate e após os corpos dos soldados caídos terem sido l'C111()'ÍLl()$. o capitão Prado ordenou que Guevara tosse levado até um local onde fosse possível pousar um helicoptero. Enquanto era transpoi'taclo para La Higuera. o estado do guerrilheiro só pior-ara. 0 soldado (Iiménez, que assistiu ao i11terrog'atórit) de (hrexziixi. fez o seguinte relato: “Foi o tenente-coronel Selich quem mais falou com (Íhe. Tanto nos, os soldados feridos. como (il1C'; |1". l estávamos em um haxigar. Nlas ele estava lá na outra ponta. e irão entendi-amos bem o que diziam. embora ouvíssemos claramente o tenente-coronel. que estava aos gritos. Falaram da America. O tenente-coronel ficou bastante tempo com (iuexxira. duas horas ou talvez mais. Discutiani a respeito de algo que o tenente-coronel queria averiguar e que Che se negava a dizer. E então. num tleterniinatlo momento, (Éuevara esbofeteou o tenente-coronel com sua mão direita. O tenente- coronel se levantou e foi embora. .. Logo depois. o major (Iuzmíui quis tr-ansportar (luevaizi em um helicóptero. mas o tenente-coronel foi contra e ; icabalnos indo só nós mesmo". O tenente Cl1C21l'1'Cg&lCl() de Guevara conta que. assim que o helicoptem com os soldados mortos e feridos partiu. comecou a ; moiteceiz e as dores que afetam-iam o guerrilheiro se intensiñçxir-. irii 'ainda maisTEstou muito mal. Por tÉn-'oi', f-aça ; ilguma coisa para aplacai' a ¡ninha dor", disse ele ao tenente. que
  9. 9. então lhe prestou os primeiros socorros sob orientação do próprio Guevara, que instri1ia: "Aí. no peito. por favor". (Íonsta que passou a noite inteira se queixando. Na segunda-feira seguinte. a revista 'llinc publicou: "lnlorniatlas da captura de Guevara. as : iutoridatles reunidas em La Paz discutiram o que Lleveriam fazer com ele antes que fosse enviada a La Higuera a ordem de executa-lo. Foi morto duas lioras mais tarde". Assim chegou ao fim a vida do comandante: (luevara. lndeflwo_ ; ipós horas interminaxteis de sofrimento. com wirias balas ; ilojatlas em seu corpo doente, sem medico. com a ; lSlllzl .1g1'; |"; l11d0 de modo insuportável sua dor. Um latino-americano foi suficientemente covarde para se aproximar de seu corpo enfermo. teve ttoragem bastante para sacar a ; irma iliante de seus olhos, 'aponta-la para seu «soracão e ciisparai' o tiro de inisericcirclia histórico. Nunca saberemos o que disse Ernesto Guevara nesse momento. mas podemos imaginar que seu olhar era de profunda tristeza. Não pela morte. já esperada, mas por ter sido levada a cabo tlaquelzi forma. por um boliviano: não por um soldado dos Estados Unidos. mas por ; ilguéni que de certo modo era seu irmão. Não. não era pela morte. já esperada. que ele mesmo havia previsto em sua íiltima mensagem. Não. a tristeza não poüllàl ser por causa da morte. essa mesma morte de que falou um grande poetad a mesma que encontrou Saint-Exupéri' ein seu vôo rumo . io tlesconliecido. Que morte mais linda para uma vida tão comovente! Morte que servirá de bandeira e que dará ânimo aos hesitantes. como ¡wrov-. nn as ]D¡ll; l'l".1S de Debrav ao receber a fatídica notícia: "Sou culpado do crime de intenção. porque ;1Cl01".1l'l'. l ter lutado ao lado deles. gostaria de morrer . io lado de Guevara". Bandeiini e símbolo para esses milhões de "coiidenaçlos da terra" dos quais fala a canção dos desvalidos, esperanca e simbolo onde quer que haja gente que sofra por causa da pobreza, das humilligicóes e das (ifensais impostas pelos POdCTDSOS. Símbolo imortal de coragem. 'amora generosidade. _iustica e tllgllldàlClC para C011] [l CYÍÀIHITÀI humana.
  10. 10. (DEVO ATIRAR EM VOCÊ, SOLOADINHO. .. O PRECO DE TANTA MISÉRIA. .. DEVO ATIRAR EM VOCÊ. SOLDADINHO. ..) ; _ l (DEVO ATIRAR EM VOCÊ, SOLDAOINHO. .. ' O PRECO DE TANTA MISÉRIA. .. DEVO ATIRAR EM VOCÊ, SOLDADI- . ' É 32.141/32; e
  11. 11. 95o" PIL. b.- e , " › "JI-'YU 'aíáããàfnmüaaàkpéàíââííifâ -
  12. 12. 5' " Y/ 3 f - . i 7 Ã « I _ ¡ › l 'A / t x A , , ¡ . I . É r . l r Í l I _r I _/ I / _f c I A' l/ Í d¡ / f , ,m 'll' JÁ CHEÚA. POMBO. .. ELES TAMBÉM ESTÃO FUGINDO. , / i/ i / i
  13. 13. “PERDE/ AOS O MELHOR HOMEM DA GUERRILHA. .. LIM DE SEUS PILARES, COMPANHEIRO MEU DESDE QUE FOI MENSAGEIRO DA COLUNA 4, QUANDO ERA POUCO MAIS DO GLIE UM MENINO. ..” ENTERRAR o comwwuznno MORTO. A6 me ESCAVAM o CHÃO com DIFICULDADE. TERRA IMPARCIAL. HOSTIL PARA os VIVOS, HOSTIL PARA os MORTOS. v1'. IN l l . ' ' , ' l 3'] I ' / ¡ › . l í¡ a
  14. 14. 7___ezprcaad4_ niña, u lc M ; mala al nombre da . r¡r_gnrol› 1945 x/ zaêymf-'Ímij' i . de nIÍI¡é_! É~-~-L&é<í%z~4.ó2. . ' ---- a / _-I7 ' à_ -- - ' “Ma” Ante Mn'á'/ ¡r. I l, »ítem Io cual preuitcíaron c_onw tealíyo: DOIUMI. ' i " dr¡ Rcyíslro LIeI Est. .. i l J ______________ _dg AduMAfL-_Znñoa de edad, d¡ um / / " . V. . i_ _do pro/ eaíónÃÍú 51/. 7944444' _ V &ék'$p›: ¡/; _ , . . _ “Õaosázaád D _ , , yíâÍçxxrfwc dc ¡nacionalidad 4434.14.45:: . , , . __ _ _ __ y dq›nicíliudx› unit# DOIS ANOS. DEIXAM ERNESTITO SOZINHO, PERTO DO RIO. O VENTO ALTA GRACIA, CORDOBA, BOM LUGAR PARA PULMÕES FRAGILI- SUDESTE SOPRA GELADO. .. QUANDO SE LEMBRAM DELE, Jà ESTÁ ZADOS. O PAI VENDE A PLANTACÃO DE ERVAS EM MISIONES, COM PNEUMONIA DUPLA. SE SALVA, MAS ACABA COM UMA ASMA A Õ0N5TRUÇÃ0 DE CHÂLÉ5 DE VERÃO É UM GRANDE NEGÓCIO. QUE O TORTURARà PARA SEMPRE. SONHA COM MILHÕES. AS DÍVIDAS CRESCEM. A SERRA ê AZUL e FELIZ. o BRILHO DA MICA, o SANGUE os verzaenm NA PEDRA, o vamo FORTE aus EMBRIAGA. ¡zmcno E ROCHA, DIÁLOGO CRISTALINO. 17
  15. 15. A CASA DA FAMILIA E ALEGRE, suJA, MAL CONSERVADA. QUANDO A GATA _ FAZ XIXI NO ANDAR DE CIMA. E PREciso LIMPAR o DE BAIXO. ¡ Murro TEMPO COM r t A MÃE. M-A-MÃE. o PORTO DE PALOS. DERROTANOS o INIMIGO. sEu BISAVÕ LUTOU CONTRA RosAE. AS PEssoAs MUITO FUTEBOL, SEMPRE COMO GOLEIRO. O INALADOR JUNTO Ã TRAVE. FIGURINHAS DE CHOCOLATE, O CAPITÃO NEMO. QUINZE HOMENS SOBRE O COFRE DO MORTO! AIAIAIAI! E UMA GARRAFA DE RUM. Fuomvos DA GUERRA DA ESPANHA visrrAM A CASA. soPA ENCORPADA E vERMELuA DE LlNGüIGA. vmuo DA sERRA. como A cAsA DA CÉLIA NÃO HA. EM BADAJOZ FOI MUITO PIOR ' . . . : TEVE MENINA QUE NÃO QUE EM CUERNICA. você sAaE, › , QUANDO os MOUPOS DE FRANCO ' a PÓ” “CM” ' - AS PERNAS . E. ENTRARAM PARA . * › sAauEAR. .. . m” mes DIAS. ..
  16. 16. A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL. .. A MÃE CHORANDO PoR OUTRA PÁTRIA. PERÕN. QUIJANO. . . ! DOIS PORCOS DESGRACADOS! 7 MANIFESTAGÕES "RELÂMPAGO". ANTIPERONIS- “OR QUE HITLER E MUSSOLINI. CHEIRO DE BOSTA DE CAVALO NO M0 MAN| FE5TADO 5M mçHAçógg NOTuRNAS_ TEATRO COLÕN. ELA É UMA PERDIDA, VERME DA TERRA. SABE A _ BOMBAS QUE SEMPRE SÃO COLOCADAS POR ULTIMA DO FARRELL? PRECISA ARRANCAR O MOLAR PELO TRASEIRO, ourpog_ o guga¡ g o coLggio_ NÃO 509324 PERON NÃO O DEIXA ABRIR A BOCA. TgMpOI E TgM TAMBÉM A_ CHICHINA FERREYRA. CHÃ COM BOLO NA CONFEITARIA. RUA SOSSEGADA NO ENTARDECER ENTRE AS ÁRVORES. JÁ É ESPECIALISTA EM BEIJAR. 1*)
  17. 17. água/ E 441.444;- “MAIs TARDE. INFORMOU soeRE A5 VÁRIAS EXPEDI- CÕES DE SOLDADOS QUE CHEGAVAM ATÉ A CURVA DO RIO E VOLTAVAM. ..” MAS. .. OLHA! ESSA PEGADA NÃO É NOSSA! SIM GUERRILHEIROS. .. E É RECENTE. ESTÃ VENTANDO. MAS AS BORDAS AINDA ESTÃO INTACT AS.
  18. 18. FALA COMO UM SARGENTO IANGUE. .. LEVOU A SÊRD ESSA GENTE. RANYE5¡ SEU IDIOT A. SILÊNCIO! ESTAMOS BEM PERTO DELES. PEDRO, TUMA. VOCÊS D015 VÃO COMIGO, NA VANGUARDA. ã m m R W lã. D DI5PER5AR. . . I AU¡
  19. 19. u. .W 1. . üPZnÍVJuHQúJxnA-EÚMFz~w. nuu. ümn. u“uüànuurà R145! . . . TF. É. : . .. âvr. ..z. r.
  20. 20. . . 'I 1 _ . '. 4/ ç . Ç . A l ¡ , , , r o Jé¡ . a' , / - ›. __- -_ . é? ~ , z m7» ". .. OS DEMAIS FUGIRAM. 0 RESULTADO FINAL: 3 MORTOS E IO PRISIONEIROS, DOIS DELES FERIDOS, 7 M-I E 4 MÃLISERES, EQUIPAMENTOS PESSOAIS E LIM POUCO DE COMIDA, QUE NOS SERVILI, JUNTO COM A MANTEIGA, PAPA APLACAR A FOME. " "NO DIA SEGUINTE, OS PRISIONEIROS FORAM SOLTOS, DEPOIS DE UMA . LONGA CONVERSA. OS OLIE INSISTTRAM EM MENTIR FORAM SOLTOS DE CUECAS. GUARDA- MOS O BLITIM NO ESCONDERIJO. SÓ RESTA A MANTEIGA COMO ALIMENTO. ME SINTO MLIITO FRACO. "
  21. 21. ?Óàoo
  22. 22. SIM, ERNESTO. OS TRÊS LEPROSOS. ALÉM DA MISÉRIA. DA FOME, DOS PIOLHOS. A LEPRA. .. 0 QUE VOCÊ ACHA? ALBERTO GRANADO. TÃO AMIGO, EMBORA CINCO ANOS MAIS VELHO, MÉDICO RECÉM-FORMADO. O HOSPITAL DOS LEPROSOS. ERNESTO E BOM DE MATEMÁTICA, PODE SER ENGENHEIRO ou CONTADOR. MAS, NÂO, ELE TAMBÉM SERÁ MÉDICO. BUENOS AIRES. A FACULDADE DE MEDICINA, UM EMPREGO NA PREFEI- Os pnzg-rAg 5 A LuA 95o LUGAR A ¡Agxomnçovl A TURA, ASSINA O PONTO E PODE IR EMBORA QUANDO QUISER. RÚGBI guság 32551445, A NgpupA' 5033511490 A NggupA Lg NOS FINS DE SEMANA, NO ATALAYA, MEIO-SCRUM, NÃO POSSO CORRER g 955m5 Tupa_ 515mm ; w515i os Ang-mag, LgÓN MUITO. A ASMA, SABE? E ESSE MAGRINHO? PARECE BOM. .. EI, 'PORCOH pgupg, "LA ; Magnum NgRupA, QOBRETLJDO Ngpupg_ VAI JOGAR AMANHÃ? A coRRERIA INFANTIL PELA sERRA E AGORA uMA AvENTuRA MAIOR. FÉRIAS NUM PETROLEIRO. NuNcA MAIS, NÃO VIMOS NEM METADE, QUINZE DIAS DE IDA, QUATRO HORAS CARREGANDO EM uMA ILHA IMLINDA, UMA ou oLrrRA FARRA cOM MARACAS, auINzE DIAS DE VOLTA, NuNcA MAIS, ouTRAs FÉRIAS NuMA DIcIcLETA MorORIzADA MARCA MICRON. CAMINHOS INTERMINÃ- “$525 ' . - °' os VALES cALcHAauíEs, CAPELINHAS BRANCAS DE FÉ pgovmcms INGÊNUA E ÃGUA-DE-COLÔNIA. COMO PULAM AS VELHAS " PEDRAS. SE NÃO FOSSE MEDICINA, ESTUDARIA AROUEOLOGIA. HÃ MAIS, MUITO MAIS PARA VER: A MORADA DA SOLIDÃO, DA FOME, DO PIOLHO E DO BARBEIRO; MAL DE CHAGAS E TODO O REPERTÓRIO MALDTTO.
  23. 23. EM TODOS OS LUGARES, AS MESMAS CRIANÇAS, OS MESMOS OLHOS FUNDOS DE TANTO SONHO INLTTIL. BRACINHOS PINOS, VENTRES REDONDOS DO RAQUITISMO. O MOTORZINHO FUNCIONA PERFEITAMENTE. TERMINA A EXPEDIÇÃO SEM NENHUM PROBLEMA, ATÉ SAI UMA FOTO NO EL GRÁFICO. 1950. SEGuNDA OPERACAO DA MAE, CÂNCER NO SEIO. PARA OuE SABER TANTO? SÃO TAO DIFERENTES A DOR E A MORTE OuANDo ACONTECEM COM UM SER DE QuE GOSTAMOS MUITO. NAO, MÃE, DEIxE DE BESTEIRAS, NAO SENTIRA NADA, FICARA MELHOR DO OuE NUNCA, MÃE, MAEzINHA, MAMAE. DESTA VEZ A MEDICINA FUNCIONA. A MÃE FICA MELHOR DO QUE NUNCA. O MUNDO VOLTA A EXISTIR, COMO DEFENDE PERÓN COM SEU PLANO QülNQüENAL. CORÉIA, NOSSAS LÃS NAS ALTURAS. O RÁDIO PROMETE E PROMETE, MAS TUDO CONTINUA IGUAL, NÃO? GRAMADO, O AMIGO, VEM COM A IDÉIA BOMBÃSTICA. .. COMPREI uMA MOTO. .. Quem PASSAR PELO CHILE E DEPOIS IR ATÉ A ILHA DA PÁSCOA, .. L . .. ATEOLEPRO- _ SARIO. .. VEM ~^ COMIGO? PARTIRAM PARA O SUL, CARTÃO POSTAL DE MONTANHAS E COIGUES E ALERCES E GELEIRAS VIRGENS. O LADO CHILENO É MAIS ÚMIDO. O VULCÃO OSORNO LEMBRA O MONTE FUJI. NÃO, SÓ DAQUI A ALGUNS MESES É QUE VAI SAIR UM BARCO PARA A ILHA DA PÁSCOA. ALÉM DISSO, NO LEPROSÃRIO NÃO PRECISAMOS DE MÉDICOS. A MOTO QUEBROU, VAMOS SEGUIR DE CARONA. MAIS ACIMA NO MAPA, NO PERU, HÃ OUTROS LEPROSÃRIOS. 26
  24. 24. O ARQUEÓLOGO OuE HÃ EM ERNESTO ExIGE UM DESVIO PARA MACHu PICHu, A CIDADELA INCA. . A NAO DEIxA ESCADA NEM TERRAÇO SE PISAR. NÃO TERMINARIA NuNCA O DIÁLOGO ABISMADO COM TANTA SOMBRA MAS E PRECISO CONTINLIAR. PLICALLPA. PELO RIO UCAYALI CHEGA-SE AO AMAZONAS, A IOurTOS E, POR FIM A SAN PABLO E SEu LEPRDSÃRIO, FUTEBOL COM OS LEPROSOS, PASSEIOS COM OS LEPROSOS, CAÇADAS AOS MACACOS COM OS LEPROSOS. NÃO, A LEPRA NÃO É CONTAGIOSA. CLARO QUE SOMOS AMIGOS, MENINA. VOCÊ ME DÃ UM BEIJO? MAS OS ENFERMOS NÂO ESTÃO TÃO MAL AQUI, MELHOR SEGUIR ATÉ A VENEZUELA. LA, SIM FALTAM MEDICOS. OS DOENTES SENTIüO MUITAS SAUDADES, VOCÊS SÃO MUITO QUERIDOS. PROMETO! EM UM ANO TERMINO AS MATÉRIAS QUE ME FALTAM E VOLTO PARA A CIDADE DE LETICIA, NA COLOMBIA. COMO SÃO ARGENTINOS, DEVEM SER BONS DE BOLA. ERNESTO NO GOL, GRANADO DE zAGLIEIRo. ELES SE DÃO BEM, GANHAM O TORNEIO, PASSAGEM GRATurTA PARA BOGOTÃ. MAS O OBJETIVO E A VENEzuELA. UM Pouco MAIS E JÃ ESTAO EM CARACAS, NO HOSPITAL DE LEPROSOS, HA TRABALHO PARA _ GRANAOO, ERNESTO OuER - ~ FICAR, MAS NÃO, HOMEM, PRECISA TERMINAR OS ESTuDOS, PRECISA *¡ VOLTAR A BUENOS AIRES. UM AMIGO TRANSPORTA DE AVIAO CAVALOS DE CORRIDA, PASSAGEM GARANTIDA. OS PRÕPRIOS DOENTES CONSTROEM A BALSA, QUE BATIZAM DE "MAMBO-TANGO". FAZEM MÚSICA PARA A DESPEDIDA. ESTÃ CHOVENDO, MAS NINGUÉM DEIXA DE IR. HÁ DISCURSOS E TUDO O MAIS, PARA CHORAR, ALI NA CURVA FICA O LEPROSÃRIO, LAGRIMA NEGRA, ESQUECIDA NA SELVA. MAS GRANADO NÃO ACREorrA, FALTAM AINDA DOZE MATÉRIAS PARA ERNESTO, uMA PENA. ERNESTO É UM MÉDICO COMO POUCOS, EMBORA SEMPRE VA LONGE DEMAIS. AS ENFERMIDADES QUE NA VERDADE OuERIA CURAR NÃO SE CHAMAM TIFO, MALÃRIA, LEPRA. SE CHAMAM FOME, ExPLORACAO, INJUSHÇA.
  25. 25. O PIOR PROBLEMA E A COMIDA, NÃO PORQUE ESTEJA EM FALTA MAS PORQUE AS COTAS NÃO SÃO RESPEITADAS, PARECE MENTIRA QUE SEJAM TÃO BURROS. 'ANTES DE SAIR. REuNI TODO MUNDO E FALEI SOBRE OS PROBLEMAS ENFRENTADOS. " VOCE, Bmuuo, CoMEu SOzINHO uMA í . A . E VIH' "Rum N” LATA E AINDA POR CIMA TENTOu NE- . * ' . m' E” 55' aum Mp_ - í › COMEu A CARNE « SECA OuE ESTA FALTANDO. EXISTEM OUTROS QUE SO SE MEXEM QUANDO O ASSUNTO É COMIDA. PARA OUTRAS TAREFAS ESTÃO SEMPRE OCUPADOS. .. ESTOU FALANDO DE VOCÊ, ANICETÓ, NÃO OLHE PARA O OUTRO LADO! E AGORA VAMOS EM FRENTE OU PERDEREMOS A
  26. 26. El, UM MOMENTO! AQUI TEM FEIJÃO! LIMA BOA QUANTIDADE! vamos LEVAR v ; É . ' . A ' MAS. .. Tuoo o aus › M. - _ . . ' * e esse CONSEGUIR- v ' - _ . _ ' ' _ > _ “_ BARULHO?
  27. 27. í' . ÁÍ, j' A ›/ , l _/ ¡ : (1437 o , A Í' 4', ' : IAM , z' › w ' , "1- , /z y 3 m t¡ _/ ,/ _ ' A : 1 4/9' t í A' I/ ¡íh ACHA QUE ESTA- MOS NAQUELE “ÃO ANOITECE , 05 APROXIMAMOS DE UMA CA5A DESOCUPAD , EM ABASTECIDA E M ÁGUA. COMEMOS SABORDSO FRICASSÊ FRANGO COM ARROZ E FICAMOS PO ' ATÉ AS 4 HORAS. "
  28. 28. A; .. w a _ . n 4. e l z. _ asñmz: .u, e. , "›lt. ¡. ›5 ; o IMPÉ. wiki».
  29. 29. @E
  30. 30. ESTAÇÃO DE RETIRO, A PARTIDA. A MÃE, OS DEDOS QUE NÃO QUEREM SE SOLTAR. ATÉ A VOLTA, NÃO DESISTA. OS OLHOS CUSTAM A SE MANTER SECOS. NÃO CORRA, CUIDADO PARA NÃO CAIR. JÁ É SÓ MAIS UM LENCO ENTRE TANTOS. JÃ DÕI A AUSÊNCIA, TÃO LONGE, VOLTARÁ A VÊ'LA ALGUMA VEZ? ERNEsTo 'MATA' TODAS As MATÉRIAS EM UM ANO, INCLUSIVE o TRABALHO oE CONCLUSÃO DE cuaso. UM RECORDE. FESTA EM COMEMORAÇÃO, COM RUMBA E As ANDREWS SISTERS. AMANHÃ, Rumo A VENEZUELA. o DINHEIRO só DA PARA CHEGAR ATÉ LA PAZ, NA BOLÍVIA. oepons DISSO, CARONA. LA PAZ, BOLÍVIA. A AMÉRICA QUE NEGA BUENOS AIRES. A AMÉRICA DOURANDO A TERRA DESPOVOADA, CAVANDO MINAS. O LUCRO É DOS OUTROS, A SILICOSE É NOSSA. VELHOS AOS TRINTA. NEM A MULHER SOBROU, APENAS A COCA E A BEBIDA. COM OUTROS ARGENTINOS EM LA PAZ. RICARDO ROJO, UM EXILADO ANTTPERONISTA, O ACASO DOS ENCONTROS CRIA UMA AMIZADE PERMANENTE. v. z CONVERSAS MADRUGADA ADENTRO, A AMÉRICA EM CHANIAS, SEMPRE A AMÉRICA. AMIGO ê . A AQUELE aus SENTE von JUNTO.
  31. 31. ãuAvAauuL, EQUADOR. CALOR, remo, QUEM TEM 1 PESO? FALAR DISCUTIR, NuNcA PARE/ MOS OLITRA COISA A NÃO SER FALAR? NA GUATEMALA A COISA É SERIA. LÃ, SIM. COM ARBENZ, SE PODE FAZER REVOLUÇÃO DE VERDADE. PIOLHO E DO BRACINHO FINO. DE CAMINHÃO PELO PERU. ENTRE ÍNDIOS ISOLADOS E MINERAIS. LÃ LONGE RUÍNAS INCAS. QUERIA PARAR PARA OLHAR. MAS NÃO, É PRECISO SEGUIR EM FRENTE. EM CADA LUGAR QUE PASSAM O DE SEMPRE: O PIOLHO, O BRACINHO FINO, O VENTRE INCHADO. AMÉRICA. É O QUE ESTÃ PENSANDO HÁ MUITO TEMPO. DE QUE VALE A MEDICINA AQUI? TERIA QUE IR Ã PRÓPRIA RAIZ DA DOENÇA E DA DEGENERACÃO, A CAUSA DO GRANADO ESTÃ ME ESPERANDO. EU PRO- VOCÊ VAI DEPOIS. .. NA GUATENMLA a; ? OJO CONSEGUE PASSAGENS GRATUITAS PARA O PANAMÃ. UM x VAPOR DA UNITED FRUIT COMPANY. SE SOUBESSE QUEM ESTÃO ¡ “í ? J AJUDANDO. .. 34
  32. 32. COSTA RICA. EXILADOS DE TODAS AS PARTES. A “LEGIÃO DO CARIBE”. BOLÍVAR É QUE TINHA RAZÃO. UMA SÓ GRANDE PÁTRIA. GRANDE QUANTIDADE DE POLÍTICOS, Ç ' ' " ' , '›' . - ~ , BETANCOURT, LEONI, ' _ ' . ' . I ~ _ A5 RAIZES 90W*- 90 305m4, MurrA vgpogpg¡ , -' v ' ' CONTINENTE. OS INTERESSES M45 TAMBÉM MuITA , CRIADOS. O QUE IMPORTA E AMBIÇÃO. . u ' ' ~ ' , A ' O LUCRO, NÃO AS PESSOAS. A - 4 . ÍNDIOS EMBRUTECIDOS, POBRES PORQUE QUEREM. A MEDICINA FOI FICANDO CADA VEZ NKAIS DE LADO. PERDÃO, GRANADO, DEPOIS EXPLICO. NA GUATEMALA A COISA É SERIA. GuATEMALA, POR FIM. UMA GAROTA, ' - Po” VENDER . ,- ~ , I I › _ LIVROS A CRÉDITO. HILDA GADEA. INDIA DE OLHOs PLIXADOS. , _, _. eu www VARA PARA TRABALHAR, PRECISARIA REVALI- DAR O DIPLOMA. LEVA PELO MENOS HILDA ACEITA TUDO. A ASMA, A ESCASSEZ DE DINHEIRO, AS RUINAS MAIAS QUE ERNESTO PRECISA VISITAR NA SELVA. O SEXO VAI SE TORNANDO AMOR. VENDER LIVROS TRAZ UMA GRANDE VANTAGEM, PODIA LER DE GRAÇA. O GOVERNO DE ARBENZ Ê CONDENADO. O PECADO MAXIMO, A REFORMA AGRÃRIA. MEXE COM A UNITED FRUIT COMPANY. “COMUNISMO” É PRETEXTO PARA QUALQUER COISA. POR TÃO POUCO JÃ SE MOBILIZA UMA INVASÃO. O QUE É ISSO PARA A CIA, ESPECIALISTA EM DÓLARES, AFAGOS E ASSASSINATOS POLÍTICOS?
  33. 33. ARsENz DEsMORONA, NÂO SABE LLITAR, o PRÓPRIO ExERCITo ExALA TRAICAO. . '.r 'A' . h 1,¡ HA AQUELES QUE PEDEM ARMAS, QUEREM LUTAR CONTRA A INVASÃO NAS RUAS. ERNESTO GUEVARA ESTÃ ENTRE ELES. CHEGA DE FALAR, É PRECISO DEFENDER A ESPERANÇA. ROR QUE NÃO RERETIR ' , _ v f' “ , 'E ' ' - UM FUZIL E TuDO O AQUI OS MILICIANOS DE - › F- . t - ' _ A Que papa, çoMo *Inn-ros l ' ' ' . , OUTROS. É CADA VEZ I MAIOR O NÚMERO DE MAs HÁ TAMBÉM OS OuE NuNCA FALTAM. OS AGENTEs DA CIA. EsTE HOMEM E UM PERIGO, TEMOs OuE ELlMlNÃ-LO. sANCHEz TORANzO, O ENCARREGADO DE NEGóCIOs ARGENTINO, FICA SABENDO DA sENTENCA E RROCuRA GuEvARA. VENHA AGORA MESMO AO CONSU- LADO, ENTENDEU? ARBENZ FUGIU, ACABARAM DE ANUNCIAR NO RÁDIO, JÃ NÃO HÃ NADA A FAZER! ~ ' Á INVASÃO TRIUNFA. COMEMORAÇÃO NAS MANCHETES E NAS CHANCELARIAS. A OUTRA AMÉRICA, A DE BAIXO, SE CALA. NA VERDADE NUNCA TEVE VOZ. UM AVIÃO DE REFUGIADOS. NÃO, PARA QUE IR Ã ARGENTINA, PREFIRO O MÉXICO.
  34. 34. EM UMA DAS TANTAS REUNIÕES DE EXILADOS, ERNESTO CONHECEU RAUL, O IRMÃO DE FIDEL. RAUL OS APRESENTA. O MExICO RECEBE QUALQUER REFUGIADO, MAS PROIBE QUE TENHAM EMPREGO. É PRECISO VIVER. ERNESTO FAZ RETRATOS DE TURISTAS. EM BUENOS AIRES, A MARINHA BOMBARDEIA PERON. EM HAVANA, O TIRANO BATISTA SOLTA W __ , W _ OS PRESOS PELO ASSALTO ~, ; ' " . ' , AO QUARTEL DE LA ~ - ' › . _ _' ' CIFRAS ATROZES DA MONCAQA_ mpg_ 5.2' _ _ _x Y é ^ MISERIA E DA VERGONHA REFUGM No Memo -F IA * '_- ' - . ' . J . ' FALADOR, COMO TANTOS OUTROS. TEM NAS COSTAS 4 O ASSALTO AO QUARTEL, MAIS DE CINQUENTA MORTOS, SUA ATUAÇÃO f', NA PRISÃO. . E HA TANTO A GANHAR. A ESPE- _, ~ i RANCA. ALGLIM DIA CHEGARÃO AO I FIM O LLICRO E SUAS CONSEQüÊN- DESEMBARCAREMOS COM ALGUNS HOMENS DETERMINADOS E BEM TREINADOS, FALAREMOS COM OS CAMPONESES, OS ATRAIREMOS PARA. .. EsTE, SIM, sABE O OuE QUER. NÃO E uM AvENTuREIRO, UM ROMANnCO, uM FANFARRÃO. sIM. FIDEL CALCuLOLI BEM AS POSSIBILIDADES. SE DER í ERRADO, Só sE PERDERÃO , -, ALGUAMS POUCAS vIDAs. ,n AS NOssAs. É RRECIsO SE PREPARAR. CHALCO. UM LuGAR NA MONTANHA. ALBERTO BAYO, UM vETERANO DAs GuERRILHAs ANTIFRANGUISTAS, E o INSTRUTOR. O MELHOR DE TODOS PARA A GUERRILHA É ERNESTO GUEVARA ACABA DE SER BA1'IZADO PELA SEGUNDA VEZ. E PARA SEMPRE. DE AGORA EM DIANTE SERÁ O QFIE. TREs MESES DE MARCHAs, ARMAs, EMBOSCADAS. DE NOITE, CHuvA. NÃO HA COMIDA. SERRA ACIMA, APESAR DA ASMA E DA FOME. ERNEsTo SUPORTA TUDO, EMBORA NÃO TENHA sERvIDO O ExERCITO POR 'NÃO EsTAR APTO”.
  35. 35. Í I 'No : mao DA CAMINHADA, nv: UMA CÕLICA * ; cansam COM VÕMITOS s : :mamy "ME DERAM oeMErzoL E PERDI A MOÇÃO os Tuna. .- 1 '_ . ___. V. .-, x , . q. .,_, - _ _ _, _ . _ . v ____ _ 4 ". .. QUANDO ACORDEI ESTAVA MUITO ALMADO, MAS SUJO COMO LIM BEBÊ. ME EMPRESTARAM LIMA CALÇA, MAâ. SEM ÁGUA. DÁ PARA SENTIR MEU FEDOR A UMA LÉCVUA. ”
  36. 36. n 'PASSAMOS TODO O DIA ALL COMIGO ADORMECIDO. COCO E NATO FIZERAM UMA EXPLORAÇÃO E ENCONTRARAM UMA TRILHA NA DIREÇÃO SUL-NORTE 'Ã NorrE, ssauumos POR ELA ENQUANTO HAVIA LUA E 929045 DESCANSAII/ Os u 'RECEBEMOS A MENSAGEM NO 36, NA QUAL SE VÊ O TOTAL ISOLAMENTO EM QUE ESTAMOS! 39
  37. 37. PODE $EGLIIR VIAGEM. O5 GUERRILHEIROS SÃO AMIGOS D05 CAMPONESES. SÓ NÃO DIGA A NINGUÉM QUE ATACAREMOS SAMAIPATA. NÃO! NÃO VOU DIZER NADA A NINGUÉM! É DURO ADMITIR. MAS CHE SABE QUE O ' ^, « CAMPONÉS NÃO CUMRRIRÃ SUA PROMESSA. VELHA PARA ELE5. -III
  38. 38. ESTE DINHEIRO É PELO BODE, VOVÓ. E ESTE PARA NÃO DIZER A NINGUÉM QUE NOS ENCONTROU INDO NA DIREÇÃO DAS CAVERNAS. - , 920m0, SARGENTO! A DELAÇAO e CONSTANTE. A VAMOS PARA A6 uma_ NAS AGORA ESTÃO INDO PARA AS CAVER- NAS. .. ANDEM, PARA OS CAMI- TALVEZ CHE PREFERISSE QUE O PLANO NÃO DESSE CERTO. SE A VELHA E O CAMPONÊS DO PONCHO AO MENOS COMPREENDESSEM QUE NÃO ESTÃO DELATANDO A GUERRILHA. MAS A SI MESMOS. .. -II
  39. 39. ÁLGUJI/ IAS HORAS vem-s, A GUERRILHA nmznczprou LIM CAMINHÃO E um ômaus com ESTUDANTES. PRONTO! AO GUAR- NÃO TENHA MEDO. CRJANCAo QUE @usamos í-. .ç-ñ-F' É QUE ACONTECA ' ALGUMA 5015;: : f¡ NÃO VAI ACONTECER NADA COM VOCÊS. . l P --. =-. -_. ._--. :- ; IPI ARENAS TRÊS HOMENS DEFENDEM SAMAIPATA. SE RENDEM. BoA COLHEITA DE ARMAS, SUPRIMENTOS, REMÉDIOS, TODA A BOLÍVIA FALARIA DE como ENGANARAM 0 EXÉRCITO. MAS CHE NÃO ESTÃ CONTENTE.
  40. 40. _ .
  41. 41. à
  42. 42. g (WI OITENTA E DOIS CAMINHANDO PELA COSTA, NÃO VEMOS NADA, MAS FIDEL ESTÃ GRITANDO: 'PARA A MONTANHA! JÃ ESTAMOS EM CUBA E VENCEREMOSI' VENCER QUEM? ILUSÃO, NÃO TEMOS NEM O QUE COMER, E BATISTA COM 30 MIL SOLDADOS. OS IANGIUES DÃO TUDO PARA ELE. MAS JÃ CHEGAMOS. E FICAR AQUI É PIOR. VAMOS. TRÊS DIAS DE CAMINHADA. DORMIMOS POUCO. O ZUMBIDO DOS AVIÕES NOS PROCURANDO. FERIDAS NOS PÉS. DESCANSAMOS ESTE FOI A HILDITA QUE DESENHOU, QUANDO TINHA OITO ANOS. UM GRANDE VÔMITO. AS ONDAS FAZEM o @RA/ VMA DANÇAR. MOTOR QUEBRADO, MAIs DE OITENTA oNoE só HÁ LuGAR PARA VINTE, MEIO AFLINDADOS. ESTE E 0 DESEMBARQUE BEM ORGANIZADO, NEM SABEMOS ONDE ESTAMOS, TODOS ENJOADOS, Sô BILIS. E PRECISO VOMITÃ-LA DA MESMA FORMA.
  43. 43. x3* À: :v m ~ É 9.' D. . +22: '
  44. 44. I . " ' '/09 / ZJ ›, ' 7 . DUAS BALAs. No PEITO E No PESCOÇO. CAMILO CIENFUEGOS. MACHO. sE Topos EossEM ASSIM. .. AQUI NINGUÉM SE RENDE! MELHOR NOS RENDERMOS. SÃO MUITOS. gun. ;IIII , u, Tá_ » ' / “AW › , .M __ ' É _ A' -. :Í 53.31- ' Éh. “ Os FERIMENTOS NÃO SÃO TÃO GRAVES. CONSIGO corzrzerz. HÃ MAIS DE CINQüENTA COMPANHEIROS ALI, ' ENTRE os PES DE . CANA, Momos. o ouE SERÁ DE FIDEL?
  45. 45. A SERRA, AauI NÃO Nos ENCONTRA- RÃO NUNCA. CRESCENCIO PEREZ TRAZ VOLUNTÁRIOS CAMPONESES. TREINÁ-LOS LEVARÃ TEMPO. DIAs E DIAs FUGINDO. SEREMOS os ÚLTIMOS QUATRO? os AvIoEs DE SEMPRE, CALDO DE cANA, A úNIcA COMIDA. POR FIM, A SERRA E, sIM. ALI ESTÃO FIDEL E RAúL E OUTROS MAIs. APRESENTA A ALEGRIA. DozE No TOTAL. DOZE CONTRA 3o MIL DE BATISTA. NAscE o UNIFORME REVOLUCIONÁRIO, A BARBA. PENA ouE A MINHA SEJA TÃO ESCASSA. PARECE UM cAvANHAouE. UM MÊS E MEIO DEPOIS DO DESASTRE FIDEL É INCRÍVEL. NA COSTA, A PRIMEIRA AÇÃO. DELo cAMnqHo VEM UM CAVALEIRO BEM VESTIDO. SAI AO SEU ENCONTRO, FINGE UM GUARTEL- , › " 7 . n 'A SER CORONEL Do VAMOS ATACAR. É _ Exgpa-(a E, SIM, MEu SENHOR CORONEL. SEI DE CABEÇA os E CLAROW 540 NoMEs DOS CAMPONESES TRAIDORES GUE AJUDAM W955 @UE 05 os REBELDES. SERIA BANVIPOE BOM FUZILAR TODOS
  46. 46. O QUE VOCÊ FARIA COM ESSE FIDEL CASTRO SE Çmçuo 050m0¡ 0 PE6A55E? CAPATAZ DE uM CORTARIA O PESCOÇO DELE, MEU SENHOR LA-rIpúNmo¡ po¡ CORONEL! A PROPÓSITO, ESTà VENDO ESTES ggmgmmpo à SAPATOS? SÃO DE UM REBELDE. NÓS O Mama_ po¡ l DEGOLAMOS OUTRO çgpqumpo¡ e L PIA- E5PERNE0U FIZERAM coM QUE BA5TANTE- CONTASSE TUDO o QUE SABIA 503522 o OUARTEL. MUITOS SOLDADOS NO QUARTEL, MAS ATACAMOS ASSIM MESMO. PRECISA/ WDS DE ARMAS E BALAS. O FRIMEIRo 1,55 Do ASSALTO O FoI PARA CHICHO OSORIO,
  47. 47. QUE SE RENDA A SUA IRMÃ, FILHO DE UMA CAPELA! CHEGA! NÃO ATI- REM! DOIs MORTOS E CINCO FERIDOS ENTRE os INIMIGOS, NEM UM ARRANHÃO ENTRE os GUERRILHEIROS. o PRIMEIRO TRIuNFo CONTRA BATISTA. FIDEL INSISTE EM cuIDAR DOS FERIDOs. g4 TRABALHO PARA CHE.
  48. 48. CRESCENCIO VOLTA A TRAZER VOLUNTÁRIOS. MUITA VONTADE DE LUTAR. QUEIMARAM MINHA CABANA E LEVARAM MINHA VACA. UM EQUIPAMENTO DE CIRURGIA PARA CHE. E ALGO MAIS. . f As GAROTAS DE MANzANILLo Xi¡ BORDARAM o DIS11NTIVO DO . › «5 MOVIMENTO. EM 2a DE JU- ¡ . v CLIECAS NovAs, FErrAs . ,g NHo TINHA sIDo o ASSALTO A OUTRO COMBATE, POUCOS A A . , ~ v ^ Ã MÃO! É OI-“EM “M I; “é "^ ^^°“°^°^' = DIAS DEFoIs. O RIACHO DO V _ _ ' _ " I__ . MORTO. CINCO SOLDADOS . I. ~ _ z ' MORTOS. REFREsALIAs - 5 0- ~ ^ A _ v DO ExERCrTo CONTRA os 'I - " . . - ' CAMFoNEsEs FOR AJUDAREM « . os REBELDES. CABANAS EM CHAMAS, Io MIL FELA CABEÇA DE FIDEL. AVIÕES, FOME, HÃ DEsERCOEs NA CuERRILHA, TuDO E DIFICIL. CHE SE ATRASA. É DERRUBADO PELA MALÃRIA. UM CAMPONÊS, ACOSTA, CUIDA DELE. QUANDO FICA BOM, O HOMEM PEDE ALGO EM TROCA: 'SOU APENAS UM CAMPONÊS E TENHO 45 ANOS. VOCÊ ME ENSINA A LER? ” ACOSTA É O PRIMEIRO ALUNO DO CHE NA SERRA, O PRIMEIRO DE MUITOS. MAS ISSO DURA POUCO, O EXÉRCITO SURPREENDE O ACAMPAMENTO, UMA GRANADA DESTROCA O BAIXO VENTRE DELE. O CAMFONEs MORRE NOS BRAcos DE CHE. ALGUMAS MORTES sAo MAIS DOLORIDAS. ANDA! OU EU TE TIRO DAI A PONTAPÉS! CoNTATos COM A CIDADE. FRANK FAIs, o LIDER OPERÃRIO. uM APOIO MORAL. AFARECE HERBERT MATTHEWS. CORREsFONDEN- TE DO NEW YORK 774155, o MUNDO INTEIRO DEvE sABER O ouE ACONTECE EM CUBA, CoNnNuAM os DIAS RUINS, PRECISAMOS DE REFoRCos. sEMFRE EM MOvwENTo. O ExERCrTo E os AVIÕES. A AsMA voLTA A ATACAR. OUTRO CAMPONÊS, CRESPO, FICA COM ELE. '/ /,= -" Os DEz DIAS MAIS TRIsTEs DE CHE NA sERRA.
  49. 49. ENFIM. os nerorzcos. AGORA somos OITENTA, MAS É PRECI5O TREINÃ-LOS. NAS cAsAs ou saum cus VOLTA à MEVICINA. NUNCA HÁ LIM MÉDICO POR AQUI. T0005 OS MALES DA MISÉRIA. ACABAR COM TUDO ISTO¡ LUTAR MAIS DO QUE NUNCA. SOLDADO DE INFANTARIA E MÉDICO. QUANDO É PRECI$O CLIMPRIR LIMA MISSÃO PERIGOÉA NÃO ESPERA QUE LHE PEÇAM. EM UVERO, onze ¡nwnoos MORTOE, CATORZE FERJDOS, comu sm BAIXAS NOSSAS. TRIUNFO VALIOSO. cus FEZ os mao, ro¡ CHEFE oo EETADO-MAIOR. .. CONFlAM A RETAGMRDA A ELE. cmco es: . . RILHEIROS. vezes-seus RECRUTAS. TREIFNA-'Eooã pÊTâÊÍüÊÊo. CHEFE, CIRURGIÃO. DENTISTA. O QUE VAMOE FAZER? ABRA A BOCA¡ AMIGO. NÃO SEJA CAMINHADA LouourssrMA ATÉ , ALCANÇAR os oumos. o sxéncrro, .c os AVIÕES. NÃO PODEMOS PARAR. Í' 'A ESTUFA o PEITO. AGORA, sm É UM pass. nao IMPORTA aus 52.14 VISTO »wa como / Anoemmo e COMBA- 'J , _7 TENTE voou¡ como É manso ENVIAR LIMA SAUDAÇÃO 4 A FRANK para, o GRANDE onmaeme. 1 o : ovos ASSINARÃO. v “É o cus? oué rruLo W 'A msmo? MÉDICO? _ MÉDICO, JÁ rem SUA ~ L 7- 'o', COLUNA. 551mm E › . cmco HOMENS.
  50. 50. A COLUNA DE CHE FAZ SUA PRIMEIRA INCLIRSÃO EM BLIEYCFTO, UM POVOADO OCUPADO PELOS SOLDADOS.
  51. 51. O GARAND DO SOLDADO FUNCIONA, MAS NENHUMA BALA ATINGE O ALVO. OS TIROS DEFLAGRAM O ATAQUE. EM POUCOS MINUTOS O BUEYCITO É NOSSO. ALVOROÇO ENTRE OS CAMPONESES. NUNCA IMAGINEI TANTA CERVEJA. De VOLTA A se¡ ou¡ NÃO FIZ NADA ALÉM DE MOSTRAR MONTANM o mesmo, MAs, MESMO ASSIM ME wma A5 , mms Dou ESTA BROWNING como PRÊMIO. cgNngçApgg A THOMPSON NÃO ME ENGANA DE AcoRDo coM M45- OS MÉRITOS DE PODE IR TRANGüI- LA, VOVÓ. SE AGüENTOU ATÉ AGORA. .. A GUERRILHA CRESCE. A MONTANHA É SUA. CHE ORGANIZA UM HOSPITAL. TEM ATÉ RAIO X. TODA A POPULAÇÃO DA REGIÃO O PROCURA. Os TRIUNFOS DA GUERRILHA ATINGEM BATISTA. A RETALIAÇÃO ê AINDA MAIs FEROZ. FRANK DAís ê ASSASSINADO EM PLENA RUA. MUITAS CABANAS EM CHAMAS. MAs os CAMPONESES DESAERIGADOS ADEREM À GUERRILHA. o MORAL Do EXÉRCITO cAI, NINGUÉM ousa IR PARA A VANGUARDA. SABE QUE VAI LEVAR BALA. ÚORME EM PÉ, É PRECISO INSTRUIR OS RECRUTAS. NÃO, UM GUERRILHEIRO NÃO PODE SER ANALFABETO.
  52. 52. AINDA POR CIMA, FIDEL TEM UMA IDÉIA: ACHA QUE PRECISA DE UM JORNAL. ; v--t r EIJ, UM . r I JORNAL? E COM -' V , L MoNTou uMA ESCOLA “ Quê? ._ _ E uM HOSPITAL. .. vAI . › ~~ ME DIzER QUE NÃO CONSEGUE FAZER uM NAscE AssIM o EL wIEAA/ o uERE. A REDA- CÃO E LIMA cAIaA- NA. A RoTATIvA, uM MIMEÓGRAFO. A REvoLucAo sE EXPANDE, o REGIME vAcILA. ENTRA No AR A RADIo REBELDE. ' uMA GREVE GERAL MAL ORGANIZADA O EXÉRCITO, PARA A SERRA. .. DOZE MIL HOMENS BEM ARMADOS! CACAREMOS OS BANDIDOS EM SUAS PRÓPRIAS CAVERNAS! TREZE coLuNAs ATACAM o ALTo DA sERRA. MINAs, _ ARMADILHAS, EMBOSCADAS, . ATRAs DE cADA ROCHA LIM FLIZIL. ;? . A GUERRILHA ATACA, RETRocEDE, E AcossADA PELOS AvIoEs. REARAREcE auANDo AcREDrrAM auE FOI vARRIDA. o AVANCO CONTINUA. TANQUES, ARIMS AuToMATIcAs, BAZUCAS E NAPALM.
  53. 53. A GUERRILHA ESTÃ CADA VEz MAIs uNIDA. o ExERCrro TEM MLIITAs BAIXAS. As ARMAs MuDAM DE MAos. ACoRA sao EAzucAs CONTRA TANouEs, E A sERRA E RArs INIMIGO. CADA CAMPONÊS E uM REBELDE, E IMRossrVEL LuTAR AssIM. DEPOIS DE DoIs MEsEs, o REcuo E CERAL. A GUERRILHA sAI VENCEDORA, MAIS uNIDA Do oLIE NuNCA. MAS É PRECISO DESCER DA SERRA. SE PUDÉSSEMOS NOS JUNTAR AO CORPO DOIS, AS FAVELAS. IRÃO DUAS COLUNAS. UMA PELO CENTRO, COM CAMILO CIENFUEGOS, E OUTRA PELA COSTA, COM CHE GUEVARA. Ôwcfoem vç um. YUNNS COL. 2 'ANTONIO MACEO", COMANDADA POR CAMILO CIENFUEGOS _______ COL. B "CIRO REDONDO”, COMANDADA POR CHE GUEVARA "ñ uma” e) CümAGdml Jo 5143mb Rebelde PRINCIPAIS AÇÕES Sho. v¡ : uns , . BOMBARDEIOS INIMIGOS
  54. 54. ÕENTO E CINOUENTA HOMENS, JIPES, EQUIPAMENTOS E ARMAS NOVAS. MAS O CAMINHO É MUITO LONGO. UM MÊS CONVIVENDO COM OS P-47 E OS 8-26. OS PIORES SÃO OS P-47. APARECEM TÃO DE REPENTE. .. FOME, LAMA, CHuvA. NEM os ANIMAIs MERECEM IsTo. POR FIM, As FAVELAS, - o CoRRo DoIs. CHE E AGORA o COMANDANTE DAs DuAs EoRCAs, MAs E DRECIso NEGOCIAR coM ouTRo-s < GRUPOS QUE sE LEVANTARAM CoNTRA BATISTA. LIBERAIS, coNsERVADoREs. . NÃO, os COMUNISTAS, NÃO. NEGOCIA- -›~. «. " ções CHEIAS DE ERICAs, MAs CHEGA- - - sE A UNIDADE. ' v¡ CAEM OS POVOADOS. OS GOVERNISTAS RESISTIRÃO EM SANTA CLARA, $ÃO ATACADOS DURANTE A MARCHA.
  55. 55. COMPLEXO. CAEM A UNIVERSIDADE, AS OBRAS PÚBLICAS. UM TREM BLINDADO COM REFORCOS, CHOVEM OS MOLOTOV, ASSALTO FURIOSO. ACABA DESCARRILANDO, BANDEIRA BRANCA. OS TANOUES GOVERNISTAS. ., SÓ ALGUNS FOCOS GOVERNISTAS AINDA RESISTEM. O PRÓPRIO CHE INTIMA A RENDICÃO AO CORONEL CASILLAS, O COMANDANTE GOVERNISTA, VEIO SE RENDER? SAIBA QUE TENHO ARMAS DE E GENTE PARA ATIRAR COM ELAS? QUEM VAI SE RENDER É O SENHOR. - SÃO BLOQUEADOS. CARROS E CAMINHÕES, MUITA GASOLINA, JÃ FORA DE COMBATE. SANTA CLARA NAS MÃOS DOS REBELDES. CHEGAM OS 8-26, SUAS BOMBAS ARRASA-QUARTEIRÃO, ACABAM COM TUDO. MORTOS E FERIDOS, MORTOS E FERIDOS. NAo SE ENTENDEM. CHE sE REINTECRA A LUTA. A cAsILLAs, REsTA A DaVIDA.
  56. 56. E ENTÃO? ALGUMA NOTICIA DE HAVANA? SIM, SENHOR. E MUITO RUIM. ACABO DE OUVIR NO RÁDIO. .. O PRESIDENTE ABANDONOU 0 PAÍS. SIM, BATISTA sE FOI. E o FIM DA REsIsTENCIA GOVERNISTA. ALI MEsMo, CAsILLAs DECIDE FUGIR. NÃO VAI LONGE. uMA EALA REBELDE INTERRoMDE suA TENTATIVA DE FUGA. A RESISTÊNCIA EM SANTA CLARA CHEGA AO FIM. GRUPOS GOVERNISTAS SE RENDEM A CHE. TAMANHA É A ALEGRIA DA VITÓRIA QUE NEM SENTE A DOR DO BRAÇO FRATURADO AO PULAR DE UM TELHADO DURANTE A LUTA. TRIUNFO TOTAL, HAVANA SE OFERECE AOS VENCEDORES. RISOS, LÃGRIMAS, ROUCOS DE TANTO GRITAR, TODA A RUA É UM LOUCO ABRAÇO APERTADO. É PRECISO FAZER PLANOS, TANTAS COISAS A ATENDER E RECONSTRUIR. COMEÇAREMOS DO ZERO, MAS PRIMEIRO UM BOM BANHO.
  57. 57. A RevoLucAo se AHRMA. PROBLEMAS DE TODOS OS TIPOS. As COISAS vAo ACONTECENDO. PAREDÃO RARA os aue MAssAcRARAM ESTUDANTES E OPERÃRIOS. É DIFICIL MUDAR ATÉ A ÚLTIMA ENGRENAGEM. MAS É PRECISO FAZÊ-LO. O MUNDO INTEIRO ESTÃ OLHANDO. SÃO TODOS FAMOSOS. A MÃE DE CHE ESTÃ EM HAVANA. _ "=33?; ,r«-a_»1.~~ , LÁ *à* PROBLEMAS FAMILIARES. CHE NÃO ESTÃ MAIS COM HILDA GADEA. SUA COMPANHEIRA AGORA É ALEIDA MARCH. DEPOIS QUE ELA ENTROU PARA A GUERRILHA, NÃO SE SEPARARAM MAIS. ESTÃO DECIDIDOS A SE CASAR. CHE CUIDARÂ DE HILDA E DE HILDTTA, SUA FILHA. FIDEL CASTRO VIAJA PARA OS ESTADOS UNIDOS. A REVOLUÇÃO “' ' AINDA E ACLAMADA COMO LIM GRANDE TRIUNFO DA DEMOCRACIA. 'JW - __ ; '- 4 7:7; k l l . - s' -- à 'O' r A ____I A MAs A REFORMA AGRARIA. Muwo AUDACIOS , "i5 coMecA A INCOMODAR As GRANDES eMRResAs. *e* 2 NO DIA 2 oe JUNHO, CHE e ALEIDA se cAsAM. -i Cne INFLUENCIA FIDEL. INSISTE SEMPRE NA TESE oA RevoLuçAo ! my ' O PROFUNDA. HÁ MUITA OPOSIÇÃO. NÃO, RAPAZ, NÃO SE PODE IR TÃO _ › - 4' LONGE. sIM RAPAZ, UMA VIAGENZINHA PELA euRoRA e PELA ASIA me FARÁ sem. ¡WI/ K ' NAsseR, Trro, NEHRLI. os GRANDES nomes oo TERCEIRO 60
  58. 58. COMO os PAIses PeaueNos coNseOueM SOBREVIVER ENTRE ooIs BLOCOS COLOSSAIS? JAPÃO, ' - A CHAGA PeseRTA oe HIROSHIMA. z* INDIA. .. CEILÃO, PAQuIsTAo, os -v PAIses oe KIPLING e SALGARI. TAO DIFERENTES, TANTA RevoLucAo AINDA PoR FAZER. .. W ' É O PRIMEIRO BANQUEIRO oo MUNDO De voLTA A HAVANA. › . . CHE É Ogum” po¡ LE¡ f¡ . A TRABALHAR oe PARDA. .. CUBANO ve NAscIMeNTO. J FIDEL o NoMeIA DIRETOR DO DEPARTAMENTO oe INDUSTRIALIZAÇÃO DO INsTITuTo NACIONAL oe RePoRMA AGRARIA, NÃO. MELHOR. PResIoeNTe oo BANCO NACIONAL oe CUBA. E COM A METRALHADORA AO LADO. A CARA QUE FAZEM OS REPRESENTANTES EUROPEUS DOS GRANDES BANCOS. .. PRECISA ASSINAR AS NOTAS. ESCREVE 'CHÊ', NADA MAIS.
  59. 59. BEBE MATE NO ESCRTTÓRIO, NÃO UISQUE, MAS E O NMIS ORGANIZADO DOS BANQUEIROS. TRABALHO BEM-FEITO E SEMPRE EM DIA, NUNCA DEIXA UM PRO- BLEMA SEM RESOLVER. O BANCO É UM RELÓGIO. ENQUANTO ISSO. OS PROBLEMAS COM OS ESTADOS UNIDOS VÃO PIORANDO. SE AS EMPRESAS NÃO QUEREM REFINAR O PETRÓLEO QUE COMPRAMOS, NÓS AS EXPROPRIAREMOS! OS ESTADOS UNIDOS NÃO QUEREM VENDER PETRÓLEO. É A DESFORRA DAS GRANDES EMPRESAS FRUTICULTORAS POR CAUSA DA REFORMA AGRARIA. MIKOYAN OFERECE UMA GRANDE QUANTIDADE DE PETRÓLEO RUSSO, MAS ENTÃO AS REFINARIAS NORTE-AMERICANAS SE NEGAM A REFINÃ-LO. É PRECISO EXPROPRIAR. 62
  60. 60. CHE LUTA PARA RENOVAR A ECONOMIA . GANHAM o Rggpafo DO “EMA- É PRECISO 'N°“9m'^'-'Z^”~ _ v -T ADVERSÃRIO. A T/ ME LHE DEDICA A5 MATERIA5'_PRIMA5 VALEM CADA VEZ , !r UM NÚMEQD¡ “FIDEL É o CORAÇÃO MENOS, AS MAQUINAS, CADA VEZ MAIS. :' -'. É QA REVOLUÇÃO CUBANA_ pAúL E O DRAMA DE TODA A AMERICA LATINA. _ > _ ' 5451120 É o puNua CHg gua/ AQ¡ ' ' E 0 CÉREBRO". A RUPTURA COM OS ESTADOS UNIDOS Ê TOTAL. ANTES HERÓIS, AGORA SUPERVILÕES. CHE NÃO DESCANSA, O BLOQUEIO ECONÔMICO TRAZ MUITOS PROBLEMAS. CUBA SEGUIRÃ EM FRENTE, SÓ UMA INVASÃO PODERIA FREA-LA. MARTINEZ ESTRADAI O JÃ VELHO ENSAISTA ARGENTINO, VISITA CHE. (OUCO UM HOMEM DE GRANDE SINCERIDADE, SIMPLES E TRANSPARENTE, QUE CATIVA POR SUA ENTREGA E QUE INSPIRA SEGU- CGUEVARA ESQUECEU O QUANTO APRENDEU E SABE, E VIVE DE NOVO UMA VIDA QUE NÃO LHE PERTENCE. ESPERO QUE EU POSSA FAZER O MESMO. CHE GUEVARA É COMO O CHAMA O POVO QUE IGNORA QUE, EM GUARANI, A EXPRESSÃO SIGNIFICA MEU GUEVARA. .. É DO POVO, EFETIVAMENTEI E SE RECUPEROU ENTREGANDO-SE
  61. 61. "AggM N05 pgâpa- í 1 * 1 17 oe ABRIL oe 1961. CHEGA A TEMIDA INVASÃO. MILHARES oe ANncAsTRIsTAs TREINADOS “M05 MAs NÃO N05 , ~_ . _ _ _AI e EQUIPADOS PeLOs ESTADOS UNIDOS. A BAIA vos PORCOS. PRAIA GIRON. NO uLTIMO SEPAMM_ 9,50: EM ; . :A - I MoMeNTO, O ARREPENDIDO I<eNNew RETIRA O APOIO DA FORCA AeReA. OS INvAsORes são suAs MÃOS HÁ MurrAs ' ' * J TL' , _ . _ ? É ; ^“"^5^°°5' “m” VIDASETAMBÉMVOCÉ i. '- L' * " ' ' ESTÃ eM OUTRAS MÃOS. As MAOs oo BOM oeus, A OueM seRveM CONSCIENTEMENTE Ou NAO, os Oue COMBATEM CHE TOMA CONTA DA CONFERÊNCIA. TRAz A VERDADE. Os DEMAIS, O cOMPROMIsso. esTAO RENDIDOS AO TODO-PODEROSO SENHOR DO NORTE. DIANTE DE CHE, ESTÃ SENTADO o RePReseNTANTe ARGeNTINO -- r ¡ DA vez. APesAR oo RosTO DIFERENTE, po¡ MAI_ cALcuLApo, , _ “ - '- E 0 MESMO DE SEMPRE. APOsTARAM NA IMPoPuLARIOAPe oe FIDEL. EQUIVOCARAM-SE COMPLETAMENTE. A vrrORIA PResTIGIA A RevOLucAO. KENNEDY RecuA. AGORA FALA oe ALIANÇA PARA O PROGRessO. A ReuNIAO SERÁ eM PuNTA DEL esTe, NO uRuGuAI. cue GuevARA RePReseNTA CUBA.
  62. 62. OS DOIS FRENTE A FRENTE. NENHUM DELES VEIO DO POVO. MAS UM SOUBE IR ATÉ A RAIZ DA MISÉRIA E DO BRACINHO FINO. DEFENDE OS MILHÕES DE WTIMAS DO PIOLHO E DA FOME. O OUTRO, TÃO LIMPO, DECENTE E EUROPEU, DEFENDE O LUCRO ETERNO. TALVEZ ALGUM DIA JÃ TENHA VISLUMBRADO A VERDADE EM SEUS MUITOS LIVROS, MAS A VIDA É TÃO BOA, TRANQUILA ÂS IO DA MANHÃ DE 18 DE AGOSTO DE I96I, CHE ATERRISSA NO AEROPORTO DE DON TORCUATO. UMA PEQUENA COMITIVA O RECEBE. VÃO PARA O PALÁCIO PRESIDENCIAL, EM OLIVOS. KeNNew OueR esOueGeR O OCORRIDO NA sArA aos PORCOS, POoeRIA se ENTENDER COM CUBA. POR Oue NÃO? FRONDIZI, O PRESIDENTE ARGeNTINO, e O INTERMEDIÃRIO ADEQUADO. FRONDIZI e CHE CONVERSARÃO eM SEGREDO. OS MILITARes NÃO PODEM SABER. FALAM DE MÉDICO PARA MÉDICO, VÃO SE ENTENDENDO APESAR DAS DISCREPÂNCIAS PROFUNDAS. SIM, O ACORDO COM KENNEDY É POSSIVEL. O TEMPO ACABOU, ELE PRECISA IR. MAS ANTES UM BOM BIFE A CAVALO E UMA RÁPIDA VISITA A LIMA TIA ENFERMA EM SAN ISIDRO. EM SEGUIDA, PARTE PARA O BRASIL, PARA RECEBER UMA CONDECORACÃO DO _Í , PResIveNTe JÃNIO OuAOROs. QUADROS CAIRÃ UMA SEMANA DEPOIS. HÃ MUITAS FORÇAS SINISTRAS AO SEU REDOR. FRONDIZI TAMBÉM CAMBALEIA. UM DESAFIO A MAIS ENTRE OS TANTOS QUE ENCONTRARÃ PELA FRENTE. AQUELES - , QUE TÊM O PODER NÃO QUEREM ENTENDER SUA POLÍTICA. OU A ENTENDEM BEM DEMAIS, E POR ISSO A DESTROEM. OS ETERNOS PODEROSOS DA ARGENTINA, SEM PODER E SEMPRE COLONIZADOS.
  63. 63. O ACORDO NUNCA SERÁ CONCLLIIDO. CRESCEM O ÔDIO E AS PRESSÕES DE TODO TIPO. HA MÍSSEIS RUSSOS EM CUBA, PRONTOS PARA DESTRUIR WASHINGTON! O MUNDO SE ENCOLHE. É O MEDO DA GUERRA NUCLEAR. KENNEDY "EM SEU MELHOR MOMENTO”. A RÚSSIA RETIRA OS MISSEIS SEM CONSULTAR CASTRO. LOGO FICA CLARO, CUBA É APENAS UM PEÃO NO GRANDE TABULEIRO DE XADREZ MUNDIAL. . a ' t__ Q . a T __4.›a_ ugwr. nui'i' ' OUTRA VIAGEM DE CHE PELO TERCEIRO MUNDO. A DESILUSÃO CRESCE, A RÚSSIA ERGUE UM IMPÉRIO DISFARCADO DE COMUNISMO INTERNACIONAL. MAO TAMBÉM ENTRA NO JOGO, E O XADREZ E O LUCRO PERSISTEM, APESAR DO PIOLHO E DA FOME. ASSEDIADA POR TODOS OS LADOS, COM AJUDA RESTRITA OU QUASE NENHUMA, CUBA ESTÃ EM CRISE ECONÔMICA. CHE VAI COMPREENDENDO, AQUELES QUE REDUZIRAM TUDO AO FATOR ECONÔMICO. .. (›(› f III¡ r 'V' ' f
  64. 64. ESTAVAM ERRADOS. A VERDADEIRA REVOLUÇÃO SÓ SE FAZ DENTRO DO HOMEM. ABAIXO O HOMEM LOBO, O DEVORADOR DO PROXIMO, JÃ É TEMPO DO HOMEM NOVO. O QUE TRABALHA E SE NEM MOSCOU NEM MAO. AINDA QUE ALIADOS A ELES, É PRECISO ABRIR NOVAS FRENTES. MAS PARA ISSO SERIA PRECISO UM LÍDER EXPERIENTE E DE GRANDE PRESTÍGIO. QUAL OUTRO? EU, O MAIS ADEQUADO. MAS. .. E ALEIDA, HILDITA E AS OUTRAS CRIANÇAS, ALEIDITA, CAMILO, CELIA, ERNESTITO? E A POSIÇÃO DE HERÓI NACIONAL E O DIREITO AO REPOUSO TRANQLIILO QUE CONQUISTEI? PODER LER, OUVIR MUSICA, TER O RESPEITO DE TODOS? JOGAR TUDO FORA, PARA ME DEDICAR DE NOVO Ã GUERRA, Ã FOME, Ã FADIGA, Ã FERIDA? DEDICA EM BUSCA DE RECOM- PENSAS MORAIS. SIM, A REVOLUÇÃO COMEÇA DENTRO DE CADA UM. “SE CADA UM LIMPAR SUA CALÇADA, A CIDADE TODA BRILHARÃ. ” ELES ENTENDERÃO? O VERDADEIRO REVOLUCIONÃRIO, GUIADO POR GRANDES SENTIMENTOS DE AMOR. .. TODOS OS DIAS É PRECISO _ LUTAR PARA QUE ESSE AMOR Ã HUMANIDADE VIVA E SE TRANSFOR- ME EM FATOS CONCRETOS, EM ATOS QUE SIRVAM DE EXEMPLO DE ' MOBILIZAÇÃO. .. O REVOLUCIONÃRIO SE CONSOME NESSA ATIVIDADE ININTERRUPTA QUE NÃO TEM OUTRO FIM A NÃO SER A MORTE, A MENOS QUE A REVOLUÇÃO SEJA VITORIOSA EM ESCALA MUNDIAL. l . Í r -› . Íãí9'7i~ , .a-; Jg 1' O HOMEM NOVO. ; TQUE CADA UM LIMPE SUA CALÇADA. .." ESTÃ DECIDIDO. VAI COMEÇAR TUDO DE NOVO. PRECISA SE AFASTAR. DURANTE SABE-SE LÃ QUANTO TEMPO SUA FAMILIA NÃO TERÁ NOTICIAS DELE. MANDA UMA CARTA DE DESPEDIDA Ã MÃE, QUE ESTÃ MORRENDO DE CÂNCER EM BUENOS AIRES. ESCREVE AOS AMIGOS E ENTREGA UMA CARTA DE RENÚNCIA PARA FIDEL. (17
  65. 65. DesPeoe-se aos FILHOS. x _T-_í-"í" í_J-'; ›_' . ._ 7o Iara. : . . _. ._. __. _ _ " ' . l6LJ4az'7_d~. '«¡~. mB-› . m -wvücm. . . _ . _.. _ _ _M_ 3 ' " ____-___-. Ís~ HM. Lo. . 1440. 0,_. ma4- __. __: @IM-can . v_ ' Quemoos HILDITA. ALEIDITA. CAMILO. e' CELIA e eRNesTo: x: se ALGUMA vez 11VEREM oe LER 'I : A ESTA CARTA, sem porzoue NÃO ESTA- R REI enme voces. -' auAse NÃO se LEMBRARÃO oe MIM _ e os MENORES NÃO TERÃO NENHUMA . A , ; LEMBRANÇA. «ê seu PAI eo¡ uM HOMEM oue AGIA oe ACORDO coM seus PENSAMENTOS e. _ CLARO, eo¡ LEAL A suAs convncçoes. _ « 3 azescAM como sons REVOLUCIO- - umas. ESTUOEM Murro PARA DOMI- ' › NAR A TÉCNICA aue PERMITE DOMINAR _ I A NATUREZA. LEMBREM-SE oe aue A REVOLUÇÃO e o oue IMPORTA e oue - cAoA uM oe nos, sozmuo, NÃO VALE ' _ NADA. soeszewoo, SEJAM SEMPRE cAPAzes oe sem): NO seu MAIS _ _ a moeuuvo ser: QUALQUER | NJUST1CA E . COMETIDA CONTRA QUALQUER PESSOA E w eM QUALQUER PARTE oo MUNDO. e A A - QUALIDADE MAIS LINDA ne uM REVOLU- I : CIONÁRIO. *. - ' ATÉ SEMPRE. FILHINHOS. ESPERO v " o e VÊ-LOS AINDA. uM seua GRANDE e LIM IA _ . À GRANDE ABRAÇO oo ¡ . PAPAI
  66. 66. O LUGAR IDEAL PARA REINICIAR A AÇÃO REVOLUCIONÃRIA ERA O CONGO. CHE VAI PARA LÃ EM SEGREDO ABSOLUTO, PARA ORGANIZAR A GUERRILHA CONTRA OS MERCENÃRIOS PAGOS PELAS POTÊNCIAS COLONIAIS. GUERRA ESTRANHA, CRUEL, O VENCEDOR DEVORA O CORAÇÃO DO VENCIDO. MAS A GUERRILHA CUBANA NO CONGO INTERFERE NO GRANDE JOGO DE XADREZ. MOSCOU PRESSIONA CASTRO. CHE E SEUS GUERRILHEIROS CUBANOS DEVEM SE RETIRAR DO PAIS. _y , ñêãkãqgái , . -1 'C41 «a 4-5 -n ' _ñggg-gü--nãa s i1' v4.4' . -Ê; ÂÀ. .J'“"'ÀÉ'Ç-ÍL-Ém I' -c . (4 " ' ›' . asim """ "-'. 'á"1-*"" E' qr. .- *T*”'*-*1-: --'-_ $513; QE A ÁFRICA NÃO É POSSIVEL, ENTÃO A AMÉRICA LATINA. COM A BARBA FEITA ÓCULOS E DOCUMENTOS FALSOS, CHE VISITA O BRASIL, O URUGUAI E A ARGENTINA. ATÉ PASSA UNS DIAS EM ALTA GRACIA. QUANTAS LEMBRANÇAS. MAS O MELHOR LUGAR PARA COMEÇAR É O SUL DA BOLÍVIA, QUASE DESPOVOADO E SELVAGEM. COM IOO MIL DÓLARES ADQUIRE ARMAS. EQUIPAMENTOS, PROVISÕES E UM SÍTIO EM NANCAHUAZÚ PARA SERVIR DE BASE. COMPRA ATÉ DOIS JIPES TOYOTA. 6*)
  67. 67. I â. . . m. : . a.". “.. ... “.n. “.“. x.x 3.. ... . . .. ._. ... ... ... ... ... ... .m. .. . a . ... .. ... É.. _.. ... ... w.. .m. .w. ..“. ... . . ..Z 2.. .. r. . . ... ... .. . ... ... ... ... ... ... . . ... ... ... «. . ... ... ... ... ... ... ... ... ~. . xanax. 2.. ... .. ... ..“. ... ... . . .u. Ê.. u.x. u.n. ..w. ..n. . . _. ... .._. v.. ... ... .. Z . . 3.. . . .. ... ... ... ... ... . . . 2.. .!. .. . ..a . ... ... .. . ana. ? a . . . 4.3". " ". “.N_“. «.“. “. . ... ... ... ... . . . . . c. .. . IAízaeoAuogivgsomemegs s 7 = " À em A A u Z . u» . . . . . _ . Z . . . .. ... ... .". ... ... . . .Z f. . “ . .. . . . a. . anna. .. . . . ._ . é . . . . .. .n. . . É . . . . . . . . .. . . .. .. . . .“. ".. .._m. ._. ... . . . . . . ... ... ... ... . . .. . . . ..z . . . .. z . .35. . . na. ..? . __ . r «za-a. .. -vaàuq-¡sxçhs-_añ-m_ m. m_ M. . m , n sl y I. ,:.1«›4x. « . .. . lwlínnxvuwãmnu¡ . R. . . .A ; Wu ruumaÚaW. hmüwruf.
  68. 68. JÂ É IMPOSSÍVEL ESCONDER ALGUMA COISA. SOLDADOS POR TODA PARTE, OS PRIMEIROS TIROS. É MUITO CEDO. NÃO ESTÃO PREPARADOS, MAS A SORTE ESTÃ LANÇADA, A GUERRILHA ESTÃ EM MARCHA. EM 20 DE MARÇO CHEGA O ESCRITOR FRANCÊS DEBRAY. SEU PROPÓSITO É TRANSMI11R DA SELVA PARA A EUROPA. MAS FALTA O TRANSMISSOR. UEBRAY É PRESO AO TENTAR SAIR DA REGIÃO. O EXÉRCITO APARECE POR TODOS OS LADOS, UNIDADES TREINADAS, OS %NGE%. OS CAMPONESES NÃO AJUDAM, SEMPRE TÃO ALIENADOS. .. CHE SABE QUE AS POSSIBILIDADES DE VENCER SÃO REMOTAS. MAS NÃO VACILA. LUTA PELO HOMEM NOVO ATÉ O SACRIFÍCIO FINAL. 71
  69. 69. 'CUMPRIRAM-SE OS ONZE PRIMEIROS MESES DE NOSSA EMPREITADA GUERRILHEIRA, SEM COMPLICAÇÕES, BUCOLICAMENTE. ..” QUIETINHA, VOVÓ, NÃO LHE FAREMOS NADA. LIMA VELHA, PASTOREANDO SEUS BODES, ENTROU NO NOSSO ACAMPAMENTO E FOI PRECISO PRENDE-LA. ” NÃO SEI DE NADA. .. NÃO. NÃO VI NENHUM SOLDADO, NÃO SEI DE “NAo ouen FALAR. só o¡ INDICAÇÕES A ~ soevze AS TRILHAS. ESTAMOS APROXIMA- DAMENTE A uMA LÉGUA oe LA HIGUERA e A oumA oe JAGCIEY. ..'
  70. 70. TOME, VOVÓ. CINQLIENTA NÃO DIGA NADA A NINGUÉM, 'PoucAs sAo As ESPERANCAS oe aue CUMPRA A PALAVRA. APESAR DAS PROMESSAS. " "SAwos os oezessere, coM uMA LUA MUITO PRACA. A MARCHA eo¡ BASTANTE CANSATIVA e DEIXOU MUITOS memos. .. As 2 PARAMOS PARA DESCANSAR, PORQUE ERA ¡núnL CONTINUAR AVANÇANDO. ..' FecHA o uma. APAGA A LANTERNA. PODERIA 7 CONTINUAR escnevenvo LIM Pouco MAIS. A MORTE ' SE AVIZINHA, ESTAMOS CERCADOS, MAS NÃO. - 1 _ nao consuoo escszeverz DÚVIDAS neM DESALENTOS. a . I SE UM COMPANHEIRO LÊ ISSO. .. É CRUEL E INúTIL MOSTRAR oue o FIM e cemo.
  71. 71. Ounzos AMANHÃS? NOVAS ENTRADAS no DIÁRIO? UM COMPANHEIRO MONTA GUARDA- OLHAR A NOITE COM ELE, TANTA ESTRELA, A ÃGUA INFANTIL E ETERNA REZANDO NAS PEDRAS NO RIACHO. ÀLGUNS COMPANHEIROS DORMEM MAL. ESTE AQUI VAI SE RESFRIAR, PRECISA LEVANTAR A MANTA ATÉ EM CIMA. HILDITA SEMPRE SE DESCOBRIA. HILDITA. .. OS SOLDADOS DO GOVERNO TAMBEM DEVEM ESTAR DORMINDO, TALVEZ BEM PRÓXIMOS. OS SOLDADINHOS INOCENTES, APESAR DO FUZIL QUE EMPUNHAM. TERIA QUE ATIRAR EM OUTROS, NÃO NELES.
  72. 72. OS COMPANHEIROS. CADA UM APOSTOU TUDO O QUE TINHA. PERDERAM TODOS. MAS SERÃ QUE I PERDERAM MESMO? DE QUALQUER FORMA, _ AINDA QUE NÃO VIESSEM, ESTARIAM PERDIDOS. 4 POR ACASO LUTAR E MORRER POR ALGUMA COISA É PIOR DO QUE VIVER UMA VIDA LONGA, VAZIA E FRUSTRADA? V. ” v1' . .- - . - . › e r; -r~+_+= v CADA COMPANHEIRO UM MUNDO. UMA INFÂNCIA, UM PROTESTO, E . JÃ UMA MORTE SOLITÃRIA EM UM BARRANCO QUALQUER. NÃO. NÃO PERDERAM. MORRER POR ALGUMA COISA NUNCA É UMA BATALHA EM VÃO. ASSIM COMO NÃO FOI EM VÃO AQUELA MORTE NA CRUZ DOS ESCRAVOS, HÁ DOIS MIL ANOS. “ SIM. SENHOR, AI MesMo. 4': nA QUEBRADA no YLIRO. DEVEM ESTAR POR LA I __> -A A VELHA DAS CABRAS FALA coM VICTOR. uM vnznnuo. vrcroa come ATÉ o PosTo MILITAR. o exenaro PAGA BEM.
  73. 73. , o POR AQUI TAMBÉM NÃO. .. V . ' D' 7 DO PRECISAMOS METER ? EÍOÊWQE/ Çopãfzywpgôomw ESTÃO POR TODOS os 'I - _ BALA. ouAnvo APARE- ENTRA coM seus ; wwe/ a 'ç , ' › s v _J . . ' no vuno. JÁ PASSA -e I' ' ' DA 1 DA TARDE.
  74. 74. CERCADOS. TRÊS HORAS DE TIROTEIO, E OS SOLDADOS CADA VEZ MAIS PERTO. APRENDERAM A LUTAR. OS SOLDADINHOS. SE COBREM. . RECUAR MAIS uM pouco. CHE e WILLY sAo os MAIS ADIANTADOS. ME ACERTARAM. .. AS PERNAS.
  75. 75. II - os. xtf: ¡1:›. -r›- zu: .. zu : z-¡z-, uv-aqazaaax-; Lux oa-ufaenzuu "' q
  76. 76. .g3 "-'y. rsv“"“ : :e -rozmaaçvr- ú aum' “zaga-xa- e* O I I; . c›. .!4-¡KP? ..'¡ . mz-e
  77. 77. VESARMADO. .. NADA A FAZER AGORA. A_ MAS, NÃO, SACRIFICIOS EM VÃO. NÃO. SI
  78. 78. UM QUARTO SEM NADA, PISO DE TIJOLO. UMA SALA DE AULA DA ESCOLINHA DE LA HIGUERA. E PARA LÁ QUE CARREGAM CHE, FERIDO, POR MAIS DE TRÊS QUILÔMETROS. A NOITE, TÃO LONGA, TÃO BREVE. .. $Aee oue vao MATA-LO. nAo TENTARAM CURA-LO. PODERIAM TÊ-LO LEVADO oe ueucovreno A ounzo LUGAR. SABE oue vAo MATA-LO. os FERIMENTOS sao DOLORIDOS, DEVEM se: : CINCO ou seus. A aos: pane sen UM ALIVIO, DISTRAI.
  79. 79. ,I I . ','I RISOS, GRITOS MOVIDOS A PISCO no QUARTO vnznnuo. I . , TÃO conrenres, TERMINOU A CAMPANHA. vAo GANHAR ' 1 UMA PROMOÇÃO, e ESTÃO VIVOS. cue os COMPREENDE, › : I BASTANTE. As FERIDAS DOEM, PARECEM UMA so. As TÊMPORAS ARREBENTAM, A BOCA SECA. ; PAssARInHos PIANDO LÃ FORA. o DIA nAsce NA : SERRA. se nAo Me MOVER, NÃO srnTo As FERJ' : Í o LUCRO SOBREVIVERÃO. MAs A ESPERANÇA f SIM VALEU A PENA. AGORA JÁ EXISTE MAIS PAZ. DAS. UMA VIDA QUE É REPASSADA. OCORRERAM ERROS E HÁ TANTO POR TERMINAR. .. O PIOLHO E ESTÃ UM POUCO MAIS PRÓXIMA, VALEU A PENA. 84 UM ROSTO QUE PERGUNTA E PERGUNTA, AGENTE DA CIA. QUER SABER TUDO. NO COMEÇO SE CANSA, MAS NO FINAL É UM PRAZER INSULTÃ-LO. ENQUANTO EXISTIREM HOMENS DA CIA, O ADVENTO DO HOMEM NOVO ESTARÃ DISTANTE. I I
  80. 80. 7 ' ' 7 T 'íãlÉãYzÍifn 75.1752** *' 7 'TZÉ-ÀYÀBBX. . ' '7' ' ' ' 2h52?" 7°** LS'LÉ'Ê'RÍÊUA7' 7' °' " l _ . 1 JÍÃÊMÃJLIÉWNÃÃJÃIMÁAÂÂÍÀJÂXIMLI. ›.. Iàíaúnãa-Wüâ , , , , . . J . .. .J _. .à , JAA. ... I. u AÃIHHÂLJIIIIIÊAEÉJMÊ%ÁIMAÚMswâwtumãwãH I, lsIÍ. . . É _ . z¡ . . . . _ . V. _. .., .,_. _7|| . , ,M . _. l Z. , . .ñ 1st. mw , TI . l. , , Q , __ =
  81. 81. É" ' - 777 NÃOQUEROESTAR w, ; - ' , I ›, _ a , DEITADO. ,vs › * . E51, r. __. .¡ H M'
  82. 82. _ - 2mm_- , m ALL. R,. ,,. .._I, ,.. .,. _ . N. , _. . a . ›$III, _ lítlll: zl, I ; aan : sa-; M-_zsasç--n -r . ..g-s : alagoana aan. gás-rx. :- e. ¡-. -.. ».a¡. = c°~sx irnaa-knaírcía-mg . ... ... .n. m~. =a. p~. ›.. . . ..su-; unh-amnmq-, m -a? -11á'c&nío¡§. íd": ¡aa15vrw¡? .
  83. 83. SS O couro ESTÃ eM VALLEGRANDE, COM FORMOL nAs VEIAS. conveM ENTERRÃ-LO eM uM BOM CAIXÃO, Isso SIM. seM cnuz neM MARCA no TÚMULO, RIDICULO RITUAL DA MORTE oue JÁ eo¡ VENCIDA. o sAnoue oe cne JÁ e MAIS uMA GOTA no mo SANGUE DERRAMADO CONTRA A FOME e o GRJLHÃO. seu noMe INSPIRA AMOR e AÇÃO. FAZ As JUVENTUDES oo MUNDO se LEVANTAREM e ANDAREM.
  84. 84. Nota da Edição Brasileira Rqguirio dc (Jampos "Demos um sumiço nele, por ter leito a mais bela Iiistória do Che que foi escrita". confessa o militar ; irgentino para o _jornalista e escritor italiano Alberto Ongaro. que tenta saber o que aconteceu com Hector German OesterhelttA frase tãarece um pouco irreal. mas temos que compreender que foi dita no ano de 1979. E a Argentina daquele momento parece irreal. como um pesadelo. O período e cheio de outras Iixises tão sinistras que parecem igualmente irreais. (Íonio esta. famosa. do general Ibérico Saint jean: "Primeiro mata- remos os subversixvos. depois seus colaboradores e então os qllC continuam indiferentes. até. Iinalinente. matarmos os tímidos". O general disse isso em 1977, quando era governador de Buenos Aires. nomeado pela junta militar que governam¡ o país. Foi tlurantt* a gestão de Ibérico Saintjeaii que ; iconteceu o episódio que ticou conhecido como Nor/ n' de los bipírcs: o seqüestro. pela polícia da capital. de dez ; idolescentes - quatro meninas e seis meninos. Só quatro deles sobrevixteram às brutais sessões de tortura. Que alguns _jovens tenham decidido também "pegar em ; irmas" contra essa situação c- algo Iamentíivel e que demonstra falta de sabedoria. mas E' assim uma tlecisão tão inexplicíntel? Foi tannbéin em N77 que Oesterlield tornou-se um “desxiparcccitloÍ Ele e suas quatro Iillias - Marina (IS . inos), Beatriz (19). Diana (23) e Estela (24) - estão entre os 31) mil ; irgentinos que. segundo o cínico general tlitador jorge Videla. ”iiã(› estão Vivos nem mortos: «sstão desaparecidos". Videla e seus pares ditadores Iatino-americaiios inspii'araiii~sc- nas . iulas da famosa Escola das Américas a respeito da eficiência do . Nat/ n um! .'<'Iu'I Ellus. : (Decreto da Noite e Névoa). de Hitler. que estipuI-ava CICICIIÇÕCS secretas de acusados de fazer parte da resistencia ; intinazistçn Essa prática tvermite o "tlesaparcc'imento dos suspeitos sem deixar rastro. e sem que circule qualquer intbi'iiiação a respeito de seu paradeiro ou destino". As pessoas Llesaparecein na névoa e na noite. O Estado prende. mas não ; issume que prendeu. ;ISSIID . is ñnnílias não tem como entrar com ; ições legiis de dell-sa. Mesmo "a entrega do corpo para seu enterro no lugir de origem não é ; iconselluirelÍ recomendam os mestres nazistas. "porque o momento do enterro POCICTÂ ser usado ; nara manifestações". O objetivo era fazer com que "toda resistência seja castigada. não tlcntro dc uni processo legal. mas ; Itraves da tlisseminação de tal terror até que toda a tlisposiçãt) de resistencia entre o povo seja eliminada".
  85. 85. Os generais falam muito de tlefesa da patria. mas da pátria mesmo pa- recem gostar apenas das bandeiras. dos hinos. dos uniformes e das li11l1as das tionteiras. O povo. em especial os jovens. artistas. escritores. pensadores. professores e estudantes. é tratado como um mal necessario. às vezes desne- cessário. De outro modo. pessoas como Oesterheld c: .Alberto Breccia seriam tlesde sempre motivo de grande orgulho p'. '1trio. Afinal. Breccia¡ não é apenas o maior desenhista da história (los quadrinhos latino-aniericanos: é presença obrigatória em qualquer lista sensata dos wincipais nomes da história da HQ 111u11tli-.1l. “A história dos t¡11aclri11l1os é dividida em duas épocas: aquela que vem antes de Alberto Brcccia e ; iquelai que vem depois de Alberto Breccizt". diz Frank Miller, que tenta até hoje aprender o domínio de branco e preto das paginas do mestre argentino. Oesterlieltl também c- muito mais que o maior roteirista da história da HQ argentina ou lati11o-a111ericana. o primeiro grande roteirista dos qua- drinhos mundiais. o PFÍIIICÍTO a perceber as ¡aossibilidauies dos quatlrinl1os como uma espécie de nova literatura. Não t" à toa que. em 2000. quando o _jornal (Ílaríu lançou sua coleção Lu Biblioteca . -l›_'gcnn'11a. com os grantles clássicos da literatura do país. incluiu E¡ Iircmaum (uma HQ escrita por Oesterheld e ilustrada por Francisco Solano López. descendente do caudilho paraguaio). ao lado de Martín Fícrix) e de livros de Borges. Sabato e Cortázar. E isso 11ão soa como uma intrusão indevida. L7 Ercmaum é uma daquelas obras que lbrinaram a imaginação de várias gerações de argentinos. Borges. alias. era amigo de Oesterheld. que um dia garantiu: "Ele também gostaria de escrever roteiros de quadrinl1os". juntos. Oesterhelci e Breccia liderara111 um movimento que no Fun dos anos 50 transformou a Argentina no mais interessante centro de produção de quadrinhos do Ocidente. cujo impacto ultrapassou as fronteiras do país. Foi depois de um “est; igio" de alguns anos traballiaildo co111 Oesterheld na Argentina que Pratt partiu para a Europa e criou a série (Jor/ o . lia/ nave. que revolucionou o mundo dos ciuadrinlms europeus e tornou-se uma das principais referências para o surgimento do quadrinho autoral no Velho (Íontinente. Pratt dizia que Oesterheld foi sua maior influência na técnica narrativa. e que criara o herói Ernie Pike ã imagem do roteirista. Os anos (10 são conhecidos como o momento e111 que a HQ argentina entra em crise e inicia sua decadência. Mas que bela decadência! É. por exemplo, quando surge a Mafalda. de Quino. e . Iori ( : indu: outra das criações da dupla Oesterlield e Brcccia. listada Freqüentemente como a melhor HQ latino-americana de todos os tempos. Por isso, o escritor e roteirista Carlos Trillo descreve essa epoca como "um luxuoso funeral". E e111 _janeiro de 1968 surge este La l 'ida dc¡ Clic. apenas três meses depois da morte do guerrilheiro. E algo feito no calor do momento. Os desenhos são de Alberto Breccia e seu filho Enrique, que tem apenas 22 anos e faz uma estréia espetacular.
  86. 86. Em entrevista a jan Baetens, realizada em 1992 ei11 Bruxelas. Alberto afirma: “Clic é, sem Llúvidil nenhuma. o mais bem construído e o mais coletivo dos meus álbunsjunto com o roteirista Iléctor Oesterheld e com meu filho Enrique, que realizava seu primeiro trabalho_ queríamos contar a história de uma figura que, pelo menos na época. talvez hoje nem seja mais o ctaso, era quem melhor representava a América do Sul. Em (She. nos esforçamos para resumir da maneira mais clara possível a vida e o significado de Ciuevarai. a fim de transmiti-los às futuras gerações. Assi1n que foi lançado. em 1968, o livro fez um enorme sucesso. No dia do l;1I1Ç; ll]'lCnt(). todos os muros de Buenos Aires estavam cobertos de cartazes". E111 pouco tempo. o ; ilbum ; itingiu a marca de dezenas de milhares de exemplares vendidos. Para ; ilguns historiadores. essa HQ teve um papel impor- taintíssimc) na consolidação da imagem de Che como um herói na Argentina. O _jornal La ! Varióri chegou a publicar um editorial advertiiulo sobre o perigo que tal obra signiñca-'zi para a paz da nação. Seu efeito é tão poderoso que os autores recebem um telefonema da embaixada norte-americ-. iiiaz querem encomendar uma HQ do mesmo tipo sobre Kennedy. No 111ay, _gr1'¡1_qo. ' Mas o sucesso da obra foi também a desgraça de OesterheldA Argentina já vivia sob uma tlítadura militar naquele momento. comandaid-a pelo general (711gania. O editorjorge Alvarez até tentara convencer seus autores a publicar a obra anoninianieiite. mas Oesterheld resistiu: "A história de um persona- gem co111o Che não merece ser feita estxnuliclas". E. além do mais. como disfarçar o traço de Breccia? Então começam as perseguições. A editora é invadida. o estoque e os originais são confiscados e destruídos. Depois de Ongania, entra em «sena outro general tlitador: Marcelo Levings- ton. E. na seqüência, outr0:Alejantlrc› Lanusse. Em 1973. a esperança ressurge no paísgcom a volta de Perón, depois de quase vinte anos de exíliot Oesterheld. outrora crítico do caudilho. envolve-se mais e mais com a ala de extrema- esquerda do peronismojunto com as filhas. Mas as esperanças se ti'ustra111: Perón se cerca de direitistas e. ao morrer, um ano depois, deixa a presidência nas mãos da VÍÚVJ. lsabelita Perón, que leva o governo ainda mais para a direita, a po11to de criar a força parapolicial Alianza Antirsomunista Argentina. encarregada de seqüestrar. torturar e ; issassinar líderes da esquerda do país. A circulação do álbum Clic é proibidaAs pessoas destroem os exemplares que têm em casa. por medo da repressão. A família Breccia recebe tlixersas zuneaças. Em março de 1976, a situação piora ; iinda mais: lsabelita cai e e instaurada a nova ditadura militar, decidida a limpar a Argentina de qualquer coisa que tenha alguma ligação com a esquerda. O governo norte-americano, através de seu secretário Henry Kissinger, da seu apoio e um conselho: "ajan1 rapido". O que acontece depois disso é um massacre.
  87. 87. A primeira a “desaparecer” foi Beatriz Marta Oesterheld. em _junho de 1976. Diana Irene Oesterheld Araldi desaparece em _julho do mesmo ano. Estava grávida de seis meses. Seu marido. Raul (Íarlos Araldi. também desaparece. Oesterheld c- seqüestrado pela repressão em 27 de abril de 1977. Em novembro. Marina Oesterheld também desaparece. ao lado do nraricio. (Óscar Alberto Seindlis. Ela estava grávida de oito meses. Por fim. em dezembro. desaparece Estela Inês Oesterheld, a Últinlil filha. _jtiiito com seu marido. Raúl Oscar Mortola. Do destino de Oesterheld na prisão restam os flashes de memória de outros prisioneiros. Alguém lembra de seu desespero quando algum síndico faz chegar a ele fotos das quatro filhas, torturadas e mortas. No dia 14 de dezembro de 1977, ; Ivisam a Oesterheld que ele tem uma "visita especial". Um menino de três anos. seu neto Martín. filho de Estela. que 'acabara de ser morta. Sabe-se lã por qual louca razão, ;ilguém resolveu reunir neto e avô na prisão. Hoje. Martín lembra~se zipenas de ficar horas e horas com o avô_ naquele “corredor horrível. com paredes pintadas de azul látex brilhante". De 2ll“'l| l]121 maneira, Oesterheld conse vuiu fazer com ue ea . À o neto fosse encaminhado para os bisavós maternos. A outra coisa que dizem e que, mesmo na prisão. Oesterheld continuava¡ a escrever. Histórias que nunca conheceremos. Presume-se que tenha sido assassinado em 1978. Martín e Elsa. viúva de Hector, ficaram sendo assim os (micos sobreviventes da família. Os filhos de Marina e Diana fazem parte da lista de desaparecidos. Apesar das ligações de Oesterheld e de suas filhas com a ctsquerda peronista. Elsa acredita que Héctor estava marcado desde 1968. ano da ptlblitração de Lu Vida de¡ Chi'. A brutalidade inomináx-'el com que a família Oesterheld foi (quase exter- minada faz ; ilgumas pessoas ; iv-'entzirem que haveria na fúria militar um elemento a mais: o anti-semitismo. Não teria. certa vez. aparecido um oficial na casa de Elsa ã caça de "Héctor. o judeu"? Hinos nazistas eram ouvidos durante sessões de tortura. E ; ilgumas salas de interrogatório tinham o retrato de Hitler na twarede. Quem sabe ; tende pode chegar a estupidez militarista? Mas a história de Oesterheld não é, infelizmente. uma exceção no registro de horrores praticados pela ditadura militar argentina. Uma idéia insana de purificação do país moveu os detentores do poder a tal estado de espírito que não bastava proibir livros e fechar revistas. Era preciso matar os opositores. e mais: eliminar o ambiente que os havia gerado. incluindo aí parentes. amigos, professores e alunos. "l)a mesma forma que destruímos com o fogo a documentação perniciosa que ; at-m o intelecto e nosso modo de ritla cristão". disse o general Luciano Menéndez. "serão destruídos os inimigos da 'alma argentinai. "
  88. 88. E o general Menendez fez sua parte: matou ã xrontatle. ;riem de organizar, em 26 de ; ibril de 1976. a maior fogueira de livros já vista no país. No c-ntanto. não foi o bastante. Ele acabou derrotado. A Argentina de Oesterhelil sob revi vc u . Alberto Breccia sobrexrixreu para se ringar como só os grandes ; Irtistas sabem: com uma maravilhosa HQ. Pcrimims. na qual ele e o escritor _Juan Sastnrain fazem seu balanço da ditadura militar. Além de Enrique. suas outras filhas. Patricia c (Íristina. também se tornaram tjuaiiriiiistas. Alberto Breccia morreu em ll) de novembro de 1993.j; i reconhecido como um herói da cultura argentina. Ainda que reclamasse que os "lfoons tempos" da HQ de seu paísjã haviam terminatlt). pôde ver o surgimento de revistas como a Fierro (CODSlClÊTklLlJ ii^e<qiientemente a melhor revista de ql1;l(. 'll'Íl1l10S do (kidente) e de novos L]Ll.1tll'llllS[: lS como Muñoz. Sampayo. Fmitanarrosa. Carlos Nine. (ÍarlcisTrillo. Ricardo Barreiro, Eduardo Kisso e tantos outros que continuam a fazer' da HQ argentina Lima das mais fascinantes do mundo. m; - onde saluemos, esta e a primeira vez que uma HQ escrita por Oesterheltl é ¡wublic-aila no Brasil. Por isso. esperamos que esta edição de (Í/ ii' sirva prata ajudar a reparar a injustiça que tem sido cometida não contra Oesterheld e os Breccizi. mas contra os leitores brasileiros. mantidos no Liesccmhecimento deste tesouro que são os quadrinhos argentinos.
  89. 89. ntre as inúmeras biografias _a esrtas s: :'e : e. : -: :'31 L-e Guevara. esta e sem CL'. oa a : se acaloradas. Publicada na Arge: : : a e após a morte de Guevara e err ple: a dtacxe N te' e : rs : e-e: : uma das obras que mais contriou rar* pa' de Che como um herói latino-american: Um sucesso estrondoso e imedato. pros-: 3: : :' t" início a uma terrível perseguição QOWÍiCã. Pc-- - lançamento, a editora responsávei pela : csi : a -^ "z ".52 : e e : s z' - ginais da obra e os exemplares em estos- truídos. Em 1973. a circulação do “wc *c perseguição chegou ao auge em . O co" : es- sassinato brutal do roteirista Oesterhel: e : Le 5-25 3-a. _ ' ee : e e ditadura militar argentina. Porém, muito mais que uma obra poiemca este C'e - : s - 7": : 2 es de um Herói é uma obra-prima de text: e sese": Se, ': :e ': 'i2 e e- borado por aquele que foi o primero escrto' a ex: zre' t: :: : : :tr: e narrativo das histórias em quacrichos: -! e:: :' gem-e' -es: e'*e : ls desenhos são do grande mestre das HQs e: *c-eme' *yes 4 Breccia. em colaboração con- sei. H: : E: ':. e de 22 anos. Um grande clássico : o 3.2:' "cs : e e : ' “e 'e e: a: alcance do leitor brasileiro. "Aprendi muito com Héctor. Do pv: : : e . s'e : e tec' : e “E"EÍ e aprendi com ele mais do que cor: :: se : -e' : xr: HUGO Pill". "A história dos quadrinhos é dzmd da e** : -25 e: ::ee e : -e e* e-tes e a que vem depois de Alberto Breccia, Flifilllv'. lClLLEC' ISBN ".75 âSJnLe- E5: - _ 9 7ass7ollie3225 comu»

×