Reparação dos tecidos apicais em endodontia

2.520 visualizações

Publicada em

Descrição do processo de reparação que ocorre nos tecidos perirradiculares após tratamentos de canais de polpas vitais e necrosadas.

Publicada em: Educação
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.520
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
32
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Esta apresentação descreve de forma resumida as fases da reparação após tratamentos de canais de polpas vivas e de canais contaminados. A avaliação do sucesso e dos fatores relacionados ao fracasso também são comentados.
  • Reparação dos tecidos apicais em endodontia

    1. 1. Ines Jacyntho Inojosa
    2. 2. 1ªETAPA – formação ferida cirúrgica Hemorragia   Formação de coágulo fibrinoso Mario Leonardo
    3. 3. 2ªETAPA -reação inflamatória (esxudativa/celular) Vasoconstricção Permeabilidade Capilar Vasodilatação Formação de exsudatoViscosidade do sangue Fluxo sanguíneo Marginação leucocitária Células de defesa Duração: cerca de 48 horas
    4. 4. 3ªETAPA -reação inflamatória (proliferativa)  Células  fibroblastos inflamatórias Tecido de Granulação Duração: cerca de 5 dias
    5. 5. 4ªETAPA - fase de reparação Fibroblastos Tecido FibrosoCementoblastos Tecido Mineralizado
    6. 6. Mario Leonardo
    7. 7. Clóvis Bramante
    8. 8. inicia-se da periferia em direção aocentro o ligamento periodontal temexcelente capacidade de reparação o ligamento periodontal é oprimeiro tecido a ser afetado e oúltimo a ser reparado
    9. 9. Formação de matriz glicoproteica  Ação dos osteoblastosFosfatase alcalina Fosfatos orgânicos Fosfatos inorgânicos Fosfato de cálcio Precipitação na matriz glicoproteica Ilhas Cálcicas Formação de tecido ósseo
    10. 10. Ines Jacyntho InojosaLesão apical relacionada a tratamento insatisfatório no 25É necessário reintervir para que se promova aneutralização dos produtos tóxicos da região apical.
    11. 11. 1 anoApós reintervenção irá ocorrer intensa proliferação defibroblastos.Pouco a pouco se forma a matriz colágena rica em célulase fibras.
    12. 12. 1 anoSurgem focos de ossificação dispostos irregularmente namassa fibrosa (núcleos de formação de osso primário). Nemsempre é possível visualizar esta etapa radiograficamente.
    13. 13. Ines Jacyntho Inojosa Toda a perda óssea é preenchida por tecido ósseo imaturo (primário), formado desordenadamente. Por atividade da membrana periodontal, as áreas reabsorvidas de dentina e cemento são remodeladas.À medida em que o processo tem continuidade, o osso imaturo vaisendo reabsorvido e substituído por osso lamelar.
    14. 14. 8 anos deprosservação ! Ines Jacyntho Inojosa
    15. 15. Varia de 95% à 53% Variáveis sofrem influência do observador,queixas do paciente , subjetividade daresposta, variabilidade do hospedeiro,validade e reprodutibilidade do método deavaliação ,etc.
    16. 16. bomduvidosopéssimo
    17. 17. O prognóstico é estabelecido antes, durantee após o tratamentoO prognóstico pode mudar após o tratamentoter sido iniciado ou concluído
    18. 18. Histológico (pesquisas)Clínico ( sinais e sintomas)Radiográfico
    19. 19. 6 meses à 4 anosPara o resto da vida se possívelUm caso bem sucedido pode fracassar como tempo
    20. 20. SucessoInsucessoQuestionável
    21. 21. Ausência de dor e edemaDesaparecimento de fístulaVolta à funçãoRegressão de lesão radiográficaAusência de área radiolúcida no periápice
    22. 22. Presença de dor ou edemaPresença de fístulaPerda da funçãoAumento da lesão radiográficaAparecimento de área radiolúcida
    23. 23. Ausência de dor ou edemaPresença de espessamento periapicalPresença de pequena área radiolúcida emtratamentos realizados há mais de 2 anos(cicatriz ?).
    24. 24. Pré-operatóriasOperatóriasPós-operatórias
    25. 25. Erros no diagnostico e plano detratamentoDesconhecimento da anatomia pulpar
    26. 26. Fracasso em atingir os objetivos mecânicosFracasso em atingir os objetivos biológicos
    27. 27. Relacionados ao preparo da cavidadeendodôntica ( acesso, instrumentação do canal)
    28. 28. Ines Jacyntho Inojosa
    29. 29. Ines Jacyntho Inojosa
    30. 30. Remoção e redução dos irritantes do canal ( controle microbiano ) Obturação do canal Controle da inflamação periapical
    31. 31. Agressão aos tecidos apicais e periapicaisPermanência de debrisMicroinfiltração ( coronária e/ou apical )
    32. 32. Ines Jacyntho InojosaFratura radicular verticalEnvolvimento periodontalPinos mal adaptadosFracassos na restauração
    33. 33. A taxa de sucesso dos retratamentos éa mesma dos tratamentosendodônticos convencionais , à medidaem que a causa do insucesso éidentificada e corrigida.Contudo, pode ser muito difícil corrigir acausa do fracasso.
    34. 34. 4 anos após- sucesso do 44 e 46 em regressão1 0 anos e meio após46 com fístula namesial . Fratura!? Ines Jacyntho Inojosa
    35. 35. Canino 23Lesão lateral Obturação 2 anos apóscom fístula ramificações Reparo Ines Jacyntho Inojosa

    ×