Código de Barras: Aplicado à Gestão de Negócios
Agenda <ul><li>Cenário / Mercado Atual </li></ul><ul><li>Entendendo o Sistema GS1 </li></ul><ul><li>Criação e aplicação do...
Cenário Atual Aspectos Estratégicos  e Competitivos
Aspectos Estratégicos <ul><li>Qual a estratégia da Organização ? </li></ul><ul><li>Como é a estratégia da organização </li...
Aspectos Estratégicos <ul><li>Crescimento </li></ul><ul><ul><li>Penetração de mercado </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolv...
Mas Há Um Limite...
Cenário Atual Competição em escala Global Aumento da dependência de grandes clientes Produtos e preços não são mais difere...
Fabricante Produtor Distribuidor Centro de Distribuição Transportadora Distribuidor Varejista Concorrência Fabricante Prod...
Qual é a Cadeia mais Eficiente?! Fabricante Produtor Distribuidor Centro de Distribuição Transportadora Distribuidor Varej...
Como aumentar a competitividade ? <ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul>C U S T O S <ul><ul><li>Eficiência do trabalho <...
Alguns Exemplos... <ul><li>Pequena inova em software como serviço </li></ul><ul><ul><li>Pequena empresa que vende um siste...
Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Entendendo o Sistema GS1
<ul><li>O Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos engloba o  planejamento e gerenciamento   de todas as atividades  envolvi...
Supply Chain Management <ul><li>Saber qual é e onde está o meu estoque? </li></ul><ul><li>Incluindo os produtos no canal d...
SCM – Supply Chain Management Fornecedor Produtor Operador Logístico Transportador Varejista Consumidor Atender as necessi...
Evolução: Cadeia de Suprimentos Orientado ao Consumidor De Matéria prima Para varejo consumo <ul><li>Ágil e flexível </li>...
Desafio: Alinhar Todos os Fluxos do Negócios Informação Produto Financeiro Alinhando os Fluxos de Informação e Físico…  Al...
Modelo de Colaboração GS1 Processos Comerciais Planejar Comprar Entregar Pagar Processos Complexos Estoque Gerenciado pelo...
A Oportunidade, O Desafio <ul><li>Soluções da GS1 são comprovadas, seguras e atende à gestão da cadeia de suprimentos….  <...
<ul><li>145 países usam os padrões do Sistema GS1 </li></ul><ul><li>108 países têm organizações filiadas à GS1 </li></ul><...
Padrões do Sistema GS1 BENEFÍCIO:  Melhorar eficiência e visibilidade na cadeia de suprimento e abastecimento Padrões Glob...
Sistema GS1 Criação e aplicação do Código de Barras
Utilizando a Tecnologia de Identificação <ul><li>Identificação  -  Numeração GS1 exclusiva (GTIN; GLN; SSCC; etc.) </li></...
Quem é responsável pela criação da numeração de Itens Comerciais? <ul><li>Regra Geral </li></ul><ul><li>Uma empresa  DETEN...
Códigos  EAN/UPC <ul><li>Principais Características </li></ul><ul><ul><li>Aplicado para Identificação de </li></ul></ul><u...
GTIN – Número Global do Item Comercial Prefixo GS1 de Empresa atribuído pelas Organizações GS1 aos seus associados podendo...
789  1234  00001  9 789  67892  0001   3 789  800123   001  3 789  8976543   01  9 PREFIXO GS1  Nº REFERÊNCIA  DV DE EMPRE...
Itens Comerciais para  venda no varejo  (unidades de consumo) devem ser  identificados com uma numeração  GTIN-13 Indústri...
<ul><li>Principais Características </li></ul><ul><ul><li>Aplicado para Identificação de </li></ul></ul><ul><ul><li>Unidade...
Evitando Problemas Impressão das Barras > Margens de Silêncio Indicador de Margem Numeração Truncamento C O R E S
A ARTE EM CÓDIGO DE BARRAS NÃO É RECOMENDADA PELA GS1 BRASIL PARA A APLICAÇÃO EM PRODUTOS/UNIDADES LOGÍSTICAS
Qualidade de Leitura como diferencial Certificação do Código de Barras
CERTIFICAÇÃO DE CÓDIGO DE BARRAS Processo de teste de qualidade que verifica se um código de barras atende as especificaçõ...
FATORES DE EFICIÊNCIA NO CHECK OUT PADRÕES GS1 EFICIÊNCIA OPERACIONAL NO CHECK-OUT <ul><li>Tecnologia dos equipamentos </l...
TEMPO DE LEITURA DO CÓDIGO DE BARRAS Códigos de Barras Certificados pela GS1 são em média  26%  mais rápidos que os código...
AUMENTO DO TEMPO DE LEITURA Tipo de problema encontrado Qualidade  de Impressão Contrast (digitação requerida) Truncado em...
ASPECTOS QUE INTERFEREM NA PERFORMANCE DE LEITURA Truncado ... até   64%   mais rápido! Certificado = OK
PRINCIPAIS RESULTADOS <ul><li>Melhoraria na velocidade de leitura de código de barras… </li></ul><ul><li>Códigos certifica...
Códigos para o Gerenciamento Logísticos
<ul><li>Principais Características </li></ul><ul><ul><li>Aplicado na Gestão Logística e </li></ul></ul><ul><ul><li>Rastrea...
Código de Barras GS1-128 AI - Application Identifier - Identificador de Aplicação Utiliza Estrutura de AIs – Application I...
DEFINIÇÃO DO SSCC  O  SSCC  é usado por todas as partes na cadeia de suprimentos como uma “chave”. Associa a informação na...
Caixa 1 Caixa 2 Caixa 3 Caixa 4 Caixas Itens CAIXA 1 CAIXA 2 CAIXA 3 CAIXA 4 SSCC 1 SSCC 2 SSCC 3  SSCC 4 SSCC 5 Palete A ...
Item Comercial Caixa Unidade Logística Uso de Código de Barras em Logística (00)378983574100000016 17898357410012
SETOR MOVELEIRO Aplicações do Código GS1-128
Customização dos Processos Logísticos  Identificação – Móveis vários volumes GS1 128 EAN EAN EAN
Sistema GS1
Necessidade de Eficiência Intercâmbio  Eficiente  e  prévio  de Dados Cadastrais  Fornecedor Comprador Para dar suporte Es...
O que é Transferência Eletrônica de Mensagens de Negócio? Electronic business messaging = EDI <ul><li>EDI é o acrônimo de ...
O que o EDI traz? Quais são os benefícios do EDI? <ul><li>Os benefícios do EDI podem ser resumidos como : </li></ul><ul><u...
Case: Grupo GOL Setor Coureiro-Calçadista
Cenário Atual <ul><li>Brasil – Maior Produtor Mundial de Calçados Femininos </li></ul><ul><li>Produção Anual – 796 milhões...
Cenário Atual <ul><li>Ciclos de vida curto para os produtos </li></ul><ul><ul><ul><li>Lançamentos / desenvolvimento contín...
Pólo Calçadista - Rio Grande do Sul <ul><li>Principais Indústrias do Setor </li></ul><ul><li>Exportação em 2007: Superior ...
GOL – Grupo de Otimização Logística <ul><li>Criação em 2002 a partir de projeto entre GS1 Brasil e Azaléia </li></ul><ul><...
Revisão dos Processos <ul><li>Não sair emitindo etiquetas de códigos de barras e gerando mensagens EDI sem revisar o proce...
Objetivos e Benefícios Alcançados <ul><li>Maior eficiência na gestão de estoques </li></ul><ul><li>Otimização no recebimen...
Integração Código de Barras e EANCOM
Identificação – Código de Barras GS1-128 / SSCC
Identificação – Código de Barras GTIN 13 / GS1 Datamatrix SSCC
EDI – Modelo Simplificado PRICAT  ( Lista de Preço) INVOIC  (Nota Fiscal - Fatura) I N D Ú S T R I A F O R N E C E D O R D...
Melhorias com a utilização deste modelo <ul><li>Azaléia </li></ul><ul><li>Tempo de recebimento de Matéria Prima – NF com 7...
Tendências
Novos Códigos de Barras <ul><li>GS1 DataBar </li></ul><ul><li>3 vezes menor  que um código EAN-13 </li></ul><ul><li>Aplica...
Novos Códigos de Barras <ul><li>GS1 DataMatrix </li></ul><ul><li>Muito mais informação em  menor espaço </li></ul><ul><li>...
<ul><li>RFID – Radio Frequency IDentification </li></ul>Identificação por Radiofreqüência Tecnologia de identificação que ...
Leitor Antena Computador 4 Leitor captura os dados 5 Leitor envia dados ao computador 6 Computador determina ação 1 Tag en...
MICROCHIP  RFID / EPC Impinj – Chris Diorio Mais transistores que um processador PC-AT de 1985 Consumo de energia menor qu...
Aplicações Fonte:  METRO GROUP Future Store Initiative
  PÃO DE AÇÚCAR LANÇA LOJA DO FUTURO  TAG EPC IDENTIFICA VINHOS  (SAFRA, REGIÃO, HISTÓRIA)   CARRINHO COM PSA  (PERSONAL S...
Muito Obrigado! www.gs1brasil.org.br Hayrne Salvanha Assessor de Soluções de Negócios R. Dr. Renato Paes de Barros, 1017 -...
Tema do Curso: Controle de alteração -  este slide não deve ser exibido Último Revisor: Data da Revisão: Resumo das Altera...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Bar Code Aplicado A GestãO De NegóCios

1.926 visualizações

Publicada em

Business Solutions

1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.926
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Perguntar quem conhece a estratégia da empresa em que trabalha. Não confundir com missão e objetivo Será que eu sou realmente necessário a organização, se eu não sei a estratégia da mesma ??? Quanto aos aspectos, fazer com que os participantes escrevam ou comentem cada tópico...
  • Aqui da para falar da estratégia do Pão de Açucar... Crescimento – Visão de longo prazo com objetivo na penetração do mercado, desenvolvimento de produto, mercado... Competitividade – Enfrentamento da forças competitivas e sustentação às estratégias de crescimento Ex: Extra - Quantidade Pão de Açucar – Produtos diferenciados / localização Compre Bem - Preço
  • Como crescer ? Dentro do cenário atual onde não há mais fronteiras para concorrência (ex: outsorcing), se fabrica muita coisa e os preços não são mais diferenciais ?
  • (2 min.) Em cada elo da cadeia de suprimentos, há a responsabilidade de registrar e comunicar as informações para rastreabilidade. Por exemplo, as informações do produto ou matéria prima que foram recebidas do fornecedor devem ser registradas, assim como as informações sobre as transformações que esse produto sofreu, quais os processos de fabricação. As informações do produto que foi confeccionado, seu lote, validade etc. devem ser comunicadas ao próximo elo da cadeia de suprimentos. Interdependência entre os participantes da cadeia, pois se um elo da cadeia não registra ou comunica as informações corretamente, faz com que o sistema de rastreabilidade seja obsoleto. Por isso que deve haver um processo colaborativo, para que o sistema de rastreabilidade seja eficiente e seguro. 2.3.2 This changeover requires a collaborative environment Diagram: &amp;quot;principles and compromises&amp;quot; Responsibility and interdependence At each link in the product supply chain, the person legally liable for the goods or the order giver) is responsible for the traceability of the product. He defines the level of traceability via the internal specifications sheet, or specifications applicable to the service providers. The traceability of the weakest link determines the traceability of the entire supply chain . Diagram However, the consumer does not distinguish the responsible party. In the event of a media-publicised crisis, consumers may even avoid similar products from other brands. Insofar as concerns individual companies, one of the problems with traceability involves being aware of, or acting on, its direct partners (n-1 and n+1) and indirect partners (n-2 and n+2 for example). A common language The traceability system is put together link by link. This requires key identifiers that are clearly understandable and unique between all of the partners involved in the chain. The traced information must have the same significance for all of them, whether it is included in a specification or passed on with each shipment. Any information likely to be interchanged must therefore be done so using a common language. Shared identification and communication standards guarantee the reliability of traceability between independent partners. Because of the automation of the system, they reduce costs while increasing traceability efficiency. Systematics and exceptions The principle of traceability does not involve knowing all of the pre-defined information at any given moment and from every single partner involved, but it means being able to find the information required at any given time. Traceability is a permanent tool for occasional use. Each partner stores the information that concerns his phase. Should the need arise, partner n contacts partner n-1 or n+1 to obtain the desired information. If necessary, the latter directly contacts his commercial partners in turn, to move up or down the chain. Note: collective industry approaches may result in the implementation of a shared database, with input from all of the partners concerned. This makes it possible to obtain statistical information, overall monitoring of production within the sector, or serve to help combat fraud, for example. This information pooling is therefore an extension of the use of a traceability system.
  • Como melhorar o negócio quando o mercado está estagnado/saturado e o modelo de Receita x Despesas ou Vendas x Recursos ? Utilizando estratégias para Redução de custos e/ou estratégias para trazer valor ao negócio Exemplos de redução de custo: Aumentando eficiencia do trabalho, automação, etc... Fluxo de informação – ágil Aumento de Valor EDI , parcerias, confiabilidade (processos), distribuição/recebimento ágeis... Fortalecendo a marca – Ex: Friboi , não é do setor de TI, mas tem forte implantação de governança de TI para melhorar o negócio
  • Para crescer é preciso estabelecer as necessidades do negócio com uma visão estratégica... Cases de sucesso: A New Soft Intelligence: Prêmio nacional de excelência em uso de tecnologia a ela, escolhida entre 82 concorrentes pela fabricante de computadores americana Dell &amp;quot;As pequenas e médias têm as mesmas necessidades, de exportar, importar e produzir. Só não possuem a mesma estrutura e dinheiro“ - afirma o diretor de tecnologia da informação da New Soft, André Barros. Apple: Fortalecimento da marca – APPLE iPod e iPhone - além de serem sonhos de consumo e sucessos comerciais, trazem o usuário para a apple.
  • Com o gerenciamento da cadeia de suprimentos faz com que a empresa passe a se preocupar com o seu negócio principal, muitas vezes terceirizando o que não cabe ao seu know how. Ex.: Contratação de operadores logísticos para movimentação e armazenagem. Máximo valor ao cliente: melhor preço e melhor serviço Máximo retorno sobre o ativo fixo: retorno do investimento para o acionista
  • Quem trabalha em inbound ou outboud?
  • Script: Para que seja possível atender as necessidades do cliente final, é necessário envolver todas as partes, ou seja, fornecedores, clientes, transportadores, operadores logísticos, atacadistas, distribuidores, varejistas, os próprios consumidores, bancos, revistas etc.. Não se restringe apenas a movimentação, mas também o projeto de novos produtos, o marketing, os processos de fabricação, operações, distribuição, finanças, serviço ao cliente dentre outros.
  • Traditionally B2B discussions are concerned with info Flow Really have three flows Enables immediate visibility to the total supply chain Reduces operating costs Improves delivery speed Increases customer satisfaction Enables automated accounts receivables Credits customer accounts immediately to allow additional purchases Provides faster visibility to funds and improves investment speed
  • Micro Merchan – Macdonalds / H2OH! / Gillette Venda Consignada – Cigarros
  • PERGUNTAR ANTES SE EXISTE ALGUÉM QUE NUNCA PARTICIPOU DE ALGUM CURSO DA GS1, CASO NÃO EXISTA, NÃO EXPLICAR !!! BAR CODES: Padrões Globais para identificação automática com código de barras Identificação rápida e precisa de itens, ativos e localizações O padrão mais amplamente utilizado no mundo para identificação física Suportado por todos varejistas no mundo Implementado por mais de 1.100.000 empresas em mais de 140 países O mesmo código de barras e sua identificação pode ser reconhecido e escaneado no mundo todo Simbologias incluem: EAN-13, GS1-128, RSS e Datamatrix E-COMMERCE : Padrões Globais para comércio eletrônico Intercâmbio eletrônico de dados rápido, eficiente e preciso Utilizando padrões GS1 eCom como GS1 EANCOM ou GS1 XML, é possível realizar intercâmbio eletrônico de mensagens padronizadas e previsível Parceiros de negócios podem comunicar dados comerciais de forma rápida, eficiente e precisa, independente de plataformas internas de hardware e software A padronização elimina necessidade de alinhar formatos e tecnologias do intercâmbio. GDSN: O ambiente para sincronização global de dados Dados padronizados e confiáveis para transações comerciais efetivas Ambiente automatizado e baseado em padrões globais que habilita a sincronização de dados contínua e segura, permitindo a todas as empresas terem dados consistentes relacionados a produtos em seus sistemas e em tempo real. GS1 Global Registry possibilita sincronização em escala global servindo com um hub (ponto de acesso) de data pools certificados e interoperáveis. A partir de um único ponto de conexão para rede GDS é possível acessar dados disponíveis em toda rede, significando menor custo de implementação para se conectar com todos os parceiros comerciais. Maior produtividade por meio de transações mais eficientes Economias administrativas &amp; pessoal com a eliminação de custos desnecessários devido a erros de faturamento ou nas ordens de compra. Melhoria na introdução de novos produtos Redução de faltante em gôndolas: maior disponibilidade de produtos Automatiza distribuição de dados do fornecedor para múltiplos varejistas Melhor colaboração nas iniciativas de comércio e supply chain colaborativos EPC: Padrão Global para identificação RFID Visibilidade com informação mais precisa, imediata &amp; econômica Novo padrão global que combina as tecnologias de identificação por radiofreqüência ( RFID ), infra-estrutura de comunicação de dados ( Internet ) e o Código Eletrônico de Produto – EPC (Electronic Product Code), número que identifica um item de forma única Identificação e rastreamento imediato e automático de um item em qualquer ponto da cadeia de suprimentos Melhor visibilidade e eficiência na cadeia de suprimentos Uma rede de informação fornece dados em tempo real sobre a movimentação de um objeto, identificando de forma única e precisa cada item para usuários autorizados e autenticados Padrão Global assegura interoperabilidade maximizando potencial da tecnologia RFID Aumenta rentabilidade pela maior eficiência do gerenciamento da cadeia de suprimentos e melhor resposta à necessidade do consumidor Minimiza desperdício, aumenta velocidade e precisão do re-suprimento, reduz nível de estoque Reduz falsificação e furtos Reação imediata a problemas de qualidade em produtos Melhora nível de serviço ao consumidor com serviços mais rápidos e produtos mais frescos
  • Os 3 principais elementos do sistema EAN UCC são: 1- Número Global de Item Comercial (GTIN – Global Trade Item Number) 2- Suporte de Dados, representado pelos códigos de barras, que é uma forma de representar a numeração e viabiliza a captura automática dos dados, por meio de leitura óptica nas operações automatizadas 3- Mensagens padronizadas, que viabiliza a transferência de dados de um computador para outro, sem intervenção ou mínima intervenção humana
  • - Numeração não dever estar borrada, por ser humano legível Magnitude conforme tabela Margens de silêncio de + ou – 5mm Indicador de margem para facilitar a construção das margens de silêncio Impressão das barras – cores claras no fundo e escuras nas barras
  • Fundos de latas dourados ou prateados não são recomendados, pois dependendo da luz ambiente, os códigos podem não dar leitura O ideal é pintar o fundo (exemplo óleo)
  • Eficiência Operacional para o Varejo Consumidor Melhor Atendido Maximizar o Investimento em Equipamentos Indústria Diferenciação do Produto Imagem junto ao consumidor Certificado Nacional e Internacional
  • ## * *
  • Produção Anual de 796 milhões de pares. Do couro ao sintético, do esportivo ao social, há modelos que atendem a todos os estilos. O Brasil é o maior produtor de calçados femininos do mundo. Mais de 13 mil indústrias. 390 mil trabalhadores diretos. Cento e oitenta milhões de pares de calçados exportados (180 milhões de pares/ano). Um valor acima de um bilhão e meio de dólares (US$1,5 BI).
  • Self-explanatory. One purpose of this slide is to show that the components of an RFID system are very like those of a bar code scanning system. Note in particular the ability of the generic technology to allow data to be written to the tag by the same equipment that reads data from tags. Note too that not all tags are read and write, but stress that this is a fundamental technology differentiator (when comparing RFID with bar codes).
  • 200 LEITORES MÓVEIS 751 IP4 INTERMEC E 10 GRAVADORES IF5 NO CREDENCIAMENTO O PSA DO PÃO DE AÇÚCAR FAZ A LEITURA DO CÓDIGO DE BARRAS DOS PRODUTOS E AO APROXIMAR-SE DO CHECKOUT O CARRINHO É IDENTIFICADO PELO TAG EPC E AS COMPRAS DESCARREGADAS!
  • Bar Code Aplicado A GestãO De NegóCios

    1. 1. Código de Barras: Aplicado à Gestão de Negócios
    2. 2. Agenda <ul><li>Cenário / Mercado Atual </li></ul><ul><li>Entendendo o Sistema GS1 </li></ul><ul><li>Criação e aplicação do Código de Barras </li></ul><ul><li>Qualidade de Leitura como diferencial </li></ul><ul><li>Códigos para o Gerenciamento Logísticos </li></ul><ul><li>Estudo de Caso </li></ul><ul><li>Tendências </li></ul>
    3. 3. Cenário Atual Aspectos Estratégicos e Competitivos
    4. 4. Aspectos Estratégicos <ul><li>Qual a estratégia da Organização ? </li></ul><ul><li>Como é a estratégia da organização </li></ul><ul><li>relacionada aos aspectos: </li></ul><ul><li>Financeiro </li></ul><ul><li>Processos operacionais </li></ul><ul><li>Clientes e proposição de valor </li></ul><ul><li>Desenvolvimento do capital humano </li></ul>Percepção e consenso - Altos Limitada Muito baixa
    5. 5. Aspectos Estratégicos <ul><li>Crescimento </li></ul><ul><ul><li>Penetração de mercado </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento de produto </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento de mercado </li></ul></ul><ul><ul><li>Diversidade </li></ul></ul><ul><li>Competitividade </li></ul><ul><ul><li>Liderança em custo </li></ul></ul><ul><ul><li>Diferenciação </li></ul></ul><ul><ul><li>Foco </li></ul></ul>Mais utilizada !
    6. 6. Mas Há Um Limite...
    7. 7. Cenário Atual Competição em escala Global Aumento da dependência de grandes clientes Produtos e preços não são mais diferenciais A oferta de bens industrializados é maior que a demanda
    8. 8. Fabricante Produtor Distribuidor Centro de Distribuição Transportadora Distribuidor Varejista Concorrência Fabricante Produtor Distribuidor Centro de Distribuição Transportadora Distribuidor Varejista A B
    9. 9. Qual é a Cadeia mais Eficiente?! Fabricante Produtor Distribuidor Centro de Distribuição Transportadora Distribuidor Varejista Fabricante Produtor Distribuidor Centro de Distribuição Transportadora Distribuidor Varejista B A
    10. 10. Como aumentar a competitividade ? <ul><li> </li></ul><ul><li> </li></ul>C U S T O S <ul><ul><li>Eficiência do trabalho </li></ul></ul><ul><ul><li>Automação </li></ul></ul><ul><ul><li>Melhora logística </li></ul></ul><ul><ul><li>Fluxo de informação </li></ul></ul><ul><ul><li>Comércio eletrônico / EDI </li></ul></ul>V A L O R <ul><ul><li>Rastreabilidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Distribuição/Recebimento </li></ul></ul><ul><ul><li>Marca </li></ul></ul><ul><ul><li>Parceria </li></ul></ul><ul><ul><li>Confiabilidade </li></ul></ul>Produtividade = ou Receita Despesas Vendas Recursos
    11. 11. Alguns Exemplos... <ul><li>Pequena inova em software como serviço </li></ul><ul><ul><li>Pequena empresa que vende um sistema para automatizar os processos de comércio exterior, entrou no mundo da oferta de software como serviço, novo modelo de vendas utilizado por pioneiros de grande porte internacionais como a Google. </li></ul></ul><ul><ul><li>Com apenas 40 funcionários, conquistou grandes organizações como clientes (ex: Gol, TAM e Globo). </li></ul></ul><ul><li> Fonte: Gazeta Mercantil – São Paulo 10 de Setembro de 2008 </li></ul><ul><li>iPod fará com que 20 milhões troquem Windows por Mac </li></ul><ul><ul><li>Estima-se que 20 milhões ou mais de usuários Windows irão aderir à plataforma Mac nos próximos anos, e estarão sob a influência do “efeito de prestígio”. </li></ul></ul><ul><li> Fonte: MacWorld – Reino Unido, 05 de Setembro de 2008 </li></ul><ul><li>EDI </li></ul><ul><ul><li>Empresas do setor Coureiro-calçadista criam grupo de otimização logística e atingem excelentes resultados... </li></ul></ul>
    12. 12. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Entendendo o Sistema GS1
    13. 13. <ul><li>O Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos engloba o planejamento e gerenciamento de todas as atividades envolvidas desde a área comercial até os processos logísticos. Ressaltando a coordenação e colaboração com parceiros - fornecedores, distribuidores, operadores logísticos e consumidores finais, integrando essencialmente o gerenciamento de demanda e fornecimento , nos processos internos das empresas e entre parceiros. </li></ul>Supply Chain Management - SCM
    14. 14. Supply Chain Management <ul><li>Saber qual é e onde está o meu estoque? </li></ul><ul><li>Incluindo os produtos no canal de vendas? Distribuidores, em trânsito, comércio... </li></ul><ul><li>Qual a consequência da falta ou excesso de produtos? </li></ul><ul><li>Como está a reposição de insumos e produtos? Sei onde estão? </li></ul><ul><li>Recall, falsificação, autenticidade? </li></ul><ul><li>O que facilitaria a adição e integração de novos fornecedores e clientes? </li></ul>Qual seria a situação ideal para quem trabalha em SCM?
    15. 15. SCM – Supply Chain Management Fornecedor Produtor Operador Logístico Transportador Varejista Consumidor Atender as necessidades do cliente final FLUXO FÍSICO INFORMAÇÕES
    16. 16. Evolução: Cadeia de Suprimentos Orientado ao Consumidor De Matéria prima Para varejo consumo <ul><li>Ágil e flexível </li></ul><ul><li>Baseado na Demanda </li></ul><ul><li>Orientado ao Consumidor </li></ul><ul><li>Projetado da gôndola para trás </li></ul><ul><li>Focado em valor e crescimento </li></ul><ul><li>Organizado em Rede </li></ul>Longo e lento Baseado em Previsão Orientado à Produção Projetado da concepção do produto Focado na redução de custo Elos seqüenciais encadeados manufatura manufat Matéria prima varejo
    17. 17. Desafio: Alinhar Todos os Fluxos do Negócios Informação Produto Financeiro Alinhando os Fluxos de Informação e Físico… Alinhando os Fluxos de Informação e Financeiro… 0.2b e isto tem que ser feito em toda cadeia de suprimentos! Melhorar os controles dos fluxos
    18. 18. Modelo de Colaboração GS1 Processos Comerciais Planejar Comprar Entregar Pagar Processos Complexos Estoque Gerenciado pelo Fornecedor Micro-Merchandising (Produto na hora e no local certo) Venda Consignada Futuras Iniciativas na Cadeia de Suprimentos Outras Regras para utilização das Chaves de Identificação Globais Chaves Globais de Identificação Global Data Dictionary Portadores de Dados Globais Padrões Fundamentais Alinhamento / Sincronização de Dados Processo Fundamental
    19. 19. A Oportunidade, O Desafio <ul><li>Soluções da GS1 são comprovadas, seguras e atende à gestão da cadeia de suprimentos…. </li></ul><ul><li>...quando integradas e entendidas. </li></ul>
    20. 20. <ul><li>145 países usam os padrões do Sistema GS1 </li></ul><ul><li>108 países têm organizações filiadas à GS1 </li></ul><ul><li>Mais de 1,2 milhão de empresas membro </li></ul>“ ONE MISSION, ONE ORGANIZATION” Uma Organização Verdadeiramente Global 5 BILHÕES DE VEZES AO DIA UM CÓDIGO DE BARRAS DO SISTEMA GS1 É LIDO NO MUNDO
    21. 21. Padrões do Sistema GS1 BENEFÍCIO: Melhorar eficiência e visibilidade na cadeia de suprimento e abastecimento Padrões Globais para Identificação Automática com Código de Barras Padrões Globais para Intercâmbio Eletrônico de Mensagens – EANCOM e XML Infra-estrutura para Sincronização Global de Dados Padrões Globais para Identificação com RFID Identificação rápida e precisa de item, ativo e localização. Troca de dados de negócios de forma rápida, eficiente e precisa Dados padronizados e confiáveis para efetiva transações de negócios Visibilidade da informação mais precisa, imediata e com custo reduzido Chaves Globais de Identificação (GTIN - GLN - SSCC - GIAI - GRAI – GSRN – GDTI) Atributos (Ex: Data de Validade) The Global Language of Business
    22. 22. Sistema GS1 Criação e aplicação do Código de Barras
    23. 23. Utilizando a Tecnologia de Identificação <ul><li>Identificação - Numeração GS1 exclusiva (GTIN; GLN; SSCC; etc.) </li></ul>2. Código de Barras para leitura óptica no controle de mercadorias (EAN 13; EAN8; EAN UPC) <ul><li>Estruturas de Numeração </li></ul><ul><li>Suporte de dados. </li></ul>7898357410015 3. Tag EPC – RFID
    24. 24. Quem é responsável pela criação da numeração de Itens Comerciais? <ul><li>Regra Geral </li></ul><ul><li>Uma empresa DETENTORA DA MARCA do produto, independentemente do local de fabricação ou de quem o fabricou, é responsável pela atribuição da numeração. Portanto, esta empresa poderá ser: </li></ul><ul><ul><ul><li>O Fabricante ou o Fornecedor </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O Importador ou o Atacadista </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O Varejista </li></ul></ul></ul>Desde que comercializem sob sua MARCA ® <ul><li>Exceções à Regra </li></ul><ul><li>ITENS QUE NÃO SÃO CODIFICADOS NA ORIGEM PELO DETENTOR DA MARCA. </li></ul><ul><ul><li>O importador ou intermediário pode, atribuir uma numeração temporária , desde que este seja representante exclusivo da marca para determinado país. </li></ul></ul><ul><ul><li>O varejista pode atribuir um número interno , a ser usado dentro da loja, a um item que ainda não possua numeração. </li></ul></ul><ul><li>ITENS SEM MARCA E GENÉRICOS </li></ul><ul><ul><li>Os itens sem marca e os genéricos são codificados na origem. Como diferentes fornecedores podem fornecer itens idênticos, (na visão do cliente) é possível que itens idênticos possuam numerações diferentes . </li></ul></ul>
    25. 25. Códigos EAN/UPC <ul><li>Principais Características </li></ul><ul><ul><li>Aplicado para Identificação de </li></ul></ul><ul><ul><li>Unidades de Consumo </li></ul></ul><ul><ul><li>São decodificados pelo caixa </li></ul></ul><ul><ul><li>do Varejo </li></ul></ul><ul><ul><li>Codificam o GTIN - até 13 dígitos </li></ul></ul><ul><ul><li>Identifica a Empresa e o Produto </li></ul></ul><ul><li>Estruturas do Código de Barras </li></ul><ul><ul><li>EAN-13, EAN-8, UPC-A e UPC-E </li></ul></ul>Identificação de Produtos
    26. 26. GTIN – Número Global do Item Comercial Prefixo GS1 de Empresa atribuído pelas Organizações GS1 aos seus associados podendo variar entre 7 e 10 dígitos Número de Referência do Produto atribuído pelo detentor da marca dos produtos. Varia entre 2 e 5 dígitos Dígito Verificador Calculado em função da numeração antecedente Estrutura numérica do GTIN-13
    27. 27. 789 1234 00001 9 789 67892 0001 3 789 800123 001 3 789 8976543 01 9 PREFIXO GS1 Nº REFERÊNCIA DV DE EMPRESA DO ITEM Estrutura numérica do GTIN-13 A capacidade de identificação de um Prefixo GS1 de Empresa, pode variar entre 99 à 99.999 itens
    28. 28. Itens Comerciais para venda no varejo (unidades de consumo) devem ser identificados com uma numeração GTIN-13 Indústria Alimentícia COMA BEM Prefixo GS1 de Empresa => 789 835741 Exemplo Didático: Lista de Produtos: Macarrão Pene 200g Promoção Pene + Fusili 200g Macarrão Fusili 200g 500g Macarrão Pene 500g 789 835741 789 835741 789 835741 789 835741 789 835741 001 002 003 004 005 5 2 9 6 3 Exemplo Didático
    29. 29. <ul><li>Principais Características </li></ul><ul><ul><li>Aplicado para Identificação de </li></ul></ul><ul><ul><li>Unidades Logísticas - Caixas </li></ul></ul><ul><ul><li>Não são decodificados no </li></ul></ul><ul><ul><li>caixa do Varejo </li></ul></ul><ul><ul><li>Codificam o GTIN - até 14 dígitos </li></ul></ul><ul><ul><li>Podem ser impressos em substrato </li></ul></ul><ul><ul><li>de baixa qualidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Identifica a Empresa e </li></ul></ul><ul><ul><li>Quantidade de Produtos na caixa </li></ul></ul><ul><li>Estrutura do Código de Barras </li></ul><ul><ul><li>ITF-14 </li></ul></ul>Identificação de Unidades Logísticas Unidade Logística GTIN-14 17898357410012
    30. 30. Evitando Problemas Impressão das Barras > Margens de Silêncio Indicador de Margem Numeração Truncamento C O R E S
    31. 31. A ARTE EM CÓDIGO DE BARRAS NÃO É RECOMENDADA PELA GS1 BRASIL PARA A APLICAÇÃO EM PRODUTOS/UNIDADES LOGÍSTICAS
    32. 32. Qualidade de Leitura como diferencial Certificação do Código de Barras
    33. 33. CERTIFICAÇÃO DE CÓDIGO DE BARRAS Processo de teste de qualidade que verifica se um código de barras atende as especificações técnicas e de negócio da GS1 e oferece a melhor performance de leitura!
    34. 34. FATORES DE EFICIÊNCIA NO CHECK OUT PADRÕES GS1 EFICIÊNCIA OPERACIONAL NO CHECK-OUT <ul><li>Tecnologia dos equipamentos </li></ul><ul><li>Qualidade do Código de Barras </li></ul><ul><li>Localização do Código de Barras </li></ul><ul><li>Habilidade do Operador de Caixa </li></ul><ul><li>Tamanho do Produto </li></ul>Tempo de leitura 26% superior ao tempo de códigos dentro das especificações
    35. 35. TEMPO DE LEITURA DO CÓDIGO DE BARRAS Códigos de Barras Certificados pela GS1 são em média 26% mais rápidos que os códigos encontrados no mercado Código Certificado Código Não Certificado Tempo de leitura de Código de Barras Quanto menor, melhor! X X + 26%
    36. 36. AUMENTO DO TEMPO DE LEITURA Tipo de problema encontrado Qualidade de Impressão Contrast (digitação requerida) Truncado em 25% Dimensão Geral Truncado em 60% Margem de Silêncio Referência Performance de Códigos Certificados
    37. 37. ASPECTOS QUE INTERFEREM NA PERFORMANCE DE LEITURA Truncado ... até 64% mais rápido! Certificado = OK
    38. 38. PRINCIPAIS RESULTADOS <ul><li>Melhoraria na velocidade de leitura de código de barras… </li></ul><ul><li>Códigos certificados são em média 26% mais rápidos! </li></ul><ul><li>Oferecer uma melhor experiência de compra ao consumidor… </li></ul><ul><li>20% dos compradores já ficaram descontentes em função de códigos de barras de baixa qualidade </li></ul><ul><li>Aumento da eficiência operacional do varejo… </li></ul><ul><li>Em média, operadores de caixa gastam 23 segundos para resolver problemas de leitura de código de barras! </li></ul><ul><li>Minimizar problemas com LER (lesão por esforço repetitivo) </li></ul><ul><li>Garantir que o código impresso seja aceito no mundo todo… </li></ul><ul><li>Certificados pela GS1 são aceitos internacionalmente como comprovação de qualidade e máxima performance! </li></ul>
    39. 39. Códigos para o Gerenciamento Logísticos
    40. 40. <ul><li>Principais Características </li></ul><ul><ul><li>Aplicado na Gestão Logística e </li></ul></ul><ul><ul><li>Rastreabilidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Utilizado nos ambientes de Fabricação, Gestão </li></ul></ul><ul><ul><li>de Estoque e Recebimento de Transportadoras e </li></ul></ul><ul><ul><li>Varejistas </li></ul></ul><ul><ul><li>Facilitador na Integração de parceiros comerciais </li></ul></ul><ul><ul><li>Representa Letras, Números e Caracteres </li></ul></ul><ul><ul><li>especiais </li></ul></ul><ul><ul><li>Codificam o GTIN e mais 100 diferentes </li></ul></ul><ul><ul><li>informações </li></ul></ul><ul><ul><li>Utiliza a estrutura de AI – Application Identifier </li></ul></ul><ul><li>Estrutura do Código de Barras </li></ul><ul><li>GS1-128 </li></ul>Identificação de Informações Adicionais
    41. 41. Código de Barras GS1-128 AI - Application Identifier - Identificador de Aplicação Utiliza Estrutura de AIs – Application Identifiers AI – Código da Informação dado – Informações Diversas GTIN Data de Validade Lote Quantidade dado dado dado dado AI AI AI AI (02)17898357410012(17)050120(10)ABC7(37)32
    42. 42. DEFINIÇÃO DO SSCC O SSCC é usado por todas as partes na cadeia de suprimentos como uma “chave”. Associa a informação na Etiqueta Logística com as informações relevantes armazenadas nos arquivos de computador, trocados eletronicamente - EDI. Transportadora Varejo Indústria SSCC SSCC SSCC - Código de Série de Unidade Logística O Código de Série de Unidade Logística (SSCC) é um padrão para a identificação individual das unidades logísticas (paletes, barris, engradados, contêineres...)
    43. 43. Caixa 1 Caixa 2 Caixa 3 Caixa 4 Caixas Itens CAIXA 1 CAIXA 2 CAIXA 3 CAIXA 4 SSCC 1 SSCC 2 SSCC 3 SSCC 4 SSCC 5 Palete A B C D E F G H A B C D E F G H G F H B A G E H Carga Unitizada para Movimentação
    44. 44. Item Comercial Caixa Unidade Logística Uso de Código de Barras em Logística (00)378983574100000016 17898357410012
    45. 45. SETOR MOVELEIRO Aplicações do Código GS1-128
    46. 46. Customização dos Processos Logísticos Identificação – Móveis vários volumes GS1 128 EAN EAN EAN
    47. 47. Sistema GS1
    48. 48. Necessidade de Eficiência Intercâmbio Eficiente e prévio de Dados Cadastrais Fornecedor Comprador Para dar suporte Estável e confiável Transações de negócio e Estável e confiável Fluxo Físico
    49. 49. O que é Transferência Eletrônica de Mensagens de Negócio? Electronic business messaging = EDI <ul><li>EDI é o acrônimo de Electronic Data Interchange , isto pode ser definido como: </li></ul><ul><li>O intercâmbio de dados estruturados, de acordo com padrões de mensagens pré-estabelecidos, através de meios eletrônicos </li></ul>
    50. 50. O que o EDI traz? Quais são os benefícios do EDI? <ul><li>Os benefícios do EDI podem ser resumidos como : </li></ul><ul><ul><li>Aumento da velocidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Redução de custo administrativo e de processo </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento da acuracidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Menor tempo de execução e de inventário </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento da satisfação do cliente </li></ul></ul>Velocidade Redução de Custos Satisfação do Cliente Agilidade Acuracidade
    51. 51. Case: Grupo GOL Setor Coureiro-Calçadista
    52. 52. Cenário Atual <ul><li>Brasil – Maior Produtor Mundial de Calçados Femininos </li></ul><ul><li>Produção Anual – 796 milhões de pares </li></ul><ul><li>Mais de 13 mil Indústrias </li></ul><ul><ul><ul><li>390 mil trabalhadores diretos </li></ul></ul></ul><ul><li>Exportação – 180 milhões de pares / ano </li></ul><ul><ul><ul><li>Valor acima de US$ 1,5 Bilhões </li></ul></ul></ul><ul><li>Em média 150 mil novos produtos / ano </li></ul>
    53. 53. Cenário Atual <ul><li>Ciclos de vida curto para os produtos </li></ul><ul><ul><ul><li>Lançamentos / desenvolvimento contínuo </li></ul></ul></ul><ul><li>Volumes menores por pedido </li></ul><ul><ul><ul><li>Freqüências maiores </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Foco nos pedidos pequenos </li></ul></ul></ul><ul><li>Estoques reduzidos </li></ul><ul><ul><ul><li>só o essencial / estratégico </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>insumos específicos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>compra só do que for utilizado na produção </li></ul></ul></ul><ul><li>Prazos de entrega cada vez mais reduzidos </li></ul><ul><li>Ciclo de produção médio – 45 dias </li></ul><ul><li>Sincronismo na cadeia (fornecedor e varejo) </li></ul>
    54. 54. Pólo Calçadista - Rio Grande do Sul <ul><li>Principais Indústrias do Setor </li></ul><ul><li>Exportação em 2007: Superior a US$ 1 Bi </li></ul><ul><li>Distância de SP: Aprox. 1000 Km </li></ul>
    55. 55. GOL – Grupo de Otimização Logística <ul><li>Criação em 2002 a partir de projeto entre GS1 Brasil e Azaléia </li></ul><ul><li>Premissa básica: Utilização de padrões internacionais – Sistema GS1 </li></ul><ul><li>Visa integração colaborativa entre todos os elos da cadeia </li></ul>
    56. 56. Revisão dos Processos <ul><li>Não sair emitindo etiquetas de códigos de barras e gerando mensagens EDI sem revisar o processo de recepção, movimentação e expedição. </li></ul><ul><li>O sucesso está em utilizar o EDI e o código de barras para validar toda a movimentação, seja ela interna ou de expedição para o próximo elo da corrente. </li></ul>
    57. 57. Objetivos e Benefícios Alcançados <ul><li>Maior eficiência na gestão de estoques </li></ul><ul><li>Otimização no recebimento e expedição de mercadorias </li></ul><ul><li>Eficiência do fluxo de produtos e informações </li></ul><ul><li>Melhor gerenciamento do Negócio </li></ul><ul><li>Ampliação dos serviços aos clientes </li></ul><ul><li>Intensificação do relacionamento entre clientes e fornecedores </li></ul><ul><li>Redução dos custos de administração dos processos logísticos </li></ul>
    58. 58. Integração Código de Barras e EANCOM
    59. 59. Identificação – Código de Barras GS1-128 / SSCC
    60. 60. Identificação – Código de Barras GTIN 13 / GS1 Datamatrix SSCC
    61. 61. EDI – Modelo Simplificado PRICAT ( Lista de Preço) INVOIC (Nota Fiscal - Fatura) I N D Ú S T R I A F O R N E C E D O R DESADV (Aviso de Despacho/Romaneio - SSCC) ORDERS (Pedido de Compra)
    62. 62. Melhorias com a utilização deste modelo <ul><li>Azaléia </li></ul><ul><li>Tempo de recebimento de Matéria Prima – NF com 70 itens: </li></ul><ul><ul><li>Antes: 30 minutos </li></ul></ul><ul><ul><li>Depois: 2 minutos  Erros de digitação = zero </li></ul></ul><ul><li>Grendene </li></ul><ul><li>Acuracidade de Nota Fiscal (Preços incorretos): </li></ul><ul><ul><li>Antes: 70% </li></ul></ul><ul><ul><li>Depois: 98% </li></ul></ul><ul><li>Acuracidade da Nota Fiscal x Pedido (data recebimento, qtde, etc): </li></ul><ul><ul><li>Antes: 60% </li></ul></ul><ul><ul><li>Depois: 99% </li></ul></ul><ul><li>Redução de estoque: 50% (produtos químicos) </li></ul><ul><li>Artecola </li></ul><ul><ul><li>Tempo de digitação do pedido : Redução de 95%  Tempo análise = 0 </li></ul></ul><ul><ul><li>Ocorrências comerciais : Redução de 92,3% (quantidade, valores, etc) </li></ul></ul><ul><ul><li>Separação da carga: Redução de 50,45% (média de 3,5 ton) </li></ul></ul><ul><ul><li>Ocorrências logísticas: Redução de 80% (erros de separação) </li></ul></ul>
    63. 63. Tendências
    64. 64. Novos Códigos de Barras <ul><li>GS1 DataBar </li></ul><ul><li>3 vezes menor que um código EAN-13 </li></ul><ul><li>Aplicação em perecíveis e cupons de desconto </li></ul><ul><li>No varejo em 2010 . Prepare-se! </li></ul><ul><li>Ajustes nos leitores e sistemas de automação </li></ul><ul><li>Pilotos em andamento para Frutas e Legumes </li></ul>
    65. 65. Novos Códigos de Barras <ul><li>GS1 DataMatrix </li></ul><ul><li>Muito mais informação em menor espaço </li></ul><ul><li>Aplicação em Medicamentos e Rastreabilidade </li></ul><ul><li>Quando estará no varejo ? </li></ul><ul><li>Novos sistemas de leitura = 2D </li></ul>
    66. 66. <ul><li>RFID – Radio Frequency IDentification </li></ul>Identificação por Radiofreqüência Tecnologia de identificação que utiliza ondas eletromagnéticas (sinais de rádio) para transmitir dados armazenados em um microchip .
    67. 67. Leitor Antena Computador 4 Leitor captura os dados 5 Leitor envia dados ao computador 6 Computador determina ação 1 Tag entra no campo de RF 2 Sinal RF energiza a Tag 3 Tag transmite ID, mais dados Como Funciona ? Antena Chip Tag
    68. 68. MICROCHIP RFID / EPC Impinj – Chris Diorio Mais transistores que um processador PC-AT de 1985 Consumo de energia menor que o cérebro de uma abelha
    69. 69. Aplicações Fonte: METRO GROUP Future Store Initiative
    70. 70. PÃO DE AÇÚCAR LANÇA LOJA DO FUTURO TAG EPC IDENTIFICA VINHOS (SAFRA, REGIÃO, HISTÓRIA) CARRINHO COM PSA (PERSONAL SHOPPER ASSISTANT) LEITOR RFID NO CHECKOUT IDENTIFICA CARRINHO Casos de sucesso no Brasil PRODUZINDO + 3 MILHÕES DE PRODUTOS POR ANO COM EPC/RFID NO ITEM 11 LINHAS DE PRODUÇÃO COM LEITORES RFID PORTAIS EPC DE TRANSIÇÃO
    71. 71. Muito Obrigado! www.gs1brasil.org.br Hayrne Salvanha Assessor de Soluções de Negócios R. Dr. Renato Paes de Barros, 1017 - 14º CEP 04530-001 - São Paulo T: +55 (11)3068.6200 (São Paulo) F: +55 (11)3849.9051 E: [email_address] W: www.gs1brasil.org.br
    72. 72. Tema do Curso: Controle de alteração - este slide não deve ser exibido Último Revisor: Data da Revisão: Resumo das Alterações: Revisão Dados da Revisão - Slide OCULTO

    ×