O SENTIDO DA MORTE
NUMA PERSPECTIVA DO
EXISTENCIALISMO
CRISTÃO.
Este trabalho foi desenvolvido em
três capítulos, a saber:
* O fenômeno da morte e do morrer.
* O sentido da morte refleti...
* O fenômeno da morte e do morrer.
Embora todos temos a consciência de que
vamos morrer, alimentamos no mais íntimo
de nós...
“A morte constitui ainda um acontecimento
espantoso, pavoroso, um medo universal,
mesmo sabendo que podemos dominá-lo
em v...
A ciência nos permite um certo grau de
emancipação, proporcionando ao homem
melhores meios de preparar-se bem com sua
famí...
* O sentido da morte refletida nos 5
estágios para a morte.
Primeiro estágio: Negação e isolamento.
Segundo estágio: A rai...
Primeiro estágio: Negação e isolamento.
Não, eu não, não pode ser verdade.
Alguns pacientes tentam driblar os
resultados e...
Segundo estágio: A raiva.
Um certo estado de raiva é percebido em
um paciente, já nas primeiras reações.
Expressada por pa...
Terceiro estágio: Barganha.
Este estágio é o menos conhecido, porém muito
útil ao paciente. A maioria das barganhas são
fe...
Quarto estágio: Depressão.
Ante o quadro agravante de uma
enfermidade terminal, quando o paciente já
não consegue mais neg...
Quinto estágio: Aceitação.
Os pacientes que recebem algum tipo de ajuda
para superar os diferentes estágios não
sentirão d...
O estágio da aceitação não pode ser
confundido com a felicidade. Pois, neste
estágio, não se trata de afirmar que o pacien...
A morte está intimamente ligada e faz paralelo
com o ato de nascer. “Morrer é parte
integrante da vida, tão natural e prev...
É possível afirmar que não há experiência da
morte, pois, “Jamais nos encontraremos frente a
frente com a nossa própria mo...
* E por fim, a morte refletida nos
existencialistas: Marcel e Jasper.
O pensamento cristão encontra sentido
quando está ap...
A esperança vem marcada pela ressurreição
de Jesus e, é apresentada pela manifestação
de que Deus não é o Deus dos mortos,...
Quando falamos de filosofia da existência,
Partimos de uma interrogação da existência,
entendendo por existência o homem e...
Tememos a morte porque desconhecemos
o que está por detrás da morte, como a
angústia que ela gera em nós o desespero
por c...
Temer a morte é temer o nada. É dar-se
conta do nunca mais ver a pessoa que
morreu e, portanto, como num passe de
mágica a...
Somos mortais enquanto simples
existentes, e imortais quando aparecemos
no tempo como o que é eterno. Somos
mortais no des...
Em sentido material, a morte deixou de ser
um momento melancólico. A dor da
separação, a certeza do adeus para sempre,
viv...
É possível perceber através da reflexão dos
existencialistas cristãos que a morte tem e
faz sentido ao ser humano. Ancorad...
Morte blog
Morte blog
Morte blog
Morte blog
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Morte blog

546 visualizações

Publicada em

Material elaborado por Ir. Rozana Périco, ascj.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
546
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Morte blog

  1. 1. O SENTIDO DA MORTE NUMA PERSPECTIVA DO EXISTENCIALISMO CRISTÃO.
  2. 2. Este trabalho foi desenvolvido em três capítulos, a saber: * O fenômeno da morte e do morrer. * O sentido da morte refletida nos 5 estágios para a morte. * E por fim, a morte refletida nos existencialistas: Marcel e Jasper.
  3. 3. * O fenômeno da morte e do morrer. Embora todos temos a consciência de que vamos morrer, alimentamos no mais íntimo de nós mesmos o medo da morte. Existencialistas como: Karl Jasper e Gabriel Marcel, reconhecem que não é possível analisar o sentido da vida sem se deparar com o problema do sentido da morte.
  4. 4. “A morte constitui ainda um acontecimento espantoso, pavoroso, um medo universal, mesmo sabendo que podemos dominá-lo em vários níveis”. (KÜBLER-ROSS, 1969, p.17). No entanto, o modo como conviver e lidar com a morte e o morrer têm por vezes ficado ofuscado pelas ocupações diárias, com a negação da dor de quem saiu perdedor diante da morte.
  5. 5. A ciência nos permite um certo grau de emancipação, proporcionando ao homem melhores meios de preparar-se bem com sua família para o momento inevitável da morte. KÜBLER-ROSS afirma: “Ao contrário, já vão longe os dias em que era permitido a um homem morrer em paz e dignamente em seu próprio lar”. Morrer se torna um ato solitário e impessoal. O moribundo é doravante um paciente entre inúmeros outros pacientes, não mais o pai agonizante ou o vizinho a falecer.
  6. 6. * O sentido da morte refletida nos 5 estágios para a morte. Primeiro estágio: Negação e isolamento. Segundo estágio: A raiva. Terceiro estágio: Barganha. Quarto estágio: Depressão. Quinto estágio: Aceitação.
  7. 7. Primeiro estágio: Negação e isolamento. Não, eu não, não pode ser verdade. Alguns pacientes tentam driblar os resultados e falam com os médicos e familiares convictos de que exames e resultados foram trocados, pois eles estão bem, e aquela dor logo passará. Outra forma de negação assumida, é a de que os pacientes se apeguem as próprias crenças, dispensando o uso da medicina e seus recursos.
  8. 8. Segundo estágio: A raiva. Um certo estado de raiva é percebido em um paciente, já nas primeiras reações. Expressada por palavras ou por gestos. No estágio da raiva torna-se difícil a relação com o paciente, tanto na família quanto no âmbito hospitalar. Quando um paciente é respeitado e compreendido em seu estado de raiva, logo sua tendência é tornar-se dócil.
  9. 9. Terceiro estágio: Barganha. Este estágio é o menos conhecido, porém muito útil ao paciente. A maioria das barganhas são feitas com Deus, são mantidas geralmente em segredo. Sendo assim, a barganha não recebida, pode ser revogada a promessa e realizada outra forma de barganha. Pois, este estágio acontece na maioria das vezes de forma subjetiva e o paciente não expressa nem mesmo aos familiares suas negociações para com Deus diante da enfermidade.
  10. 10. Quarto estágio: Depressão. Ante o quadro agravante de uma enfermidade terminal, quando o paciente já não consegue mais negar, revoltar-se ou barganhar a situação perante a gravidade da enfermidade, resta-lhe o silêncio e nasce um sentimento de perda com facetas variadas. Muitas vezes a ausência vem marcada pela perda da própria imagem, do seu ser pessoa, de suas próprias características.
  11. 11. Quinto estágio: Aceitação. Os pacientes que recebem algum tipo de ajuda para superar os diferentes estágios não sentirão depressão e raiva diante de seu destino, pois, externaram seus sentimentos, sua inveja pelos vivos e sadios e sua raiva por aqueles que não são obrigados a enfrentar a morte tão cedo. (...) O paciente sentirá necessidade de dormir, cochilar... O sono já não é mais fuga, mas volta a ser uma necessidade pura e simplesmente biológica.
  12. 12. O estágio da aceitação não pode ser confundido com a felicidade. Pois, neste estágio, não se trata de afirmar que o paciente não sente mais dor e não tem mais sentimentos. Tudo permanece como antes. O que muda é a forma como o paciente enfrenta e vivencia este momento com as pessoas que o cercam.
  13. 13. A morte está intimamente ligada e faz paralelo com o ato de nascer. “Morrer é parte integrante da vida, tão natural e previsível quanto o nascer. Mas, enquanto o nascimento é motivo de comemoração, a morte transforma-se em terrível e inexprimível assunto, a ser evitado de todas as maneiras na sociedade moderna”. (KÜBLER-ROSS, 1969, p. 30).
  14. 14. É possível afirmar que não há experiência da morte, pois, “Jamais nos encontraremos frente a frente com a nossa própria morte, visto que enquanto nós estivermos presentes ela estará ausente e quando ela estiver presente, então seremos nós que estaremos ausentes.” Epicuro (270 a.C.) Portanto, podemos falar da experiência com a morte e o luto de outrem, mas não da nossa experiência pessoal com a morte.
  15. 15. * E por fim, a morte refletida nos existencialistas: Marcel e Jasper. O pensamento cristão encontra sentido quando está apoiado na afirmativa do Deus criador, que dá a vida, como descreve Marcel; “O Deus que dá a vida ao ser humano e, para o qual, aliar-se a ele sempre tem este significado: optar pela vida, e não pela morte”. (BLANK, 2000, p.49).
  16. 16. A esperança vem marcada pela ressurreição de Jesus e, é apresentada pela manifestação de que Deus não é o Deus dos mortos, mas sim o Deus dos vivos. Essa premisa sustenta uma visão otimista do cristão diante da morte. Portanto, o autor da vida não tolera a morte.
  17. 17. Quando falamos de filosofia da existência, Partimos de uma interrogação da existência, entendendo por existência o homem em sua vida, atuação e decisões concretas”. Portanto, para os filósofos existencialistas há necessidade de um elemento ontológico que assegure a existência concreta do ser.
  18. 18. Tememos a morte porque desconhecemos o que está por detrás da morte, como a angústia que ela gera em nós o desespero por caminhar rumo à morte, “O temor da agonia é o temor do sofrimento físico. A agonia não se confunde com a morte. (...) Todo sofrimento é experimentado por alguém que está vivo”. (JASPER, 1996, p.128). Portanto, temer a morte está na essência do homem, por ser o homem o único ser que sabe que vai morrer.
  19. 19. Temer a morte é temer o nada. É dar-se conta do nunca mais ver a pessoa que morreu e, portanto, como num passe de mágica a morte toma de assalto a consciência da presença do ente querido que com sua morte, não mais podemos conviver. A distância que separa o começo do fim pode ser longa ou breve, porém deve fazer sentido o existir.
  20. 20. Somos mortais enquanto simples existentes, e imortais quando aparecemos no tempo como o que é eterno. Somos mortais no desamor, imortais no amor. Somos mortais na indecisão, imortais na decisão. Somos mortais enquanto natureza, imortais enquanto dados a nós mesmos em nossa liberdade. (JASPER, 1996, p.133).
  21. 21. Em sentido material, a morte deixou de ser um momento melancólico. A dor da separação, a certeza do adeus para sempre, vividos durante o velório da pessoa querida, passou a ser marcado pela beleza material das flores, da música, dos perfumes e até mesmo da transformação do próprio falecido onde o mesmo deixa de ter as características próprias dos sem vida.
  22. 22. É possível perceber através da reflexão dos existencialistas cristãos que a morte tem e faz sentido ao ser humano. Ancorados na convicção de que o homem é o único ser vivo que tem consciência que vai morrer, também é o único que, pela vivência do cristianismo, toma consciência da ressurreição e da vida eterna. O morrer faz sentido para o cristão.

×