A Europa cristã nos séc. VI a IX

11.604 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.604
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
807
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Europa cristã nos séc. VI a IX

  1. 1. A Europa Cristã nos séc. VI a IX<br />
  2. 2. Fim do Império Romano (devido a problemas internos):<br /> Problemas políticos (perda de prestígio e autoridade dos imperadores e dificuldades na administração do vasto território);<br />Problemas económicos (a insegurança provoca falta de mão-de-obra e o consequente abandono dos campos – o que leva à falta generalizada de alimentos);<br />
  3. 3. Problemas externos:<br />Os povos bárbaros (devido às diferentes tradições hábitos de vida, cultura e língua) fixaram-se nas fronteiras do Império Romano;<br />Povos como os Francos, Visigodos, Bretões, Anglo-Saxões, Vândalos e Ostrogodos, são atraídos pelas riquezas do Império;<br />Instalaram-se como colonos e mesmo como soldados do exército romano;<br />Mas a pressão de outro povo bárbaro vindo da Ásia (Hunos), força a invasão do Império e provoca a queda de Roma;<br />
  4. 4. Queda de Roma – Ano 476 por Odoacro<br />
  5. 5. Os novos reinos bárbaros<br /><ul><li>A partir do séc. V, os bárbaros desagregam o Império Romano e fundam novos reinos independentes;
  6. 6. A maioria da população ainda estava enraizada com os costumes romanos, o que vai provocar muitos choques culturais;
  7. 7. No entanto a progressiva cristianização e a submissão dos reis bárbaros ao Cristianismo, atenua essa diferença;
  8. 8. As leis comuns e o casamento acabaram por unir todo o povo, que iniciam mesmo a partilha de terras.</li></li></ul><li>Movimentos bárbaros no séc. VI<br />Reinos bárbaros no séc. VI<br />
  9. 9. A Igreja Católica no Ocidente Europeu<br /><ul><li>Aquando das invasões bárbaras, a Igreja Católica era a autoridade mais reconhecida;
  10. 10. Mantiveram-se nos territórios ocupados e foram os principais defensores de algumas cidades;
  11. 11. Com a progressiva cristianização dos bárbaros (conversão dos chefes), a Igreja ganhou ainda mais prestígio, sendo um factor de unidade numa Europa dividida.</li></li></ul><li>Papa Leão III proclama Carlos Magno Imperador do Sacro Império Romano-Germánico – Ano 800<br />
  12. 12. Monaquismo<br />Devido ao clima de guerra, a Igreja ganha muitos crentes;<br />Estes aderem aos mosteiros (isolados) para viverem em paz, em meditação e trabalho;<br />S. Bento funda um dos primeiros mosteiros e institui uma série de regras que orientavam a vida dos monges;<br />O lema era Ora et Labora (Reza e trabalha);<br />
  13. 13. Clero Secular<br />Clero Regular<br />Papa<br />Cardeais<br />Arcebispos<br />Abades<br />Bispos<br />Frades<br />Párocos (Padres)<br />Leigos – Católicos que não desempenham cargos religiosos<br />
  14. 14. <ul><li>Estudar, rezar e trabalhar eram as actividades dos monges;
  15. 15. Escreviam crónicas, copiavam manuscritos e funcionavam escolas para outros religiosos;
  16. 16. Os dias começavam e acabavam sempre com a oração;
  17. 17. Durante o dia trabalhavam no campo (funcionaram como fixação das populações);
  18. 18. Acolhiam viajantes e peregrinos e assistiam às populações , fornecendo refeições aos pobres, cuidavam dos doentes, mendigos e órfãos.</li></li></ul><li>
  19. 19. Clima de Insegurança<br />Depois da primeira vaga de invasões, entre o séc. VIII e o séc. X, dá-se uma segunda onda;<br />A fraca defesa e a grande falta de organização, proporciona a outros povos, invadiram a Europa;<br />Muçulmanos, Vikings e Húngaros procuram riqueza, territórios e prestígio.<br />
  20. 20. Transformações económicas<br /><ul><li>Com as 2as invasões, a insegurança regressou;
  21. 21. As pessoas abandonam as cidades e refugiam-se nas suas propriedades no campo, longe do perigo;
  22. 22. Os camponeses, sem terras, entregam-se aos grandes senhores (clero e nobreza), em troca de protecção, trabalho e subsistência;
  23. 23. Com isto, o poder do Rei enfraquece e a defesa contra as invasões piora;</li></li></ul><li>Sem dinheiro, a troca passa a ser efectuada directamente, diminuindo o comércio;<br />A economia ruraliza-se (passa a ser de subsistência – para consumo);<br />Desta forma, a evolução registada no período romano, volta atrás;<br />Urbana<br />Rural<br />Comercial<br />Subsistência<br />Monetária<br />Troca directa<br />

×