Tuberculose Bovina

6.474 visualizações

Publicada em

Trabalho de 2009 feito na UNESP-FMVZ/Botucatu sobre Tuberculose Bovina

Publicada em: Saúde e medicina, Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.474
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
26
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
65
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tuberculose Bovina

  1. 1. TUBERCULOSE BOVINA<br />Adriana Aguiar<br />Daniela Morette<br />Gabriela Campoy<br />Ricardo Mikio Morita<br />Disciplina de Epidemiologia e Planejamento<br />
  2. 2. HISTÓRICO <br /> 1889: Theobald Swit isola o Mycobacterium bovis <br /> 1902: Ravenel obteve a primeira prova definitiva da transmissão da tuberculose bovina ao homem<br /> 1908: Mantoux instituiu o teste alérgico para diagnóstico<br /> 1931: Kuhnaus verificou que a carne poderia transmitir a doença<br /> somente quando o animal era afetado por uma tuberculose<br /> generalizada<br /> 1938: Torres & Pacheco informaram sobre o isolamento do bacilo<br /> do tipo bovino de lesões humanas<br />
  3. 3. ASPECTOS PATOLÓGICOS <br /> Evolução crônica; <br /> Lesões granulomatosas de aspecto nodular;<br /> Principal de entrada em bovinos é o alvéolo pulmonar;<br /> Predominância em gânglios brônquicos e/ou mediastínicos;<br /> A lesão pulmonar propaga-se ao linfonodo satélite, tendendo a generalizar-se.<br />
  4. 4. EPIDEMIOLOGIA<br /> Introdução de animais infeccionados<br /> Propaga-se por todo o rebanho independente de sexo, idade ou raça<br /> Quanto maior o contato, maior a propagação<br /> Infecções: via aerógena (80-90%) e alimentar (leite contaminado)‏<br /> Animais estabulados &gt; animais a pasto<br /> 5% dos animais infectados tem tuberculose uterina e 1% dos bezerros são<br /> infectados por via congênita,<br /> Infecção humana: leite cru contaminado (principal) e produtos cárneos<br />
  5. 5. “Análise retrospectiva dos fatores associados à distribuição da tuberculose bovina no estado do Rio de Janeiro”<br />V.M. Oliveira, A.H. Fonseca, M.J.S. Pereira, A.V. Carneiro, V.L.T. Jesus, P.A.M. Alves<br />
  6. 6. Local<br /> Propriedades rurais do estado do Rio de Janeiro<br />Objetivo<br />Avaliar os fatores associados à ocorrência de tuberculose bovina em rabanhos do estado do Rio de Janeiro utilizando o modelo linear generalizado binomial para distinguir a contribuição de cada variável, das interações e controlar o confundimento.<br />
  7. 7. Material e métodos<br /> Foram coletados os resultados dos exames de 1959 a 1989 da demanda de serviço do Laboratório de Reprodução Animal, conveniado ao Embrapa/UFRRJ<br />- teste de tuberculinização<br />- evidencias de lesões na necropsia<br />- isolamento do agente<br />
  8. 8. variáveis: <br />- assistência veterinária; <br />- aptidão do rebanho: gado de leite (LP), de leite mestiço (LM) e leite e corte (LC); <br />- densidade animal (menor ou igual a 0,5, entre 0,5 e 1 ou mais que 1 animal/ha); <br />- tamanho do rebanho (menor ou igual a 100, entre 100 e 200 ou mais que 200 animais); <br />- produtividade (menor ou igual a 4, entre 4 e 7 ou mais que 7 litros de leite por vaca por dia); <br />- sistema de aleitamento (natural, artificial ou misto); <br />exigência de exames para a compra de animais (exige exames ou não compra animais; exige as vezes ou não exige); <br />manejo de esterco; <br />- cuidados com recém-nascidos (total, parcial e sem cuidados) e mortalidade de bezerros (≤5, &gt;5≤20 ou &gt;20 %) e <br />- tipo de demanda representada pelos períodos: 1959-1969, 1970-1979 e 1980-1989.<br />
  9. 9. Resultados<br /> A taxa de prevalência de tuberculose bovina (TB) nos rabanhos foi de 49,8% relacionados à : <br />- aptidão do rebanho, <br />- densidade animal, <br />- produtividade, <br />- sistema de aleitamento e período<br />
  10. 10. Conclusões <br /> Fatores que favorecem o aumento do número de casos são os seguintes:<br />- aumento da densidade e maior contato entre animais positivos e negativos<br />- aleitamento artificial favorece o fornecimento de leite de uma vaca contaminada para o bezerro de uma não contaminada<br />- produtividade, devido a maior a produtividade do animal, porém há mais cuidado com os animais devido a seu valor elevado.<br />O alto índice de animais positivos pode ser devido a fonte dos dados utilizados para a análise, já que foram dados coletados de um serviço laboratorial vinculado à EMBRAPA, portanto propriedades isentas de problemas sanitários não entraram na estatística.<br />
  11. 11. BIBLIOGRAFIA <br />Ministério da Agricultura - http://www.agricultura.gov.br/<br />Programa Nacional de Controle da Tuberculose/Ministério da Saúde: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualizar_texto.cfm?idtxt=31109<br />“A importância da tuberculose bovina como zoonose”. Alexandre V Souza et al. http://www.bichoonline.com.br/artigos/ha0001.htm<br />Matéria “Vigilância Sanitária alerta sobre consumo de leite ´in natura”, 23/9/2009. http://www.jornaldemocrata.com.br/materias/read.asp?id=6835<br />“Análise retrospectiva dos fatores associados à distribuição da tuberculose bovina no estado do Rio de Janeiro”. V.M. Oliveira et al. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.60, n.3, p.574-579, 2008.<br />
  12. 12. OBRIGADO <br />

×