Geografia do RN - Aspectos geofísicos

2.935 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.935
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
84
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geografia do RN - Aspectos geofísicos

  1. 1. Rio Grande do Norte: Aspectos Geofísicos Profº Renato Brasil
  2. 2. Os Domínios Morfoclimáticos do RN • “A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade, são adotadas como padrão em escala regional”. • (Extraído de: José B. Conti e Sueli A. Furlan. Gelogia: o clima, os solos e a biota. Em: Jurandyr L. S. Ross, org. Geografia do Brasil. São Paulo,Edusp, 1996.p.158.)
  3. 3. Geologia e Revelo O Território do Rio Grande do Norte como todo o Brasil, apresente baixas altitudes. No qual a Morfologia do revelo potiguar caracteriza-se por apresenta altitudes modestas, no qual 60 % das terras encontra-se em torno de 200 metros de altitude e 40% acima deste percentual.
  4. 4. • De modo geral, o relevo do Rio Grande do Norte é formado por planícies principalmente no litoral e por planaltos e depressões no interior.
  5. 5. • As planícies costeiras estão localizadas no litoral, caracterizadas por praias que estão entre o mar e os tabuleiros costeiros, e pela existência de dunas. Nos vales dos rios, principalmente no interior, encontram-se terrenos planos e baixos, as chamadas planícies fluviais. A chapada da serra verde, localizada após os tabuleiros costeiros, é caracterizada pelos seus terrenos planos e com tendência ligeira à elevação. Mais adiante, está localizado o Planalto da Borborema, que se vai do Rio Grande do Norte até Alagoas. A área de transição entre o Planalto da Borborema e os tabuleiros costeiros caracteriza as chamadas depressões sublitorâneas. A Depressão Sertaneja, formada por terrenos baixos, está situada logo após o Planalto da Borborema.
  6. 6. Caverna de Felipe Guerra: Estalactites
  7. 7. Lajedo de Soledade: Formação Calcária
  8. 8. Rio Grande do Norte: Clima O Clima do Estado apresenta-se bastante diversificado, no qual podemos destacar: O clima Úmido, Sub-úmido e Semiárido.
  9. 9. Clima Úmido • No litoral sul do estado, entre Nísia Floresta e Baía Formosa, o clima é considerado úmido ou tropical chuvoso com verão seco, com chuvas acima de 1 200 milímetros ao ano. No resto do litoral oriental, entre Touros e Parnamirim, bem como nas zonas serranas do interior, o clima é sub-úmido, ou tropical chuvoso com inverno seco, com pluviosidade entre 800 e 1 200 milímetros anuais e uma estação chuvosa que perdura até o mês de julho.
  10. 10. Clima Semiárido • A classificação climática semiárida, possui precipitações anuais entre 400 e 600 milímetros. Nos municípios de Afonso Bezerra, Angicos, Carnaúba dos Dantas, Equador, Fernando Pedrosa, Lajes, Pedro Avelino e São Tomé, o tipo é climático é classificado como semiárido intenso (ou, algumas vezes, como árido), em que as chuvas são bastante escassas e com médias anuais em torno de quatrocentos milímetros
  11. 11. Caatinga: Cactos
  12. 12. Brejos de Altitude: Clima sub-úmido • São marcadas por um clima tropical úmido ou subúmido, em alguns casos até mesmo subtropical. Devido à elevada altitude, criam todas as condições necessárias ao desenvolvimento de uma flora que reúne tanto características da Mata Atlântica (floresta Ombrófila Densa) quanto da caatinga (Savana Estépica), contrastando com as áreas circundantes, que possuem condições climáticas mais secas. Ao contrário de biomas vizinhos de relevo menos alto, suas temperaturas médias no inverno ficam entre 10 e 20 graus (nas florestas da costa leste por exemplo a temperatura fica entre 20 e 30 graus e nas estepes beiram os 40 graus no verão), sendo que nos picos destes platôs pode durante certas frentes frias somadas a ventos e umidade chegar a poucos graus positivos com sensação térmica que beira o zero grau ou mesmo menos até. Isso obviamente favoreceu a divergência biomática via geofísica divergente
  13. 13. Pedra do Sapo Martins-RN

×