Hist Palaciode Queluz Ss

2.987 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.987
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
63
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hist Palaciode Queluz Ss

  1. 1. O PALÁCIO DE QUELUZ
  2. 2. Produção: Fernando Patronilo d’Araújo [email_address] Formatação : RE ( Clique para avançar )
  3. 3. O Palácio Nacional de Queluz, situado a 12 km de Lisboa, a meio caminho entre a capital e Sintra, é um magnífico conjunto de edificações voltadas para belos jardins, repletos de fontanários barrocos, de estátuas e de recantos para folguedos.
  4. 4. Frequentemente comparado ao Palácio de Versalhes, pelas suas fachadas elegantes e jardins palacianos, é, no entanto, uma construção bem portuguesa, nas escalas e no próprio estilo artístico.
  5. 5. Propriedade da Família Real Portuguesa a partir do século XVII, actualmente, além de museu aberto à visitação pública, hospeda visitantes ilustres recebidos pelo Governo Português, bem como é cenário de inúmeras atividades artísticas, como concertos, exposições e recriações históricas.
  6. 6. No século XVII, Queluz não passava de um lugarejo com quintas dos senhores da burguesia, que as utilizavam para passar férias e caçar.   Os primitivos edifícios, onde hoje está instalado o Palácio de Queluz, pertenciam à quinta dos marqueses de Castelo Rodrigo, que foram apoiantes dos reis castelhanos - os Filipes - que governaram Portugal de 1580 a 1640.
  7. 7. Com a Restauração da Independência (1 de Dezembro de 1640), foram considerados traidores à pátria e os seus bens confiscados.   Assim, D. João IV, por alvará de 11 de Agosto de 1654, instituiu a Casa do Infantado, a favor do filho segundo dos monarcas portugueses, ficando a pertencer a essa instituição o palacete e as propriedades dos marqueses de Castelo Rodrigo.
  8. 8. O primeiro senhor da Casa do Infantado foi D. Pedro, filho de D. João IV, que mais tarde reinou em Portugal (1683 a 1706), como D. Pedro II. Com D. Pedro II, os primitivos edifícios sofreram alterações. E seu filho, o Infante D. Francisco, adoptou o palacete e a respectiva quinta de Queluz, como sua residência favorita.
  9. 9. Sucedeu-lhe D. Pedro, filho segundo de D. João V, mais tarde também Rei de Portugal, como D. Pedro III. D. Pedro III, transformou a casa de veraneio de Queluz, no actual Palácio de Queluz. Numa primeira fase de construção (1747 a 1758), dirigida pelo arquitecto Mateus Vicente de Oliveira, o futuro D. Pedro III fez construir o Corpo Central, adaptou a Velha Cozinha, construiu a Ala Sul, ergueu a Ala da Capela e as Salas do Trono e da Música. Por outro lado, Manuel da Maia, Engenheiro-Mor do Reino, orientou a captação das águas para o Palácio.
  10. 10. NÚCLEO INICIAL 1ª FASE 2ª FASE 3ª FASE FASES DE CONTRUÇÃO DO PALÁCIO NACIONAL DE QUELUZ (1747 a 1758) (1760 a 1786) (1786 a 1792)
  11. 11. CAPELA A Capela tem uma só nave e é visivel, no exterior, por uma cúpula de influência alemã. Está profusamente decorada por talha dourada, de autoria de Silvestre Faria Lobo, e é um bom exemplo do estilo português rocaille. O painel, por tràs do Altar Mor, retrata a Imaculada Conceição, padroeira de Queluz, pintada por André Gonçalves.
  12. 12. SALA DO TRONO Uma das mais belas e ricas salas do Palácio de Queluz, decorada em estilo rocaille. Adjacente à Sala do Trono, é uma sala que proporciona rara intimidade entre a audiência e os músicos. SALA DA MÚSICA
  13. 13. Numa segunda fase de construção (1760 a 1786), após o casamento de D. Pedro III com D. Maria I, o arquitecto francês Jean-Baptiste Robillion assumiu a direcção das obras do Palácio.
  14. 14. PAVILHÃO ROBILLION ESCADARIA DOS LEÕES Robillion, rodeado de um escol de artistas e artífices portugueses, franceses e italianos, acrescentou a Ala Poente, o neoclássico Pavilhão Robillion, a Escadaria dos Leões que liga o Palácio à Quinta e aos Jardins (Pênsil e Malta), tipicamente franceses, decorados com estátuas, balaustradas, lagos e azulejos.
  15. 15. OS JARDINS
  16. 16. Robillion ocupou-se, também, da decoração das mais belas salas, utilizando materiais locais como mármores de Pêro Pinheiro e, até, italianos, bem como madeiras brasileiras, entre outras contribuições.
  17. 17. SALA DOS EMBAIXADORES Sala ricamente adornada, usada para audiências com o corpo diplomático.
  18. 18. SALA DE REFEIÇÕES Pequena sala do Pavilhão Robillion, usada como sala íntima de refeições. Sala com quadros de D. João VI e de D. Pedro IV (Pedro I do Brasil). SALA DE ESTAR
  19. 19. QUARTO D. QUIXOTE Quarto decorado com pinturas atribuídas a Manuel da Costa, que foi habitado por D. Pedro III, Dona Carlota Joaquina e D. Pedro IV. CAMA DE D. PEDRO IV Cama em que nasceu e morreu D. Pedro IV de Portugal, que foi o 1º Imperador do Brasil.
  20. 20. Robillion conseguiu, com esses melhoramentos, transformar o Palácio de estilo Rococó, num conjunto harmónico, constituído por vários corpos irregulares - ligados entre si, no corpo principal do Palácio, ou fronteiriços, como a Torre do Relógio, o edifício do Quartel e o palacete neoclássico do segundo Marquês de Pombal.
  21. 21. TORRE DO RELÓGIO Entre os edifícios anexos, destinados às actividades de apoio e habitação dos servidores do Palácio, se destaca a Torre do Relógio, onde hoje funciona a Pousada D. Maria I, aberta ao público.
  22. 22.     Numa terceira e última fase de construção (1786 a 1792), já sob a direcção do arquitecto Manuel Caetano de Sousa, construiu-se o Pavilhão D.Maria I, na Ala Nascente, que actualmente está destinado a acolher os visitantes ilustres em visita oficial a Portugal, nomeadamente os Chefes de Estado, Reis e Rainhas de países amigos.
  23. 23. É de salientar que o plano geral do Palácio e Jardins de Queluz, incluia um projecto de ampliação que nunca chegou a ser executado, em virtude da fuga precipitada da família real para o Brasil. Esse desenho aguarelado, feito em 1795, encontra-se na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.
  24. 24. Em síntese, pode afirmar-se que o Palácio de Queluz foi residência da corte a partir do incêndio do Palácio da Ajuda, em 1794, quando o Príncipe Regente D. João VI e D. Carlota Joaquina o habitaram de forma permanente.
  25. 25. No regresso da Família Real, em 1821, o Palácio de Queluz foi habitado apenas pela Rainha Carlota Joaquina, acompanhada pela cunhada, a Infanta D. Maria Francisca Benedita. Com a partida precipitada da Família Real para o Brasil, em 1807, quando das Invasões Francesas, encerrou-se o período de maior vivência do Palácio de Queluz.
  26. 26. D. Miguel habitou o Palácio, durante o seu reinado e no período sangrento das guerras fratricidas que o opuseram ao seu irmão D. Pedro IV (27º Rei de Portugal e 1º Imperador do Brasil).
  27. 27. Depois de D. Miguel ser desterrado de Portugal, o Palácio ficou abandonado, até Setembro de 1834, quando D. Pedro IV, já muito doente, desejou falecer no mesmo quarto onde havia nascido.
  28. 28. Jardim Pênsil Jardim Malta Pavilhão D. Maria I Sala do Trono Sala da Música Capela Sala dos Embaixadores Quarto D. Quixote Sala de Jantar Planta Baixa do Palácio Nacional de Queluz – Corpo Principal Aposentos Mais Importantes
  29. 29. FONTES TEXTO FERRO, Maria Inês, “Queluz o Palácio e os Jardins”, Edição Scala Books, London, 1997; AFONSO, Simoneta Luz, “O Palácio de Queluz”, Publicações Alfa, 1986; GARRET, Engº Francisco Almeida, “Resenha de Queluz e Arredores”, Edição da Junta de Freguesia de Queluz, 1933; SOARES, Maria Fernanda Martins e outros, “Grande Dicionário Enciclopédico – Volumes XII e XIII” Edição e Promoção do Livro, Lda. www.arqnet.pt/dicionario/maria www.arquet.pt/portal/portugal/temashistoria/maria2.htmlwww.geocities.com/TheTropics/Shore/1708.htm www.ippar.pt/monumentos/palacio_queluz.html www.portugalvirtual.pt/tourism/costadelisboa/sintra/queluz.p.html IMAGENS Fernando Patronilo d’Araújo www.ippar.pt/monumentos/palacio_queluz.html  http://tendance93b.free.fr/chateuqueluz.htm www.malhatlantica.pt/ www.arqnet.pt/dicionario/ www.portugalvirtual.pt/.../ usintramafra.html www.bairrodocatete.com.br/ MÚSICA Kazaa: The Maiden’s Wish, de Chopin

×