Consequencias das Mudanças ClimáTicas, Alexandra Pedro CTT 09

19.795 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
2 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
19.795
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
135
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
389
Comentários
2
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Consequencias das Mudanças ClimáTicas, Alexandra Pedro CTT 09

  1. 1. <ul><li>Trabalho realizado por: </li></ul><ul><li>Alexandra Pedro Nº91 </li></ul><ul><li>CTT.09.12 </li></ul>
  2. 2. Mudanças climáticas <ul><li>As mudanças climáticas são alterações que ocorrem no clima geral, de maneira natural ou por acções dos seres humanos. Estas alterações são verificadas através de registos científicos apurados durante o passar dos anos. Entretanto, desde o fim do século XX, estações meteorológicas do mundo detectaram um rápido crescimento. </li></ul>
  3. 3. Consequências das mudanças climáticas <ul><li>As mudanças climáticas têm várias consequências como: </li></ul><ul><li>Aumento do nível dos oceanos e derretimento do gelo; </li></ul><ul><li>Crescimento e surgimento de desertos; </li></ul><ul><li>Aumento de furacões, tufões e ciclones; </li></ul><ul><li>Ondas de calor; </li></ul><ul><li>Seca e fome; </li></ul><ul><li>Doenças; </li></ul><ul><li>Catástrofes naturais . </li></ul>
  4. 4. Aumento do nível dos oceanos e derretimento do gelo <ul><li>O derretimento dos pólos é o aquecimento devido ao efeito estufa está a levar ao ar mais quente e húmido na Antárctida, depositando lá humidade em forma de neve, e aumentando assim o gelo. Os cientistas afirmam que o aumento de temperatura possa derreter as calotes polares e fazer com que o nível do mar aumente de 30 a 100 centímetros em cem anos. Os países mais preocupados são as nações insulares, como Cuba, que calculou um ritmo de crescimento de 2.7 centímetros por década para o nível do mar. </li></ul>
  5. 5. Crescimento e surgimento de desertos <ul><li>O crescimento e surgimento de desertos deve-se ao aumento da temperatura que provoca a morte de várias espécies animais e vegetais, desequilibrando vários ecossistemas. Somado ao desamamento que vem ocorrendo, principalmente em florestas de países tropicais como o Brasil e países africanos, a tendência é aumentar cada vez mais as regiões desérticas do planeta Terra. </li></ul>
  6. 6. Aumento de furacões, tufões e ciclones <ul><li>O aumento de furacões, tufões e ciclones deve-se ao aumento da temperatura que faz com que ocorra maior evaporação das águas dos oceanos, potencializando estes tipos de catástrofes climáticas. </li></ul>
  7. 7. Ondas de calor <ul><li>As ondas de calor devem-se às regiões de temperaturas amenas que sofrem com as ondas de calor. No verão europeu, por exemplo, tem se verificado uma intensa onda de calor, provocando até mesmo mortes de idosos e crianças. </li></ul>
  8. 8. Seca e fome <ul><li>As modificações nos padrões de chuva e de solenização de corpos de água originariam mudanças profundas na conservação, no uso do solo e na distribuição de espécies vegetais. Com isso à o risco de haver surtos de fome locais e desnutrição tanto a nível humano como de outras espécies, causadas por distúrbios climáticos, havendo um efeito devastador unido às condições sócio económicas de pobreza e desigualdade. </li></ul>
  9. 9. Doenças <ul><li>Na saúde a população será afectada por o aumento de doenças relacionadas com as mudanças bruscas da temperatura e de doenças infecciosas como a cólera e a malária. </li></ul>
  10. 10. Catástrofes naturais <ul><li>Com o aumento dos fenómenos meteorológicos extremos aumenta também o risco de catástrofes naturais como os furacões, deslizamentos de terra e inundações que afectam as pessoas de forma particularmente dura nas regiões em que faltam serviços de protecção civil e sistemas de alerta. </li></ul>
  11. 11. Consequências nos diferentes sectores sócio económicos <ul><li>Recursos hídricos e pescas: </li></ul><ul><li>- Menor quantidade água disponível; - Pior qualidade das águas fluviais ; - Os nossos rios internacionais são afectados, pois os espanhóis precisão de reter mais água. O Sado e Guadiana podem perder 60% de escoamento anual e o Tejo 30%; - Aumento da temperatura superficial do mar; - Alterações nos recursos pesqueiros. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Zonas costeiras: </li></ul><ul><li>- Subida do nível médio do mar, aproximadamente 50 centímetros e aumento da erosão costeira, sobretudo marés vivas ; - Intrusão salina; - Alto e muito alto risco em 67% da nossa zona costeira, onde se concentra a maior parte da população portuguesa . </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Saúde humana: </li></ul><ul><li>- Aumento de doenças associadas a ondas de calor; diminuição de doenças ligadas ao excesso de frio; - Aumento de doenças por poluição do ar e de alergias; - Surtos de doenças transmitidas pela água e alimentos como a febre tifóide, salmoneloses, toxinas associadas com mariscos e cianobactérias; - Surtos de doenças transmitidas por vectores, sobretudo insectos como a malária, dengue, febre amarela, doença de Lyme, febre escaronodular e encefalites. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Agricultura e florestas: </li></ul><ul><li>- Mudanças no tipo de culturas devido à escassez de água para irrigação e readaptação a novos períodos de cultivo; - Aumento de pragas, doenças e infestantes, tanto na floresta como na agricultura; - Aumento acentuado de incêndios; - Redução da produtividade florestal; - Perda de biodiversidade. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Energia: </li></ul><ul><li>- Forte aumento das necessidades de arrefecimento em edifícios e transportes, com maior recurso ao ar condicionado; - Alguma diminuição das necessidades de aquecimento no Inverno; - Mais custo de conservação em equipamentos públicos, devido aos fenómenos climáticos extremos (estradas, aeroportos, coberturas, etc.); - Aumento geral dos gastos energéticos à escala nacional e individual ; - À força de tanto calor, haverá uma corrida aos ares condicionados: subirá a factura energética, o orçamento familiar, o contributo nacional para o efeito de estufa, a poluição. </li></ul>
  16. 16. Conclusão <ul><li>As consequências resultantes das alterações climáticas são muito vastas e poder-se-ão traduzir, a título exemplificativo e de acordo com a Agência Europeia do Ambiente (AEA), em: </li></ul><ul><li>– Aumento do nível do mar, com a probabilidade de submersão de zonas baixas; </li></ul><ul><li>– Degelo dos glaciares; </li></ul><ul><li>– Alterações do ciclo hidrológico e dos padrões normais de precipitação, com consequentes cheias e </li></ul><ul><li>secas; </li></ul><ul><li>– Alterações na ocorrência de situações climáticas extremas, em particular de temperaturas muito </li></ul><ul><li>elevadas. </li></ul>

×