Lição 1ª A igreja de Deus

1.990 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.990
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
57
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 1ª A igreja de Deus

  1. 1. I P ZONA SUL<br />Professor: Rev. Joab Barbosa<br />
  2. 2. Estudos Bíblicos 1Coríntios<br />1ª Lição<br /> A Igreja de Deus.<br />
  3. 3. Texto Básico:<br />“I Coríntios 1.1-17”<br />
  4. 4. Objetivo <br /> Perceber a importância da Igreja de Cristo, na atualidade.<br />
  5. 5. Introdução<br /> Esta carta foi escrita por Paulo, em 55 d.C., no auge do seu trabalho em Éfeso. Os motivos que levaram Paulo a escrever esta carta foram informações dadas por membros da família de cloe (1Co 1.11), uma carta enviada pelos crentes de Corinto com questões doutrinárias (1Co 7.1) e o relatório de uma comitiva com três homens da igreja de Corinto (1Co 16.17).<br />
  6. 6. O objetivo de Paulo ao escrever a carta foi resolver vários conflitos daquela igreja: brigas, desunião, imoralidade, sexo e casamento, comidas sacrificadas, Santa Ceia, comportamento no culto, dons espirituais e ressurreição dos mortos. A igreja de Corinto era carnal, dividida, imatura e soberba. Por que estudar 1 Coríntios hoje? Três motivos principais:<br />Ele aborda vários temas doutrinários necessários à vida cristã.<br />Ela apresenta vários conselhos práticos acerca de temas importantes da vida cristã.<br />Ela revela a necessidade que a igreja local tem de ser pastoreada, através do ensino da Palavra.<br />
  7. 7. 1. O Prefácio da Carta (1.1-3)Autor da Carta<br />Paulo, chamado pela vontade de Deus para ser apóstolo de Jesus Cristo, e o irmão Sóstenes (v.1). Paulo destaca a origem divina do seu apostolado (Gl 1.1). A idéia é de que não foi ele que se autoproclamou apóstolo e nem foi a igreja que lhe deu o ofício. Ele é apóstolo porque recebeu o chamado divino (Rm 1.1) e pela vontade soberana de Deus (Jo 15.16)<br />
  8. 8. Calvino diz: “Duas coisas são requeridas daquele que será ouvido na igreja e que ocupará a posição de mestre: deve ser chamado por Deus para esse ofício, e deve ser fiel no cumprimento de seus deveres”.<br />
  9. 9. Os Destinatários da Carta<br /> À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso (v.2). Duas divisões básicas:<br />Igreja local e universal<br /> Paulo se dirige à Igreja de Deus que está em Corinto. Observe que primeiro ele fala da dimensão local da igreja: Corinto. Ele plantou aquela igreja no final de sua segunda viagem missionária (At 18.1-11). Ele morou em Corinto durante dezoito meses e depois foi para Éfeso. A idéia fundamental de Paulo sobre a igreja é a de que ela possui um dono: DEUS. Seja ela local ou universal, a igreja pertence a Deus. <br />
  10. 10. Igreja dos santificados e dos chamados para a santificação<br /> Paulo fala da igreja: aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos (v.2). A santificação é apresentada como sendo posicional (em Cristo) e processual (para ser santo). No ato da conversão ganhamos a posição de santos e durante toda a nossa vida cristã vamos crescendo em santificação (2Co 5.17; 1Ts 4.1-7). A palavra grega para igreja é ekklesia (ek + kaleô = chamados para fora), que significa “um povo chamado para fora”. A igreja é a reunião de pessoas que foram escolhidas, chamadas e separadas por Deus, do mundo, para agradar e servir a Deus (1Pe 2.9,10).<br />
  11. 11. A Saudação<br />Graça a vós outros e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo (v.3). Graça (charis) aponta para os favores imerecidos de Deus aos homens, por meio de Jesus Cristo. Paz é o termo usado com o sentido hebraico (shalom) que envolve a prosperidade integral do homem, bênçãos materiais e espirituais.<br />
  12. 12. 2. As Virtudes da Igreja de Deus (1.4-9)<br />Paulo agradece a Deus pela vida dos crentes que faziam parte da igreja em Corinto: Sempre dou graças a {meu} Deus a vosso respeito (v.4). Ele revela o seu coração pastoral, agradecendo a Deus pela vida dos irmãos. Ele sempre inicia as suas cartas agradecendo pela conversão das pessoas a quem escreve (Rm 1.8; Fp 1.3,4). Mas, quais são os motivos pelos quais ele agradece?<br />
  13. 13. <ul><li>A Igreja é a comunidade dos agraciados</li></ul> A igreja existe e sobrevive pela graça de Deus. Paulo diz: Sempre dou graças a {meu} Deus a vosso respeito, a propósito da sua graça, que vós foi dada em Cristo Jesus (1Co 1.4). Três lições práticas: (1) O presente: a graça. A palavra graça (charis) abrange todas as classes de bênçãos que são recebidas por meio do evangelho, com destaque para os dons espirituais que Deus concede ao seu povo (1Co 12-14). (2) A fonte e os beneficiários da graça: Deus e os cristãos. Ele deu graça aos coríntios, os quais são os beneficiários passivos – Rm 12.6; 2Co 8.1. A igreja é a comunidade da graça ou dos agraciados. (3) O intermediário da graça: Jesus. A graça de Deus foi dada em Jesus Cristo – Jo 1.17; Rm 1.5.<br />
  14. 14. <ul><li>A Igreja é a comunidade dos enriquecidos</li></ul> Paulo declara que a igreja é rica: Porque, em tudo, fostes enriquecidos nele, em toda a palavra e em todo o conhecimento; assim como o testemunho de Cristo tem sido confirmado em vós, de maneira que não vos falte nenhum dom (1Co 1.5-7). Quando salvos pela graça, somos enriquecidos com todos os tesouros espirituais (2Co 8.9; Fp 4.19). Deus dá aos remidos por Cristo, incontáveis riquezas espirituais (Ef 1.3 e 3.8). A igreja de Deus é formada por pessoas ricas em dons e recursos espirituais, não lhe faltando nada que impeça o seu desenvolvimento espiritual.<br />
  15. 15. <ul><li>A igreja é a comunidade dos esperançosos</li></ul> Paulo associa dons espirituais à expectativa da segunda vinda de Cristo: Aguardando vós a revelação de nosso Senhor Jesus Cristo (v.7). A igreja que exercita os dons espirituais é a mesma que aguarda ansiosamente o retorno de Cristo (Fp 3.20). A revelação de Cristo será pessoal, visível, repentina e gloriosa. A igreja de Deus ora sempre: “Vem, Senhor Jesus!”<br />
  16. 16. <ul><li>A Igreja é a comunidade dos santos perseverantes</li></ul> Paulo destaca que a igreja é a comunidade dos que não retrocedem. O qual também vos confirmará até o fim, para serdes irrepreensíveis no Dia do nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados à comunhão de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor (1Co 1.8,9). Duas idéias chaves: (1) confirmará significa a promessa do constante poder de Deus que firma ou sustenta a fé do crente até o fim (Jo 10.28,29); (2) para serdes irrepreensíveis indica a certeza de que Deus apresentará os crentes sem culpa ou sem condenação por ocasião do julgamento final (Ef 5.25-27). Todo crente verdadeiro perseverará até o fim, porque Deus é fiel (Dt 7.9).<br />
  17. 17. 3. Os Defeitos da Igreja de Corinto<br /> Paulo exorta a igreja: Rogo-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que faleis todos a mesma coisa e que não haja entre vós divisões; antes, sejais inteiramente unidos, na mesma disposição mental e no mesmo parecer (1Co 1.10). Toda igreja local é constituída por homens salvos, porém imperfeitos. A Igreja de Corinto, a princípio, cometia dois erros graves: exaltava homens e exaltava a sabedoria humana.<br />
  18. 18. <ul><li>Exaltação de homens (1Co 1.10-16)</li></ul> Paulo foi informado por uma família da igreja de Corinto que havia divisões na comunidade, como diz em 1Co 1.11,12. A causa das divisões era o culto às pessoas, aos líderes da igreja. Havia quatro partidos representados pelo nome de um líder: Paulo, Apolo, Pedro e Cristo. Observamos que quando Jesus deixa de ser o centro da igreja surgem divisões e contendas. Por isso Paulo usa três perguntas que são três argumentos centralizados em Cristo: Acaso, Cristo está dividido? Foi Paulo crucificado em favor de vós ou fostes, porventura, batizados em nome de Paulo? (1Co 1.13). A unidade, o sacrifício e o senhorio de Cristo são três razões teológicas para pôr fim às divisões dentro de uma igreja.<br />
  19. 19. <ul><li>Exaltação de sabedoria humana (1Co 1.17)</li></ul> Paulo também sabia que a igreja de Corinto estava sendo invadida pela filosofia grega, em detrimento da mensagem do Evangelho. A sabedoria de Deus estava sendo substituída pela sabedoria humana. Paulo revela: Porque não me enviou Cristo para batizar, mas para pregar o evangelho; não com sabedoria de palavra, para que se não anule a cruz de Cristo (1Co 1.17). Paulo pregava o evangelho não pelo método filosófico, mas de forma simples e clara, no poder do Espírito (1Co 2.1). A retórica eloquente anulava o poder da mensagem da cruz de Cristo.<br />
  20. 20. Fim da 1ª Aula.<br />

×