Seminários do LabPC I: Design Computacional (Aula 02)

793 visualizações

Publicada em

Slides do dia 12/07/2012

Publicada em: Design
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
793
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
78
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminários do LabPC I: Design Computacional (Aula 02)

  1. 1. Seminários LabPC IDesign Computacional – Aula 02Prof. Hugo Cristo, Msc.Doutorando em Psicologia PPGP/UFES@hugocristo / www.hugocristo.com.brUniversidade Federal do Espírito SantoCentro de Artes / Departamento de Desenho IndustrialLaboratório de Psicologia da Computação - LabPC@ufeslabpc / www.labpc.com.brProjeto Computação para Todos@computacaotodos / www.computacaoparatodos.com.brUFES · JULHO DE 2012
  2. 2. temasQuinta3. Abstração e Automação: Algoritmos como projeto4. A formalização de sistemas cognitivosSexta5. Teoria e prática do Design Computacional
  3. 3. Abstração eAutomação.
  4. 4. Abstração eAutomação.
  5. 5. Elementos da UXGarret propôs um modelo onde aexperiência do usuário seria estruturadaem cinco planos, do abstrato (estratégia)ao concreto (superfície).Valores donegócio transformam-se em design visualpor um processo de abstração.
  6. 6. Abstração da caixa-pretaUm objeto pode ter um comportamentoinexplicável apenas por observação. Seufuncionamento é perfeito apesar dousuário desconhecer os detalhes das suasoperações internas. Uma vez aberto, esseobjeto pode conter outras caixas-pretas.
  7. 7. Dois níveis de análise para as abstraçõesWing (2008) defende que primeiro nívelcontempla a abstração de procedimentosem algoritmos, os sistemas formaisnos termos de expressões válidasem linguagens de programação, ou naprevisão de falhas e erros a partir derestrições e limitações de projeto.
  8. 8. A abstração do trabalho em camadasO segundo nível de abstração descrevetrês camadas: 1) a de interesse; 2) aquelaimediatamente abaixo onde ocorrem osprocessos computacionais subjacentes;e 3) outra imediatamente acima, ondeos resultados das ações na camada deinteresse seriam observados.
  9. 9. Abstração eAutomação.
  10. 10. Abstração versus automaçãoWing (2008) afirma que o processo deautomação consiste na mecanização dasabstrações, das camadas de abstração edas relações entre elas.
  11. 11. Abstração e AutomaçãoOs dois processos são lados de umamesma moeda: a atividade, operação ouexistência (vida?) do sistema cibernético.
  12. 12. Algoritmos, por Donald KnuthCinco características importantes paraalém da noção de “receita”: finitude,distintividade, entradas, saídas e eficácia.
  13. 13. A formalizaçãode sistemascognitivos.
  14. 14. A formalizaçãode sistemascognitivos.
  15. 15. Design, computação e cogniçãoWilliam J. Mitchell propôs um sistemaformal para o projeto arquitetônicoinspirado nas ciências cognitivas.
  16. 16. Vocabulário, transformação, combinaçãoA proposta de Mitchell estabeleceu umalógica do discurso arquitetônico baseadanuma gramática das formas projetuais.
  17. 17. A formalização da sínteseChristopher Alexander propôs umesquema similar ao de Mitchell em 1964,sendo o precursor dos design patterns.
  18. 18. Gramáticas computacionais universaisMitchell e Alexander compartilhamdas raízes lógicas e computacionais dalinguagem elaboradas por Chomsky.
  19. 19. F SN SVDet N V SNO Hugo bebeu Q N toda Det N a Coca-cola
  20. 20. Ordem Pedestal ColunaCornija Sóculo Dado Fuste Base Capitel A-D E-H I-L M ou N O-T U-Z Estilo Toscano
  21. 21. Estado 1 operador Estado 2Instanciamento Transformações Combinações Substituição ÁlgebrasFormas primitivas Translação Operação Unária A por B Um vocabulário VFormas abstratas Rotação Operação Binária Todos os As por B Operadores TVocabulário Reflexão União As por Bs Combinações C Escala Intersecção Estiramento Substração Projeções Booleanas
  22. 22. Arquitetura Paramétricahttp://tinyurl.com/labpc-descomp-1
  23. 23. Kunsthaus Graz: Bix Facadehttp://youtu.be/Uq1lkrtAJ_0
  24. 24. Identidades Generativashttp://tinyurl.com/labpc-descomp-2
  25. 25. Sagmeister: Casa da Músicahttp://tinyurl.com/labpc-descomp-3
  26. 26. Cop15http://tinyurl.com/labpc-descomp-4
  27. 27. Sketch Chairhttps://vimeo.com/9488518
  28. 28. A formalizaçãode sistemascognitivos.
  29. 29. unidadesperturbaçõesmeio
  30. 30. Como formalizar a “vida” cibernética?Um sistema autônomo e autopoiéticoprecisa ser definido nos termos das suasoperações internas – ser “ele mesmo”.
  31. 31. produçãosistema aberto 1 2 3 intervenção externa produçãosistema fechado 1 2 3 feedback
  32. 32. [ G R E E N F I E L D ] E V E RY WA R E [ STERLING ] SPIME [ M E I R A ] S P I M E WA R E
  33. 33. spimeware 1. está na rede; 2. é wireless; 3. é múltiplo [pode haver uma infinidade decópias] mas 4. é identificável de forma única e 5. obedece ao princípio SFO [search, find,obtain] mas 6. é imperceptível [a “olho nu”] porque 7. está embarcado, embutido em coisase, também por causa disso, 8. tem interface “invisível”. ainda mais, spimeware 9. carrega seupróprio plano de construção, uso e reciclagem e 10. guarda ou deposita na rede seu rastrohistórico. [adam greenfield + bruce sterling + silvio meira]
  34. 34. Perguntas para uma teoria acerca da formalizaçãocomputacional de sistemas cognitivos:Como formalizar um sistema autônomo e autopoiéticocapaz de estabelecer acoplamentos estruturais com omeio ou outros sistemas?Como conceber suas operações internas nos termosde computações? Como abstrair e automatizar sua açãode forma a exibir um comportamento típico de umaentidade da sua “natureza”?Quais são os estados, gramáticas, sintaxes, vocabuláriose operadores necessários para descrever e escrever, demodo universal, um comportamento a ser projetado?
  35. 35. Debate! :)Prof. Hugo Cristo, Msc.Doutorando em Psicologia PPGP/UFES@hugocristo / www.hugocristo.com.brUniversidade Federal do Espírito SantoCentro de Artes / Departamento de Desenho IndustrialLaboratório de Psicologia da Computação - LabPC@ufeslabpc / www.labpc.com.brProjeto Computação para Todos@computacaotodos / www.computacaoparatodos.com.brUFES · JULHO DE 2012

×