ããããã 1998 Confederação Nacional da Indústria
Instituto Euvaldo Lodi
CNI Brasília IEL Nacional
SBN Quadra 01 Bloco C - 16o...
APRESENTAÇÃO
Em todo o mundo, as empresas buscam novas formas de otimizar a
produção, comercialização e distribuição dos s...
55555 O que é comércio eletrônico
1111111111 Como usar a Internet
1515151515 O comércio eletrônico no mundo
1919191919 Sit...
O QUE É COMÉRCIO ELETRÔNICO
Comércio Eletrônico6
A nova forma de comércio global
Há não muito tempo, um turista voltou de uma viagem ao
interior do No...
Comércio Eletrônico7
“Ir às compras” na Internet
A busca de produtos na Internet é uma das duas ativida-
des mais importan...
Comércio Eletrônico8
Os produtos que hoje mais se vendem on-line (ou seja, através da Internet) são
os da área de computad...
Comércio Eletrônico9
computador de sua casa ou escritório. Isto só é possível com alguns tipos de
produtos, como música, u...
Comércio Eletrônico10
“comércio eletrônico”). O e-business pode ser definido como uma estratégia de
inserção da empresa na...
COMO USAR A INTERNET
O que é comércio eletrônico
Comércio Eletrônico12
O que é a Internet
A Internet surgiu em 1969, no Departamento de Defe-
sa do governo dos Estados Uni...
Comércio Eletrônico13
técnica para navegar pela Internet, já que ele traz muitas figuras e desenhos
auto-explicativos, que...
Comércio Eletrônico14
Os provedores de acesso, informação e serviços
Para você ter acesso a qualquer informação na Interne...
O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MUNDO
Comércio Eletrônico16
Crescimento da Internet
Afinal de contas, quantas pessoas utilizam a Internet por
esse mundo afora? ...
Comércio Eletrônico17
Naturalmente, a nova livraria começou a incomodar os concorrentes, que conti-
nuavam a vender livros...
Comércio Eletrônico18
Apesar do seu aspecto tecnologicamente fascinante, os “shoppings virtuais”
não são vistos pelos espe...
SITUAÇÃO ATUAL NO BRASIL
Comércio Eletrônico20
Como anda a Internet no Brasil
O Brasil começou cedo na Internet. Assim como nos Esta-
dos Unidos, a...
Comércio Eletrônico21
Mas já existe alguém vendendo pela Rede?
Muito pouco ainda no Brasil. Os americanos já tinham o
hábi...
Comércio Eletrônico22
A chance da exportação
Agora você pode encarar seriamente a idéia de ser um
exportador, mesmo que a ...
VENDA DIRETA AO PÚBLICO
Comércio Eletrônico24
Como achar uma boa oportunidade de negócio
A sabedoria popular adverte há séculos: o olho do dono é ...
Comércio Eletrônico25
Conheça bem o seu consumidor
Para entrar no mercado eletrônico com segurança, você
deve estudar com ...
Comércio Eletrônico26
negócio. Se você não tiver total domínio das ferramentas à sua disposição para
criar a sua própria w...
Comércio Eletrônico27
Você também pode pensar em criar um mecanismo de comunicação interativa,
onde o seu consumidor possa...
Comércio Eletrônico28
por trinta dias, para ter certeza de que o negócio foi realmente fechado. Mas
em geral as devoluções...
COMÉRCIO ELETRÔNICO ENTRE EMPRESAS
Comércio Eletrônico30
As transações on-lineon-lineon-lineon-lineon-line
As transações eletrônicas realizadas pelas empresa...
Comércio Eletrônico31
Estoques com produtos “certos”
Os produtos certos, na hora certa - nem mais, nem menos.
Esse é o obj...
Comércio Eletrônico32
Outros importantes serviços ao cliente já começam a ser prestados pelas empresas
através da Internet...
COMO OBTER MAIS INFORMAÇÕES
Comércio Eletrônico34
Ligue-se à rede
As novas oportunidades de negócios para o pequeno e o
médio empresário nunca foram t...
BIBLIOGRAFIA
n BAILEY, J. After thought. [S.l.] : BasicBooks, 1996.
280p.
nBOTKIN, J. W., MATHEWS, J. B. Winning
combinati...
Comércio Eletrônico36
n JANAL, D. S. 101 successful businesses you can
start on the Internet. New York : Van Nostrand
Rein...
Comércio Eletrônico37
n REID, R. H. Architects of the Web : 1,000 days that
built the future of business. New York : John
...
IEL-Instituto Euvaldo Lodi
Coordenação Geral
Gina Gulinelli Paladino
Elaboração
Eduardo Moreira da Costa
Humberto Luiz Rib...
Comércio eletrônico - Novas perspectivas para o seu negócio na era da Internet
Comércio eletrônico - Novas perspectivas para o seu negócio na era da Internet
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Comércio eletrônico - Novas perspectivas para o seu negócio na era da Internet

345 visualizações

Publicada em

(Jul/1998) Publicação da CNI/IEL em parceria com o SEBRAE que propiciou ampla divulgação no Brasil do tema "Comércio Eletrônico". Desenvolvi este material com o Prof. Eduardo Moreira da Costa (Harvard), durante a gestão do Dr. Carlos Sérgio Asinelli e da Dra. Gina Gulineli Paladino à frente do IEL Nacional.

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
345
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Comércio eletrônico - Novas perspectivas para o seu negócio na era da Internet

  1. 1. ããããã 1998 Confederação Nacional da Indústria Instituto Euvaldo Lodi CNI Brasília IEL Nacional SBN Quadra 01 Bloco C - 16o andar SBN Quadra 01 Bloco C - 2o andar CEP: 70040-903 Brasília - DF CEP: 70040-903 Brasília - DF Tel.: (061) 317-9000 Tel.: (061) 317-9080 Fax: (061) 317-9500 Fax: (061) 317-9360 CNI Rio de Janeiro Av. Nilo Peçanha, 50 - 34o andar CEP: 20044-900 Rio de Janeiro - RJ Tel.: (021) 534-8000 Fax: (021) 262-1495 www.cni.org.br www.iel.cni.org.br e-mail: sac@mail.cni.org.br Comércio eletrônico / [elaboração : Eduardo Moreira da Costa, Humberto Luiz Ribeiro]. – Brasília, D.F. : CNI : IEL, 1998. 40p. : il. I. Costa, Eduardo Moreira da. II. Ribeiro, Humberto Luiz. III. Confederação Nacional da Indústria (Brasil). IV. Instituto Euvaldo Lodi. Nacional DESCRITORES: Comércio eletrônico CDD 382 Todos os direitos desta publicação estão reservados à Confederação Nacional da Indústria – CNI e ao Instituto Euvaldo Lodi - IEL. Esta publicação não pode ser reproduzida, totalmente ou em parte, sob quaisquer meios, sem autorização expressa da CNI e do IEL.
  2. 2. APRESENTAÇÃO Em todo o mundo, as empresas buscam novas formas de otimizar a produção, comercialização e distribuição dos seus bens e serviços, de forma a garantir ganhos de produtividade e a redução de custos, para competir no mercado globalizado. Com a globalização da economia, outro fenômeno vem conquistando espaços em vários países, inclusi- ve no Brasil, embora ainda em escala mais modesta: o comércio eletrô- nico, uma forma de fazer negócios através do computador. As facilidades cada vez crescentes de acesso das diversas nações à Internet tendem a transformar o comércio eletrônico numa das mais significativas portas de negócios no próximo século. Com mais de 1.300 mil usuários, o Brasil já possui a 18ª rede do mundo e a maior da Amé- rica Latina. As estimativas conservadoras de analistas americanos são de que as vendas pela Internet deverão superar US$ 300 bilhões nos próximos cinco anos. A integração da infra-estrutura da Internet que ajuda a impulsionar o processo de globalização abre ainda mais o mercado brasileiro para os competidores externos. Mas, ao mesmo tempo, torna disponível para as empresas do País um caminho para ampliar as exportações. O Sistema CNI pretende dar ao setor produtivo nacional a sua contri- buição ao uso do comércio eletrônico pelas empresas brasileiras. Tem participado de fóruns e discussões sobre o assunto e estará ao lado dos diversos agentes da sociedade para analisar e implantar procedimen- tos e métodos que venham a contribuir para a sua disseminação e con- solidação. A publicação desta cartilha é mais um passo para divulgar o tema comércio eletrônico. FFFFFernandernandernandernandernando Bezerrao Bezerrao Bezerrao Bezerrao Bezerra Presidente da Confederação Nacional da Indústria
  3. 3. 55555 O que é comércio eletrônico 1111111111 Como usar a Internet 1515151515 O comércio eletrônico no mundo 1919191919 Situação atual no Brasil 2323232323 Venda direta ao público 2929292929 Comércio eletrônico entre empresas 3333333333 Como obter mais informações 3535353535 Bibliografia SUMÁRIO
  4. 4. O QUE É COMÉRCIO ELETRÔNICO
  5. 5. Comércio Eletrônico6 A nova forma de comércio global Há não muito tempo, um turista voltou de uma viagem ao interior do Nordeste e comentou com os amigos, divertido, que havia visto num letreiro pintado à mão, na parede de um humilde estabelecimento de secos e molhados, o seguinte anúncio imodesto: “Tudo em geral”. A mensagem, que até bem recentemente era considerada um risível exagero de autoconfiança comercial para qualquer que fosse o negócio, em qualquer lugar do mundo, é hoje uma simples realidade para a nova forma de comércio global possibilitada pela Internet: o comércio eletrônico. Esta fantástica versão eletrônica do estabelecimento de secos e molhados que pode comprar e vender absolutamente de tudo, em qualquer lugar do mun- do, com grande rapidez, eficiência e (ainda por cima) redução de custos, está revolucionando a própria maneira de se encarar a atividade comercial. Agora, qualquer empresa, por menor que seja - e até mesmo indivíduos -, pode en- trar neste jogo para ganhar. E as fronteiras comerciais entre os países vão virtualmente deixando de existir, já que todas as etapas do negócio - desde a busca do produto até a sua entrega ao cliente - podem ser feitas através do computador. As previsões de crescimento das vendas pela Internet são astronômicas: um estudo americano calcula que, dos 8 bilhões de dólares registrados em 1997, estas vendas deverão pular para mais de 300 bilhões nos próximos cinco anos. E alguns analistas prevêem um volume de negócios ainda muito maior neste período - alguma coisa na casa dos 580 bilhões de dólares. Nesta nova era em- presarial, as regras do jogo mudaram radicalmente. E quem mais cedo se pre- parar para enfrentar este desafio, mais chances terá de ganhar.
  6. 6. Comércio Eletrônico7 “Ir às compras” na Internet A busca de produtos na Internet é uma das duas ativida- des mais importantes dos usuários de computador hoje em dia - só perde para o correio eletrônico (e-mail), em intensidade de uso. Em geral, quem “vai às compras” na Internet já tem uma idéia mais ou menos clara do que está querendo encontrar. É como se você já saísse de casa com uma lista de compras na mão. O desafio maior é saber como chegar àquela empresa ou àquele produto que você está procurando. Para isso, existem várias ferramentas disponíveis que vão abrindo caminhos no meio do emaranhado de informações da rede, até você encontrar o que deseja. No tópico “Como usar a Internet”, você vai encontrar uma explicação mais detalhada destas ferramentas. Mas uma compra pela Internet também pode ser feita na base do impulso - da mesma forma como acontece num grande shopping center, quando a gente dá com o olho em algum produto irresistível que não estava na nossa lista de com- pras. Isso ocorre quando, entre uma e outra busca de informações, surgem anún- cios atraentes, muitas vezes com recursos de animação, que nos atiçam a curi- osidade - os chamados banners, que você clica com o seu mouse para poder abrir e ler a informação que está lá dentro. A compra direta Depois de encontrar todas as informações sobre o pro- duto que estava procurando na Internet, você pode simplesmente desligar o computador e ir até a loja mais próxima de sua casa para comprá-lo. Mas você pode, também, dar o passo seguinte neste novo processo do comércio eletrônico, sem entrar em contato com nenhum vendedor. Basta continuar ligado na Internet e efetuar a compra diretamente a partir do seu computa- dor, utilizando o seu teclado.
  7. 7. Comércio Eletrônico8 Os produtos que hoje mais se vendem on-line (ou seja, através da Internet) são os da área de computadores, os de consumo, livros, revistas e discos. Outro negócio que provavelmente será campeão de vendas on-line é o de emissão de tickets - ingressos para shows e passagens de ônibus ou avião, por exemplo. As possibilidades de mudanças previstas nesta área são ilimitadas. A segurança do pagamento on-lineon-lineon-lineon-lineon-line As duas primeiras etapas do comércio eletrônico - ou seja, a busca de um produto e a colocação do pedido de compra através da Internet - são relativamente simples e transparentes. As coisas começam a complicar um pouco na hora do pagamento on-line com cartão de crédito, por questões de segurança e sigilo de informação. Afinal, quando você fornece o número do seu cartão para algum usuário da Internet, o risco deste número “vazar” para toda a rede é sempre preocupante. Mas hoje já existem alguns mecanismos de proteção para os pagamentos on- line, através dos quais o número do cartão de crédito do cliente aparece somen- te sob forma criptográfica, ilegível para qualquer pessoa - inclusive para quem está vendendo o produto. Com os grandes avanços tecnológicos na área da se- gurança, indivíduos e empresas têm adquirido uma confiança cada vez maior neste novo processo de pagamento on-line. Prova disso é a forte presença do setor bancário na Internet. Hoje, praticamente todos os bancos de médio e grande porte (inclusive os do Brasil) oferecem seus serviços na Internet, trans- ferindo fundos, gerenciando contas e fazendo aplicações de dinheiro, com gran- de segurança. A novidade: entrega eletrônica A maior novidade no comércio eletrônico é a entrega do produto através do próprio computador - sem que haja ninguém intermediando este serviço, nem pacotes, nem mesmo taxas a serem pagas. Ou seja: você liga o seu computador e recebe o produto que você pediu ali mesmo, na tela do
  8. 8. Comércio Eletrônico9 computador de sua casa ou escritório. Isto só é possível com alguns tipos de produtos, como música, uma receita especial ou um trabalho de pintura, por exemplo. Você quer ouvir o último lançamento musical do seu cantor predile- to? Então vá para a home page dele (uma página da Internet com informações exclusivamente sobre este cantor), transfira o conteúdo desta página para o seu computador e clique o botão para ouvir a música desejada. Pronto: o pro- duto é todo seu, sem que nada concreto tenha sido entregue a você. Este tipo de negócio, entretanto, é em geral realizado entre dois indivíduos. O pagamento destes produtos pode ser feito por um novo tipo de dinheiro que está começando a surgir no mercado: o “e-cash” - ou “dinheiro eletrônico”. O “dinheiro eletrônico” Para facilitar a vida dos usuários da Internet, criou-se um tipo novo de moeda virtual - ou seja, um dinheiro do qual ninguém jamais vê a cor. A idéia é simples. Você vai ao banco e pede para comprar uma determinada quantia em “dinheiro eletrônico”, utilizando o dinheiro de sua conta corrente ou do seu cartão de crédito. Esta quantia é, então, armazenada dentro do seu computador e você recebe um número de identificação e uma senha para po- der gastá-la, quando necessário. Em outras palavras, o seu computador passa a ser usado como se fosse uma carteira de dinheiro virtual. O vendedor também precisa estar registrado para que esta transação possa ser feita. Um aspecto interessante do “dinheiro eletrônico” é o fato do comprador per- manecer anônimo ao vendedor. Mas, por outro lado, o vendedor é sempre iden- tificado. Isto acontece no momento em que ele deposita o “dinheiro eletrôni- co” no banco que o emitiu. “E-business”“E-business”“E-business”“E-business”“E-business” x “e-commerce”“e-commerce”“e-commerce”“e-commerce”“e-commerce” Hoje em dia muito se fala em e-business (“electronic business” ou “negócio eletrônico”), que não deve ser confundido com e-commerce (ou
  9. 9. Comércio Eletrônico10 “comércio eletrônico”). O e-business pode ser definido como uma estratégia de inserção da empresa na Internet, visando automatizar suas atividades em di- versas áreas, como as comunicações internas e externas, a transmissão de da- dos, controles internos, treinamento de pessoal, contatos com fornecedores e clientes etc. O e-commerce - ou comércio eletrônico -, por outro lado, é parte integrante do e-business. É a atividade mercantil que, em última análise, vai fazer a conexão eletrônica entre a empresa e o cliente, seguindo a estratégia estabelecida pelo e-business. Tudo o que você precisa saber sobre o comércio eletrônico: a transa- ção comercial negociada e realizada no seu próprio computador, em casa ou no trabalho, usando as facilidades da rede mundial de comu- nicação de dados conhecida como INTERNET. Quem comanda é o comprador As vantagens desta nova forma de comércio, o comércio eletrônico, como você vê, são muitas. Para quem compra, a mais significativa delas talvez seja o fato dele estar no comando da situação. Imagine-se tentan- do comprar algum produto a partir do conforto da sua casa, através da Internet: você pode fazer a sua pesquisa de mercado tranqüilamente, sem a pressão dos vendedores, podendo comparar os preços e as condições oferecidas pelas di- versas empresas com muito mais facilidade. E ninguém precisa ficar sabendo quem você é ou de onde você vem. Outra característica importante deste novo processo é o fato de não existi- rem “horários de funcionamento”: qualquer hora é hora de se comprar ou vender na Internet. Isto pode ser especialmente útil nas transações comerci- ais entre países com diferença de fusos horários. Se é meio-dia ou 3 horas da madrugada, pouco importa: você encontrará sempre as portas abertas do ou- tro lado. A diferença de fusos pode ainda ser usada para atender a pedidos fora de hora de consumidores de outros países: enquanto o consumidor em um país dorme, o fornecedor pode preparar o atendimento no horário normal de trabalho do outro país.
  10. 10. COMO USAR A INTERNET O que é comércio eletrônico
  11. 11. Comércio Eletrônico12 O que é a Internet A Internet surgiu em 1969, no Departamento de Defe- sa do governo dos Estados Unidos, para facilitar a comunicação entre os computadores da área militar, governamental e de pesquisa daquele país. Na época, caso houvesse uma guerra e fosse interrompida a conexão entre estes computadores, o resultado seria desastroso: ninguém mais consegui- ria se comunicar de uma área para a outra. Os técnicos criaram, então, uma nova rede de comunicação chamada Internet (net significa “rede”, em in- glês), que permitiu que os computadores “conversassem” entre si, trazen- do segurança às informações. Com o final da guerra fria entre as chamadas “superpotências” do mundo (Estados Unidos e União Soviética), houve o “degelo” diplomático, e a Internet aos poucos começou a se espalhar em outras direções, principal- mente pelas universidades. A partir de janeiro de 1990, a Internet colocou- se ao alcance de qualquer pessoa com acesso a um computador ligado a uma linha telefônica. Hoje, a Internet conecta nada menos de que 130 mil outras redes de computa- dores em mais de 100 países, reunindo cerca de 100 milhões de pessoas nesta fantástica rede de comunicação global. Navegar é preciso “Navegar” pela Internet é uma aventura cheia de surpre- sas e descobertas. Não há limites para o “navegante” que busca informações, entretenimento ou oportunidades de negócios neste Novo Mundo. Mas, como na época das grandes navegações, você também precisa de uma “nave” que possa transportá-lo nesta viagem. Na Internet, isto se chama browser (pro- nuncia-se “bráuser”) - um programa que leva o “navegante” a um lugar confor- tável e amigável dentro do computador, de onde ele poderá começar sua via- gem. Este lugar tem o nome de “World Wide Web”, também conhecido como “WWW”. Graças ao WWW, você não precisa se preocupar com a linguagem
  12. 12. Comércio Eletrônico13 técnica para navegar pela Internet, já que ele traz muitas figuras e desenhos auto-explicativos, que você simplesmente “clica” com o seu mouse para abrir. Existem dois browsers importantes atualmente no mercado: o Netscape Navigator (o primeiro a surgir, em 1994, revolucionando o uso da Internet) e o Microsoft Internet Explorer. Agulha no palheiro O volume de informações disponíveis na Internet é tão grande que, na hora de buscar uma informação qualquer, a gente se sente pro- curando uma agulha num palheiro de proporções descomunais. Para ajudar-nos a encontrar a nossa “agulha”, existem recursos extremamente úteis: as “má- quinas de busca”. Entre as mais conhecidas hoje no mercado estão Yahoo, AltaVista, HotBot e Infoseek. No Brasil, o Cadê?. Para usar estas “máquinas”, basta você se dirigir ao site de qualquer uma delas e escrever uma palavra (ou um pequeno conjunto de palavras) que indique o tema da sua pesquisa. Por exemplo, se você quiser alguma informação sobre a produção de vinhos no Chile, escreva: “Chile wine”. Em poucos segundos você terá uma série de artigos, estudos e relatórios sobre o tema à sua disposição. A partir daí você vai selecionando o que mais lhe interessar.
  13. 13. Comércio Eletrônico14 Os provedores de acesso, informação e serviços Para você ter acesso a qualquer informação na Internet, o seu computador precisa estar conectado a ela por uma linha telefônica. Isso só pode ser feito através dos serviços de empresas especializadas, que agem mais ou menos como uma companhia telefônica: são os “provedores de acesso, in- formação e serviços na Internet”. Estas empresas, criadas nos últimos anos, podem oferecer apenas acesso à Internet ou a diversos tipos de informações e serviços especializados. A dife- rença entre elas é a quantidade e a diversidade dos serviços e informações disponíveis. Desde notícias correntes, informações sobre tempo e clima, e no- tícias do mercado financeiro, até correio eletrônico, forums de debate, chat- rooms, jogos etc. Muitas vezes eles apresentam também uma grande quantida- de de anúncios na tela, que, dependendo do tipo e do tamanho, podem dimi- nuir a velocidade de operação do seu computador. No Brasil existem muitas dessas empresas à sua disposição, muitas delas regionais, com notícias e servi- ços específicos da região onde você mora - além, naturalmente, do acesso a informações de todas as partes do mundo. No final desta cartilha, você poderá encontrar o nome e o contato de algumas delas.
  14. 14. O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MUNDO
  15. 15. Comércio Eletrônico16 Crescimento da Internet Afinal de contas, quantas pessoas utilizam a Internet por esse mundo afora? Esta é uma pergunta muito difícil de ser respondida com precisão, mas calcula-se que em 1996 havia cerca de 50 milhões de usuários e que, no ano 2005, este número deverá pular para mais de 1 bilhão. Um cresci- mento exponencial destas proporções deixa qualquer estatístico desorientado. Nos Estados Unidos, as pesquisas indicam que 41% das casas têm computador instalado, dos quais a metade está ligada à Internet. E a tendência é um au- mento cada vez maior destes números, com amplas oportunidades de novos negócios. O comprador on-line americano típico é do sexo masculino, está na casa dos 40 anos de idade, tem diploma de educação superior e ganha mais de 50 mil dólares por ano. No Brasil, o crescimento da Internet tem sido um dos mais acelerados. Com mais de 1.300 mil usuários, o Brasil possui a 18 a maior rede do mundo e a primeira de toda a América Latina. Nosso serviço bancário está avançando a largos passos na oferta de serviços eletrônicos: as últimas pesquisas revelam que 19% dos clientes de bancos brasileiros já utilizam o computador de sua casa ou escritório para gerenciar suas contas pessoais. Praticamente todos os nossos jornais (cerca de oitenta) já transmitem suas notícias via Internet. E até supermercados já estão começando a vender seus produtos eletronicamen- te nas principais capitais do Brasil. Um caso de sucesso O exemplo mais impactante de uma empresa bem-suce- dida no comércio eletrônico mundial é o caso da livraria on-line Amazon.com. A empresa criou um site próprio e começou a oferecer seus livros à venda na Internet. Em menos de três anos de atividades, a livraria já tinha mais de 600 mil clientes e vendas que ultrapassavam 100 milhões de dólares. Além disso, a metade de seus pedidos vinha de clientes que haviam comprado dela antes e que tinham voltado para comprar mais, satisfeitos com os produtos e serviços recebidos.
  16. 16. Comércio Eletrônico17 Naturalmente, a nova livraria começou a incomodar os concorrentes, que conti- nuavam a vender livros da forma tradicional. Um deles, a grande cadeia america- na de livrarias Barnes&Noble, com lojas espalhadas em várias partes do mundo, moveu em 1997 uma ação legal contra a Amazon, exigindo que a empresa deixas- se de anunciar o slogan de “a maior livraria da Terra”. Por trás de todas as implica- ções legais deste caso na Justiça surgiu uma discussão intrigante: afinal de con- tas, o que constitui, realmente, uma “livraria”? Parece uma pergunta elementar, mas na verdade ela traz à tona muitas reflexões interessantes. Com o comércio eletrônico, a Amazon revolucionou o conceito tradicional de livraria - em vez de ser um local físico e concreto, para onde as pessoas se dirigem para comprar livros, a livraria da era eletrônica simplesmente não existe em lugar nenhum. É que ela não necessita de nenhum local para armazenar seus 2 milhões de títulos disponíveis ao cliente. (Uma grande livraria tradicional oferece apenas cerca de 20 mil livros em cada ponto de venda.) Ela simplesmente gerencia a informação, reduzindo drasticamente seus custos e todo o trabalho de gerenciamento de lojas e estoques. O resultado desta “briga” não tardou a aparecer: em 1997, a Barnes& Noble criou a sua própria livraria eletrônica e, no ano seguinte, a livraria Borders re- solveu fazer o mesmo. Ponto para o comércio eletrônico. Shoppings virtuais Uma outra novidade no mundo do comércio eletrônico é o surgimento dos “shoppings virtuais”. São centros comerciais onde você pode olhar as vitrines, entrar nas lojas e sair delas quando quiser e encontrar uma grande variedade de produtos e serviços à venda. Os “shoppings virtuais” são exatamente como qualquer shopping center que você já conhece - só que com uma diferença básica: eles só existem dentro do seu computador. Os efeitos gráficos de alguns desses “shoppings virtuais” são tão realísticos que às vezes você tem mesmo a impressão de estar “vendo” aqueles produtos numa loja de verdade. Até áreas de lazer estes shoppings têm. Nelas você pode, por exemplo, pedir uma pizza on-line, enquanto descansa entre uma compra e outra.
  17. 17. Comércio Eletrônico18 Apesar do seu aspecto tecnologicamente fascinante, os “shoppings virtuais” não são vistos pelos especialistas como um fator importante para o desenvolvi- mento do comércio eletrônico. Isto porque, como freqüentemente acontece quando surgem novas tecnologias, talvez estejamos simplesmente transpor- tando um novo conceito tecnológico (a Internet) para um modelo tradicional já conhecido (o shopping center). Pode ser que as “lojas” do comércio eletrônico venham a ser “lugares” totalmente diferentes daqueles que estamos acostu- mados a ver hoje nos shoppings. E quem paga impostos para quem? O comércio eletrônico tem crescido tão rapidamente que ainda nem deu tempo para a sua regulamentação internacional. Imagine só a seguinte situação: uma pequena fábrica do interior da Tailândia produz cami- sas de seda, que são vendidas para um distribuidor da Malásia, que por sua vez as vende para uma grande cadeia de lojas de departamentos dos Estados Uni- dos, despachando-as através do porto de Cingapura. A cadeia de lojas america- na envia as camisas para seus diversos pontos-de-venda e separa uma parte delas para a comercialização por catálogo. Na cidade do México, um consumi- dor vê a camisa anunciada no catálogo, faz o seu pedido pelo computador e compra o produto utilizando um cartão de crédito de um banco espanhol. A camisa finalmente lhe é entregue à porta de sua casa por uma empresa espe- cializada em entregas rápidas. À medida que as camisas vão passando de um lugar para o outro, diversas transa- ções eletrônicas vão sendo feitas, diminuindo a distância geográfica que separa os países. Em alguns pontos deste trajeto complicado - como na venda por catá- logo - a fronteira praticamente deixa de existir. É como se o consumidor estives- se comprando o produto no exterior, mas sem sair do seu próprio país. Nestes casos, quais os impostos que devem ser cobrados? A que países? Tudo isso é tão novo que os países ainda não têm um padrão uniforme de procedimento para o comércio eletrônico internacional. No momento, esta questão está sendo estu- dada por uma comissão especial das Nações Unidas.
  18. 18. SITUAÇÃO ATUAL NO BRASIL
  19. 19. Comércio Eletrônico20 Como anda a Internet no Brasil O Brasil começou cedo na Internet. Assim como nos Esta- dos Unidos, a Internet foi instalada inicialmente como uma rede de comunica- ção entre principalmente os professores das Universidades. O primeiro esfor- ço nacional foi batizado de Rede Nacional de Pesquisa, criada e implementada graças ao esforço e a obstinação de alguns pesquisadores, entre os quais um ex- funcionário da TELEBRÁS chamado Tadao Takahashi, com apoio do CNPq. A partir de 1995, o acesso à RNP foi aberto ao setor privado. Em seguida vieram a EMBRATEL e diversas outras redes privadas. Hoje o Brasil tem pontos de acesso à Internet em todo o país. O problema é que as velocidades das linhas ainda são muito baixas. Com a recente privatização do sistema TELEBRÁS, entretanto, espera-se que hajam mais linhas disponíveis e baratas a curto prazo, e também serviços de comunicação mais rápidos. A qualidade da sua comunicação depende primordialmente da velocidade do modem no seu computador, da velocidade de comunicação entre você e o seu provedor, e daquela entre o seu provedor e a espinha dorsal (backbone) da Internet no Brasil. Portanto, antes de comprar um modem novo para o seu computador para aumentar a sua velocidade de acesso à Internet, verifique com outros usuários se a melhora é significativa. Se a velocidade estiver bai- xa, o problema pode ser nas linhas do seu provedor, e não na ligação do seu computador.
  20. 20. Comércio Eletrônico21 Mas já existe alguém vendendo pela Rede? Muito pouco ainda no Brasil. Os americanos já tinham o hábito de comprar pelo telefone antes do aparecimento da Internet. Com ela, a atividade aumentou ainda mais. No Brasil, compramos pouco pelo telefone. Mas algumas empresas estão tomando a dianteira. Já podemos comprar CDs, livros e diversos outros artigos pela rede. Alguns supermercados já tornaram disponíveis as suas gôndolas pela Internet. Conforme já vimos anteriormente, muita gente visita as lojas virtuais, escolhe o quer comprar e depois compra na loja da rua. Mas a tendência de crescimento é muito grande. Não é melhor esperar para ver como é que fica? Definitivamente não. As coisas no mundo da informática, e da Internet em particular, acontecem muito rápido. Se você não se atualizar, é bem possível que a rede se transforme numa ameaça para o seu negócio. Conforme a música recente, alguém pode “invadir a sua praia” com a venda remota de produtos e serviços concorrentes dos seus. A surpresa pode, inclusi- ve, vir de longe, talvez até de outro país. O dono de uma pequena agência de viagens de Barão Geraldo, em Campinas, vem reclamando que está sofrendo concorrência, entre os seus clientes, de um agente de viagens que trabalha sozinho na sua casa em Ohio, nos EUA! Você se lembra das piadas “tem uma notícia boa e uma notícia ruim…”. Aqui também. Em vez de tentar rebater a ameaça, é melhor aproveitar a oportuni- dade. A Internet abriu as portas de mercados para o seu negócio que você anteriormente nem imaginava. Agora é a hora de entrar e aproveitar estas oportunidades.
  21. 21. Comércio Eletrônico22 A chance da exportação Agora você pode encarar seriamente a idéia de ser um exportador, mesmo que a sua empresa seja de pequeno ou médio porte. Existem diversas dificuldades a serem vencidas, claro, mas a novidade é que agora existe a chance e esta deve ser cuidadosamente estudada, con- forme relatado anteriormente. Se o seu negócio não comporta uma ação individual de exportação, existem pelo menos dois esforços coletivos de exportação que devem ser analisados. O primeiro é o chamado Consórcio de Exportação, um conceito muito em voga e com muito sucesso no norte da Itália, e que agora está sendo testado no Brasil com o apoio da APEX e do SEBRAE. O segundo é o projeto BEST, de comércio eletrônico de produtos de pequenas empresas brasileiras diretamente ao con- sumidor final americano. Você pode obter maiores informações sobre estas ini- ciativas com o SEBRAE.
  22. 22. VENDA DIRETA AO PÚBLICO
  23. 23. Comércio Eletrônico24 Como achar uma boa oportunidade de negócio A sabedoria popular adverte há séculos: o olho do dono é o que engorda o gado. Na nova maneira de negociar do comércio eletrônico, esta verdade continua valendo, e mais atual do que nunca. As condições para a en- gorda do seu “gado” ainda dependem, em grande parte, da sua presença cons- tante e ativa no negócio. Não basta criar um web page na Internet e esperar pela chegada dos seus clientes. É preciso que você esteja lá, presente, pesquisando, informando-se sobre tudo o que acontece no mercado que você quer conquis- tar. Leia os jornais da região, participe das reuniões de discussão de sua área (os chamados chat-rooms ou forums), obtenha as mais recentes estatísticas e informações. As várias “máquinas de busca” disponíveis na Internet (já descritas anterior- mente) podem ajudá-lo muito na ampliação dos seus conhecimentos sobre o mercado e na identificação de uma boa oportunidade de negócio para você. Vamos supor que você esteja planejando vender sandálias para o mercado nor- te-americano. Você pode começar sua busca, por exemplo, com as palavras- chave “sandals U.S. market”. Dos dez primeiros “blocos” de informação que aparecerem na sua tela, quatro serão inúteis para o que você está precisando, mas quatro trarão informações pertinentes sobre o mercado norte-americano, um será sobre máquinas que poderão interessá-lo e o último será sobre um competidor seu da área, com valiosos dados sobre os modelos de sandálias, preços etc. Siga adiante na sua pesquisa, clicando novos sites relacionados ao seu mercado. Sem sair de casa, em pouco tempo você poderá acumular infor- mações suficientes para transformá-lo num verdadeiro expert do mercado in- ternacional de sandálias. No mercado de serviços prestados, como o de consultoria em telecomunica- ções, por exemplo, você pode dar um passo mais além na Internet, oferecendo gratuitamente na rede algum tipo de informação que possa ser útil a possíveis clientes internacionais, como análises do mercado, estatísticas etc. Com isto, você aumenta suas chances de fazer-se presente num web site mais “visitado” por clientes de fora do país - como os de empresas governamentais.
  24. 24. Comércio Eletrônico25 Conheça bem o seu consumidor Para entrar no mercado eletrônico com segurança, você deve estudar com cuidado as características daqueles que vão consumir o seu produto. Qual a idade que eles têm, em média? A que grupo socioeconômico eles pertencem? Que percentagem deles possui um computador em casa? Quais as suas preferências pessoais, em termos de lazer? E lembre-se de que não basta fazer apenas uma pesquisa inicial. É preciso ficar o tempo todo de olho para detectar qualquer mudança no comportamento deles, que podem ser afe- tados pelas notícias do momento, variações nas condições climáticas ou pela queda na bolsa de valores. Suponhamos que você queira comercializar roupas e acessórios da área esporti- va - como camisetas, bonés, shorts, meias etc. Consulte os sites das várias mo- dalidades esportivas que você quer atingir (futebol, corrida, tênis, ginástica etc.) e trace um perfil do consumidor de cada uma delas. Visite os sites especializados que funcionam como uma espécie de clube, onde as pessoas se reúnem para conversar sobre um determinado tipo de esporte. Nestes “clu- bes” eletrônicos, em geral os participantes se sentem à vontade para falar de suas preferências pessoais e trocar informações que podem ser muito valiosas para o seu negócio. A sua “cara” na Internet Hoje em dia, qualquer empresa - e até mesmo qualquer pessoa física (inclusive crianças) - pode criar a sua própria página pessoal e lançá-la na Internet, ao alcance de toda a população mundial que tiver acesso à rede. Por este motivo, todo o cuidado é pouco para se criar uma presença des- tacada na Internet, com uma identidade visual atraente e adequada para o seu
  25. 25. Comércio Eletrônico26 negócio. Se você não tiver total domínio das ferramentas à sua disposição para criar a sua própria web page, aceite a sugestão: contrate um profissional. Será um investimento capaz de lhe trazer muitos dividendos. Quando você planejar a sua web page, lembre-se de que os usuários da Internet sempre esperam encontrar imagens dinâmicas, atraentes, informações inte- ressantes e freqüentemente atualizadas. Não existe nada pior do que ler algu- ma mensagem no final da página do tipo: “Última atualização feita em dezem- bro de 1997”. Observe também que este novo tipo de marketing é bem dife- rente do tradicional. Aqui você pode - e deve - adicionar pequenos toques in- teressantes à sua mensagem (uma pitada de humor, ou uma mensagem come- morativa ao Dia da Secretária, por exemplo), sem que eles estejam diretamen- te relacionados ao seu produto. Mas tenha muito cuidado para fazê-lo de forma apropriada ao seu negócio, sempre de olho no perfil do seu consumidor. Outro aspecto importante a ser considerado na construção da sua web page é a rapidez de acesso. Quanto mais informações “pesadas” ele contiver - como ilustrações animadas, som ou trechos de vídeo, que ocupam um grande espaço na memória do computador -, mais tempo o seu possível cliente terá que levar para conseguir vê-lo na tela. Seja criativo, mas não exagere nos efeitos especi- ais. Isto pode afastar clientes, ao invés de conquistá-los. Como “fisgar” o consumidor As estatísticas mostram que a cada mês que passa duplica o número de web pages disponíveis na Internet. Se você quiser “fisgar” o seu público-alvo na rede, só existe um caminho a seguir: construir alguma coisa que valha realmente a pena ser vista. Antes de mais nada, pense na estrutura que a sua página deverá ter. É como o trabalho de um arquiteto, que projeta toda a planta do edifício e define onde irão passar a tubulação da água e a fiação elétrica, antes de se iniciar a obra. Como o seu consumidor poderá ter acesso a esta página? Como é que ele irá “navegar” dentro da sua página e pedir informações sobre os seus produtos?
  26. 26. Comércio Eletrônico27 Você também pode pensar em criar um mecanismo de comunicação interativa, onde o seu consumidor possa expressar sua opinião, dar sugestões etc. Mas antes de se aventurar por esta via de mão dupla, certifique-se primeiro de que você terá condições de responder a todos os seus clientes de maneira adequa- da e profissional. Quando o seu web site estiver em pleno funcionamento, acompanhe cuidadosa- mente o número de visitantes que ali entrarem e também a natureza de cada visita. Isso pode ser feito através de um contador de visitantes, embutido na estrutura do seu site. De onde estes visitantes vieram? Como eles “navegaram” pelo seu web site? Fizeram alguma consulta à sua empresa? Este acompanhamen- to pode lhe trazer dados valiosos para o bom desenvolvimento do seu negócio. Fechamento do negócio Depois que o cliente faz o pedido on-line, o pagamento pode ser feito pelo mesmo caminho (ou seja, via Internet) ou no momento da entrega do produto (charge on delivery - COD). Em geral, o uso do cartão de crédito pode ser feito sem problemas em uma grande parte do mundo. Mas há países em que as grandes companhias internacionais de cartão de crédito não atuam. Neste caso, você terá que recorrer a uma empresa intermediária e, muito provavelmente, esperar até dois meses para receber o seu dinheiro. Na hora de fechar o negócio, é importante que você leve em consideração o fato de que em alguns países o comprador está acostumado a algumas regalias que não existem em outros. Nos Estados Unidos, por exemplo, é comum o cliente poder devolver qualquer produto comprado num prazo de trinta dias, com direito à devolução do pagamento, sem que nenhuma pergunta lhe seja feita. Por esse motivo, os intermediários geralmente “seguram” o pagamento
  27. 27. Comércio Eletrônico28 por trinta dias, para ter certeza de que o negócio foi realmente fechado. Mas em geral as devoluções não chegam a 5% do total das vendas. Para entregar o seu produto no exterior, você pode contratar os serviços de uma companhia especializada. Existem muitas no mercado, altamente profis- sionais e eficientes. O melhor é você não tentar fazer esta entrega sozinho. Os custos deste serviço normalmente são repassados ao comprador e adicionados ao preço do produto, com toda a informação bem especificada na nota. Se você já conhece bem o seu mercado, talvez seja conveniente você ter algum tipo de armazenamento temporário no país onde os seus produtos são vendidos, para agilizar a entrega aos seus clientes. Apoio pós-venda O mundo de hoje está cada dia mais competitivo. Em to- dos os cantos deste planeta, as empresas nunca trabalharam tanto para reduzir os custos e aumentar a qualidade dos seus produtos. Sobreviver neste ambien- te empresarial exige uma batalha diária. Para o pequeno empresário que quer competir no mercado internacional, a qualidade do serviço ao cliente após a venda pode muito bem vir a ser o fator determinante para o seu sucesso ou fracasso. A Internet é a ferramenta ideal para lidar com o apoio ao cliente depois da venda ter sido realizada em outro país. Tradicionalmente, este tipo de serviço era feito por telefone. Mas para o pequeno empresário é praticamente inviável arcar com os altos custos das ligações internacionais para realizar estes serviços. Com a comunicação via Internet tudo ficou mais fácil, rápido e acessível. Você pode montar um serviço de atendimento que não seja ao vivo, comprometendo-se a responder ao seu cliente em um prazo máximo de - digamos - doze horas. Isto lhe dá um tempo extra para trabalhar com tradução de texto, caso necessária, além de preparar a resposta que o seu cliente espera de você. O serviço ao cliente deve fazer parte da estratégia da sua empresa. Desde o começo, você deve estar totalmente preparado para prestar este serviço. Evite deixar para pensar neste assunto na última hora. A técnica de “apagar incêndi- os” pode queimar a sua imagem.
  28. 28. COMÉRCIO ELETRÔNICO ENTRE EMPRESAS
  29. 29. Comércio Eletrônico30 As transações on-lineon-lineon-lineon-lineon-line As transações eletrônicas realizadas pelas empresas entre si podem vir a ser ainda mais importantes do que as transações feitas entre empresas e clientes. Os analistas prevêem que o volume de negócios entre as empresas via Internet nos Estados Unidos irá alcançar a casa dos 300 bilhões de dólares nos próximos cinco anos. Até o ano 2000, 30% de todas as transações entre empresas já estarão sendo feitas on-line. O crescimento deste tipo de comércio se deve à necessidade das empresas de atuarem no mercado em condições favoravelmente competitivas, através da redução dos seus custos de compras, bom gerenciamento dos estoques, me- lhor atendimento ao cliente, menores custos de marketing e vendas e novas oportunidades de negócios. Redução dos custos de compras A melhor venda começa sempre numa boa compra - qual- quer empresário sabe disso. Se você conseguir comprar por um preço melhor, melhores serão as suas condições de competir no mercado. Em qualquer de- partamento de compras tradicional é necessária uma infinidade de formulários e documentos apenas para se processar uma ordem de compras. Há o trabalho de fotocópias, arquivamento e envio pelo correio, sem contar com a enorme dor de cabeça que qualquer alteração no pedido de compras sempre causa. Quando se faz uma concorrência entre os fornecedores, a coisa se complica ainda mais. É um deus-nos-acuda burocrático. Com as compras realizadas via Internet, toda esta papelada praticamente de- saparece. Fornecedores de todas as partes do mundo podem ter acesso às con- corrências da empresa - inclusive as empresas de pequeno e médio porte, que antes só tinham condições de se comunicar via fax ou telefone. Algumas grandes companhias americanas que adotaram o comércio eletrônico para realizar suas compras registraram reduções de 30% nos custos de mão-de- obra burocrática e 20% nos custos de material.
  30. 30. Comércio Eletrônico31 Estoques com produtos “certos” Os produtos certos, na hora certa - nem mais, nem menos. Esse é o objetivo de qualquer empresa que visa reduzir custos através do bom planejamento e gerenciamento de seus estoques. Quanto mais volumosos fo- rem os estoques de produtos da empresa, mais altos serão os custos operacionais e menores os lucros da empresa. A saída é agilizar a comunicação entre as fá- bricas e os fornecedores de materiais para a produção. Você já deve ter perce- bido onde queremos chegar: através da Internet, isto pode ser feito de manei- ra muito mais rápida e eficiente do que através de qualquer outro meio de comunicação empresarial. Um estudo feito recentemente revelou que 30% dos compradores em potenci- al saem das lojas sem comprar nada, porque os produtos que eles estavam procurando não se encontravam disponíveis naquele exato momento e local. Este dado mostra como é importante a troca de informações atualizadas e ágeis entre o fornecedor do produto e o ponto-de-venda. Mais eficiência no atendimento ao cliente Você provavelmente já viu essa cena em algum lugar: o cliente telefona para a empresa perguntando quando irá receber o produto que comprou há alguns dias. Quem atende é a telefonista, que transfere a ligação para o departamento de vendas. O funcionário de vendas que recebe a ligação pede para o cliente esperar na linha até ele checar esta informação com o pes- soal do despacho. Os minutos passam e a informação não chega. Finalmente… a ligação cai. Do outro lado da linha, o cliente, irritado, fica pensando se não teria sido melhor comprar o produto de outra empresa, com um serviço de atendimento mais eficiente. Algumas empresas especializadas em entrega expressa já estão ajudando seus parceiros comerciais a resolver este tipo de problema via Internet. O cliente pode ir ao web site da empresa que ficou de lhe entregar o produto, digitar o número do seu pedido e ali mesmo, na tela, obter a informação desejada em menos de um minuto.
  31. 31. Comércio Eletrônico32 Outros importantes serviços ao cliente já começam a ser prestados pelas empresas através da Internet, como descrições de produtos e diversas formas de apoio técni- co. Com isso, o pessoal da empresa se “livra” de boa parte do atendimento telefô- nico, podendo se concentrar em trabalhos mais desafiantes e produtivos. Redução dos custos de marketing e vendas Por mais dedicada e produtiva que uma equipe tradicio- nal de vendas seja, ela só vai poder lidar com um número limitado de clientes, aos quais seja possível fazer uma visita ou uma ligação telefônica de vez em quando. Quando o número de clientes aumenta, a empresa também precisa aumentar o número de funcionários desta equipe, para poder atendê-los bem. Já no comércio eletrônico, a chegada de novos clientes não exige que a empre- sa contrate mais funcionários, pois grande parte das atividades pode ser de- sempenhada pelo computador, cujos limites são bem mais amplos. Mesmo num ambiente tradicional de vendas e marketing, a Internet poderá aumentar a eficiência da equipe, automatizando o processamento dos formulá- rios de pedidos. Em vez de gastar seu tempo com atividades burocráticas, os funcionários de vendas e marketing poderão se dedicar melhor a atividades que desenvolvam o relacionamento da empresa com os seus clientes. Novas oportunidades de vendas Através da Internet, praticamente qualquer empresa - seja ela de pequeno, médio ou grande porte - fica aberta para negócio sete dias por semana, 24 horas por dia. Como resultado, as empresas conseguem hoje atingir novos mercados a que jamais imaginariam poder chegar antes, com suas equi- pes de vendas ou campanhas publicitárias tradicionais. Os resultados são surpreendentes. Uma empresa que entrou no comércio ele- trônico constatou um fato interessante: mais da metade dos pedidos que rece- be de seus clientes são feitos entre as 5 horas da tarde e as 7 da manhã, quando as portas do seu ponto-de-venda estão fechadas ao público.
  32. 32. COMO OBTER MAIS INFORMAÇÕES
  33. 33. Comércio Eletrônico34 Ligue-se à rede As novas oportunidades de negócios para o pequeno e o médio empresário nunca foram tão amplas como agora, com o surgimento do comércio eletrônico em nível global. Se você quer entrar nesta parada, não há tempo a perder: ligue-se já à Internet. No Brasil, já existe uma infinidade de empresas que oferecem o acesso à Internet e a todo o tipo de serviços ao usuário - como correio eletrônico, acesso às máquinas de busca de informação, noticiário, previsão do tempo, acompa- nhamento da Bolsa de Valores etc. Há, inclusive, excelentes empresas de cará- ter regional que oferecem informações específicas sobre o estado ou a região onde você mora - além de acesso a toda a rede mundial. Converse com seus amigos que já estejam utilizando a Internet para escolher o provedor de servi- ços que melhor lhe convier. Mais informações: e-markMais informações: e-markMais informações: e-markMais informações: e-markMais informações: e-market@iel.cni.org.bret@iel.cni.org.bret@iel.cni.org.bret@iel.cni.org.bret@iel.cni.org.br
  34. 34. BIBLIOGRAFIA n BAILEY, J. After thought. [S.l.] : BasicBooks, 1996. 280p. nBOTKIN, J. W., MATHEWS, J. B. Winning combinations. New York : John Wiley, 1992. 278p. n CAIRNCROSS, F. Death of distance. Boston : Harvard Business School Press, 1997. 320p. n CRONIN, M. J. The Internet strategy handbook : lessons from the new frontier of business. Cambridge : Harvard Business School Press, 1996. 296p. n DENNING, P. J., METCALFE, R. M. Beyond calculation. New York : Springer Verlag, 1997. 313p. n DERTOUZOS, M. What will be : how the new world of information will change our lives. [S.l.] : HarperEdge, 1997. 336p. n DYSON, E. Release 2.0 : a design for living in the digital age. [S.l.] : Broadway Books, 1997. 224p. n GATES, B. The road ahead. [S.l.] : Viking Press, 1995. n GILDER, G. Life after television. [S.l.] : Whittle Books, 1994. n HAGEL III, J., ARMSTRONG, A. G. Net.gain. Boston : Harvard Business School Press, 1997. 235p. n HISE, P. Growing your business on line. New York : Henry Holt and Co, 1996. 235p.
  35. 35. Comércio Eletrônico36 n JANAL, D. S. 101 successful businesses you can start on the Internet. New York : Van Nostrand Reinhold, 1997. 471p. n KAHIN, B., Keller J. Coordinating the Internet : publication of the Harvard Information Infrastructure Project. Cambridge : MIT Press, 1997. 500p. n KOMENAR, M. Electronic marketing. New York : Wiley Computer Publishing, 1997. 548p. n LEVIN, M. Writer’s Internet sourcebook. San Francisco : No Starch Press, 1997. 281p. n LYNCH, D. C., LUNDQUIST, L. Digital money : the new era of Internet commerce. [S.l.] : John Wiley & Sons, 1996. 280p. n MARLOW, E. Web visions. New York : Van Nostrand Reinhold, 1997. 273p. n McRAE, H. The world in 2020 : power, culture and prosperity. Boston : Harvard Business School Press, 1996. 320p. n MINSKY, M. The society of minds. New York : Touchstone Book, 1986. 340p. n NEGROPONTE N. Being digital. New York : Alfred A. Knopf, 1996. 243p. n NOLL, A. M. Highway of dreams. Mahwah : Lawrence Erlbaum Associates Publishers, 1997. 236p. n REICH, R. B. The work of nations. New York : Vintage Books, 1992. 340p.
  36. 36. Comércio Eletrônico37 n REID, R. H. Architects of the Web : 1,000 days that built the future of business. New York : John Wiley & Sons, 1997. 288p. n ROSSTON, G. L., WATERMAN, D. Interconnection and the Internet. Mahwah : Lawrence Erlbaum Associates Publishers, 1997. 347p. n SCHWARTZ, E. L. Webonomics : nine essencial principles for growing your own business on the world wide web. [S.l.] : Broaway Books, 1997. 244p. n TAPSCOTT, D. The digital economy. New York : McGraw-Hill, 1996. 342p. n WILSON, M. The difference between god and Larry Ellison : inside oracle corporation. New York : Willian Morrow and Company, 1997. 385p.
  37. 37. IEL-Instituto Euvaldo Lodi Coordenação Geral Gina Gulinelli Paladino Elaboração Eduardo Moreira da Costa Humberto Luiz Ribeiro Redação Monica Cotrim Pinheiro CNI-Confederação Nacional da Indústria Coordenação Editorial ASCOM/Assessoria de Comunicação Social Normalização Bibliográfica ECON/Gerência de Documentação Supervisão Gráfica ADM/Área de Produção Gráfica SEBRAE SEPN Quadra 515 Lote 3 Boco C CEP: 70770-530 - Brasília - DF Tel.: (061) 348-7100 www.sebrae.org.br Projeto Gráfico Grevy • Conti Ilustrações Daniel Uhr

×