qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjk...
Marx, Engels e o Socialismo - Definições do Socialismo
Marx, Engels e o Socialismo - Definições do Socialismo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Marx, Engels e o Socialismo - Definições do Socialismo

3.427 visualizações

Publicada em

Karl Marx, Friedrich Engels e o Socialismo

Publicada em: Educação, Tecnologia, Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.427
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Marx, Engels e o Socialismo - Definições do Socialismo

  1. 1. qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmrtyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmrtyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmrtyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmrtyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmrtyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmrtyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmrtyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmMarx, Engels e o SocialismoDefinições do Socialismo24 de junho de 2010Hugo Eduardo Azevedo Fialho<br />O século XIX foi marcado por diversos acontecimentos que permitiram a ascensão do capitalismo como sistema econômico mais eficiente, dentre os quais cabe destacar a consolidação da Segunda Revolução Industrial. A Revolução Francesa do início do referido século, a concretização das rivalidades diplomáticas entre a França e a Prússia através da Guerra Franco-Prussiana – o que possibilitou o surgimento da Alemanha – e, mais tarde, a adoção de medidas promotoras do desenvolvimento socioeconômico na Alemanha e na Itália permitiram a diáspora do surto industrial visto na Inglaterra durante a Primeira Revolução Industrial.<br />Consequentemente, as rivalidades entre as nações cresciam, mas sempre almejavam algo em comum: a supremacia da sua indústria nacional, em detrimento das outras, sendo para tanto válida a prática do Neocolonialismo em terras africanas e asiáticas, a submissão de outros povos perante o europeu e o endossamento de desentendimentos entre esses países que culminou com as Primeira e Segunda Guerras Mundiais. Foi nesse cenário que Karl Marx e Friedrich Engels se mantiveram unânimes em afirmar que a Humanidade aprendia as limitações do capitalismo naquele cenário conturbado para, então, confirmar que o socialismo era o melhor sistema econômico.<br />Àquela altura, várias mazelas já atordoavam países centrais e sua busca por hegemonia, todas em torno do capitalismo agressivo que constituíam: o proletariado há muito se tornara a classe numericamente majoritária; os bolsões de miséria se alastravam, bem como os índices de analfabetismo, violência e inconstitucionalidades praticadas contra essa classe; e mais desgraças se efetivavam à medida das crises econômicas e bélicas. Enfim, o proletariado se consolidou e arraigou-se e, embora fosse primordial à sustentabilidade do capitalismo, estava sempre à margem deste. Assim, uma nova conjectura se costurava: a de repulsa ao capitalismo.<br />Karl Marx e Friedrich Engels, ambos muito abastados, passam a tomar causa para si e tornam-na mais presente no cenário internacional, através do Manifesto do Partido Comunista, que formaliza toda a repulsa ao capitalismo a partir da adoção do socialismo como sistema econômico e, em seguida, do comunismo. A alusão histórica ao desenvolvimento do socialismo presente na obra dá-se na França nas primeiras décadas do século XIX: o socialismo tem origem nas dicotomias entre a burguesia francesa e ex-nobreza, nas quais aquela vê-se realizada pelas conquista da Revolução Francesa e esta, desvinculada do Estado, passa à revanche e introduz ideologias antiburguesas, entre as quais o socialismo. Há, então, referência à Inglaterra e à Alemanha, que, capitalistas como eram e mais vinham sendo à época da elaboração do Manifesto do Partido Comunista, se contrapunham à tendência socialista vista na França e mesmo no decorrer histórico sabido até então, explicando a necessidade da maior organização dos seus ideários e, pois, da obra.<br />É fácil concluir, portanto, os delineios do socialismo. O socialismo se comporta como estágio intermediário entre a instabilidade do capitalismo e o estado de bem-estar social do comunismo. A literatura herdada de Karl Marx e Friedrich Engels define socialismo a partir da fusão dos 1) princípios da filosofia hegeliana, onde se faz presente a dialética e, pois, da tese, antítese e síntese, 2) das políticas revanchistas da ex-nobreza francesa e dos 3) princípios da economia inglesa; pode ser subdividido em 1) socialismo científico e 2) socialismo utópico. O socialismo científico é aquele em que se acredita na possibilidade de a burguesia abrir mão de parte de seus lucros para o proletariado para a amenização das distorções e desigualdades socioeconômicas. O socialismo utópico ou socialismo marxista ou comunismo é aquele que corresponde ao nosso objeto de estudo e é aquele onde deve haver a luta entre classes como forma de ascensão do proletariado, que passaria a coordenar a sociedade, governando-a em benefício próprio, tal como os burgueses.<br />O socialismo utópico compreende a prática da 1) expropriação da propriedade latifundiária e emprego da terra em proveito do Estado, de 2) imposto fortemente agressivo, da 3) abolição do direito de herança, do 4) confisco da propriedade de todos os emigrados e sediciosos, da 5) centralização do crédito nas mãos do Estado por meio de um banco nacional com capital do Estado e com monopólio exclusivo, da 6) centralização, nas mãos do Estado, de todos os meios de transporte, da 7) multiplicação das fábricas e dos instrumentos de produção pertencentes ao Estado, cultivo das terras improdutivas e melhoramento das terras cultivadas, segundo um plano geral, do 8) trabalho obrigatório para todos, organização de exércitos industriais, particularmente para a agricultura, da 9) combinação do trabalho agrícola e industrial, medidas como vistas a fazer desaparecer gradualmente a distinção entre cidade e campo e da promoção da 10) escola pública gratuita para todas as crianças, abolição do trabalho das crianças nas fábricas, bem como combinação de educação para melhor produção etc.<br />Como vimos, as exigências para instauração do socialismo marxista o tornam devidamente utópico, justificando a ineficácia conceitual da Revolução Russa e a consequente criação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, que foram, na verdade, a concretização dos anseios pan-eslavistas presentes na Rússia da época e não exclusivamente a realização independente dos anseios de seu proletariado para o socialismo utópico <br />

×