[Sermão] Somos Indesculpáveis

3.903 visualizações

Publicada em

www.exegese.teo.br

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.903
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.220
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

[Sermão] Somos Indesculpáveis

  1. 1. Sermão baseado no Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 536-538 18 de Junho de 2015 | www.exegese.teo.br p. 1 SOMOS INDESCULPÁVEIS Contexto: Até aqui, Paulo apresentou evidências que os gentios pecaram e, por isso, estão debaixo da ira de Deus, então o apóstolo passa a mostrar que os judeus são culpados dos mesmos pecados e vícios pelos quais são tão prontos a condenar os gentios. I. PRIVILÉGIOS ESPECIAIS “Se, porém, tu, que tens por sobrenome judeu, e repousas na lei, e te glorias em Deus; que conheces a sua vontade e aprovas as coisas excelentes, sendo instruído na lei; que estás persuadido de que és guia dos cegos, luz dos que se encontram em trevas, instrutor de ignorantes, mestre de crianças, tendo na lei a forma da sabedoria e da verdade.” (Romanos 2:17-20) A) SOBRENOME JUDEU 1. O título “judeu” ocorre pela primeira vez em 2 Reis 16:6. O texto diz:
  2. 2. Sermão baseado no Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 536-538 18 de Junho de 2015 | www.exegese.teo.br p. 2 “Naquele tempo, Rezim, rei da Síria, restituiu Elate à Síria e lançou fora dela os judeus; os siros vieram a Elate e ficaram habitando ali até ao dia de hoje.” 2. Depois do cativeiro babilônico, o termo “judeu” se tornou o nome nacional do povo hebreu. Os judeus tinham muito orgulho de seu nome e de sua nacionalidade. 3. Ser um judeu significava ser distinguido das nações e desfrutar privilégios especiais. “São israelitas. Pertence-lhes a adoção e também a glória, as alianças, a legislação, o culto e as promessas; deles são os patriarcas, e também deles descende o Cristo, segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito para todo o sempre. Amém!” (Romanos 9:4-5) 4. Somos parecidos com os judeus neste aspecto. Temos orgulho de fazer parte de um povo que se distingue de todos demais. “Não podemos adotar outro nome mais apropriado do que esse que concorda com a nossa profissão, exprime a
  3. 3. Sermão baseado no Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 536-538 18 de Junho de 2015 | www.exegese.teo.br p. 3 nossa fé e nos caracteriza como povo peculiar. O nome Adventista do Sétimo Dia é uma contínua exprobração ao mundo protestante. É aqui que está a linha divisória entre os que adoram a Deus e os que adoram a besta e recebem seu sinal.” (Ellen G. White. A Igreja Remanescente, p. 65). “Sabe, pois, que não é por causa da tua justiça que o SENHOR, teu Deus, te dá esta boa terra para possuí- la, pois tu és povo de dura cerviz.” (Deuteronômio 9:6) B) REPOUSAS NA LEI 1. Os judeus tinham chegado a considerar a mera posse da lei como garantia do favor de Deus. Eles se baseavam no fato de que tinham a lei e tinham sido assim distinguidos dos outros, em vez de usar essa lei como regra de vida e luz para a consciência. 2. Essa mesma palavra grega traduzida aqui como “repousas” ocorre na LXX em Miqueias 3:11:
  4. 4. Sermão baseado no Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 536-538 18 de Junho de 2015 | www.exegese.teo.br p. 4 “Os seus cabeças dão as sentenças por suborno, os seus sacerdotes ensinam por interesse, e os seus profetas adivinham por dinheiro; e ainda se encostam ao SENHOR, dizendo: Não está o SENHOR no meio de nós? Nenhum mal nos sobrevirá.” 3. O final do verso 17 diz “te glorias em Deus” não “glorifica o santo nome de Deus”. Os judeus afirmavam ter uma relação especial com Deus, mas, em vez de essa relação se revelar em humilde dependência e obediência leal, manifestou-se em presunção e arrogância para com os demais povos. 4. Esse orgulho era uma perversão do gloriar-se que Deus recomenda: “Mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o SENHOR e faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR.” (Jeremias 9:24) 5. O povo judeu foi abençoado por Deus com muitos privilégios e o principal dele foi o conhecimento revelado de Deus e do plano da redenção em Cristo Jesus. Isso deveria ser
  5. 5. Sermão baseado no Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 536-538 18 de Junho de 2015 | www.exegese.teo.br p. 5 motivo de gratidão, não de vanglória. Infelizmente, é muito mais comum se orgulhar pelos privilégios do que ser grato por eles. 6. O verso 18 diz sobre os judeus: “você conhece a vontade de Deus e aprova o que é superior” (NVI), pois esse povo tinha aprovado como resultado de um teste que por meio da lei de Deus eles tinham uma capacidade superior de discernimento entre o bem e o mal. Eles eram orgulhosos desse refinamento de suas sensibilidades morais, como se a mera aprovação sem obediência tivesse algum valor. 7. A palavra “instruído” (v. 18) em grego é “katēcheō”, um verbo que ocorre em papiros antigos com a conotação de instrução legal. Desse termo surgiu a palavra “catequizar”. Os judeus eram instruídos nos ensinamentos da lei, em sua juventude, e para o resto da vida ouviam a leitura regular e a exposição do AT. 8. O verso 19 diz: “está convencido de que é guia de cegos, luz para os que estão em trevas” (NVI). O propósito de Deus era que os judeus fossem testemunhas e mestres da verdade
  6. 6. Sermão baseado no Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 536-538 18 de Junho de 2015 | www.exegese.teo.br p. 6 para o mundo. O terrível pecado dos judeus estava em apenas desfrutar seus privilégios sem cumprir a responsabilidade correspondente. 9. O judeu se considerava, ainda, “instrutor de ignorantes, mestre de crianças” (v. 19). A palavra “instrutor” no original grego combina os sentidos de ensino e disciplina. Como crianças, Paulo se referia a pessoas religiosas imaturas. Em 1 Coríntios 3:1 ele diz: “Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo.” 10. Verso 20: “[...] tendo na lei a forma da sabedoria e da verdade”. Do grego, “forma” é “morphōsis”, um esboço sem a substância. Este termo ocorre apenas mais uma única vez na no NT, em 2 Timóteo 3:5 que diz: “Tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder. Foge também destes.”
  7. 7. Sermão baseado no Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 536-538 18 de Junho de 2015 | www.exegese.teo.br p. 7 II. PRETENSA SUPERIORIDADE “Tu, pois, que ensinas a outrem, não te ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas? Dizes que não se deve cometer adultério e o cometes? Abominas os ídolos e lhes roubas os templos? Tu, que te glorias na lei, desonras a Deus pela transgressão da lei? Pois, como está escrito, o nome de Deus é blasfemado entre os gentios por vossa causa.” (Romanos 2:21- 24) A) PROFESSOR DOS OUTROS, NUNCA DE SI MESMO 1. Uma vez que os judeus faziam uma profissão tão elevada de piedade e reivindicavam essa superioridade, era certo que se deveria esperar muito deles. Mas Paulo revela a incoerência entre suas reivindicações e sua conduta real. 2. Como os judeus, onde temos nós roubado a Deus? A resposta é clara: no exemplo. “Podeis consentir em roubar diariamente a Deus do serviço que Lhe é devido, e roubar a vossos semelhantes, tanto do serviço que lhes poderíeis prestar como do poder
  8. 8. Sermão baseado no Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 536-538 18 de Junho de 2015 | www.exegese.teo.br p. 8 do exemplo?” (Ellen G. White. A Ciência do Bom Viver, p. 329). 3. Como os judeus, quando temos “cometido sacrilégio” (v. 22, ARC)? Quando profanamos o sábado com conversa não santificada e ainda achamos que nosso sábado é deleitoso aos olhos de Deus. “Se desviares o pé de profanar o sábado e de cuidar dos teus próprios interesses no meu santo dia; [...] e o honrares não seguindo os teus caminhos, não pretendendo fazer a tua própria vontade então, te deleitarás no SENHOR” (Isaías 58:13-14) B) O NOME DE DEUS TEM SIDO BLASFEMADO 1. A causa da desonra ao nome de Deus é a vida incoerente dos próprios judeus. 2. Os gentios julgavam a religião dos judeus pela vida incoerente de seus devotos, por isso, eram levados a blasfemar de Deus e do Autor da religião. Os judeus se vangloriavam da
  9. 9. Sermão baseado no Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 536-538 18 de Junho de 2015 | www.exegese.teo.br p. 9 lei, mas, por sua desobediência, lançavam desonra sobre o Legislador. 3. A má conduta e hipocrisia dos judeus faziam com que os gentios desprezassem uma religião que parecia não ter efeito na purificação e restrição dos que professavam segui-la. 4. Os judeus eram tão zelosos do nome de Deus que sequer pronunciavam a forma mais sagrada desse nome, o tetragrama YHWH (Yahweh). No entanto, viviam de tal maneira que os gentios eram levados a blasfemar o nome divino. APELO  Os Adventistas do Sétimo Dia herdaram os privilégios e também as responsabilidades do povo judeu.  Por termos recebido maior revelação da vontade de Deus que o povo judeu, nossos pecados são piores do que os deles.  Mateus 11:21-22 HINÁRIO ADVENTISTA: 345 – Lutai por Cristo | 506 – Fortalece Tua igreja

×