Pulgas em cães e gatos

6.698 visualizações

Publicada em

Trabalho da disciplina de Enfermidades Parasitárias da FMVZ-Botucatu.

Publicada em: Estilo de vida, Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.698
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
66
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pulgas em cães e gatos

  1. 1. Ana Claudia Gorino<br />Bruno Carvalho<br />Luciana Campos<br />Marina Pinheiro<br />Ricardo Mikio Morita<br />Trabalho de Enfermidades Parasitológicas<br />Pulgas em Cães e Gatos<br />Introdução<br />As pulgas são insetos ápteros, holometábolos, de corpo comprimido lateralmente e providas de cerdas voltadas para trás, apresentando aparelho bucal sugador-pungitivo e coloração castanha, medindo 2,5-3,0 mm em média. O dimorfismo sexual é acentuado, com as fêmeas maiores que os machos e apresentando a parte posterior arredondada. Os machos, pelo fato de albergarem o aparelho copulador nos últimos segmentos, apresentam a extremidade posterior voltada para cima. A maior parte das espécies conhecidas apresenta ctenídios que são cerdas mais robustas e esclerosadas destinadas à fixação e locomoção das pulgas entre os pêlos dos hospedeiros. Ainda que a locomoção seja essencialmente realizada pelas pernas, para grandes obstáculos, o salto é o recurso comumente empregado.<br />Esses insetos têm uma história evolutiva de 60 milhões de anos, sendo já encontrados em mamíferos pré-históricos. Taxonomicamente, estão incluídos na ordem Siphonaptera e seus hospedeiros são animais endotérmicos; destes, aproximadamente 94% são mamíferos. Na prática veterinária, as pulgas são mais importantes nos cães, gatos e aves. Em Primatas, apenas o homem é tido como hospedeiro habitual. A ordem Rodentia é a mais importante porque contém o maior número de espécies parasitadas, além de epidemiologicamente algumas destas espécies funcionarem como reservatórios de infecções transmitidas por pulgas (peste, tifo murino, tularemia). <br />Atualmente são conhecidas quase 3.000 espécies e/ou subespécies, incluídas em 238 gêneros e 15 famílias (Lewis, 1998), distribuindo-se da região Ártica até a Antártica. No Brasil, apenas 59 espécies foram, até o presente, assinaladas. Do ponto de vista epidemiológico, as espécies Pulex irritans, Xenopsylla cheopis, Ctenocephalides felis felis e Ctenocephalides canis entre os Pulicidae e a Tunga penetrans (Tungidae merecem maior atenção. Das pulgas mais importantes para cães e gatos, a C. felis felis e a C. canis são as mais importantes, sendo que a C. felis felis é mais comumente encontrada, tanto em cães quanto em gatos.<br />Quando adultas, a hematofagia é realizada pelos dois sexos, podendo ser realizada tanto durante o dia quanto à noite. As pulgas alimentam-se diretamente nos capilares (solenófagas). O repasto se prolonga após a repleção para que o sangue extravasado sirva de alimento às larvas. Cada repasto dura cerca de 10 minutos, com duas a três refeições ao dia. Em C. felis felis, num período de 48 horas, as fêmeas podem ingerir diariamente uma média de quase 14 µl de sangue, o que corresponde a 15 vezes o seu próprio peso corpóreo. <br />Os estímulos responsáveis para que as pulgas encontrem seus hospedeiros são, principalmente, os visuais e os térmicos. Luz, dióxido de carbono e correntes de ar estimulam apenas a locomoção. A fototaxia positiva para os adultos de C. felis felis constitui a base para o uso de armadilhas luminosas no controle desta espécie, uma vez que os adultos se orientam e se movem até 8,4 m em direção à fonte de luz (Dryden & Broce, 1993).<br />O ciclo de ovo a adulto é completado em aproximadamente 25-30 dias, dependendo das condições de temperatura, umidade e alimentação obtida pelas larvas. A eclosão ocorre dentro de um a dois dias, 24-36 horas após o primeiro repasto sanguíneo. <br />Os ovos são ovóides ou elipsoidais, esbranquiçados, medindo entre 300 e 700 µm e, geralmente depositados nos ninhos dos hospedeiros. O número de ovos colocados varia com a espécie e estado de nutrição das fêmeas: X. cheopis deposita uns 400 em toda a sua existência; C. felis felis quase 1.800 durante um período de 50 dias (Dryden, 1989).<br />As larvas, de um modo geral, vivem livremente nas tocas e ninhos de seus hospedeiros, alimentando-se do excremento de pulgas adultas incorporados a detritos orgânicos e dejetos dos hospedeiros. São geotacticamente positivas (seguem a gravitação), fototacticamente negativas (movem-se em direção contrária à luz) e tigmotacticamente positivas (reconhecem estímulos tácteis e reagem ao contacto mecânico). Este comportamento permite que as larvas encontrem locais seguros e escondidos para protegerem-se contra a dessecação. Em conseqüência de tais ações, mais de 80% das pulgas (C. felis felis) desenvolvem-se na base dos carpetes dos domicílios, onde se locomovem por mais de 46 cm. Quando confinadas à areia, as larvas penetram até 2,3 mm, de modo a evitarem a luz (Kern Jr, 1991). <br />Após uma curta fase de pré-pupa em que o imaturo apresenta-se em forma de U, segue-se a pupa, que é o estádio de resistência. A emergência dos adultos a partir das pupas é estimulada por pressão mecânica, como por exemplo o deslocamento dos hospedeiros nas proximidades ou seu pisoteio sobre os casulos, e aquecimento, proporcionado pela temperatura do corpo de um hospedeiro potencial assentado sobre elas. A abertura de portas ou janelas em ambientes fechados também favorece a emergência. <br />Embora em condições amenas o ciclo evolutivo possa estar completo em aproximadamente três semanas, em temperaturas baixas pode prolongar-se por até dois anos.<br />Aspectos Epidemiológicos<br />Inicialmente, o tempo que os adultos despendem na ação parasitária deve ser considerado, com as seguintes modalidades sendo observadas: <br />Pulgas que vivem sobre o corpo dos hospedeiros, com apenas as fêmeas penetrando sob a pele dos mesmos: <br />Penetração da cabeça, tórax e alguns segmentos abdominais na pele do hospedeiro levando ao crescimento do corpo e à formação de neosomas (conjunto fêmeas hipertrofiadas do parasita + tecidos inflamatórios do hospedeiro), em virtude de alimentação permanente. Ex: Tunga spp; <br />Penetração apenas das maxilas pelo corpo do hospedeiro, ficando o tórax e o abdome a descoberto: espécies de Hectopsylla e de Rhynchopsyllus (ectoparasitas de morcegos); <br />Pulgas que vivem sobre a pele e pelagem, alimentando-se intermitentemente dos hospedeiros, como a maioria das espécies conhecidas: Ctenocephalides spp, Xenopsylla spp, Polygenis spp.; <br />Pulgas que não vivem sobre o corpo dos hospedeiros, só os procurando para exercerem a hematofagia, como as habitantes de ninhos e as encontradas no ambiente do hospedeiro: Pulex irritans e as pulgas de aves. <br />Independentemente do ectoparasitismo temporário ou permanente, as pulgas podem ser específicas ou ecléticas em relação à preferência alimentar. No estudo de questões epidemiológicas, o ecletismo de certas espécies é parâmetro mais importante em razão do intercâmbio de pulgas entre hospedeiros, como p. ex., entre roedores silvestres e sinantrópicos. <br />Graças à alternância entre vida livre e parasitária, nos estádios larvários e adultos, as pulgas participam de diferentes elos na cadeia epidemiológica: parasitas propriamente ditos, vetores biológicos e hospedeiros invertebrados. <br />Pulgas como agentes infestantes<br />Na América do Norte, a infestação por pulgas em cães e gatos é tida como a ectoparasitose mais comum (Rust & Dryden, 1997). No sudeste da África as pulgas chegam a ser os parasitas mais comuns encontrados em cães e gatos. Os gastos anuais com produtos para controle de pulgas em animais de estimação nos EUA excedem US$ 1 bilhão (Conniff, 1995). As populações de pulgas apresentam diferenças significativas em relação às espécies, estações do ano e diversidade de hospedeiros. Assim, em X. cheopis, as maiores infestações em roedores sinantrópicos ocorrem na estação chuvosa-quente (outubro a março) (Linardi et al., 1985), enquanto em C. felis felis, as maiores infestações em cães são observadas em julho e agosto (Viegas, 1996). Independentemente de transmissão de moléstias aos respectivos hospedeiros, as pulgas exercem sobre eles diversas ações, como ectoparasitas: <br /> Ação irritativa: pelo efeito da picada e inoculação de saliva, elas podem provocar reações alérgicas de intensidade variada aos respectivos hospedeiros. Os animais parasitados tornam-se irriquietos e, na tentativa de se livrarem das pulgas, mordem e arranham a pele, arrancando pêlos e escarificando os tecidos cutâneos. Na dermatite por picada, as lesões são vistas ao longo do dorso, particularmente sobre a base da cauda. Já a dermatite alérgica manifesta-se na área dorsal lombo-sacral, formando uma imagem típica triangular ou de um V invertido, podendo ser, posteriormente, estendida às coxas, ventre e flancos. O pescoço, pernas anteriores e base das orelhas podem também ser comprometidos. Em outros hospedeiros, as reações podem apresentar maior severidade, em função da presença de certas espécies de pulgas não específicas a eles.<br />Ação espoliadora: tendo em vista que várias espécies de pulgas continuam a exercer a hematofagia, mesmo após repletas, altas infestações em animais de pequeno porte podem conduzir à anemia. As pulgas picam os hospedeiros várias vezes ao dia ingerindo quantidades de sangue que aumentam, significativamente, o seu peso corpóreo. Cães e gatos podem tentar eliminar seus ectoparasitas por meio de mordeduras da pele.<br /> Ação inflamatória: principalmente evidenciada por aquelas espécies de pulgas que são penetrantes ou semi-penetrantes e cujos orifícios deixados no corpo dos respectivos hospedeiros tornam-se passíveis de infecção por agentes oportunistas, como Clostridium perfrigens (gangrena gasosa), Clostridium tetani (tétano) e Paracoccidiodes brasiliensis (blastomicoses).À infestação por T. penetrans, seguida ou não por infecções secundárias dá-se o nome de tungíase. Ressalte-se que apenas a fêmea da pulga é penetrante e, vulgarmente, recebe o nome de bicho-do-pé, jatecuba, bicho-do-porco, etc. O homem e mamíferos domésticos (suínos, cães, gatos e bovinos) são os principais hospedeiros, ainda que livremente pode ser ela encontrada em montes de esterco, areias de praia, pocilgas e interior de certas habitações. A tungíase pode provocar dificuldades de postura e de locomoção dos hospedeiros, necrose óssea e tendinosa e até perda dos dedos dos pés. Em bovinos, se a infestação for localizada nas patas, os reprodutores poderão ficar impedidos de fecundarem as vacas, em virtude da falta de apoio para a cobertura. Em suínos, as patas e o escroto são os principais alvos, mas estes toleram a infestação sem sinais de desconforto.<br />Pulgas como transmissoras de moléstias: <br />Independentemente de suas atuações como vetoras ou hospedeiras intermediárias, as pulgas são incriminadas na transmissão de viroses (mixomatose), doenças bacterianas (tifo murino, bartonelose, salmoneloses, tularemia, peste), protozooses (tripanossomíases) e helmintoses (himenolepíases, dilepidiose, filarioses, infecções por tilenquídeos), bem como podem ser infectadas ou infestadas por outros artrópodos. A seguir são apresentados os principais dados relativos a essas etiologias e outros comentários pertinentes: <br />Riquetsioses: Em se tratando de pequenos animais, o agente etiológico é a Rickettsia felis, a qual pode ser encontrada em cães, gatos e em pulgas de gatos (C. felis). Cães e gatos infectados irão transportar a R. felis pelo ambiente familiar, podendo ser um foco de infecção para os humanos da região. Existem relatos da transmissão do R. felis ser transovariana, além de transestadial. O tratamento é com tetracicilinas, durante 3-4 semanas.<br />Bartoneloses: A Bartonella henselae (mais B.clarridgeiae, B.koehlerae em gatos sendo as espécies B.henselae, B. clarridgeiae e B.elizabethae as mais relevantes em cães), agente da doença da esfoladura em gatos, é transmitida pelas fezes de C. felis felis, através de inoculação na pele de fezes das pulgas. Carrapatos também têm sido responsabilizados como vetores, principalmente pela espécie B. vinsonii subsp. berkhoffi. Os sinais clínicos nem sempre são aparentes em gatos, pois há uma prevalência considerável de animais assintomáticos, entre 40-70%; Dentre os sinais descritos temos febre, anemia transiente, letargia, linfadenomegalia, disfunção neurológica ou problemas reprodutivos. O tratamento deve envolver animais com sinais clínicos ou que entre em contato com indivíduos imunossuprimidos, envolvendo o uso de antibióticos como doxiciclina, enrofloxacina, amoxicilina e amoxicilina/clavunalato. Mesmo usando doses maiores que o usual, o tratamento não elimina a infecção de todos os animais. <br />Peste: Esta é, sem dúvida, a principal moléstia transmitida pelas pulgas, dada a sua morbidade, letalidade e registro histórico, tendo dizimado ¼ da população européia no século XIX. Ela foi introduzida no Brasil em 1899 pelo porto de Santos, daí se expandiu para outras cidades através do tráfego comercial e ferrovias, estando hoje assentada na zona rural em habitat natural, correspondendo a uma área de 240.000 km2 e ocorrendo em 971 localidades-focos, situadas em 189 municípios brasileiros.<br />A pulga C. felis é, em relação à Xenopsylla cheopis – considerada a pulga mais importante em relação à essa doença, um vetor relativamente ineficiente da peste - a Yersinia pestis. Os reservatórios são, essencialmente, roedores domiciliares e silvestres, embora carnívoros silvestres e domésticos por transportarem pulgas infectantes para aqueles roedores, ou mesmo para o homem, possam também participar como fontes ocasionais. <br />Os sinais clínicos que seguem uma mordida por uma pulga infectada envolvem linfadenite, seguido de disseminação da infecção e bacteremia em 2-6 dias. Por outro lado, a ingestão ou inalação de organismos leva à uma bacteremia mais intensa e rápida (1-3 dias). O animal pode contaminar humanos via aerossóis.<br />Dilepidiose: Dipylidium caninum é cestódeo habitual em carnívoros domésticos que eventualmente parasita o homem. A infecção das pulgas (Ctenocephalides spp., Pulex irritans) ocorre em suas fases larvárias, através da ingestão do ovo do cestódeo liberado junto com as fezes de cães, ou ingestão direta das proglotes. No interior do pulicídeo (larvas ou adultos), os ovos de cestódeos originam cisticercóides. Quando ingeridas, as pulgas liberam no tubo digestivo dos vertebrados, as larvas de cestódeos, restabelecendo assim o ciclo biológico. A infecção é patogênica para as pulgas.<br />Uma vez que o ciclo biológico de D. caninum pode também ser complementado pela ingestão de pulgas esmagadas ou pela lambedura de seus conteúdos, essa parasitose pode se estender às crianças que manuseiam cães. Conseqüentemente, o controle de Ctenocephalides spp nos ambientes domiciliar e peridomiciliar agirá para a diminuição do risco potencial de dilepidiose na população infantil. <br />Filariose de cães: o verme filarial Dipetalonema reconditum é um parasito patogênico e exclusivo de cães, desenvolvendo-se na cavidade geral de pulgas Ctenocephalides spp e a sua transmissão entre cães se realiza através da penetração ativa das microfilárias nos tecidos, após se libertarem das peças bucais das pulgas no momento da hematofagia.<br />DAPP<br />A Dermatite Alérgica à Picada de Pulga (DAPP) é a doença dermatológica mais comum em veterinária no mundo. Ela consiste da hipersensibilidade tardia (tipo IV) á saliva da pulga. Como ela é tardia o indivíduo precisa ficar em contato por muito tempo com o alérgeno para desenvolver os sinais. Cães acometidos por essa doença apresentam prurido, pápulas e crostas; secundariamente, o cão pode apresentar seborréia, alopecia, escoriações, piodermite, hiperpigmentação ou liquenificação. As lesões normalmente se localizam na região lombossacra, caudo-dorsal, no dorso da base da cauda, parte caudo-medial das coxas, abdômen e flancos. O cão ainda pode desenvolver infecção por Staphylococcus intermedius e Malassezia pachydermatis por causa da contaminação secundária nas lesões. A doença acomete cães com 1 a 3 anos e à medida que o cão envelhece, com a exposição contínua às pulgas, a reação de hipersensibilidade pode diminuir. <br />O gato apresenta, em graus variáveis, dermatite miliar pruriginosa com escoriações, crostas e, devido ao excesso de lambedura e alopecia, eles também podem desenvolver o complexo do granuloma eusinofilico. As lesões em geral se localizam na cabeça, pescoço, região lombossacra dorsal, porção caudomedial das coxas ou abdômen ventral.<br />O controle da dermatite só é eficaz com a eliminação total das pulgas.<br />Diagnóstico <br />O diagnóstico é feito pelo histórico clínico, visualização da pulga ou de suas fezes pelo corpo (pode ser difícil de notar em animais que desenvolveram DAPP).<br />O diagnostico da DAPP é baseado na distribuição das lesões e do inicio do prurido.Ele pode ser confirmado através do teste intra-dérmico com antígenos de pulgas. Pode-se ainda fazer o diagnostico terapêutico através da cura dos sintomas.<br />Controle e Tratamento<br />Devido a duração das fases do seu ciclo, a maioria das pulgas esta sobre a forma de larvas e pupas no ambiente. O controle deve ser feito tanto no ambiente quanto no animal; Para o controle no ambiente deve-se fazer regularmente a limpeza de todo o ambiente domiciliar com aspirador de pó, principalmente nos locais onde os cães dormem ou deitam, já que são nesses locais onde se concentram larvas, ovos , pupas e fezes de pulga.<br />Produtos que contenham piremetrinas,carbaril,fosmet,tetraclovinfós e metoprene podem aplicados tanto nos animais quanto nos locais onde eles descançam e são métodos eficazes no controle. <br />Produtos como luferon impedem o desenvolvimento de ovos mas não matam a forma adulta; ele pode ser encontrado na forma de comprimido ou injetável. Um dos produtos que matam os adultos é a selamectina, a qual tem a vantagem de prevenir o desenvolvimento de larvas além de prevenir a infecção por dirofilária e atuar contra otoascaridíase e sarna sarcóptica no cão. No gato ela também atua contra ancilostomídeos e ascarídeos. A selamectina é de administração tópica e mensal.<br />Para o controle também podem ser usadas coleiras impregnadas:clopirifos, tetraclovinfós, naled diazinon e amitraz. Elas são eficientes se forem associadas com o controle ambiental e programas de tratamento.<br />Apesar do controle no ambiente ser o mais importante, deve-se associar ele com um tratamento contra os adultos. Comprimidos contendo nitempirano, um neocotinoide, provoca morte dos adultos em 30 minutos e devem ser administrados diariamente.<br />O programa de tratamento com imidacloprid e fipronol eles vem na forma de comprimidos, solução spot-on ou como spray (fipronol). Eles reduzem o numero de adultos e o fipronol também é eficiente contra carrapatos.<br />Referências Bibliográficas<br />LINARDI, P. M. “Biologia e epidemiologia das pulgas”. Apresentado no XIII Congresso Brasileiro de Parasitologia Veterinária & I Simpósio Latino-Americano de Ricketisioses, Ouro Preto, MG, 2004.<br /><ul><li>Linda Medleau, Keith A. Hnilica-Dermatogia de pequenos animais Atlas colorido e guia terapêutico 2ª Ed-ROCA pag. 123-125.</li></ul>“Mixomatose em Coelhos.” http://www.animalworld.com.br/outros/ver.php?id=298. Acessado em 10/11/09.<br />“Typhus:Essential Data.” http://www.cbwinfo.com/Biological/Pathogens/RP.html. Acessado em 10/11/09.<br />SHAW, S.E. “Flea-transmitted infections of cats and dogs”. Apresentado no 33° congresso WSAVA (World Small Animal Veterinary Association), Dublin, Irlanda, 2008.<br />“Siphonaptera (Pulgas).” http://www.coccidia.icb.usp.br/disciplinas/BMP222/. Acessado em 17/11/09.<br />“Pulgas, alergia à pulgas e controle de pulgas, uma revisão”. http://dermatology.cdlib.org/DOJvol3num2/path/fleas-por.html. Acessado em 21/11/09.<br />

×