Trabalho de Enfermidades Parasitológicas<br />Pulgas em cães e gatos<br />Ana Claudia Gorino<br />Bruno Carvalho<br />Luci...
Introdução<br />Insetos ápteros e holometábolos<br />Maioria apresenta ctenídeos<br />Reservatórios mais importantes:<br /...
Introdução<br />Espécies mais importantes<br />Pulexirritans<br />Xenopsyllacheopis<br />Ctenocephalidesfelisfelis<br />Ct...
Aspectos epidemiológicos<br />Tempo sobre o hospedeiro<br />Não vivem no hospedeiro<br />(Pulexirritans, pulgas de aves)<b...
Aspectos Epidemiológicos<br />Fonte: Merial<br />
Patogênese<br />Infestações muito grandes são encontrados em animais velhos ou com doenças crônicas debilitantes<br />Reaç...
Dermatite alérgica à Picada de Pulga<br />DAPP - doença dermatológica mais comum em veterinária no mundo<br />Hipersensibi...
Em cães<br />Prurido,pápulas e crostas<br />Secundariamente: seborréia, alopecia, escoriações, piodermite , hiperpigmentaç...
Em gatos<br />Graus variáveis  de dermatite miliar pruriginosa com escoriações crostas e devido ao excesso de lambedura, a...
Transmissão de moléstias<br />• C. felis, C. canis e P. irritans são hospedeiros intermediários do cestódeo Dipylidium can...
Ctenocephalides felis<br />• Conhecida como “pulga do gato”<br />• 4 subespécies parasitas de carnívoros<br />C. felis fel...
Ctenocephalides felis<br />É a pulga mais comum em cães e gatos<br />Infestações severas podem levar a anemia<br />Gatos i...
Outras espécies de pulgas<br />Echidnophaga gallinacea – Cães e gatos <br />Animais próximos a granjas<br />Inchaço e ulce...
Diagnostico <br />Histórico clinico, visualização da pulga ou de suas fezes  pelo corpo(pode ser difícil de notar em anima...
Tratamento<br />Apesar do controle no ambiente ser impor-tante, deve-se eliminar a população adulta<br />Nitempirano (neoc...
Tratamento<br />Para o controle também coleiras impregnadas: clopirifos, tetraclovinfós, naled diazinon e amitraz. Elas sã...
Controle de Pulgas<br />Devido a duração das fases do seu ciclo,  a maioria das pulgas esta sobre a forma de larvas e pupa...
Controle de Pulgas<br />Piremetrinas, carbaril,fosmet, tetraclovinfós e metoprene podem ser aplicados tanto nos animais qu...
Bibliografia<br />LINARDI, P. M. “Biologia e epidemiologia das pulgas”. Apresentado no XIII Congresso Brasileiro de Parasi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pulgas em cães e gatos

7.679 visualizações

Publicada em

Trabalho de Enfermidades Parasitológicas, FMVZ-Botucatu.

Publicada em: Estilo de vida, Tecnologia
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.679
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
117
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pulgas em cães e gatos

  1. 1. Trabalho de Enfermidades Parasitológicas<br />Pulgas em cães e gatos<br />Ana Claudia Gorino<br />Bruno Carvalho<br />Luciana Campos<br />Marina Pinheiro<br />Ricardo Mikio Morita<br />
  2. 2. Introdução<br />Insetos ápteros e holometábolos<br />Maioria apresenta ctenídeos<br />Reservatórios mais importantes:<br />Homem<br />Ordem Rodentia<br />Animais domésticos<br />http://www.petsalud.cl/articulos/pulga_pelo.jpg<br />
  3. 3. Introdução<br />Espécies mais importantes<br />Pulexirritans<br />Xenopsyllacheopis<br />Ctenocephalidesfelisfelis<br />Ctenocephalides canis<br />Tunga penetrans<br />Realizam hematofagia que prolonga-se após a repleção -&gt; alimento das Larvas<br />Ciclo de ovo a adulto completa-se em 25- 30 dias<br />
  4. 4. Aspectos epidemiológicos<br />Tempo sobre o hospedeiro<br />Não vivem no hospedeiro<br />(Pulexirritans, pulgas de aves)<br />Sobre a pele e pelagem<br />Sobre o corpo do hospedeiro<br />Maioria das espécies conhecidas (Ctenocephalidesspp, Xenopsyllaspp, Polygenisspp.)<br />(Tunga spp.)<br />
  5. 5. Aspectos Epidemiológicos<br />Fonte: Merial<br />
  6. 6. Patogênese<br />Infestações muito grandes são encontrados em animais velhos ou com doenças crônicas debilitantes<br />Reação depende do grau de sensibilização<br />Animais não sensibilizados - leve prurido<br />Animais sensibilizados - Prurido, dermatite e infecções secundárias<br />Gatos: Dermatite Miliar<br />Cães: Dermatite Alérgica por picada de pulga (DAPP)<br />
  7. 7. Dermatite alérgica à Picada de Pulga<br />DAPP - doença dermatológica mais comum em veterinária no mundo<br />Hipersensibilidade tardia (tipo IV) á saliva da pulga.<br />Doença tardia -&gt; indivíduo precisa ficar em contato com o alérgeno por long período<br />
  8. 8. Em cães<br />Prurido,pápulas e crostas<br />Secundariamente: seborréia, alopecia, escoriações, piodermite , hiperpigmentação ou liquenificação. <br />Localização: lombossacra caudodorsal, dorso da base da cauda, parte caudomedial das coxas, abdômen e flancos. <br />Infecção por Staphylococcus intermedius e Malassezia pachydermatis<br />Faixa etária:1 a 3 anos <br />
  9. 9. Em gatos<br />Graus variáveis de dermatite miliar pruriginosa com escoriações crostas e devido ao excesso de lambedura, alopecia<br />Também podem desenvolver o complexo do granuloma eusinofilico <br />As lesões em geral se localizam na cabeça, pescoço, região lombossacra dorsal, porção caudomedial das coxas ou abdômen ventral <br />
  10. 10. Transmissão de moléstias<br />• C. felis, C. canis e P. irritans são hospedeiros intermediários do cestódeo Dipylidium caninum<br />• C. canis e C. felis são hospedeiros intermediários do filarídeo Dipetalonema reconditum<br />
  11. 11. Ctenocephalides felis<br />• Conhecida como “pulga do gato”<br />• 4 subespécies parasitas de carnívoros<br />C. felis felis (cosmopolita)<br />C. felis strongylus (África)<br />C. felis damarensis (África)<br />C. felis orientalis (Índia à Austrália)<br />• Coloração castanho/ preta<br />• Fêmeas têm cerca de 2,5 mm e machos 1 mm<br />
  12. 12. Ctenocephalides felis<br />É a pulga mais comum em cães e gatos<br />Infestações severas podem levar a anemia<br />Gatos infestados aumentam a lambedura - ingestão de cerca de 50% das pulgas - redução da chance de encontrar as pulgas! <br />Transmissão do cestódeo Dipylidium caninum<br />Transmissão do filarídeo Dipetalonema reconditum<br />
  13. 13. Outras espécies de pulgas<br />Echidnophaga gallinacea – Cães e gatos <br />Animais próximos a granjas<br />Inchaço e ulceração/Coxins<br />Não tem importância na transmissão de doenças<br />Pulex irritans – Homem e mamíferos<br />Pulga cosmopolita<br />Xenopsylla cheopis – “Pulga do Rato”<br />Peste bulbônica (Yersinia pestis)<br />Tifo murino (Rickettsia tiphi)<br />
  14. 14. Diagnostico <br />Histórico clinico, visualização da pulga ou de suas fezes pelo corpo(pode ser difícil de notar em animais que desenvolveram DAPP)<br />DAPP: baseado na distribuição das lesões e do inicio do prurido.<br />Confirmação através do teste intra dérmico com antígenos de pulgas <br />Diagnostico terapêutico <br />
  15. 15. Tratamento<br />Apesar do controle no ambiente ser impor-tante, deve-se eliminar a população adulta<br />Nitempirano (neocotinóide) provoca a morte dos adultos em 30 minutos, aplicação diária<br />Tratamento com imidacloprid e fipronol na forma de comprimidos, solução spot-on, ou como spray (fipronol) reduzem o numero de adultos e o fipronol também é eficiente contra carrapatos;<br />
  16. 16. Tratamento<br />Para o controle também coleiras impregnadas: clopirifos, tetraclovinfós, naled diazinon e amitraz. Elas são eficientes se forem associadas com controle ambiental e programas de tratamento<br />
  17. 17. Controle de Pulgas<br />Devido a duração das fases do seu ciclo, a maioria das pulgas esta sobre a forma de larvas e pupas no ambiente.O controle deve ser feito tanto no ambiente quanto no animal<br />Para o controle no ambiente deve-se fazer regularmente a limpeza de todo ambiente domiciliar com aspirador de pó, principalmente nos locais onde os cães dormem ou deitam, já que é nesses locais onde se concentram larvas, ovos , pupas e fezes de pulga<br />
  18. 18. Controle de Pulgas<br />Piremetrinas, carbaril,fosmet, tetraclovinfós e metoprene podem ser aplicados tanto nos animais quanto nos locais onde eles descançam e são eficazes no controle<br />Luferon impede o desenvolvimento de ovos mas não mata o adulto – uso em comprimido ou injetável<br />Selamectina - mata os adultos - Admn. tópica e mensal<br />previne o desenvolvimento de larvas além de prevenir a infecção por diofilaria e atuar contra otoascaridiase e sarna sarcóptica no cão.<br />Gato: atua também contra ancilostomideos e ascarídeos. <br />
  19. 19. Bibliografia<br />LINARDI, P. M. “Biologia e epidemiologia das pulgas”. Apresentado no XIII Congresso Brasileiro de Parasitologia Veterinária & I Simpósio Latino-Americano de Ricketisioses, Ouro Preto, MG, 2004. <br />Linda Medleau, Keith A. Hnilica-Dermatogia de pequenos animais Atlas colorido e guia terapêutico 2ª Ed-ROCA pag. 123-125.<br />“Mixomatose em Coelhos.” http://www.animalworld.com.br/outros/ver.php?id=298. Acessado em 10/11/09.<br /> “Typhus:Essential Data.” http://www.cbwinfo.com/Biological/Pathogens/RP.html. Acessado em 10/11/09.<br /> SHAW, S.E. “Flea-transmitted infections of cats and dogs”. Apresentado no 33° congresso WSAVA (World Small Animal Veterinary Association), Dublin, Irlanda, 2008.<br /> “Siphonaptera (Pulgas).” http://www.coccidia.icb.usp.br/disciplinas/BMP222/. Acessado em 17/11/09.<br />“Pulgas, alergia à pulgas e controle de pulgas, uma revisão”. http://dermatology.cdlib.org/DOJvol3num2/path/fleas-por.html. Acessado em 21/11/09.<br />

×