Debate em torno do plano estadual de cultura

562 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
562
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Debate em torno do plano estadual de cultura

  1. 1. Debate em torno do Plano Estadual de Cultura. Roteiro da fala proferida na abertura do II Encontro de Gestores Municipais de Cultura do Estado do Pará Hangar – Belém, 14 de setembro de 2010 Prof. Dr. Fábio Fonseca de Castro Faculdade de Comunicação da UFPA Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura na Amazônia
  2. 2. <ul><li>Estamos aqui para debater o texto do Plano Estadual de Cultura . </li></ul><ul><li>Trata-se de um esforço democrático para avançar na elaboração desse documento, que já atravessou vários debates públicos e agregou diversas contribuições. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Minha contribuição pode ser resumida numa questão: assinalar que o Plano Estadual de Cultura precisa ser visto, pelos agentes públicos que atuam na área cultural e também pela sociedade civil, como um instrumento político. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Somente percebendo-o como instrumento político poderemos qualificá-lo como uma estratégia útil e utilizá-lo no cálculo pragmático da nossa luta por uma sociedade melhor, mais justa e mais igualitária. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Com essa percepção, eu gostaria de perguntar a vocês: </li></ul><ul><li>Quais são as condições políticas da cultura e quais são as condições culturais da política? </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Essa questão está ao fundo de nosso debate, porque, agentes culturais que somos, precisamos aprender a nos tornarmos, também, agentes políticos. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Agentes políticos da nossa cultura, das nossas múltiplas e híbridas identidades e das nossas territorialidades. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Precisamos fazer política cultural, enfim. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Isso porque as condições políticas da cultura decorrerão, no futuro imediato, da nossa capacidade em incluir, na cultura política , os temas e os modos de discutir da cultura. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Para animar essa reflexão, proponho vermos a Secretaria de Estado da Cultura, no âmbito de um governo democrático e popular, como um espaço de poder que teria três grandes missões, que são as seguintes: </li></ul>
  11. 11. 1ª missão: Tornar a Secult um forte ator institucional <ul><li>3 estratégias : </li></ul><ul><ul><li>Auxiliar na elaboração dos Planos Municipais de Cultura </li></ul></ul><ul><ul><li>Incentivar o diálogo intermunicipal </li></ul></ul><ul><ul><li>Criar metodologia de aferição de indicadores culturais, produzi-los e divulgá-los. </li></ul></ul>
  12. 12. 2ª missão: Tornar a Secult um forte ator político <ul><li>3 estratégias: </li></ul><ul><ul><li>Atuar como uma tribuna da voz social, da voz coletiva dos agentes culturais paraenses, fomentando a formação de fóruns, conselhos, audiências públicas e outras instâncias democráticas e dando voz à sociedade civil. </li></ul></ul><ul><ul><li>Atuar como agente instigador da reflexão sobre identidades e territorialidades amazônicas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Tornar-se o ator político mais proeminente na discussão sobre o “Novo Modelo de Desenvolvimento” da Amazônia. </li></ul></ul>
  13. 13. 3ª missão: Tornar a Secult um forte ator econômico <ul><li>2 estratégias : </li></ul><ul><ul><li>Produzir, em forte articulação com agentes públicos municipais, estratégias de fomento e dinamização da economia da cultura no estado do Pará. </li></ul></ul><ul><ul><li>Atuar como instrumento regulador </li></ul></ul>
  14. 14. <ul><li>E, em conclusão, deixo a questão para que possamos respondê-la, conjuntamente, na reflexão que vai se iniciar: </li></ul><ul><li>De que maneira o Plano Estadual de Cultura pode se tornar um instrumento auxiliar para, objetivamente, tornar a Secult um forte ator institucional, um forte ator político e um forte ator econômico na área cultural do estado do Pará? </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Espero ter contribuído para p debate que vai começar. </li></ul><ul><li>Bom trabalho e obrigado! </li></ul><ul><li>Prof. Dr. Fábio Fonseca de castro </li></ul><ul><li>Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura da Amazônia – Universidade Federal do Pará – [email_address] – hupomnemata.blogspot.com – hupomnemata-po.blogaspot.com – twitter.com / hupomnemata </li></ul>

×