A Revolução Francesa da     historiografia:               1      A ESCOLA DOS ANNALES
Os fundadores                       2Lucien Febvre e Marc Bloch foram os líderes do que pode ser denominado Revolução Fra...
Os antecedentes                          3Para   interpretar as ações dos revolucionários, contudo, é necessário conhecer...
O mundo grego                             4Desde os tempos de        Heródoto, nascido no                           sécul...
O mundo Grego                           5Os gregos, os criadores da história, tinham um pensamento profundamente anti-his...
O mundo Grego                           6A poesia épica, no lugar de ventos, punha categorias; no lugar de personagens re...
O mundo Grego                           7A filosofia grega, por seu turno, irá se opor e articular-se ao mito, preservand...
O mundo Grego                             8Anti-histórico, portanto, o pensamento grego mitico-poético e filosófico não t...
Mera doxa!                             9O poeta ouvia as musas; o historiador quer “verdade”!Para Aristóteles, os histor...
Mera doxa!                                    10Os historiadores produziam um conhecimento residual – doxa, opiniões sem ...
As formas dominantes de escrever a história                          11Apesar de serem várias as formas de escrita no cam...
As luzes da Razão                        12Foi durante o Iluminismo que ocorreu, pela primeira vez, uma contestação a ess...
As luzes da Razão                          13Foi uma revolta não só contra o poder da religião, em si mesma, seria a prev...
Nova “luzes”                            14Por volta de meados do século XVIII, certo número de escritores e intelectuais,...
Estruturas, arte, literatura e música                          15Esses estudiosos abandonaram o que John Millar de Glasgo...
Social, político e cultural                         16Alguns historiadores, como Edward Gibbon em seu Declínio e Queda do...
Os fatos falam por sí!                            17                                               Um dos maioresContudo,...
Dilettantis?                          18Os interesses pessoais de Ranke não se limitavam à história política. Escreveu so...
A história política em alta                           19Os epígonos de Ranke foram, porém, mais intolerantes que o mestre...
A história política em alta                          20As novas revistas profissionais fundadas no final do século XIX, t...
E os franceses?                          21Os ideais dos novos historiadores profissionais foram sistematizados em compên...
Proposta acontecimental                         22A história proposta era acontecimental (événementielle) e, por excelênc...
Proposta acontecimental                         23Estamos distantes porém de tratá-la, como normalmente se faz, segundo u...
Proposta acontecimental                          24Ainda que hoje a “verdade única” propriamente dita seja discutível, ma...
As vozes discordantes                         25Mesmo no século XIX, alguns historiadores foram vozes discordantes. Miche...
Burckhardt                           26Burckhardt interpretava a história como um campo em que interagiam três forças:- ...
História das classes subalternas?                                       27enquanto Michelet defendia o que hoje poderíamo...
Ainda os dissidentes                            28Não podemos esquecer que a obra-prima do velho historiador francês Fust...
Marxismo                              29Marx também oferecia um paradigma histórico alternativo ao de Ranke.Segundo sua ...
O Imperialismo da história política                          30O domínio, ou como dizia Schmoller, o “imperialismo” da hi...
A sociologia                         31Os fundadores da nova disciplina, a sociologia, expressavam pontos de vista semelh...
Uma história sem nomes!                             32Augusto Comte ridiculirizava o que chamava de “insignificantes deta...
Sociologia (ainda)!                           33Herbert Spencer queixava-se de que “As biografias dos monarcas (e nossas ...
Sociólogos                               34Da mesma maneira, Durkheim despreza os acontecimentos particulares, nada mais ...
1900                            35Por volta de 1900, as críticas à história política eram particularmente agudas, e as su...
Controvérsias                              36 Na Alemanha, nesses anos, ocorreu a chamada “controvérsia de Lamprecht”. Ka...
Rupturas!                                37 Nos Estados Unidos, o famoso estudo de Frederick Jackson Turner sobre “o sign...
Nova história!                                38 De acordo com Robinson, “História inclui qualquer traço ou vestígio das ...
Enquanto isso na França...                          39Nessa mesma época, na França, a natureza da história tornou-se o ob...
Na França...                               40A estreiteza intelectual do establishment histórico não deve ser, porém, exa...
França...                                  41 Por outro lado, Ernest Lavisse,  um dos mais importantes  historiadores em ...
França...                                 42 A seção introdutória foi escrita  por um geógrafo, o volume  dedicado ao Ren...
Iconoclastas                                             43 De qualquer forma, os  historiadores eram vistos dessa  manei...
Iconoclastas                                 44 Segundo ele, havia três ídolos que deveriam ser derrubados: “o ídolo pol...
Outra História                          45Os três temas seriam caros aos Annales, e a eles retornaremos.
Referências:                                        46 BURKE, Peter. A escola dos Annales, 1929 – 1989: a revolução  fran...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

História dos annales trajetória

3.093 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.093
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
69
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Lavisse através de sua monumental História da França, cria o mito de um estado-nação, [...] excitam permanentemente o sentido patriótico, celebrando o culto aos heróis nacionais a fim de preparar a nova geração para a vingança contra o inimigo hereditário, o Bárbaro Germânico; e justificam, a coberto de uma missão civilizadora, a expansão colonial da França. (BOURDÉ e MARTIN, 1983, p. 115)
  • Lavisse através de sua monumental História da França, cria o mito de um estado-nação, [...] excitam permanentemente o sentido patriótico, celebrando o culto aos heróis nacionais a fim de preparar a nova geração para a vingança contra o inimigo hereditário, o Bárbaro Germânico; e justificam, a coberto de uma missão civilizadora, a expansão colonial da França. (BOURDÉ e MARTIN, 1983, p. 115)
  • História dos annales trajetória

    1. 1. A Revolução Francesa da historiografia: 1 A ESCOLA DOS ANNALES
    2. 2. Os fundadores 2Lucien Febvre e Marc Bloch foram os líderes do que pode ser denominado Revolução Francesa da Historiografia.
    3. 3. Os antecedentes 3Para interpretar as ações dos revolucionários, contudo, é necessário conhecer alguma coisa do antigo regime que desejavam derrubar.Para sua descrição e compreensão, não é suficiente permanecer nos quadros historiográficos restritos da situação francesa do início do século, quando Febvre e Bloch eram estudantes.Torna-se necessário examinar a história da historiografia na sua longa duração
    4. 4. O mundo grego 4Desde os tempos de Heródoto, nascido no século V a.C. (485?– Heródoto e 420 a.C.) em Tucídides, a história Halicarnasso tem sido escrita sob uma variada forma de gêneros:  crônica monástica,  memória política, Tucídides Historiador e comandante  tratados de naval ateniense, nasceu Halimunte, autor da antiquários, importante História da Guerra do Peloponeso (431- 404 a. C.),
    5. 5. O mundo Grego 5Os gregos, os criadores da história, tinham um pensamento profundamente anti-histórico. A poesia épica, de Homero e filosofia que nasceu no século V a. C, não tratavam de eventos particulares e de personagens autênticos. Heródoto
    6. 6. O mundo Grego 6A poesia épica, no lugar de ventos, punha categorias; no lugar de personagens reais, arquétipos. Ela produzia a lembrança mítica, exemplar, atemporal. As ações humanas tornam-se modelo; os heróis são tipos. A lembrança é “poética” (José Carlos Reis, 2000) Heródoto
    7. 7. O mundo Grego 7A filosofia grega, por seu turno, irá se opor e articular-se ao mito, preservando dele seu caráter anti- histórico.Para o filósofo grego, só o permanente é conhecível.O ser supralunar realiza um movimento circular, contínuo e regula, que revela a eternidade Tucídides não o tempo (Collingwood, 1981)
    8. 8. O mundo Grego 8Anti-histórico, portanto, o pensamento grego mitico-poético e filosófico não trata do transitório, da sucessão, da mudança, do mundo sublunar, reino da corruptibilidade temporal. Seu olhar e atenção estão voltados para o eterno. [...]Para os filósofos a história estava no mundo do efêmero de ambições e paixões do qual a filosofia deveria libertar o homem
    9. 9. Mera doxa! 9O poeta ouvia as musas; o historiador quer “verdade”!Para Aristóteles, os historiadores se prendem a Aristóteles: fatos acontecidos, filósofo grego, filho particulares e não ao de Nicômaco, médico de Amintas, universal, referiam-se a rei da Macedônia, nasceu em Estagira, mudança e não à estabilidade colônia grega da Trácia, no litoral e regularidade e eram por setentrional do mar isso epistelogicamente Egeu, em 384 a.C. e morto em Calcis 322 menos “sérios”. a. C.
    10. 10. Mera doxa! 10Os historiadores produziam um conhecimento residual – doxa, opiniões sem valor Aristóteles: lógico sobre as coisas filósofo grego, filho de Nicômaco, humanas que mudam. Seu médico de Amintas, rei da Macedônia, conhecimento não seria nasceu em Estagira, colônia grega da demonstrativo e, portanto, Trácia, no litoral não teria validade teórica setentrional do mar Egeu, em 384 a.C. e (Momigliano, 1983; Hartog, 1986) morto em Calcis 322 a. C.
    11. 11. As formas dominantes de escrever a história 11Apesar de serem várias as formas de escrita no campo da História, (crônica monástica, memória política, tratados de antiquários) a forma dominante, porém, tem sido a narrativa dos acontecimentos políticos e militares, apresentada como a história dos grandes feitos de grandes homens – chefes militares e reis.
    12. 12. As luzes da Razão 12Foi durante o Iluminismo que ocorreu, pela primeira vez, uma contestação a esse tipo de narrativa histórica;Por Iluminismo – Aufklärung – entende-se aquele movimento que tinha como objetivo (Século XVIII), a secularizar todos os setores da vida e do pensamento humanos.
    13. 13. As luzes da Razão 13Foi uma revolta não só contra o poder da religião, em si mesma, seria a prevalência da Razão sobre as formas primitivas de pensar do homem.Contudo devido ao estreitismo conceitual dos racionalista, estes só passaram a se interessar pela história quando esta começou a ser a história do homem moderno.
    14. 14. Nova “luzes” 14Por volta de meados do século XVIII, certo número de escritores e intelectuais, na Escócia, França, Itália, Alemanha e em outros países, começou a preocupar- se com o que denominava a “história da sociedade”.Uma história que não se limitava a guerras e à política, mas preocupava-se com as leis e o comércio, a moral e os “costumes”, temas que haviam sido o centro de atenção do famoso livro de Voltaire Essai sur lés moeurs (Ensaio sobre os costumes).
    15. 15. Estruturas, arte, literatura e música 15Esses estudiosos abandonaram o que John Millar de Glasgow chamara “aquela face comum dos eventos que recobre os detalhes do historiador vulgar”, para concentrarem-se na história das estruturas, tais como o sistema feudal ou a constituição britânica.Outros à história da arte, da literatura e da música. Por volta do final do século, esse grupo internacional de estudiosos havia produzido um conjunto de obras extremamente importante.
    16. 16. Social, político e cultural 16Alguns historiadores, como Edward Gibbon em seu Declínio e Queda do Império Romano, integraram à narrativa dos acontecimentos políticos esse novo tipo de história sociocultural.
    17. 17. Os fatos falam por sí! 17 Um dos maioresContudo, uma das historiadores alemães conseqüências da do século XIX, freqüentemente chamada “Revolução considerado como o Copernicana” na pai da "História científica“ e o uso do história ligada ao método científico na nome de Leopold pesquisa histórica como o uso prioritário von Ranke, foi de fontes primárias, marginalizar, ou re- uma ênfase na história marginalizar, a narrativa e especialmente em história política internacional e Leopold von Ranke sociocultural. (Wiehe/Unstrut, 1795 um comprometimento em mostrar o passado — Berlim, 1886) tal como realmente foi
    18. 18. Dilettantis? 18Os interesses pessoais de Ranke não se limitavam à história política. Escreveu sobre a Reforma e a Contra-Reforma e não rejeitou a história da sociedade, da arte, da literatura ou da ciência.Apesar disso, o movimento por ele liderado e o novo paradigma histórico elaborado arruinaram a “nova história” do século XVIII.Sua ênfase nas fontes dos arquivos fez com que os historiadores que trabalhavam a história sociocultural parecessem meros dilettanti.
    19. 19. A história política em alta 19Os epígonos de Ranke foram, porém, mais intolerantes que o mestre e, numa época em que os historiadores buscavam profissionalizar-se, a história não-política foi excluída da nova disciplina acadêmica.
    20. 20. A história política em alta 20As novas revistas profissionais fundadas no final do século XIX, tais como Historische Zeitschrift (1865), Revue Historique (1876) e a English Historical Review (1886), concentravam-se na história dos eventos políticos.O prefácio do primeiro volume da English Historical Review declarava sua intenção de dedicar-se aos temas da “Política e do Estado”.
    21. 21. E os franceses? 21Os ideais dos novos historiadores profissionais foram sistematizados em compêndios sobre o método histórico, como, por exemplo, o dos historiadores franceses Langlois e Seignobos, Introduction aux études historiques (1897).
    22. 22. Proposta acontecimental 22A história proposta era acontecimental (événementielle) e, por excelência, política, caracterizando uma dominação que vigora até nossos dias enquanto “positivista”.
    23. 23. Proposta acontecimental 23Estamos distantes porém de tratá-la, como normalmente se faz, segundo uma conotação negativa de positivismo, pois foram, de certa maneira, os métodos escritos por Seignobos em L’Introduction aux études historiques que delimitaram o campo de trabalho e auxiliaram os historiadores na formação de um saber que buscava uma verdade.
    24. 24. Proposta acontecimental 24Ainda que hoje a “verdade única” propriamente dita seja discutível, mais precisamente, seja ampla e com muitas possibilidades, não se pode negar o caráter não-fictício e o compromisso com a apuração dos fatos e documentos em busca de uma verdade, para a caracterização de um trabalho histórico – resultado da organização da disciplina ainda no século XIX. (Sabrina Evangelista Medeiros – UFRJ)
    25. 25. As vozes discordantes 25Mesmo no século XIX, alguns historiadores foram vozes discordantes. Michelet e Burckhardt, que escreveram suas histórias sobre o Renascimento mais ou menos na mesma época, 1865 e 1860, respectivamente, tinham uma visão mais ampla da história do que os seguidores de Ranke.
    26. 26. Burckhardt 26Burckhardt interpretava a história como um campo em que interagiam três forças:- o Estado,- a Religião e Jacob Burckhardt– a Cultura, Historiador da arte e da cultura
    27. 27. História das classes subalternas? 27enquanto Michelet defendia o que hoje poderíamos descrever como uma “história da perspectiva das classes subalternas”, em suas próprias palavras “a história daqueles que sofreram, trabalharam, definharam e morreram Jules Michelet (1798 - 1874) sem ter a possibilidade de foi um historiador francês. descrever seus “Cada homem é uma sofrimentos” (Michelet, 1842, p.8). humanidade, uma história universal”
    28. 28. Ainda os dissidentes 28Não podemos esquecer que a obra-prima do velho historiador francês Fustel de Coulanges, A Cidade Antiga (1864), dedicava-se antes à história da religião, da família e da moralidade, do que aos eventos e à política.
    29. 29. Marxismo 29Marx também oferecia um paradigma histórico alternativo ao de Ranke.Segundo sua visão histórica, as causas fundamentais da mudança histórica deveriam ser encontradas nas tensões existentes no interior das estruturas Economista, filósofo e socialista alemão, socioeconômicas. Karl Marx nasceu em Trier em 5 de Maio de 1818 e morreu em Londres a 14 de Março de 1883.
    30. 30. O Imperialismo da história política 30O domínio, ou como dizia Schmoller, o “imperialismo” da história política, era frequentemente contestado na última parte do século XIX. J.R.Green abria sua Short History of English People afirmando claramente ter “devotado mais espaço a Chaucer do que a Crécy, a Caxton do que à insignificante disputa entre os yorkistas e lancastreanos, à lei dos pobres de Elisabete do que à sua vitória de Cadiz, à Reforma Metodista do que à fuga do Jovem Pretendente (Charles Edward Stuart)”
    31. 31. A sociologia 31Os fundadores da nova disciplina, a sociologia, expressavam pontos de vista semelhantes.
    32. 32. Uma história sem nomes! 32Augusto Comte ridiculirizava o que chamava de “insignificantes detalhes estudados infantilmente pela curiosidade irracional de compiladores cegos de anedotas inúteis”, e defendia o que chamou, Isidore Auguste Marie numa frase famosa, “uma François Xavier Comte história sem nomes” (Montpellier, 19 de janeiro de 1798 — Paris, 5 de setembro (Comte, 1864, lição 52). de 1857) foi filósofo francês, o pai da Sociologia e o fundador do Positivismo.
    33. 33. Sociologia (ainda)! 33Herbert Spencer queixava-se de que “As biografias dos monarcas (e nossas crianças aprendem pouco mais do que isso) pouco esclarecem a respeito da ciência da Herbert Spencer (1820 —1903) foi um sociedade” (Spencer, filósofo inglês e um dos representantes do positivismo. Spencer foi um profundo 1861, pp. 26ss). admirador da obra de Charles Darwin. É dele a expressão "sobrevivência do mais apto". É considerado o "pai" do Darwinismo social, embora jamais tenha utilizado o termo.
    34. 34. Sociólogos 34Da mesma maneira, Durkheim despreza os acontecimentos particulares, nada mais do que “manifestações superficiais”; a história aparente mais do que a história real de uma Émile Durkheim (1858 1917) determinada nação Partindo da afirmação de que "os fatos (Durkheim, 1896, p.v.). sociais devem ser tratados como coisas", forneceu uma definição do normal e do patológico aplicada a cada sociedade
    35. 35. 1900 35Por volta de 1900, as críticas à história política eram particularmente agudas, e as sugestões para sua substituição bastante férteis
    36. 36. Controvérsias 36 Na Alemanha, nesses anos, ocorreu a chamada “controvérsia de Lamprecht”. Karl Lamprecht, professor em Leipzig, colocava em oposição à história política – nada mais do que uma história de indivíduos – a história cultural ou econômica, considerada como a história do povo. Posteriormente, definiu a história Karl Lamprecht (1856-1915) - Alemanha, História política é uma “primordialmente como uma "história de indivíduos". Em ciência sociopsicológica” oposição a isso, temos a história cultural ou econômica (do povo).
    37. 37. Rupturas! 37 Nos Estados Unidos, o famoso estudo de Frederick Jackson Turner sobre “o significado da fronteira na história americana” (1893) produziu uma clara ruptura com a história dos acontecimentos políticos, ao passo que, no início do novo século, um movimento foi lançado por James Harvey Frederick Jackson Turner (1861- Robinson sob a bandeira da 1932), USA. "o significado da fronteira “Nova História”. na história americana" (1893) - ruptura com a história dos acontecimentos políticos.
    38. 38. Nova história! 38 De acordo com Robinson, “História inclui qualquer traço ou vestígio das coisas que o homem fez ou pensou, desde o seu surgimento sobre a terra”. Por método, “A Nova História deverá utilizar-se de todas as descobertas sobre a humanidade, que estão sendo feitas por antropólogos, economistas, James Harvey Robinson psicólogos e sociólogos” (1863-1936), USA. "Nova História“.
    39. 39. Enquanto isso na França... 39Nessa mesma época, na França, a natureza da história tornou-se o objeto de um intenso debate.
    40. 40. Na França... 40A estreiteza intelectual do establishment histórico não deve ser, porém, exagerada. O fundador da Revue Historique, Gabriel Monod, conciliava seu entusiasmo pela “história científica” alemã com sua admiração por Michelet, a quem conhecera pessoalmente e cuja biografia escrevera.Era por sua vez admirado por seus alunos Hauser e Febvre. Gabriel Monod (1844 - 1912)
    41. 41. França... 41 Por outro lado, Ernest Lavisse, um dos mais importantes historiadores em atividade na época, era o editor geral da História da França, publicada em dez volumes, entre 1900 e 1912. Seus interesses pessoais estavam voltados para a história política, de Frederico, o Grande, a Luís XIV. Contudo, a concepção histórica subjacente a esses dez volumes era muito mais abrangente.
    42. 42. França... 42 A seção introdutória foi escrita por um geógrafo, o volume dedicado ao Renascimento, por um historiador da cultura, e o próprio balanço da época de Luís XIV, escrito por Lavisse, dedicou parte substancial às artes e, particularmente, à política das artes. Portanto, é inexato pensar que os historiadores profissionais desse período estivessem exclusivamente envolvidos com a narrativa dos acontecimentos políticos.
    43. 43. Iconoclastas 43 De qualquer forma, os historiadores eram vistos dessa maneira pelos cientistas sociais. O desprezo de Durkheim pelos eventos já foi mencionado; seu seguidor, o economista François Simiand, foi mais longe nesse sentido, quando, num famoso artigo, atacou o que chamou de “os ídolos da tribo dos historiadores”.François Simiand (18773-1935) foi sociólogo, historiador, economista e professor doCollége de France de 1932 a 1935. Procurou aplicar os princípios da análise sociológica deÉmile Durkeim aos estudos dos fenômenos econômicos. Sua perspectiva teórica,marcadamente interdisciplinar, valorizava a utilização dos dados estatísticos e buscavaancorar o conhecimento social na História. Inspirador da área de história econômica dosAnnales, estudou os ciclos econômicos de longa duração e os que atuam regularmente nosmovimentos do conjunto da sociedade.
    44. 44. Iconoclastas 44 Segundo ele, havia três ídolos que deveriam ser derrubados: “o ídolo político”, “a eterna preocupação com a história política, os fatos políticos, as guerras, etc., que conferem a esses eventos uma exagerada importância”; o “ídolo individual”, isto é, a ênfase excessiva nos chamados grandes homens, de forma que mesmo estudos sobre instituições eram apresentados como “Pontchartrain e o Parlamento de Paris”, ou coisas desse gênero; e, finalmente, o “ídolo cronológico”, ou seja, “o hábito de perder-se nos estudos das origens” (Simiand, 1903).
    45. 45. Outra História 45Os três temas seriam caros aos Annales, e a eles retornaremos.
    46. 46. Referências: 46 BURKE, Peter. A escola dos Annales, 1929 – 1989: a revolução francesa da historiografia. São Paulo – SP, Editora Universidade Estadual Paulista, 1991. REIS, José Carlos. Escola dos Annales – a inovação em história. São Paulo – SP, Paz e Terra. 2000. COLLINGWOOD, R. G. A idéia de história. Lisboa – Portugal . Editorial Presença. 1994. GLÉNISSON, Jean. Iniciação aos estudos históricos. 6ª edição. Rio de Janeiro – RJ. Editorial Bertrand Brasil. 1991.

    ×