Fissura Labiopalatina

8.699 visualizações

Publicada em

Seminario Educação Inclusiva - Fissura Labio Palatina - 2008

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.699
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
189
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fissura Labiopalatina

  1. 2. Universidade do Vale do Itajaí Núcleo das Licenciaturas Educação Inclusiva Acadêmicos: Ana Paula Souza, Jonathan dos Santos Profa Msc. Simone Laisse Pereira Fissura Labiopalatina Ciências Biológicas / 2008
  2. 3. Desenvolvimento embrionário falhas na seqüência de formação As fissuras do lábio e palato atribui-se herança multifatorial, ou seja, fatores genéticos e fatores não genéticos. E as várias formas em que estas se apresentam podem ou não se relacionar a esses fatores. Evidências revelam que o desenvolvimento insuficiente dos processos nasais laterais ou médio está relacionado às fissuras do palato primário no homem (Marques et al, 1997) Introdução
  3. 4. Fissura Labiopalatina <ul><li>O lábio fissurado e/ou fenda palatina são aberturas no lábio, paladar ou tecido mole da parte posterior da boca. O lábio fissurado pode estar acompanhado por uma abertura nos ossos da mandíbula e/ou na gengiva superior. </li></ul><ul><li>A fenda palatina existe quando duas partes deste não se unem, deixando um buraco. O lábio fissurado e a fenda palatina podem ocorrer em um ou nos dois lados. </li></ul><ul><li>O paciente pode ter lábio fissurado, fenda palatina ou ambos. </li></ul>
  4. 6. 1 - Traqueia 2 - Laringe 3 - Glote (Cordas vocais) 4 - Faringe 5 - Cavidade bucal 6 - Cavidade nasal 7 - Véu palatino ou Palato mole 8 - Maxilares (dentes) 9 - Língua 10 - Lábios 11 - Palato duro (céu da boca) O principal fator que provoca alterações articulatórias e vocais, características da fissura, é a deformidade no palato, pois a sua estrutura e a sua função estão comprometidas. ORALIDADE COMPROMETIDA
  5. 7. Etiologia e Patogenia <ul><li>Não há um fator específico que possa ser responsável pelas fendas labiais e palatinas. Porem, há um conjunto de aspectos que são co-responsaveis pela alteração embriogênica nos dois primeiros meses de gestação. </li></ul><ul><li>1. genes mutantes: deformidades associadas a outras síndromes raras, alterações congênitas dos membros. </li></ul><ul><li>2. aberrações cromossômicas: quando ocorrem associadas a síndromes como a D-trissomia. </li></ul><ul><li>3. agentes teratogênicos </li></ul><ul><li>4. herança multifatorial: a maior parte dos casos se enquadra nesta categoria. Haveria uma tendência familiar não obedecendo um padrão mendeliano e não estando presentes, ou pelo menos demonstráveis, as aberrações cromossômicas. </li></ul><ul><li>Distúrbio da Fala </li></ul><ul><li>São anomalias que envolvem processos de desenvolvimento diferentes, que ocorrem em tempos diversos, no período entre a 4º e a 8º semana de gestação. </li></ul>
  6. 8. Diagnóstico <ul><li>O diagnóstico precoce é realizado pela ultra-sonografia a partir de 14 semanas de gestação. Esta ultra-sonografia pode ser feita durante o pré-natal e tem grande importância para a preparação de um tratamento adequado após o nascimento. </li></ul><ul><li>Realizado por otorrinolaringologistas. </li></ul><ul><li>Acompanhamento: Médicos, fonoaudiólogos, dentista e psicólogo </li></ul><ul><li>Talvez até mais importante do que a cirurgia para correção do problema é o acompanhamento durante o desenvolvimento da criança”, reforça o dr. Nivaldo Alonso, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Crânio-maxilo-facial (SBCC). </li></ul>
  7. 9. Sintomas <ul><li>Dificuldades de alimentação, de respiração e de fala, além de problemas psicológicos são algumas das dificuldades enfrentadas por uma criança com fissura labial ou palatina. </li></ul>
  8. 10. Tratamento <ul><li>Procedimento cirúrgico para constituição do palato </li></ul><ul><li>Tratamento fonoaudiológico dividido em seis áreas básicas: alimentação, hábitos, sensibilidade, linguagem e fala, audição, desenvolvimento neuropsicomotor. </li></ul>
  9. 11. PERSPECTIVAS EDUCACIONAIS A linguagem oral em sua maioria das vezes é comprometida, mas não a linguagem escrita. A má formação crânio facial por si só não compromete o desevolvimeto da lingüística. Segundo Smolka: “O sentido que as crianças atribuem à escrita, seus esquemas de interpretação, são variados e dependem de experiências passadas bem como dos conhecimentos adquiridos.” É fundamental que as crianças sejam expostas a diferentes expectativas e interações sociais formuladas em relação e a partir da escrita. As experiências das crianças com a escrita resultam em possibilidades de descobertas e operações lingüísticas.
  10. 12. “ Se é importante corrigir as características anormais da fala do fissurado palatal em algum tempo nas vidas de nossos paciente, então é ainda mais importante fazer isso antes que as marcas da rejeição ou o sentimento de anormalidade ou diferença sejam formados no desenvolvimento de suas personalidades”.

×