FACULDADE DE CIENCIAS HUMANAS DE OLINDA - FACHO
Hortencia Isabela (ciências contábeis)
Allison Souza (administração)
CAPIT...
Lançado em dois mil e nove, Capitalism: a love story , ou seja, Capitalismo:
Uma história de amor é um documentário norte-...
diretamente, sobre o verdadeiro preço que os americanos podem pagar nessa
história de grande impacto e desastrosa.
Reunind...
Moore também relata outros casos de privilégios indevidos, um deles é ocorrido
na Pensilvânia, onde a privatização da assi...
Dentre tantas definições mostradas por Michael Moore em seu documentário,
pode-se compreender a idéia de um sistema em que...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Capitalismo: Uma historia de amor

47 visualizações

Publicada em

Resenha crítica

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
47
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Capitalismo: Uma historia de amor

  1. 1. FACULDADE DE CIENCIAS HUMANAS DE OLINDA - FACHO Hortencia Isabela (ciências contábeis) Allison Souza (administração) CAPITALISMO Uma história de amor Olinda 22/10/2015
  2. 2. Lançado em dois mil e nove, Capitalism: a love story , ou seja, Capitalismo: Uma história de amor é um documentário norte-americano que revela o sistema capitalista desde o século XX até o tempo atual e a democracia popular. Sua duração é de cento e vinte e sete minutos, dirigido e roteirizado por Michael Francis Moore. Cineasta, documentarista, escritor e ativista de esquerda mundialmente conhecido. Ganhador de premiações por vários trabalhos produzidos, dentre eles, Fahrenheit 9/11 (em 2004), onde desaprova George Bush e Bowling for Columbine (Tiros em Columbine) (em 2002), abordando a obsessão pelas armas nos Estados Unidos da América, relacionando-a com o Massacre de Columbine, ocorrido numa escola. Sua reputação revela sua concepção crítica e seu modo de expressar realidades deprimentes com uma porção de humor mordaz. No decorrer do documentário, Michael assumi o papel de jornalista, um estilo próprio contribuinte para seu sucesso, ou críticas. Sempre buscando o máximo de informações acerca do tema, utiliza ironias e perguntas retóricas, se torna um personagem da obra, mas ao mesmo tempo diretor. Explorando entrevistas com os anônimos afetados pelo sistema, propagandas eleitorais e comerciais, discursos políticos no senado americano, a desapiedade em grandes corporações, especialistas na área da economia e demais áreas e mostrando um pouco da sua história pessoal, dessa forma notamos ópticas diferentes a respeito do objeto estudado. Podemos encontrar diversas cenas, curtas, interrompidas estrategicamente, em preto e branco, desenho animado ou divertidas; composta por caracterização, linguagem e trilha sonora clássica revelando passado, como também cenas atuais e até confidenciais, interligadas em um encaixe perfeito. Levando-nos a compreensão desse câncer na economia global, como prevê Marx , que se apodera do dinheiro dos mais pobres para que no futuro explore- os. O cineasta, se apropria do título que fala de uma história de amor e no decorrer do filme vemos como um amor inocente pode resultar em tragédia, sofrimento, decepção, mentira e traição. Deixando a indagação não respondida
  3. 3. diretamente, sobre o verdadeiro preço que os americanos podem pagar nessa história de grande impacto e desastrosa. Reunindo marcos históricos na economia do país, como a crise de 1929 e seus efeitos resultantes na quebra de grandes corporações e ações na bolsa de valores. A eleição de Franklin Roosevelt, mostrado na obra como o herói da Grande Depredação, que proporcionou equilíbrio e qualidade de vida para os cidadãos norte-americanos. O fim da Segunda Guerra mundial e a queda dos países concorrentes, colaborando para a estabilidade econômica do país. Logo, o sistema capitalista se torna um aliado para a classe média que também se torna dominante. E durante décadas esse foi o ideal de sociedade desejado por todos. Contudo, em 4 de novembro de 1980, Ronald Reagan se torna o presidente dos Estados Unidos da América e o conduz como uma Corporação, gerida pelas Companhias e Wall Street. Um exemplo a respeito é o filme Wall Street, poder e cobiça, onde podemos conhecer o funcionamento desse cassino de aposta em ações e as vantagens daqueles que possuem informações antecipadas. A partir desse "novo padrão capitalista", em uma perspectiva está a economia sendo estimulada e os lucros crescendo continuamente, por outro angulo o numero de desligamentos trabalhistas também aumenta ,é realizada a destruição dos sindicatos, a jornada de trabalho é dobrada e os salários congelados. Tudo isso contribuía apenas para a classe privilegiada. O resultado dessa depreciação do sistema é mostrado por Michael, que explora o sentimento dos anônimos participantes, através de cenas do despejo dessas pessoas por inadimplência aos bancos, executado pelo departamento de polícia. Deixando muitas famílias sem moradia, em cidades como Sacramento- Califórnia, Boston- Massachussets, Anderson- Indiana entre outras. Transferindo-as da classe média e migrando-as para a classe pobre. Além de numerosas pessoas que são afetadas por esse "sistema que toma e dá", palavras do cineasta, outros são beneficiados. Nesse meio encontramos Peter, um abutre de condomínio, que vende essas residências por preços favoráveis e lucrativos aos seus clientes influentes.
  4. 4. Moore também relata outros casos de privilégios indevidos, um deles é ocorrido na Pensilvânia, onde a privatização da assistência ao menor proporciona milhões aos empresários, pois o reformatório recebia do governo. Portanto, juízes eram subornados e aumentavam o numero de detenção de jovens delinqüentes, independente da sua infração. Outro caso apresentado é o óbito do esposo de Irma Johnson e o óbito da esposa de Paul Smith, mostrando que nesse sistema até a morte pode beneficiar empresas (como Bank of America, Citi Bank, P&G, Nestlé, Wal Mart, Winn Dixie) cujas quais faziam projeções do futuro óbito de seus funcionários, e obtinham elevado lucro por meio de apólice de seguro, denominado "Seguro dos Caipiras Mortos", uma atrocidade. Algumas definições são sucintas, feitas por indivíduos da classe religiosa, mostrando outro ponto de vista, que na realidade é apenas complemento da real definição. Afirmações como: O capitalismo é contrário a tudo o que é bom, é injusto (Padre Dick) , ou é imoral, é obsceno, é absurdo (Padre Peter) ou o sistema não tem proporcionado o bem a todas as pessoas (Bispo Thomas). Logo, é notório a mudança causada na mente do telespectador, pois o mesmo pode observar todas as frases desde o início do documentário e conseguir chegar a próprias conclusões a respeito desse sistema que se multiplica como uma metástase. E assim, na união dos mais variados exemplos, o documentário mostra que todas as mudanças que ocorreram desde 1980 foram as responsáveis pela perda dos gastos de consumo, fazendo com que o país dependesse cada vez mais do endividamento das famílias. Assim a oferta de crédito bancário aumentou resultando na crise imobiliária em dois mil e oito, causadora da ruptura de bancos e financiadoras através da inadimplências dos seus clientes. Por fim, a esperança de uma reviravolta é depositada em Barack Obama, onde Moore mostra que os cidadãos acreditam na sua promessa de mudança e esperança, sendo eleito como o presidente mais votado dos Estados Unidos e o primeiro afro-americano emocionando com sua vitória no cenário político.
  5. 5. Dentre tantas definições mostradas por Michael Moore em seu documentário, pode-se compreender a idéia de um sistema em que o capital está sob a administração de empresas privadas que emprega mão de obra assalariada. Além de denunciar um país que se esconde no título de Primeiro Mundo, onde a democracia é voltada para as corporações e não para a sociedade. Só que a interrogação que norteia o telespectador é a solução para exterminar a forma como o capitalismo é utilizado, pois beneficia apenas determinado percentual da população mundial. Enquanto os demais são incentivados através do mais variados meios, a consumir exacerbadamente todos os tipos de produtos e serviços prestados, transformando-os em lucro, o maior motivador desse sistema. Logo, não culpando só o sistema, mas todos os participantes e coniventes com a alienação que ele causa. Se a sociedade retirasse o "eu" como pronome único e singular e se transforma-se em "nós", plural, dessa maneira existiria menos desigualdade social, deixando de agir como máquinas programadas e se colocando na posição de seres humanos.

×