1
PERCEPÇÕES ACERCA DA IMPLANTAÇÃO DE CURSOS SUPERIORES SEMIPRESENCIAIS
USANDO A METODOLOGIA DA SALA DE AULA INVERTIDA
Pro...
2
aprendizagem. O aluno, por sua vez, precisa ter maior autonomia intelectual, assumindo de maneira
bastante efetiva o pap...
3
Fica claro também que esta metodologia implica em um conhecimento mais amplo do docente em
relação à área de atuação do ...
4
THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-Ação. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2011.
TORI, Romero. Cursos híbridos ou Blended le...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Percepções acerca da implantação de cursos superiores semipresenciais usando a metodologia da sala de aula invertida

137 visualizações

Publicada em

Relato de experiência a partir da percepção de docentes envolvidos na implantação de cursos semipresenciais numa instituição de ensino superior

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
137
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Percepções acerca da implantação de cursos superiores semipresenciais usando a metodologia da sala de aula invertida

  1. 1. 1 PERCEPÇÕES ACERCA DA IMPLANTAÇÃO DE CURSOS SUPERIORES SEMIPRESENCIAIS USANDO A METODOLOGIA DA SALA DE AULA INVERTIDA Profª Dra. Inge Renate Fröse Suhr EIXO TEMÁTICO: Metodologia de Ensino Resumo Relatamos neste pôster os resultados parciais de uma pesquisa-ação (Thiollent, 2011) sobre a inovação curricular e metodológica colocada a termo numa Instituição de Ensino Superior (IES), desde 2013. São partícipes da pesquisa os 15 professores envolvidos na implantação de cursos que, embora sejam legalmente educação a distância, ocorrem num regime semipresencial, conciliando as possibilidades do ensino presencial e da Educação a Distância. Tais cursos utilizam nos encontros presenciais a lógica da sala de aula invertida. Os cursos híbridos entre presencial e distância têm sido apontados como tendência de futuro, já que, cada vez mais, as pessoas interagem com diversas formas midiáticas e demandam percursos formativos diversos. Segundo Tori (2009), tais cursos são também conhecidos como blendend learning e se baseiam na aprendizagem autônoma, mas ampliando a interatividade entre professor e aluno e entre os alunos. Nesta perspectiva aluno é visto como sujeito de sua aprendizagem, o professor como mediador e as tecnologias, suporte para diferentes formas de interação. Para Valente (2014), abrem a possibilidade de maximizar pontos positivos do ensino presencial (principalmente a mediação do outro na aprendizagem e na construção do conhecimento de cada estudante e o sentimento de pertença a um grupo) e da EAD (essencialmente o respeito ao tempo e ao estilo de aprendizagem de cada aluno e a utilização de outras formas de mediação possibilitadas pelas TICs). O trabalho do docente nestes cursos segue a lógica da sala de aula invertida (flipped classroom), termo difundido por Bergmann e Sams (2012), o que exige uma postura de professor e de aluno diferenciadas. Para Schneider et. al. (2013), ao invés de ser o responsável pela transmissão do conhecimento, o professor atua como catalizador, mediador, orientador de estudos. Cabe-lhe propiciar, por meio de estratégias que priorizem a aplicação, a relação teórico-prática dos conteúdos. Os conceitos são disponibilizados aos alunos por meio dos vários recursos tecnológicos presentes no ambiente virtual de
  2. 2. 2 aprendizagem. O aluno, por sua vez, precisa ter maior autonomia intelectual, assumindo de maneira bastante efetiva o papel de sujeito de sua própria aprendizagem. O conceito de sala de aula invertida nada mais é do que utilizar os momentos presenciais para realizar atividades de níveis mais avançados de raciocínio, servindo-se dos conceitos transmitidos por meio de variados materiais instrucionais. No caso da IES em questão, os alunos têm acesso, em ambiente virtual de aprendizagem, a vídeo aulas, orientações de estudo em formato de “rota de aprendizagem”, biblioteca virtual, atividades de auto avaliação, além de livros físicos e apoio de tutores online para dirimir as possíveis dúvidas relativas ao conteúdo. De posse dos conceitos, nos encontros presenciais, que são dois por semana, o aluno é desafiado à aplicação prática dos mesmos. No primeiro encontro semanal o foco é disciplinar, retomando, por meio de metodologias ativas, os conceitos. No segundo dia, o foco é interdisciplinar e os alunos desenvolvem, no decorrer da Unidade Temática de Aprendizagem (que agrega 4 disciplinas), um projeto/ação/intervenção/material que sintetize os objetivos centrais da Unidade. A partir deste breve relato passaremos a expor parte das conclusões da pesquisa relatada, referentes ao papel e à formação do professor. Como na sala de aula invertida o papel do professor é diferente em relação ao tradicional, passando a ser o orientador, o facilitador das discussões e das atividades coletivas, que têm como foco a resolução de desafios, num primeiro momento ele se sente perdido em relação ao seu papel. Se já não lhe cabe a transmissão, o que fazer? Se nos encontros presenciais a ênfase está na discussão, na reflexão, na aplicação dos conhecimentos estudados de maneira autônoma pelo aluno, usando metodologias ativas, como planejar tais encontros? O que são, afinal, metodologias ativas? Mas, passado este momento inicial, a maioria dos docentes acaba se apaixonando pela proposta. Compreender e adaptar-se a esta forma de agir é um ponto bastante citado pelos docentes como sendo, ao mesmo tempo, um dificultador e um avanço. Ante aos desafios do dia-a-dia, de maneira informal, segundo os participantes da pesquisa, foi se criando uma rede entre os professores, que se apoiavam uns nos outros para realizarem seu trabalho. Evidencia-se o papel do docente como profissional que busca soluções para os problemas enfrentados no dia-a-dia, iniciando ou fortalecendo, por conta do desconhecido e dos desafios que ele traz, uma ação mais coletiva.
  3. 3. 3 Fica claro também que esta metodologia implica em um conhecimento mais amplo do docente em relação à área de atuação do curso, não bastando o domínio de uma disciplina especifica. A relação todo-partes e partes-todo é central para que o professor possa encaminhar as atividades presenciais, principalmente a interdisciplinar. Os pontos acima abordados indicam que a formação continuada para os docentes como estratégia privilegiada, principalmente se levarmos em conta que novos profissionais se somarão ao grupo à medida que mais cursos passem a funcionar desta forma. Vale ressaltar que, segundo Libâneo, 2004, a formação continuada precisa ser um processo na e para a instituição tomando a vivência como ponto de partida, trazendo as situações relatadas para uma discussão coletiva, para a qual se faz necessário tomar como base um referencial teórico. Como todos os professores envolvidos na implantação do projeto são docentes também da graduação presencial é possível inferir que as vivências e aprendizagens pelas quais passaram tendem a ser expandidas para esta modalidade, o que pode significar um avanço na superação do modelo de “aula magistral” que ainda tem força no ensino superior. Neste mesmo sentido, o relato dos docentes afirmando que a metodologia dos cursos semipresenciais incentiva e mesmo força a construção da autonomia do estudante demonstra que é possível construir outro tipo de relação do estudante com sua própria aprendizagem, menos dependente do docente. Finalmente, salientamos a clareza do grupo participante da pesquisa-ação, no que se refere ao fato de que mudanças e ajustes precisarão ser feitos em relação ao projeto inicial, tomando a avaliação do processo de implantação como referência. Qualquer projeto pedagógico é uma carta de intenções que pode e deve ser revista e adequada aos objetivos traçados à medida em que a realidade concreta indica a necessidade. Referências: BERGMANN. J. & SAMS, A. Flip Your Classroom: Reach Every Student in Every Class Every Day, 2012.Washington, DC: International Society for Technology in Education. LIBÂNEO, José Carlos, Organização e gestão da escola: teoria e prática. 5 ed. revista e ampliada. Goiânia: Alternativa, 2004 SCHNEIDER et al. Sala de aula invertida na EAD: uma proposta de Blended Learning. Revista Intersaberes| vol. 8, n.16, p.68-81| jul. – dez. 2013| ISSN 1809–7286. Disponível em: http://grupouninter.com.br/intersaberes/index.php/revista/article/view/499/316
  4. 4. 4 THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-Ação. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2011. TORI, Romero. Cursos híbridos ou Blended learning. In: LITTO, F.; FORMIGA, M. (orgs) Educação a distância: estado da arte. São Paulo: Pearson, 2009. VALENTE, José A. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 4/2014, p. 79-97. Editora UFPR. http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/educar/article/view/38645. Acesso em: 10.05.2015.

×