Teorias da Cultura e do Contemporâneo Prof. Dr. Fábio Fonseca de Castro Faculdade de Comunicação - UFPA Roteiro das Aulas ...
<ul><li>  O que, na modernidade, era angústia, individualidade e exclusão - geradas no contexto de um fascínio produzido p...
<ul><li>  De acordo com Boaventura de Souza Santos, vivemos uma condição de perplexidade diante de inúmeros dilemas nos ma...
<ul><li>Senão, vejamos:  </li></ul><ul><li>na economia,  </li></ul><ul><li>ressaltam-se os fracassos modernos essenciais: ...
<ul><li>- na política,  </li></ul><ul><li>demonstra-se a corrosão do papel do Estado como elemento fundamental do processo...
<ul><li>  - na organização social,  </li></ul><ul><li>as identidades transliteram-se, desterritorializam-se. Estabelece-se...
<ul><li>Três metodologias  de investigação, a partir desses princípios, conduzem a pesquisa pós-moderna:  </li></ul><ul><l...
<ul><li>A Desconstrução,  </li></ul><ul><li>elaborada por Jacques Derrida, pretende ser uma indagação anti-objetivista do ...
<ul><li>A interpretação intuitiva </li></ul><ul><li>é, por sua vez, uma interpretação introspectiva, algumas vezes fechada...
<ul><li>A desmistificação ,  </li></ul><ul><li>enfim, seria uma focalização, um desvelamento, das motivações epistemologic...
  <ul><li>Esses três métodos apresentam grandes semelhanças entre si e, portanto, dispositivos operacionais comuns.  </li>...
<ul><li>Relativismo </li></ul><ul><li>O principio do relativismo corresponde ao ponto ético central da teoria pós-moderna:...
<ul><li>Imanência </li></ul><ul><li>A valorização da imanência corresponde à critica, elaborada pela Pós-modernidade, aos ...
<ul><li>Auto-reflexividade </li></ul><ul><li>Trata-se de uma valorização da dimensão subjetiva do pesquisador a partir da ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

TeCon Aulas 17 e 18

583 visualizações

Publicada em

Roteiro das aulas 17 e 18 do curso Teorias da Cultura e do Contemporâneo, ministrada no curso de graduação em Comunicação da UFPA, 2011.

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
583
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
142
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TeCon Aulas 17 e 18

  1. 1. Teorias da Cultura e do Contemporâneo Prof. Dr. Fábio Fonseca de Castro Faculdade de Comunicação - UFPA Roteiro das Aulas 16 e 17 Introdução às Teorias da Pós-Modernidade 29 de maio de 2011
  2. 2. <ul><li> O que, na modernidade, era angústia, individualidade e exclusão - geradas no contexto de um fascínio produzido pelo progresso - torna-se, na pós-modernidade, perplexidade. </li></ul>
  3. 3. <ul><li> De acordo com Boaventura de Souza Santos, vivemos uma condição de perplexidade diante de inúmeros dilemas nos mais diversos campos do saber e do viver: </li></ul><ul><li>o mundo se transforma em seus fundamentos, revendo tudo aquilo que fora colocado modernamente. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Senão, vejamos: </li></ul><ul><li>na economia, </li></ul><ul><li>ressaltam-se os fracassos modernos essenciais: a incapacidade do progresso – palavra moderna por excelência – em promover uma prosperidade geral, em organizar-se do modo a evitar a catástrofe ambiental e em diminuir as desigualdades. Como resultado desse fracasso, o econômico passa a ser desvalorizado face ao cultural e ao simbólico. Passa-se a substituir as macro-visões pelas micro-soluções e pelas experiências locais. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>- na política, </li></ul><ul><li>demonstra-se a corrosão do papel do Estado como elemento fundamental do processo internacional, tal como proposto pela modernidade, sempre excessivamente crente das identidades nacionais e sociais. Em resultado, intensificam-se os fluxos migratórios, as redes de informação, as uniões aduaneiras, a globalização econômica. Para melhor gerir a esfera pública surgem as organizações não-governamentais. Desordenam-se as utopias e o senso de história. </li></ul>
  6. 6. <ul><li> - na organização social, </li></ul><ul><li>as identidades transliteram-se, desterritorializam-se. Estabelece-se uma situação de interdependência internacional que tem o efeito de gerar grupos e indivíduos “translocalizados” – ou seja, sujeitos pertencentes a múltiplas identidades em simultâneo, estejam elas no plano das regiões e nacionalidades ou no plano dos hábitos de consumo. Rompe-se a crença numa história linear, num fluxo progressivo dos fatos, o que faz com que as subjetividades, bem como as relações sociais, passem a se formar por meio de uma perspectiva não mais linear, mas processual, atendendo às demandas do instante presente. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Três metodologias de investigação, a partir desses princípios, conduzem a pesquisa pós-moderna: </li></ul><ul><li>a desconstrução, a interpretação e a mistificação. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>A Desconstrução, </li></ul><ul><li>elaborada por Jacques Derrida, pretende ser uma indagação anti-objetivista do objeto estudado. Ela parte de uma espécie de desmistificação desse objeto, de maneira a romper os vínculos que ele pressupõe - na soma das leituras anteriormente produzidas sobre ele - com uma coerência exterior e metafísica: uma lógica que lhe seria exterior. Em seguida, a descontrução procura demonstrar as hierarquias internas presentes no texto e como essas hierarquias estabelecem pressupostos, inclusive de leitura. Numa terceira operação, a desconstrução procura revelar as &quot; margens&quot; do texto, ou seja, tudo aquilo que não é dito no texto mas que esta nele presente, gerando, se se desejar vê-las, incongruências. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>A interpretação intuitiva </li></ul><ul><li>é, por sua vez, uma interpretação introspectiva, algumas vezes fechada, a respeito de determinado objeto. Ela tende a rejeitar a indagação empírica, funcionando como um complemento da investigação os como o lançamento de pressupostos. Constitui, assim, um texto livre, algumas grandemente divagativo, no qual se fundem a consciência individual do sujeito investigador com a consciência social do objeto investigado. Foucault já dizia que tudo é interpretação. Ou seja, que a interpretação constitui uma estratégia essencial de conhecimento do mundo, sendo que, na visão pós-moderna, nenhuma interpretação seria &quot;superior&quot; a outra, o que institui o principio do paralelismo entre as interpretações. Parte-se do principio ético e estratégico geral de que o pesquisador deve considerar a influência da sua própria cultura na interpretação que produz sobre a cultura que encontra. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>A desmistificação , </li></ul><ul><li>enfim, seria uma focalização, um desvelamento, das motivações epistemologicas e ideologicas presentes em todo texto social. Acredita a teoria pós-moderna que a Modernidade impõe esse vinculo a todas as idéias, a todos esquemas, a todas as interpretações do mundo. Pela desmistificação, procura-se denunciar as &quot;amarras&quot; da Modernidade, procura-se denunciar a imposição dessas &quot;amarras&quot; como uma estratégia de mistificação cultural entre o individuo e o mundo. </li></ul>
  11. 11.   <ul><li>Esses três métodos apresentam grandes semelhanças entre si e, portanto, dispositivos operacionais comuns. </li></ul><ul><li>Dentre esses dispositivos, três destacam-se, assinalando posturas gerais adotadas por toda a reflexão pós-moderna: </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Relativismo </li></ul><ul><li>O principio do relativismo corresponde ao ponto ético central da teoria pós-moderna: a exigência do respeito absoluto para com todas os indivíduos, culturas, etnias, sociedades. Essa demanda pelo relativismo esta presente na essência da anti-modernidade que conforma a Pós-modernidade, ou seja, no desejo de rompimento com a normatividade logocênctrica e etnocêntrica da Modernidade. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Imanência </li></ul><ul><li>A valorização da imanência corresponde à critica, elaborada pela Pós-modernidade, aos fundamentos &quot;transcendentes&quot; da Modernidade - ou seja, à fundamentação metafisica que coloca a historia como uma conseqüência da razão ou da falta de razão. A imanência dialoga com o principio da realidade e, por extensão, ou por corruptela, com o realismo. Lembremos que realismo é um doutrina filosofica baseada na suposição de que os fatos naturais e sociais têm uma exuistência objetiva. De acordo com Gellner, realismo &quot;é a doutrina platônica que diz que o universal e o abstrato têm uma existência independente da mente humana&quot; </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Auto-reflexividade </li></ul><ul><li>Trata-se de uma valorização da dimensão subjetiva do pesquisador a partir da admissão do principio da parcialidade no desenvolvimento metodológico de uma questão e/ou na pesquisa empírica realizada. A auto-reflexividade leva a uma conscientização, do pesquisador, a respeito do processo de produção do conhecimento. A Pós-modernidade valoriza essa pratica norteada pela critica à &quot;ilusão de objetividade&quot; que a orienta em seus princípios fundamentais. </li></ul>

×