Obesidade I nf ant il na                Adolescênciaht t p:/ / vencendoaobesidade.blogspot .co                    m      C...
I nt r odução   * Nos dias de hoj e no Br asil a t endência da obesidade t emsido um t ema pr ior it ár io na saúde públic...
A obesidade inf ant il se não f or t r at ada, t er áconsequências gr aves no f ut ur o.A pr evenção deve serf eit a at r ...
I nf ância -Pr omoção e consolidação dos hábit os aliment ar es - I ncr ement o das necessidades nut r icionais par a o cr...
ALI MENTAÇÃO DE QUALI DADE E SAÚDE    Capacidade de apr ender    Comunicar    Pensar    Def esa cont r a doenças    At ivi...
Adequada educação nut r icional no per íodo         pr é-escolar e escolar       Hábitos Alimentares correctos
A entrada na escola   Consolidação de hábitos alimentares ⇒  Importância da escola   Intervenção de f atores:    - Genét...
Fatores ambientais:     - t r ansmissões sociais int r agr upos             f amília             escola
Obj et ivos nut r icionais:     Mant er o cr esciment o adequado     Evit ar o déf ice de nut r ient es     Pr evenir poss...
DDR par a cr iançasPROTEÍ NASDevem f or necer 15% das            65% de or igem animanecessidades ener gét icasdiár ias:  ...
LÍ PI DOSDevem f or necer 30% dasnecessidades ener gét icas diár ias    -Gor dur as sat ur adas menos de 10%    -Colest er...
HI DRATOS DE CARBONODevem f or necer 55% dasnecessidades ener gét icas diár ias-São pr ef er íveis os HC complexos er icos...
Os aliment os devem ser bem dist r ibuídos ao                 longo do dia:-Pequeno-almoço 2o-25 % cal.-Almoço  35-40 % ...
Alguns r equisit os par a um desenvolviment o inf ant il            sadio (segundo a UNI CEF):⇒ Mãe saudável que r ecebe a...
ATENÇÃO: as cr ianças que salt am o pequeno-almoçoinger em at é menos 40% de vit C e cálcio e menos 10%de f er r o        ...
Almoço                  J ej um pr olongado(1ª r ef eição do dia)                                  “Pet iscar ”        Pr ...
Relação do pequeno-almoço com a at ividade                    f ísica  A at ividade f ísica éf undament al par a que    a ...
Os especialist as const at am:- As cr ianças necessit am de act ividade f ísica diár ia par ase mant er em saudáveis- As c...
As cr ianças que pr at icam despor t o são:- Mais alegr es-Menos ir r it adiças-Têm melhor r elacionament o social        ...
Apesar daConsiderações a inais or mação dos             t ecnologia a f alt f de infpais são os gr andes vilões da obesida...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Obesidade infantil na adolescencia

788 visualizações

Publicada em

Nosso corpo quando adultos ou jovens, depende muito do que aconteceu na infância. Seremos adultos saudáveis se tivemos uma infância saudável. Não esquecer que o lado genético também entra nessa situação.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
788
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Obesidade infantil na adolescencia

  1. 1. Obesidade I nf ant il na Adolescênciaht t p:/ / vencendoaobesidade.blogspot .co m  Cur so e-pr oinf o , 11 de Agost o de 2012 Ana Lucia Guer r eir o, Andr é Luiz Gozzi J oaquim, Daniel Benedit o Massuia, Her culano Silva Bezer r a,  Pedr o Eder aldo Sukada, Sandr a Zancopé Chr ist of olet t i
  2. 2. I nt r odução * Nos dias de hoj e no Br asil a t endência da obesidade t emsido um t ema pr ior it ár io na saúde pública. A pr eocupação comas r eper cussões da obesidade nos gr upos menos f avor ecido simpõe o apr of undament o t eór ico sobr e sua dinâmica e odelineament o de polít icas públicas mais ef icazes par a apr evenção e o cont r ole da enf er midade nesses segment os.
  3. 3. A obesidade inf ant il se não f or t r at ada, t er áconsequências gr aves no f ut ur o.A pr evenção deve serf eit a at r avés de pr ogr amas de educação aliment ar ,diet a adequada na inf ância, desde o nasciment o at é asua vida adult a.
  4. 4. I nf ância -Pr omoção e consolidação dos hábit os aliment ar es - I ncr ement o das necessidades nut r icionais par a o cr esciment o e desenvolviment o.
  5. 5. ALI MENTAÇÃO DE QUALI DADE E SAÚDE Capacidade de apr ender Comunicar Pensar Def esa cont r a doenças At ividade f ísica
  6. 6. Adequada educação nut r icional no per íodo pr é-escolar e escolar Hábitos Alimentares correctos
  7. 7. A entrada na escola  Consolidação de hábitos alimentares ⇒ Importância da escola  Intervenção de f atores: - Genéticos - Ambientais/culturais
  8. 8. Fatores ambientais: - t r ansmissões sociais int r agr upos  f amília  escola
  9. 9. Obj et ivos nut r icionais: Mant er o cr esciment o adequado Evit ar o déf ice de nut r ient es Pr evenir possíveis pr oblemas de saúde da f ase adult a Aliment os de t odos os gr upos Pr opor ções adequadas Aliment ação saudável Var iedade
  10. 10. DDR par a cr iançasPROTEÍ NASDevem f or necer 15% das 65% de or igem animanecessidades ener gét icasdiár ias: - mant er cr esciment oadequado - apor t e necessár io depr ot eínas
  11. 11. LÍ PI DOSDevem f or necer 30% dasnecessidades ener gét icas diár ias -Gor dur as sat ur adas menos de 10% -Colest er ol menos de 300 mg/ dia
  12. 12. HI DRATOS DE CARBONODevem f or necer 55% dasnecessidades ener gét icas diár ias-São pr ef er íveis os HC complexos er icos em FIB A R Deve f ornecer 3% do valor energético total
  13. 13. Os aliment os devem ser bem dist r ibuídos ao longo do dia:-Pequeno-almoço 2o-25 % cal.-Almoço  35-40 % cal.-Lanche 10-20 % cal.-J ant ar  15-25 % cal.É, ainda, impor t ant e:-o númer o de r ef eições diár ias-evit ar r ef eições pesadqs e dedif ícil digest ão.
  14. 14. Alguns r equisit os par a um desenvolviment o inf ant il sadio (segundo a UNI CEF):⇒ Mãe saudável que r ecebe aliment ação adequada⇒ Amament ação imediat a e exclusiva, par a a f or mação devínculos af ect ivos ent r e mãe e f ilho⇒ I nt r odução opor t una de aliment ação r egular⇒ Nut r ição e micr onut r ient es adequados⇒ I nt er acção af ect uosa com a f amília⇒ I nt er acção pr é-escolar e com out r as cr ianças numambient e que pr omova a apr endizagem⇒Salut ar es e ef ect ivas r elações com out r as cr ianças
  15. 15. ATENÇÃO: as cr ianças que salt am o pequeno-almoçoinger em at é menos 40% de vit C e cálcio e menos 10%de f er r o Eliminação do pequeno-almoço HI POGLI CÉMI A - Cansaço - Conf usão ment al - Per da de f or ça - Cef aleias - Visão t ur va - I r r it abilidade - Alt er ações de humor - Tr emor es
  16. 16. Almoço J ej um pr olongado(1ª r ef eição do dia) “Pet iscar ” Pr edispõe diabet es e obesidade
  17. 17. Relação do pequeno-almoço com a at ividade f ísica A at ividade f ísica éf undament al par a que a cr iança possa apr oveit ar os nut r ient es de f or ma adequada
  18. 18. Os especialist as const at am:- As cr ianças necessit am de act ividade f ísica diár ia par ase mant er em saudáveis- As cr ianças dif icilment e se exer cit am a um r it moconst ant e por mais de 20 minut os-A act ividade das r apar igas é inf er ior à dos r apazes-A apt idão car díaca pulmonar de ambos é inf er ior àr ecomendada  melhor ada com a pr át ica de exer cíciof ísico
  19. 19. As cr ianças que pr at icam despor t o são:- Mais alegr es-Menos ir r it adiças-Têm melhor r elacionament o social Ao mesmo t empo:- Pr evine a obesidade-Melhor a a capacidade pulmonar e a r esist ência f ísica-Aument a a densidade miner al óssea
  20. 20. Apesar daConsiderações a inais or mação dos t ecnologia a f alt f de infpais são os gr andes vilões da obesidade inf ant il,podemos concluir que par a solucionar mos est epr oblema de or dem pública,é necessár io ant esque se conscient izem os pais e que dest a f or ma,os mesmos saibam como lidar com o pr oblema.Faz par t e do t r abalho do pr of issionalde enf er magem est a conscient ização.Não exist eum t r at ament o adequado par a a obesidadeinf ant il além da or ient ação nut r icional epsicológica a cr iança, diet as e exer cícios f ísicos.Faz par t e de o desenvolviment o humanoapr ender a lidar com as novas doenças esit uações decor r ent es da moder nidade eevolução e o pr of issional de saúde t em papelf undament al nest e pr ocesso.A pr evenção ésempr e o melhor r emédio, e deve ser t r at adocomo t al, dando pr ior idade par a a saúde e

×