Desnaturação Proteica

142 visualizações

Publicada em

Aula prática lecionada no Laboratório de Graduação em Bioquímica (LGBioq) da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
142
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desnaturação Proteica

  1. 1. MONITORIABIOQUIMICA CURTA-NOS NO FACEBOOK: WWW.FACEBOOK.COM/LGBIOQ
  2. 2. Desnaturação Proteica
  3. 3. Introdução Em seu estado nativo a maior parte das proteínas apresenta-se dobrada em estruturas tridimensionais definidas. Estrutura 3D da mioglobina: estrutura compacta e globular Estrutura 3D da miosina de classe II: porções bastões e globulares Estrutura 3D da queratina capilar: esrtutura em bastão
  4. 4. Introdução A desnaturação proteica ocorre quando da mudança na estrutura original ordenada nativa sem alteração da sequência de aminoácidos, ou seja, manutenção da estrutura primária em detrimento das demais. A extensão da desnaturação proteica não é sempre bem definida, cujo conceito é aplicável somente a proteínas cuja estrutura nativa seja ordenada.
  5. 5. Introdução A desnaturação proteica pode ser causada por: Agentes físicos: temperatura Agentes químicos: ácidos e bases fortes, soluções concentradas de ureia, sais de guanidina, sais de salicilato, sais de picrato e por detergentes
  6. 6. Introdução Temperatura Promove o enfraquecimento de ligações de hidrogênio e interações hidrofóbicas, com exposição ao meio externo de grupos hidrofóbicos e SH que estavam mascarados pela estrutura nativa. Por consequência, há agregação molecular, seguida de coagulação térmica e precipitação da proteína.
  7. 7. Introdução Ácidos e bases fortes A formação nativa de uma proteínas é estável apenas numa faixa estreita de valores de pH, uma vez que em determinados valores de pH onde há excesso de cargas positivas ou negativas, as repulsões coulombianas correspondentes concorrem para desestabilizar a estrutura compacta da proteína. O tratamento com ácidos e bases leva à alteração da carga líquida da proteína.
  8. 8. Precipitação por Ácidos Fortes Os ácidos complexos, como o ácido tricloroacético, são bons fornecedores de ânions, de forma que suas interações com proteínas provocam a formação de um sal onde a proteína atua como cátion. Proteína+ + Ânion- Proteína+Ânion-
  9. 9. Precipitação por Metais Pesados Os metais pesados, como o chumbo, são bons fornecedores de cátions, de forma que suas interações com muitas proteínas formam precipitados insolúveis. Essa precipitação é entendida como a formação de um sal insolúvel não ionizável onde a proteína atua como ânion a ser ligado a esses cátions metálicos. Proteína- + Metal+ Proteína-Metal+
  10. 10. Procedimentos Práticos Precipitação por Ácidos Fortes 1mL de solução de ácido tricloroacético 2mL de solução de ovalbumina a 10%
  11. 11. Procedimentos Práticos Precipitação por Ácidos Fortes ❖ Espera-se a formação de uma solução leitosa com precipitados brancos. ❖ A precipitação por ácidos fortes deverá ser positiva para a solução de ovalbumina, proteína que forma complexo insolúvel quando em contato com ânions acetato, disponibilizados pela solução de ácido tricloroacético.
  12. 12. Procedimentos Práticos Precipitação por Metais Pesados 5 gotas de solução de acetato de chumbo 2mL de solução de ovalbumina a 10%
  13. 13. Procedimentos Práticos Precipitação por Metais Pesados ❖ Espera-se a formação de uma solução leitosa com precipitados brancos. ❖ A precipitação por metais pesados deverá ser positiva para a solução de ovalbumina, proteína que forma complexo insolúvel quando em contato com cátions Pb2+, disponibilizados pela solução de acetato de chumbo.
  14. 14. Referências HIRANO, ZMB et al. Bioquímica - Manual Prático. 1 ed. Blumenau: Edifurb, 2008. DOS SANTOS, APSA et al. Bioquímica Prática. Disponível em: <http:// www.repositorio.ufma.br:8080/jspui/handle/ 1/445>. Acesso em: 3 set 2013.

×