Hematúria na pediatria

4.765 visualizações

Publicada em

Aula apresentada para a Disciplina de Pediatria da Faculdade d eMedicina de Catanduva - FAMECA. Junho 2012.

Publicada em: Saúde e medicina
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Parabéns pela excelente abordagem sobre hemáturia na faixa etária pediátrica!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.765
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hematúria na pediatria

  1. 1. Ac. Henrique Mascioli FiorilloFaculdade de Medicina de Catanduva - FAMECA
  2. 2.  Definição: eliminação de um número anormal de hemácias na urina. Em escolares sadios: 4 – 6% no primeiro exame de urina 0,5 – 1% em segunda avaliação Não há diferença quanto ao gênero. O mecanismo intrínseco das hematúrias permanece ainda obscuro.
  3. 3.  Macroscópica (coloração da urina sugere a presença de sangue). Desde o marrom escuro (cor de coca cola ou de chá mate) até o vermelho (água de carne). >5.000 hem/ml Microscópica (hemácias são detectadas somente pela sedimentoscopia urinária).
  4. 4.  Permanente (presença constante de hemácias no sedimento urinário). Recorrente (quando há períodos de remissão da hematúria, com intervalos variáveis de meses até anos). Isolada (episódio único de hematúria).
  5. 5.  Hematúria assintomática (apresentação clínica mais frequente). Hematúria sintomática.
  6. 6.  Hematúria Glomerular: hemácia dismórfica, apresenta múltiplas variações na forma, dimensão e superfície, podendo mostrar microesporas, equinocitose e acantose, associada a uma forma bicôncava ou esférica (dismorfismo eritrocitário). A hipocromia pode ser acentuada.
  7. 7.  Hematúria não glomerular: hemácias apresentam morfologia uniforme, ou seja, são isomórficas.
  8. 8.  Cilindros hemáticos: estruturas formadas no interior dos túbulos renais pelo aprisionamento de hemácias pela mucoproteína de Tamm- Horsfall em precipitação. Sua presença é altamente sugestiva de hematúria glomerular, muito embora a sua ausência não exclua o diagnóstico de glomerulonefrite.
  9. 9.  Proteinúria: a presença de proteinúria inferior a 0,5g/24h sugere sangramento não-glomerular, e em quantidade superior a 0,5-1g/24h, lesão glomerular. Microalbuminúria: microalbuminúria de 20µg/minuto ou de > 30mg/24 horas seriam marcadores de lesão glomerular
  10. 10.  Glomerulopatias primárias ou secundárias Causas mais frequentes de hematúria glomerular,em ordem decrescente: glomerulonefrite difusa aguda pós- estreptocócica, a nefropatia por IgA, outras glomerulopatias e a síndrome de Alport.
  11. 11.  Glomerulonefrite difusa aguda pós-estreptocócica (GNDAPE):  uma das causas mais frequentes de hematúria na infância,  principalmente em escolares,  pico de incidência aos oito anos de idade (5 – 12 anos).  hematúria microscópica o modo mais comum de apresentação oligossintomática.
  12. 12.  Após episódio de piodermite (20 – 30 dias) ou de estreptococcia de vias aéreas (7 – 15 dias). Características clássicas: hematúria, hipertensão e edema. Diminuição dos níveis do complemento sérico C3, que se normalizam após seis a oito semanas.
  13. 13.  Marcadores sorológicos de infecção:  Piodermite = anti-DNAse B  Faringite = ASLO
  14. 14.  Algoritmo de Diagnóstico  Houve faringite/piodermite?  Período de incubação é compatível?  Infecção foi estreptocócica?  Houve queda transitória do complemento?
  15. 15.  Prognóstico: excelente.  Oligúria até 1 semana  Hipocomplementenemia até 8 semanas  Hematúria microscópica até 24 meses  Proteinúria leve até 5 anos *Biopsiar se não seguir o curso normal da doença
  16. 16.  Tratamento: medidas de suporte!  Repouso relativo  Restrição hidrossalina  Diuréticos  Vasodilatadores  Diálise
  17. 17.  Nefropatia por IgA Depósito mesangial de Iga 15 – 40 anos Hematúria Macroscópica Intermitente Hematúria Microscópica Persistente Síndrome nefrítica
  18. 18.  Não tem tempo de incubação Complemento sérico normal! Não biopsiar! Boa evolução (5% cura, 5% IR, 90% não sabe – acompanhar)
  19. 19.  Tratamento: maioria dos casos = nada  Casos graves = corticóide + imunossupressor
  20. 20.  Lesão renal (=Berger) + exantema purpúrico predominante nas nádegas e nos membros inferiores + artrite. 25% dos casos: dor abdominal e sangramento intestinal. Comprometimento renal é usualmente leve e transitório, raros pacientes evoluem com insuficiência renal aguda.
  21. 21.  Se manifesta durante IVAS, acomete mais os meninos, o complemento sérico é normal e os achados histopatológicos mostram imunodepósitos mesangiais dominantes de IgA. Tratamento: igual a Berger.
  22. 22.  Definição: anemia hemolítica microangiopática, tombocitopenia e insuficiência renal aguda. 90% dos casos na infância são causados por lesões endoteliais produzidas pela verotoxina da Escherichia coli, usualmente do sorotipo O157:H7.
  23. 23.  Menores de três anos previamente sadias Episódio de gastroenterite sanguinolenta Após alguns dias, apresentam subitamente oligoanúria, palidez, petéquias e icterícia. Hipertensão arterial pode estar presente
  24. 24.  Exames laboratoriais:  Anemia hemolítica com fragmentação das hemácias (esquizócitos),  Trombocitopenia,  Hiperbilirrubinemia indireta,  Aumentos da uréia e creatinina séricos  Hematúria.
  25. 25.  Doenças nefrourológicas Principais:  Infecções urinárias,  Anomalias do trato urinário,  Alterações metabólicas idiopáticas (especialmente a hipercalciúria e a hiperuricosúria),  Litíase urinária,  Tumores e as doenças císticas
  26. 26.  Prognóstico e Tratamento: individualizado para cada doença.

×