O reino de kush

2.475 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.475
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
61
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O reino de kush

  1. 1. O Reino de Kush:
  2. 2. • Dentre os reinos núbios, um merece destaque: Kush (ou Cush). Não se sabe ao certo quando surgiu o reino de Kush, mas documentos egípcios já citam os kushitas desde o século XX(20) a.C.
  3. 3. • Em 713 a.C. o rei kushita Shabaka invadiu e controlou o Egito, iniciando assim a 25ª Dinastia. No Antigo Testamento, encontramos várias citações sobre os temíveis guerreiros negros do império kushita.
  4. 4. • Em sua expansão pelo delta do Nilo, os kushitas entraram em contato com guerreiros ainda mais poderosos: os assírios (da Mesopotâmia). Os Assírios tentaram conquistar o Egito, que era governado pelos kushitas, mas foram derrotados. O Rei Assurbanipal, no entanto, ocupou o delta do Nilo em 663 a.C.
  5. 5. • A partir de então os kushitas se retiraram para o sul e mantiveram o controle sobre a Núbia, a partir de Napata. A fim de se afastarem ainda mais dos conflitos do território egípcio, os kushitas transferiram sua capital para Méroe (século 6 a.C.), ainda mais ao sul.
  6. 6. Napata:
  7. 7. Meroé:
  8. 8. • Essa cidade era um dos mais importantes entrepostos comerciais entre a África e o mar Vermelho, além de possuir ricas minas de ferro. A tecnologia de fundição do ferro é uma das principais características dos povos africanos dessa região.
  9. 9. • Enquanto o Egito foi sucessivamente conquistado por assírios, persas, macedônicos e romanos, o reino de Kush (a partir de então também conhecido como reino Meroíta) manteve sua independência por mais 9 séculos (alguns historiadores falam em 8 séculos), controlando várias rotas comerciais que ligavam o interior da África ao mar Vermelho, e ainda mantiveram relações amistosas com os faraós da linhagem macedônica(ptolomaicos).
  10. 10. • Quando os romanos conquistaram o Egito e não conseguiram submeter os kushitas, cortaram o comércio kushita com o Oriente Médio e o Mediterrâneo, o que levou Méroe a uma progressiva crise econômica. No século IV(4 d.C.), a já decadente Méroe foi conquistada por povos vindo do Chifre da África (ou península Somali): os aksumitas.
  11. 11. Reino Cristão de Aksum ou Axum:
  12. 12. • Os altos Planaltos da Atual Etiópia, na África oriental com altura média de 2 mil metros, dão à região um clima fresco com chuvas de verão. O solo fértil de origem vulcânica garantia uma agricultura farta capaz de alimentar uma grande população.
  13. 13. • No início da Era Cristã, ali nasceu o reino de Aksum ou Axum. Sua riqueza vinha da agricultura e do comércio realizado no porto de Adulis, no Mar Vermelho. Em Adulis era comercializado o ouro, marfim e escravos da África, vinho romano, incenso da Arábia, seda da China, corantes e especiarias.
  14. 14. Ouro:
  15. 15. Seda Chinesa:
  16. 16. Escravos:
  17. 17. • A Riqueza proporcionada pelo comércio fortaleceu o reino aksumita que estendeu seu poder ao sul da Arábia e sobre o reino de Kush. A cidade de Aksum, capital do reino, tornou-se um centro cosmopolita com populações de judeus, cristãos, árabes, indianos, gregos e outros. As cidades aksumitas se encheram de construções reais, como castelos e enormes obeliscos monolíticos possivelmente erguidos em honra aos soberanos mortos.
  18. 18. Obelisco de Aksum:
  19. 19. • A Religião original de Aksum era politeísta;eles ofereciam animais e erguiam tronos de pedra aos deuses, em agradecimento pelas vitórias militares. Por volta do ano 300, o cristianismo começou a se espalhar pelo reino e se tornou a religião oficial quando o rei Ezana se converteu e foi batizado. Aksum (Axum) foi o primeiro reino cristão da História.
  20. 20. • No Século VIII, árabes muçulmanos invadiram o reino destruíram Adulis e passaram a dominar o comércio; então o reino de Axum enfraqueceu e empobreceu.
  21. 21. • Um novo crescimento voltou a ocorrer nos séculos XII e XIII durante o governo do rei Lalibela que procurou restaurar a grandeza de Axum. Nessa época, floresceram a arquitetura, a pintura, a escultura e a literatura com livros ricamente ilustrados. Lalibela mandou escavar na pedra onze igrejas cristãs consideradas, atualmente, um dos mais extraordinários conjunto de templos do mundo.
  22. 22. Patrimônio Cultural da Humanidade: Igrejas escavadas em Lalibela
  23. 23. As Igrejas de Lalibela:

×