Tumores Ósseos

3.711 visualizações

Publicada em

Tudo sobre Tumores Ósseos

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.711
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.327
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tumores Ósseos

  1. 1. Tumores Ósseos
  2. 2. O que são Tumores Ósseos? Tumores ósseos são aqueles que iniciam no próprio osso. O principal tipo de tumor ósseo é o sarcoma. Existem vários tipos diferentes de tumores ósseos, e suas nomenclaturas estão relacionados à localização do osso ou do tecido circundante atingido e do tipo de células que formam o tumor. Alguns tumores ósseos primários são benignos, e outros podem ser malignos.
  3. 3. Sinais e Sintomas Os principais sinais e sintomas dos tumores ósseos são: • Dor - A dor no osso afetado é a queixa mais comum dos pacientes com tumores ósseos. No início, a dor não é constante, mas pode ser mais intensa à noite ou ao movimento, por exemplo, dor nas pernas ao caminhar. • Inchaço - Dependendo da localização do tumor pode ser percebido um nódulo ou uma massa no local. • Fraturas - Os tumores ósseos podem enfraquecer o osso, mas na maioria das vezes, os ossos não chegam a fraturar. Pacientes com fraturas no osso doente, geralmente descrevem uma dor súbita em um membro.
  4. 4. Tipos de Câncer de Osso Os principais tipos de tumores ósseos são: • Osteossarcoma - O tipo de câncer ósseo mais comum. • Condrossarcoma - Se desenvolve nas células que formam a cartilagem. • Condrossarcoma Diferenciado - Se inicia como condrossarcoma típico. • Condrossarcoma de Células Claras - Variante rara de desenvolvimento lento. • Condrossarcomas Mesenquimais - Podem crescer rapidamente. • Sarcoma de Ewing - Segundo tipo mais comum em crianças e adolescentes. • Histiocitoma Fibroso Maligno - Ocorre frequentemente no tecido conjuntivo. • Fibrossarcoma - Se desenvolve mais frequentemente em tecidos moles. • Tumor Ósseo de Células Gigantes - Afeta os ossos da perna ou dos braços. • Cordoma- Geralmente se forma na base do crânio e ossos da coluna vertebral.
  5. 5. Diagnóstico de Tumor Ósseo: Imagem Os principais exames de imagem realizados no diagnóstico dos tumores ósseos são: • Radiografia - A maioria dos tumores ósseos pode ser visualizada numa radiografia. • Tomografia Computadorizada - Exame importante para o estadiamento da doença. • Ressonância Magnética – Útil para delinear um tumor ósseo. • Cintilografia Óssea - Avalia funcionalmente os órgãos e não apenas sua morfologia. Realizado com o radiofármaco 99mTc-MDP. • Tomografia por Emissão de Pósitrons - Útil para diferenciar o tumor maligno do benigno.
  6. 6. Diagnóstico de Tumor Ósseo: Biópsia Se existe uma suspeita de um tumor ósseo, a biópsia é necessária para confirmar o diagnóstico. A biópsia é um procedimento no qual uma amostra de tecido é removida e encaminhada para análise de um patologista, médico especializado no diagnóstico de doenças por meio da análise de tecidos com um microscópio. Os principais tipos de biópsias para diagnóstico de um tumor ósseo são: • Biópsia por Agulha - Punção aspirativa por agulha fina (PAAF) e biópsia de fragmento com agulha (BFA). • Biópsia Óssea Cirúrgica - Procedimento realizado no centro cirúrgico durante a cirurgia; tem a grande vantagem de poder se fazer a biópsia por congelamento durante o procedimento.
  7. 7. Estágios dos Tumores Ósseos IA - T1, N0, M0, G1-G2. O tumor é de até 8 cm. IB - T2 ou T3, N0, M0, G1-G2. O tumor é > do que 8 cm ou se encontra em mais de um local. II - Não se disseminou para fora do osso, mas é de alto grau. IIA - T1, N0, M0, G3-G4. O tumor é de até 8 cm. IIB - T2, N0, M0, G3-G4. O tumor é > que 8 cm. III - T3, N0, M0, G3-G4. Não se disseminou para fora do osso. IV - O tumor se disseminou para fora do osso e são de qualquer grau. IVA - Qualquer T, N0, M1a, G1-G4. Se disseminou para o pulmão. IVB - Qualquer T, N1, qualquer M, G1-G4 ou qualquer T, qualquer N, M1a, G1-G4.
  8. 8. Tratamento: Cirurgia É o principal tipo de tratamento para a maioria dos tumores ósseos. O objetivo da cirurgia é a remoção de todo o tumor, com margem de segurança que permita assegurar que não sobrem células cancerígenas. Tumores nos Braços ou Pernas • Amputação - Cirurgia para remover parte ou a totalidade de um membro. • Cirurgia de Salvamento de Membros - O objetivo deste procedimento é remover todo o tumor e preservar o membro afetado. • Cirurgia Reconstrutora - Preserva o máximo possível o membro e sua funcionalidade embora isto possa representar ter um membro mais curto.
  9. 9. Tratamento: Cirurgia Tumores em Outras Áreas Os tumores ósseos da região pélvica são tratados com grandes incisões. Se necessário, enxertos ósseos podem ser usados para reconstruir os ossos pélvicos. Para um tumor localizado no maxilar inferior, a metade inferior da mandíbula pode ser removida e substituída com ossos de outras partes do corpo. Para os tumores localizados na coluna vertebral ou crânio, pode não ser possível fazer com segurança uma excisão grande. Os tumores nestes ossos podem exigir uma combinação de tratamentos, como curetagem, criocirurgia e radioterapia.
  10. 10. Tratamento: Radioterapia A radioterapia não desempenha um papel importante no tratamento da maioria dos tipos de tumores ósseos, exceto para os tumores de Ewing. Muitas vezes, a radioterapia é utilizada para tratar os tumores irressecáveis, que não podem ser completamente removidos cirurgicamente. A radioterapia também pode ser utilizada após a cirurgia, para destruir as células cancerígenas remanescentes.
  11. 11. Tratamento: Quimioterapia Os principais medicamentos utilizados no tratamento dos tumores ósseos são: Doxorrubicina, Cisplatina ou carboplatina, Etoposido, Ifosfamida, Ciclofosfamida, Metotrexato e Vincristina. Normalmente, os quimioterápicos são administrados em combinações de dois ou três medicamentos, por exemplo, uma combinação muito comum é a cisplatina com a doxorrubicina. Outras combinações são ifosfamida e etoposido ou ifosfamida e doxorrubicina.
  12. 12. Tratamento: Terapia Alvo Terapia alvo é um novo tipo de tratamento contra o câncer que utiliza drogas ou outras substâncias para identificar e atacar as células cancerígenas com pouco dano às células normais. Cada tipo de terapia alvo funciona de uma maneira diferente, mas todas alteram a forma como uma célula cancerígena cresce, se divide, se auto repara, ou como interage com outras células. O imatinib tem como alvo as proteínas c-KIT, PDGFRA e PDGFRB, bloqueando a capacidade das células tumorais de crescerem e se dividirem. O imatinib é utilizado para tratar cordomas que se disseminaram ou recidivaram.
  13. 13. Vivendo com Tumores Ósseos O câncer é uma experiência de mudança de vida. E, embora não haja nenhuma maneira infalível de prevenir a recidiva, você pode tomar medidas para se sentir e se manter saudável. Comer frutas, legumes, grãos integrais e porções modestas de carne magra é um grande começo. O exercício diário e exames regulares são importantes ajudam a sua saúde e dão paz de espírito. Uma das coisas que ajuda muito o paciente com tumor ósseo a enfrentar a doença é o apoio e a força que ele recebe. Independente de como, o importante é que você encontre em algo ou alguém essa ajuda, seja nos familiares, nos amigos, em ex-pacientes, em sites sobre a doença, ou até em sua própria fé. Você não precisa passar por tudo isso sozinho.
  14. 14. Novos Tratamentos Agentes antiangiogênicos, anticorpos para o receptor do fator de crescimento similar à insulina 1 (IGF-1R) e outras medicamentos que bloqueiam as vias ativas no interior das células cancerígenas estão sendo estudadas. A maioria destes agentes denominados terapia alvo são destinadas a elementos específicos das células cancerígenas, com um efeito mínimo nas células normais. Um exemplo de terapia alvo é o imatinib, que tem como alvo determinadas proteínas produzidas pelas células cancerígenas do cordoma. A adição do sirolimus ou de cisplatina ao imatinibe ajuda a deter o crescimento do cordoma. Outras terapias alvo, como o pazopanib, GDC-0449 e IPI-926 estão sendo estudadas.

×