José Vital Branco Malhoa,   nasceu nas Caldas da Rainha em 28 de Abril de 1855 e faleceu em Figueiró dos Vinhos, a 26 de O...
O primeiro dinheiro que ganhou como artista, foi com vários desenhos da inundação da Ribeira de Santarém, para a revista “...
Atelier do Artista (1893-1894)
Grupo do Leão (1855- 1933)
Cocegas (1904)
Bebados (1907)
Fado (1910)
Praia da Maças (1918)
Clara (1918)
Outono (1919 )
Emigrante
Desalento
Corar a Roupa
Conversa com vizinho
A Sombra
Ai Credo!
As Papas
As Promessas
Cheia na Ribeira
Sesta dos Ceifeiros
Varanda dos  Rouxinois
Vou ser Mãe F i m
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Malhoa (Som).

542 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
542
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Malhoa (Som).

  1. 1. José Vital Branco Malhoa, nasceu nas Caldas da Rainha em 28 de Abril de 1855 e faleceu em Figueiró dos Vinhos, a 26 de Outubro de 1933 Com apenas 12 anos entrou para a escola de Belas Artes , e todos os anos ganhou o primeiro prémio, devido às suas enormes faculdades e qualidade artísticas. Realizou inúmeras exposições, tanto em Portugal como no estrangeiro, designadamente em Madrid, Paris e Rio de Janeiro. Foi pioneiro do Naturalismo em Portugal, tendo integrado o Grupo do Leão. Destacou-se também por ser um dos pintores portugueses que mais se aproximou da corrente artística Impressionista. Foi o primeiro presidente da Sociedade Nacional de Belas Artes e foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem de Santiago. Em 1933, ano da sua morte, foi criado o Museu de José Malhoa nas Caldas da Rainha.
  2. 2. O primeiro dinheiro que ganhou como artista, foi com vários desenhos da inundação da Ribeira de Santarém, para a revista “O Ocidente”, desenhos que colmatavam a falta de fotos que ilustrassem a tragédia. Talvez tenha sido uma premonição, aquilo que viria a ser a sua pintura, tendo sido considerado, um historiador de Portugal do seu tempo, oferecendo-nos com a sua obra uma visão privilegiada do nosso País MALHOA: O MAIS “PORTUGUÊS” DOS NOSSOS PINTORES
  3. 3. Atelier do Artista (1893-1894)
  4. 4. Grupo do Leão (1855- 1933)
  5. 5. Cocegas (1904)
  6. 6. Bebados (1907)
  7. 7. Fado (1910)
  8. 8. Praia da Maças (1918)
  9. 9. Clara (1918)
  10. 10. Outono (1919 )
  11. 11. Emigrante
  12. 12. Desalento
  13. 13. Corar a Roupa
  14. 14. Conversa com vizinho
  15. 15. A Sombra
  16. 16. Ai Credo!
  17. 17. As Papas
  18. 18. As Promessas
  19. 19. Cheia na Ribeira
  20. 20. Sesta dos Ceifeiros
  21. 21. Varanda dos Rouxinois
  22. 22. Vou ser Mãe F i m

×