Novela Literária

10.659 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.659
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
156
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Novela Literária

  1. 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E EXATAS CAMPUS VI – PINTO DE MONTEIRO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS• DISCIPLINA: TEORIA E CRITICA LITERARIAS I• PROFESSORA: MARCELLE VENTURA CARVALHO• COMPONENTES: Andrêssa Maiara Torres Targino Iques Rogelles Maria Conceição Ferreira Torres Maria José Monteiro,12 de junho de 2012.
  2. 2. Roteiro• A palavra “novela”• Histórico da novela• Conceito e Estrutura• Ação• Tempo• Espaço• Estrutura• Linguagem• Personagens• Trama• Começo e Epílogo na novela• Ponto de Vista• Tipos de Novela• Gráfico da Novela
  3. 3. A PALAVRA “ NOVELA”A palavra “novela” remonta ao italiano “novella”, por sua vezoriginário da Provença (“novas”, “novelas”), onde significava “relato,comunicação, notícia, novidade”. A raiz etimológica estaria no latim“novella”, de “novellus, a, um”, adjetivo diminutivo derivado de“novus, a, um”. Do sentido primordial de “jovem”, “novo”, “recente”,o vocábulo substantivou-se, adquirindo vária significação, desde“chiste”, “gracejo” até “enredo”, “narrativa enovelada”. Em vernáculo, o termo circula na acepção de “engano”, “embuste”, “mentira”, mas designa de modo geral uma história fictícia, longa, jorrando emoções fáceis, transmitida pela rádio e pela televisão.
  4. 4. HISTÓRICO DA NOVELA. A novela já era cultivada, de forma embrionária, na Antiguidade greco-latina. Desenvolveu-se ao longo de cinco séculos, do século II a.C. ao III d.C., tendo como fase áurea o séc. II da era cristã. Todavia, perece pouco provável que os textos greco-latinos e suas extensões bizantinas tivessem originado a novela propriamente dita, cuja paternidade cabe às canções de gesta. As canções de gesta giravam em torno de feitos de guerra, cantadas por trovadores confundiam o fantástico com o verídico, centrados nos episódios bélicos, assim conjugando espírito cívico e atividade estética.
  5. 5. A narrativa crescia toda vez que o trovador a repetia.E como a memória individual fosse incapaz de retê-lo na íntegra, era preciso transcrevê-lo no pergaminho a fim de conservá-lo. Após a transliteração as canções passaram a ser lidas com acompanhamento musical. E o alargamento desmesurado do texto levou a pôr em prosa o conteúdo já de si narrativo dos versos. Daí para a prosificação foi um passo.Com isso, a novela despontava como fôrma autônoma e caracterizada.
  6. 6. CONCEITO E ESTRUTURA• Identificada com as manifestações populares de arte, atende ao desejo de aventura e fuga realizado com o mínimo de profundidade e o máximo de anestésico. Prato variado mas ligeiro, não se detém no exame do dia-a-dia real, preocupa-se acima de tudo com o pitoresco, que é tão cedo esquecido quanto mais facilmente seduz. Encarada como modo de conhecimento, a novela ilude e mistifica, por imprimir aos episódios um movimento acelerado e cheio de novidades, que não pode ser o do cotidiano. Pressupondo que tudo se conheça, ou que se converta em atos e acontecimentos visíveis, a novela contempla, não indaga, finge, não questiona, fantasia, não interroga.
  7. 7. ELEMENTOS DA NOVELA Ação significa a série de eventos que se1. Ação desenvolvem durante a história.Essencialmente multívoca, polivalente, isto é, ostenta pluralidade dramática. Constitui-se de uma série de unidades ou células dramáticas encadeadas e portadoras de começo,meio e fim. De onde semelha a uma fileira de contos enlaçados. Todavia, cada unidadenão é autônoma: a sua fisionomia própria resulta de participar de um conjunto , detalforma que separada dela, não tem razão de ser. Por outro lado, a retirada de uma dasparcelas acabaria comprometendo a progressão em que se inscreve.2. Tempo O tempo da narrativa acompanha uma estrutura linear, não havendorestrição cronológica, o novelista pode fazer o uso arbitrário do tempo da ação. Mas,embora possa observar o transcurso vital das personagens desde o seu nascimento,concentra-se nos momentos em que se processa cada “aventura” e reduz o passado aumas breves notações.3. Espaço O espaço vincula-se estreitamente ao tempo. A sucessão ininterruptade peripécias confere à narrativa um dinamismo semelhante à câmara rápida do cinemamudo. Por outro lado, a pluralidade dramática pressupõe a pluralidade espacial; é danovela a tendência ao deslocamento contínuo das personagens. E o narrador se sentelivre para o fazer, sem qualquer respeito às leis da verossimilhança: num breve lapso detempo, faz que a personagem se transfira para lugares remotos e por vezes inacessíveis.
  8. 8. 4. Estrutura À semelhança do conto, a estrutura da novela caracteriza-se por ser plástica, concreta, horizontal. Por certo, os dados da observação formam o substrato, mas sofrem o caldeamento da fantasia mais liberta: a verdade imaginativa sobrepõe-se à observada, de modo que o esforço criador do novelista se concentra na multiplicação de episódios, sem preocupar-se com a sua plausibilidade. A imaginação tudo justifica, porque inventa as próprias leis por que se auto-rege.5. Linguagem No tocante à linguagem, a novela caracteriza-se pelo emprego de metáforas diretas, despojadas, que levam imediatamente ao ponto colimado pelo narrador. Desprezados os subentendidos, as segundas intenções, o mistério, quando se ergue, patenteia-se claramente ao leitor. O diálogo, malgrado o alargamento da perspectiva horizontal, prevalece entre os recursos expressivos.6. Personagens No tocante às personagens, a novela exibe o seguinte quadro: em razão do número de células encadeadas , as personagens centrais tornam-se numerosa. Aumenta, ainda, o índice de personagens coadjuvantes, pelas mesmas razões. De onde algumas delas funcionam apenas como espaço humano ou social: aparecem, atuam um breve momento e desaparecem para nunca mais. Gera-se, assim, um círculo vicioso, na medida em que o recrudescimento da população no interior da novela decorre da multiplicação de células dramáticas, e por sua vez estas se desenvolvem a partir de personagens que aguardam a sua hora de entrar em cena. No geral, trata-se de personagens estereotipadas, seja qual for a função desempenhada.
  9. 9. 7. Trama O ritmo acelerado da novela obriga o prosador a concentrar-se de modo particular nos processos de aglutinação das células dramáticas. E que podem ser de dois tipos: 1)ou as personagens mantém-se ao longo da novela, servindo de elo de ligação entre as suas várias unidades e de elemento catalisador para as peripécias que se sucedem; 2) ou vão sendo substituídas a cada episódio: a passagem de uma célula a outra dá-se pelo acaso ou pela morte do protagonista da fração dramática, e pela consequente substituição por uma personagem anteriormente colocada em segundo plano.8. Começo e Epílogo na novela Quanto ao começo da novela há de atrair imediatamente o leitor para o cenário do primeiro episódio: nota-se que as novelas recusam preparações, por certo para atender ao leitor, ávido por ingressar na correnteza da narrativa. Alcançado o seu objetivo, o novelista concentra-se na armação dos episódios, que se vão enlaçando num crescendo que culmina na derradeira célula. O epílogo da novela articula-se estreitamente à sua macroestrutura: evoluindo numa linha horizontal, a novela exemplifica à perfeição o que se poderia chamar de obra “fechada”, na medida em que as células dramáticas parece, bastar-se a si próprias, não estabelecem com a vida senão vínculos indiretos.9. Ponto de Vista Quando ao ponto de vista ou foco narrativo, a linearidade da novela impõe-no: escritor onisciente. Por vezes, entrelaça-se com outro, em que a personagem é o narrador. Em qualquer dos casos, o novelista funciona como um demiurgo, que tudo enxerga e tudo conhece.
  10. 10. A novela, assimentendida, apresenta os seguintes tipos:
  11. 11. Novela de cavalariaQuanto às novelas de cavalaria, nasceram na Idade Média, em consequência da prosificação das canções de gesta.
  12. 12. Caracteriza-se por expressardiretamente os sentimentos dosprotagonistas (amor, ciúme, mágoa, frustração, tristeza,alegria,paixão), o queimporta não é aação, mas como ospersonagens internalizar o queacontece.Normalmente, depoisde muitos eventos aparece um final feliz com a resolução doconflito que surge na novela.
  13. 13. Novelas Picarescas A novela picaresca iniciou-se pela Vida de Lazarillo de Tormes y de sus fortunas y adversidades, de autor anônimo, e atingiu o ápice no séc.XVII, com Guzmán de Alfarache(1599), de Mateo Aleman, Rinconete y Cartadillo (1613), de Cervantes, La Vida del Buscón(1628), de Quevedo.
  14. 14. Novela HistóricaA novela histórica caracteriza-se pela recriação do passado remotoou recente por meio de documentos verídicos, principiou comWaverley(1814), de Walter Scott, e atravessou o séc. XIX, com OÚltimo dos Moicanos(1826), de James Fenimore Cooper.
  15. 15. Novelas policiais e/ou de mistério A mais recente caracterização da novela é a policial ou de mistério, iniciada por The Murders in the Rue Morgue(1841), de Edgar Allan Poe, e da qual nasceu a ficção policial propriamente dita, elaborada por Ellery Queen, Agatha Christie, e outros, e a novela de terror ou novela gótica, principalmente pelo Castelo de Otranto(1764), de Horace Walpole.Os assassinatos da Rua Morgue
  16. 16. Gráfico da novelaO esquema procura significar, por conseguinte, que todas as novelas se organizamcomo uma sequência de episódios na ordem linear do tempo, compondo uma sériecontínua A, B, C, D, etc.
  17. 17. Referências• MOISÉS, Massaud. A criação literária :prosa 1. 20° ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

×