UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS
IMUNOLOGIA

RESPOSTA IMUNE A
PROTOZOÁRIOS...
CARACTERÍSTICAS GERAIS
•
•
•
•
•
•
•

REINO: Protista
FILO: Euglenozoa
CLASSE: Zoomastigophora
ORDEM: Kinetoplastida
FAMÍL...
CICLO BIOLÓGICO
• Ciclo heteroxeno:
• Extracelular - vetor
• Intracelular - hospedeiro invertebrado
Hospedeiro Vertebrado
...
CICLO BIOLÓGICO
Hospedeiro Invertebrado
• ESFEROMASTIGOTAS
• EPIMASTIGOTAS
!
!
!
• TRIPOMASTIGOTAS
METACÍCLICAS

Fonte: NE...
CICLO BIOLÓGICO
CICLO BIOLÓGICO

NEVES, David et al. Parasitologia Humana.
11 ed. São Paulo: Atheneu, 2004.

LIAC. Ciclo do T. Cruzi no In...
CICLO BIOLÓGICO
EPIDEMIOLOGIA
• Prevalente em populações rurais - moradias de pau-a-pique.
• Afeta 8 a 10 milhões de pesso...
CICLO BIOLÓGICO
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
• Fase Aguda: febre tifóide, leishmaniose
visceral, esquistossomose mansônica agud...
CICLO BIOLÓGICO
DIAGNÓSTICO LABORATORIAL
• Fase aguda: pesquisa do parasito no sangue são as
formas mais rápidas de diagnó...
CICLO BIOLÓGICO
TRATAMENTO
• As drogas hoje disponíveis
(Benznidazol, Nifurtimox) são
indicadas em todos os casos,
tanto a...
CICLO BIOLÓGICO
PROFILAXIA
• Melhorar habitação, através de reboco e fechamento de
rachaduras e frestas;
• Telar portas e ...
CICLO BIOLÓGICO
MECANISMOS DA RESPOSTA IMUNE

Via de atuação e regulação do sistema do complemento. (Elaborado por Moysés,...
CICLO BIOLÓGICO
MECANISMOS DA RESPOSTA IMUNE
• O parasito desenvolve uma série de mudanças que capacita
sua sobrevivência ...
CICLO BIOLÓGICO
INTERAÇÃO PARASITO-HOSPEDEIRO
Formas Tripomastigotas
!

ÁCIDO SIÁLICO

Expressam proteína com
atividade tr...
CICLO BIOLÓGICO
INTERAÇÃO PARASITO-HOSPEDEIRO
GP83 + P74 (ligante universal no hospedeiro)
GP85 + Laminina/Fibronectina/Pe...
CICLO BIOLÓGICO
INTERAÇÃO PARASITO-HOSPEDEIRO
GP63
• Infecção da célula hospedeira

INVASÃO CELULAR

1° Formação de vacúol...
CICLO BIOLÓGICO
RESPOSTA IMUNE
• Imunidade Inata;
• Imunidade Adquirida;
• Parasita continuamente combatido e tem sua
mult...
CICLO BIOLÓGICO
IMUNIDADE INATA
Formas epimastigotas:
Via alternativa do
Complemento: LISE.

Formas tripomastigotas
metací...
CICLO BIOLÓGICO
IMUNIDADE INATA
CÉLULAS NK
• Limitam o crescimento parasitário.
• Invasão de MΦ → Secreção de IL-12 ativa ...
CICLO BIOLÓGICO
IMUNIDADE ADQUIRIDA
• Ativação de linfócitos B: hiperprodução de
imunoglobulinas;

• IgG1, IgG2a e IgG2b: ...
CICLO BIOLÓGICO
MECANISMOS DE EVASÃO
• Expressão de moléculas na superfície de parasito com
capacidade de interferir na at...
CICLO BIOLÓGICO
MECANISMOS DE EVASÃO
• GP160, GP58/68 e T-DAF: possuem atividade regulatória
do complemento, agem ao nível...
CICLO BIOLÓGICO
REFERÊNCIAS
CORREA-OLIVEIRA, Rodrigo. Genética do Hospedeiro, Resposta Imune e
o Desenvolvimento da Doença...
CICLO BIOLÓGICO
REFERÊNCIAS
NOTÍCIAS UOL. Novas casos de Doença de Chagas no Brasil se
concentram no Pará e no Amapá. Disp...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Resposta Imunológica a Trypanosoma cruzi

394 visualizações

Publicada em

Apresentação de diapositivos acerca de aspectos parasitológicos e de resposta imunológica do organismo humano ao Trypanosoma cruzi.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
394
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resposta Imunológica a Trypanosoma cruzi

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS IMUNOLOGIA RESPOSTA IMUNE A PROTOZOÁRIOS
 Trypanosoma Cruzi ACADÊMICOS: Amanda Laina Hugo Eduardo Azevedo Fialho Natasha Lima Monteiro Nayara Lobo Raquel Morales Vieira Raimundo Barbosa Dias Júnior
  2. 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS • • • • • • • REINO: Protista FILO: Euglenozoa CLASSE: Zoomastigophora ORDEM: Kinetoplastida FAMÍLIA: Trypanosomatidae GÊNERO: Trypanosoma ESPÉCIE: Trypanosoma cruzi Trypanossoma Cruzi. Fonte: ARAUJO, Marília. Cinetoplastídeos. Disponível em: <http: www.infoescolaTrypanossomacruzi.com/reino protista/cinetoplastideos>. Acesso: 1 dez 2013. Causador da doença de Chagas, tripanossomíase Americana ou esquizotripanose.
  3. 3. CICLO BIOLÓGICO • Ciclo heteroxeno: • Extracelular - vetor • Intracelular - hospedeiro invertebrado Hospedeiro Vertebrado • Amastigotas ! • Tripomastigotas sanguícolas
  4. 4. CICLO BIOLÓGICO Hospedeiro Invertebrado • ESFEROMASTIGOTAS • EPIMASTIGOTAS ! ! ! • TRIPOMASTIGOTAS METACÍCLICAS Fonte: NEVES, David et al. Parasitologia Humana. 11 ed. São Paulo: Atheneu, 2004.
  5. 5. CICLO BIOLÓGICO
  6. 6. CICLO BIOLÓGICO NEVES, David et al. Parasitologia Humana. 11 ed. São Paulo: Atheneu, 2004. LIAC. Ciclo do T. Cruzi no Inseto Vetor. CTLD. Disponível em: <http:// www.liaccentralsorologica.com.br/ noticias_chagas.html>. Acesso em: 1 dez 2013.
  7. 7. CICLO BIOLÓGICO EPIDEMIOLOGIA • Prevalente em populações rurais - moradias de pau-a-pique. • Afeta 8 a 10 milhões de pessoas que vivem nos países latinoamericanos endêmicos. • Afeta cerca de 300 a 400 mil indivíduos em países não endêmicos, como a Espanha e os Estados Unidos. • Cerca de 20.000 mortes são atribuídas à doença de Chagas a cada ano. • Na década de 70, no Brasil, o Ministério da saúde com técnicas a fim de interromper a transmissão vetorial, com uso de inseticidas e controle da transfusão de sangue. • Em 1983, alcançou-se a cobertura total da área endêmica, e essas ações vem sendo mantidas de forma regular. • Mesmo com essas ações do Ministério da saúde, cerca de 200 novos casos ainda são registrados anualmente. Mais de 95% ocorrem em apenas dois Estados: Pará e Amapá. No Maranhão: 32 casos entre 1994 e 2008.
  8. 8. CICLO BIOLÓGICO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL • Fase Aguda: febre tifóide, leishmaniose visceral, esquistossomose mansônica aguda, mononucleose infecciosa, toxoplasmose, dentre outras enfermidades febris. • Fase Crônica: difenciar de outras miocardiopatias. • Forma Digestiva: diferenciar de “megas” (megaesôfago, megacolo, etc.) causados por outras etiologias. • Forma Congênita: Sífilis e da Toxoplasmose.
  9. 9. CICLO BIOLÓGICO DIAGNÓSTICO LABORATORIAL • Fase aguda: pesquisa do parasito no sangue são as formas mais rápidas de diagnóstico (método de Strout, exame a fresco, gota espessa, esfregaço corado, xenodiagnóstico, microhematócrito e creme leucocitário). • Fase crônica: Principalmente sorologia (hemaglutinação indireta, imunofluorescência, ELISA) e outros exames complementares (Hemograma completo com plaquetas, eletrocardiograma e raio X). Exames parasitológicos são pouco eficazes nessa fase da doença. • O diagnóstico molecular utilizando PCR também pode ser feito.
  10. 10. CICLO BIOLÓGICO TRATAMENTO • As drogas hoje disponíveis (Benznidazol, Nifurtimox) são indicadas em todos os casos, tanto agudos quanto congênitos e fase crônica. • Eficácia na maioria dos casos agudos (>60%) e congênitos (>95%), apresentando ainda relativa eficácia entre 50% a 60% de casos crônicos recentes. ! Devido a maior eficácia do tratamento na fase inicial da enfermidade, é importante a descoberta precoce da doença.
  11. 11. CICLO BIOLÓGICO PROFILAXIA • Melhorar habitação, através de reboco e fechamento de rachaduras e frestas; • Telar portas e janelas; • Manter limpeza periódica nas casas e em seus arredores; • Construir galinheiro, paiol, tulha, chiqueiro , depósito afastados das casas e mantê-los limpos; • Retirar ninhos de pássaros dos beirais das casas; • Aplicação sistemática de inseticidas; • Prevenção da transmissão transfusional: fiscalização do controle da qualidade do sangue transfundido, o que é feito pela triagem sorológica dos doadores; • Prevenção da transmissão em laboratório: rigoroso uso das normas de biossegurança;
  12. 12. CICLO BIOLÓGICO MECANISMOS DA RESPOSTA IMUNE Via de atuação e regulação do sistema do complemento. (Elaborado por Moysés, M.K, 2011).
  13. 13. CICLO BIOLÓGICO MECANISMOS DA RESPOSTA IMUNE • O parasito desenvolve uma série de mudanças que capacita sua sobrevivência no hospedeiro; • Expressão de moléculas em sua superfície: interferência no sistema complemento. INTERAÇÃO PARASITO-HOSPEDEIRO ADESÃO (SANTILIANO, 2012) RECONHECIMENTO CELULAR PROTEÍNAS + GLICOPROTEÍNAS
  14. 14. CICLO BIOLÓGICO INTERAÇÃO PARASITO-HOSPEDEIRO Formas Tripomastigotas ! ÁCIDO SIÁLICO Expressam proteína com atividade transialidásica removem resíduos de ácido siálico. Formas Tripomastigotas Metacíclicas Ácido siálico é incorporado em antígenos. Remoção de resíduos de ácido siálico gera aumento da interação parasito-hospedeiro. (SANTILIANO, 2012)
  15. 15. CICLO BIOLÓGICO INTERAÇÃO PARASITO-HOSPEDEIRO GP83 + P74 (ligante universal no hospedeiro) GP85 + Laminina/Fibronectina/Penetrina Invasão de células da forma tripomastigota. GP82 Tripomastigota metacíclica • Molécula de adesão; • Via de sinalização mediada por PTK; • Mobilização de cálcio. (SANTILIANO, 2012)
  16. 16. CICLO BIOLÓGICO INTERAÇÃO PARASITO-HOSPEDEIRO GP63 • Infecção da célula hospedeira INVASÃO CELULAR 1° Formação de vacúolos ligados à membrana celular; 2° Ruptura da membrana e acesso do parasito ao citoplasma pela síntese de Tc-Tox, que compartilha epítopos com C9 (complemento). GP72 (SANTILIANO, 2012) • Epimastigota; • Aceptora do C3; • Adesão do flagelo;
  17. 17. CICLO BIOLÓGICO RESPOSTA IMUNE • Imunidade Inata; • Imunidade Adquirida; • Parasita continuamente combatido e tem sua multiplicação reduzida; • Persistência indefinida do parasita: • Atividade prolongada do sistema imune; • Aparecimento de lesões teciduais e alterações funcionais musculares e nervosas. (SANTILIANO, 2012)
  18. 18. CICLO BIOLÓGICO IMUNIDADE INATA Formas epimastigotas: Via alternativa do Complemento: LISE. Formas tripomastigotas metacíclicas: • Resistentes à ação lítica do complemento. • Moléculas em sua superfície com propriedades associadas à DAF humana. • T-DAF e GP160: resistência do parasita ao ataque do complemento; • Proteína ligante de manose e receptor de manose de MΦ e células dendríticas: importante mecanismo de captação de formas amastigotas. (SANTILIANO, 2012)
  19. 19. CICLO BIOLÓGICO IMUNIDADE INATA CÉLULAS NK • Limitam o crescimento parasitário. • Invasão de MΦ → Secreção de IL-12 ativa as NK a produzirem IFN-ɣ → Ativação microbicida dos MΦ. • TNF-α + IFN-ɣ = produção de NO. IL-17 • Proteção do hospedeiro contra o T. cruzi em sua fase aguda. (SANTILIANO, 2012)
  20. 20. CICLO BIOLÓGICO IMUNIDADE ADQUIRIDA • Ativação de linfócitos B: hiperprodução de imunoglobulinas; • IgG1, IgG2a e IgG2b: envolvidos na eliminação das formas sanguíneas do parasita; • Anticorpos líticos: ausência = cura para doença de Chagas. Resposta Tipo Th1 Resistência à infecção (mais precoce e de maior amplitude) e pouca CTLA-4 (SANTILIANO, 2012) Resposta Tipo Th2 Evolução para uma forma crônica e muita CTLA-4
  21. 21. CICLO BIOLÓGICO MECANISMOS DE EVASÃO • Expressão de moléculas na superfície de parasito com capacidade de interferir na ativação das vias clássica e alternativa do complemento; • Renovação das moléculas de superfície através das vias endocíticas sem renovação antigênica em T. cruzi. • Liberação de imunocomplexos ligados à membrana; • Atividade anticomplemento: bloqueio da cascata ou ausência de prejuízo do complexo MAC; • Formas amastigotas: ativam o complemento, mas escapam da morte por expressão de proteína em sua superfície; • Formas tripomastigostas: resistentes à lise pela ligação ineficiente do fator B ao componente através de GP58/GP68 e pela atividade aceleradora de decaimentos de T-DAF e GP160. (SANTILIANO, 2012)
  22. 22. CICLO BIOLÓGICO MECANISMOS DE EVASÃO • GP160, GP58/68 e T-DAF: possuem atividade regulatória do complemento, agem ao nível da C3 convertase de alguma maneira; • GP160 apresenta similaridades funcionais e genéticas com a proteína DAF humana; • GP58/68: glicoproteína tripomastigota-específica: inibição da C3 convertase da via alternativa por atuar sobre o fator B; • Aquecimento das formas tripomastigotas; • CESTARI et al.: vesículas derivadas da membrana plasmática da célula do hospedeiro por formas tripomastigotas metacíclicas - estabilização e inibição da C3 convertase. (SANTILIANO, 2012)
  23. 23. CICLO BIOLÓGICO REFERÊNCIAS CORREA-OLIVEIRA, Rodrigo. Genética do Hospedeiro, Resposta Imune e o Desenvolvimento da Doença de Chagas Humana. Disponível em: <http:// congressomedtrop.ihmt.unl.pt/files %5CMR_Chagas_Resumo_Rodrigo_FIOCRUZ.pdf>. Acesso em: 2 dez 2013. ! ! ! FIOCRUZ. Doença de Chagas: sintomas, transmissão e prevenção. Disponível em: <http://www.bio.fiocruz.br/index.php/doenca-de-chagassintomas-transmissao-e-prevencao.> acesso em 30 nov 2013. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Doença de Chagas. Disponível em: <http:// portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/ gve_7ed_web_atual_doenca_de_chagas.pdf.> Acesso em: 29 nov 2013. NETO, Edécio Cunha. Doença de Chagas. Disponível em: <http:// biotechnology.com.br/revista/bio09/bio_9.pdf#page=20>. Acesso em: 30 nov 2013. NEVES, David et al. Parasitologia Humana. 11 ed. São Paulo: Atheneu, 2004.
  24. 24. CICLO BIOLÓGICO REFERÊNCIAS NOTÍCIAS UOL. Novas casos de Doença de Chagas no Brasil se concentram no Pará e no Amapá. Disponível em <http:// noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/bbc/2012/05/31/novos-casosde-doenca-de-chagas-no-brasil-se-concentram-no-para-e-amapa.htm>. Acesso em: 30 nov 2013. ! SANTILIANO, Fabiano. Resposta imune e mecanismos de evasão desenvolvidos pelo protozoário parasita Trypanosoma Cruzi, agente causador da doença de Chagas. Disponível em: <http:// www.conhecer.org.br/enciclop/2012a/saude/resposta%20imune.pdf>. Acesso em: 28 nov. 2013 SAÚDE EM MOVIMENTO. Doença de Chagas. Disponível em: <http:// www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudo_print.asp? cod_noticia=658>. Acesso em: 30 nov 2013. ZOONOSES. Doenças de Chagas. Disponível em <http:// www.mgar.com.br/zoonoses/aulas/aula_chagas.htm> Acesso em 29 nov 2013.

×