dedução_Verdades_Descartes

13 visualizações

Publicada em

fil

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

dedução_Verdades_Descartes

  1. 1. Verdades indubitáveis que se deduzem da primeira verdade
  2. 2. 1. A distinção entre alma e corpo
  3. 3. É impossível duvidar da nossa existência enquanto pensamento, embora seja possível duvidar da existência do nosso corpo..
  4. 4. A essência do sujeito que duvida é uma substância meramente pensante, à qual Descartes dá o nome de alma (RES COGITANS). Se não preciso do corpo para existir, então a alma – o que eu sou – é distinta do corpo e mais fácil de conhecer do que este.
  5. 5. 2. A existência de Deus como ser perfeito
  6. 6. 1.Ponto de partida: o “sujeito pensante” pensa em ideias, nomeadamente na ideia de perfeição (ideia inata, clara e distinta). 2. Pelo entendimento, Descartes apercebe-se de que: 1) Qualquer efeito (realidade) tem uma causa, e 2) Não pode haver mais realidade (perfeição) no efeito do que na causa (Princípio de Adequação Causal). 3. O efeito, ideia de perfeição, exige: 1) causa, e 2) causa igualmente perfeita. 4-Qual é a causa da ideia de perfeição (ser omnipotente, omnisciente, eterno, veraz, infinito )?
  7. 7. O critério de decisão entre as várias causas possíveis reside na aplicação do Princípio de Adequação Causal (não pode haver mais perfeição (realidade) no efeito do que na causa). Qual é a causa da ideia de perfeição? 5-Existência de várias hipóteses de “causa”:1) NADA, - ora do nada (imperfeição) nada pode provir – hipótese rejeitada; 2) EU PENSANTE - este é um ser que duvida, imperfeito. Seria absurdo que o efeito – a ideia de perfeição – tivesse mais realidade e perfeição do que a causa –o sujeito pensante – hipótese rejeitada;
  8. 8. 3) SER PERFEITO de um ser que tem todas as propriedades contidas na ideia de perfeição, tais como a omnipotência, a omnisciência, e a eternidade - hipótese correca. Apenas um ser perfeito pode ser a causa da ideia de perfeição. Deus. .
  9. 9. 1. Superar o solipsismo. Os objetivos da prova
  10. 10. O termo solipsismo designa a possibilidade de, para além do Cogito e dos seus pensamentos, nada mais existir. Deus é o ser cuja existência que não depende do sujeito pensante. Logo, este não está sozinho.
  11. 11. 2. Afastar a desconfiança no funcionamento correto do nosso entendimento. Os objetivos da prova
  12. 12. Provado que Deus – por ser perfeito – não pode enganar, podemos confiar nas operações do nosso entendimento/razão. O critério da evidência é fundamentado de modo que aquilo que considero claro e distinto – evidente – é claro e distinto, absolutamente indubitável.
  13. 13. 3. Mostrar que Deus é o fundamento metafísico das crenças verdadeiras e que sem ele não há verdade objetiva.
  14. 14. • TEXTO
  15. 15. Garante-as absolutamente, porque garante que as evidências atuais são realmente indubitáveis, como também que o serão sempre. O conhecimento torna-se assim um conjunto de verdades objetivas, independentes do sujeito pensante.
  16. 16. Autora: IsabelD

×