Formas de relevo

2.022 visualizações

Publicada em

Slides sobre as várias formas de relevo do Brasil

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.022
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Formas de relevo

  1. 1. Formas de Relevo Professor: Herbert Galeno Herbertgaleno.blogspot.com.br
  2. 2. RELEVO
  3. 3. ESTRUTURA GEOLÓGICA Se caracteriza pela natureza das rochas (origem e idade) e pela forma como estão dispostas Tanto fatores endógenos como exógenos que agiram no relevo no decorrer das eras geológicas influenciam essa estrutura e determinam as formas irregulares da superfície terrestre Podemos dividir a estrutura geológica em crátons, bacias sedimentares e dobramentos
  4. 4. CRÁTONS Constituem blocos de rochas muito antigos (era pré-cambriana) São divididos em escudos cristalinos e plataformas Os escudos (ou maciços) cristalinos são formados por rochas cristalinas (magmática ou metamórfica) Formada no início da consolidação da crosta terrestre, são de tectônica estável, resistentes, porém muito desgastados pela erosão
  5. 5. CRÁTONS Plataformas (ou embasamentos cristalinos) são superfícies cratônicas recobertas por camadas de sedimentos
  6. 6. BACIAS SEDIMENTARES São depressões preenchidas por sedimentos de áreas com maiores altitudes Exemplos: antigos mares e lagos pouco profundos, sendo depois soerguidas pelas forças endógenas (movimentos epirogênicos) As mais antigas se formaram nas eras Paleozóica e Mesozóica. Porém, o processo de sedimentação é ativo até os dias de hoje (era Cenozóica), constituindo as bacias sedimentares recentes A essa estrutura associam-se jazidas de petróleo, carvão e gás natural
  7. 7. BACIA SEDIMENTAR
  8. 8. DOBRAMENTOS São formados por rochas menos resistentes afetadas por intensos movimentos tectônicos (movimentos orogênicos) Os dobramentos modernos (ou recentes) formaram cadeias de montanhas na Era Cenozóica Estão situadas próximas aos grandes falhamentos e estão sujeitas a terremotos e atividades vulcânicas (Alpes, Andes, Himalaia etc) Os dobramentos antigos se formaram no Pré-Cambriano e no Paleozóico
  9. 9. DOBRAMENTOS
  10. 10. FORMAS DE RELEVO Sobre as estruturas se desenvolvem as formas de relevo As formas de relevo são muito desiguais e estão em constante evolução, desde sua origem São resultados de ações lentas e prolongadas ou de movimentos súbitos produzidos tanto por agentes internos como pelos externos Considerando elementos como: dinâmica tectônica, processos erosivos, estrutura geológica, altitude e outros, podemos classificar as formas de relevo mais comuns em: montanhas, planaltos, planícies e depressões
  11. 11. MONTANHAS São formadas pela ação de forças tectônicas Pode ser dividida em jovens e velhas Montanhas jovens: se originaram em épocas geológicas mais recentes (era Cenozóica), apresentando as maiores altitudes Ex.: Andes e Himalaia Processo de erosão recente, são formados por vales profundos e altos picos
  12. 12. MONTANHAS Montanhas velhas: se formaram em eras mais remotas Mais trabalhadas pela erosão, apresentam altitudes mais moderadas e formas mais suaves e arredondas, como colinas e morros Cadeias de morros formam as serras
  13. 13. PLANALTO São superfícies onde predomina um intenso processo de erosão Situam-se entre 200 e 2000 metros Podem apresentar forma aplainada ou então morros, serras ou elevações íngremes (escarpas) de topo plano Esta última forma de relevo tabular é conhecida como chapada
  14. 14. PLANALTO
  15. 15. PLANÍCIES Possuem poucas irregularidades (forma próxima ao plano) A maior parte se situa em baixas altitudes (até 100 metros) Nestas predominam o processo de sedimentação constante (movimentos das águas do mar, de rios, de lagos etc.)
  16. 16. PLANÍCIE Planícies litorâneas (ou costeiras): situadas próximas aos oceanos e mares Planícies fluviais: são formadas por depósitos de rios Planícies lacustres: são fundos de lagos ou resultam de seus depósitos
  17. 17. PLANÍCIE
  18. 18. DEPRESSÕES São classificadas em absolutas e relativas Depressões absolutas: são áreas nos continentes situadas abaixo do nível do mar
  19. 19. DEPRESSÕES Depressões relativas: são superfícies formadas por processo de erosão, apresentando altitudes mais baixas do que o relevo circundante Variam de 100 metros a 500 metros de altitude
  20. 20. FORMAS DE RELEVO
  21. 21. SOLOS Formados por minerais, oriundos da decomposição das rochas pelas forças exógenas (intemperismo) Processo de decomposição realizado nas rochas é gradual (camadas do solo)
  22. 22. Outros SOLOS elementos que constituem o solo: água, ar e microorganismos (fertilidade) Porosidade importante para que o solo seja fértil A fertilidade do solo varia de acordo com as propriedades químicas dos minerais que o formam e com a intensidade de atividade orgânica que nele ocorre Exemplo: terra roxa (oeste paulista e norte do Paraná / origem basáltica) Exemplo: solo da Amazônia (grande quantidade de nutrientes e microorganismos)
  23. 23. DESERTIFICAÇÃO Significa perda de fertilidade do solo (não está diretamente ligada ao clima do lugar) Fatores que levam a desertificação: Uso intensivo de máquinas (compactação do solo) Uso intensivo de agrotóxicos (sensibilidade dos microorganismos) Desmatamento (lixiviação) Queimadas (sensibilidade dos microorganismos)
  24. 24. DESERTIFICAÇÃO
  25. 25. DÚVIDA Terraceamento: construção de degraus transversalmente à direção do maior declive, seguindo as curvas de nível do terreno que possibilitam um aproveitamento agrícola de áreas de declividade acentuada. São construídos para controlar a erosão, diminuindo a velocidade e o volume da enxurrada, as perdas de solo Lixiviação: processo físico de lavagem das rochas e solos pelas águas das fortes chuvas (enxurradas) decompondo as rochas e carregando os sedimentos para outras áreas, extraindo, dessa forma, nutrientes e tornando o solo mais pobre
  26. 26. TERRACEAMENTO
  27. 27. “Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo ” José Saramago

×