Wallbanger - Alice Clayton

1.057 visualizações

Publicada em

Wallbanger - Alice Clayton

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.057
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Wallbanger - Alice Clayton

  1. 1. Edward Wallbanger * Edward BateParede * Capítulo 1 - A Primeira Hora "Oh Deus," Thump. "Oh Deus," Thump. Thump. Que porra é essa? "Oh Deus, isso é tão bom", Eu nadei pra fora do meu sono, confusa quando eu olhei ao redor do quarto estranho. Caixas no chão. Fotos encostadas contra a parede. Meu novo quarto, no meu novo apartamento. "Mmmm, yeah baby, aí, bem assim.... não pare, não pare!" Ah, não... Sentei-me na cama, esfreguei os olhos e olhei para a parede atrás de mim, tentando descobrir o que diabos estava acontecendo. Eu ainda estava meio adormecida.
  2. 2. Mais cedo naquele dia, minhas melhores amigas Rose e Alice me ajudaram a me mudar para meu novo apartamento. Era a primeira vez que eu tinha tido minha própria casa, sem companheiros. Eu estava em êxtase. Eu tive sorte o suficiente para que a minha chefa e mentora Esme tivesse me oferecido seu apartamento antigo, não havia nenhuma maneira que eu poderia me dar ao luxo de viver neste bairro, em San Francisco. Graças a Deus, consegui alugar. Era lindo. Grandes quartos espaçosos, pisos de madeira, portas em arco... ainda tinha uma lareira! Então, eu não tinha idéia de como realmente acender o fogo, mas isso não importava. Eu estava louca para começar a colocar peças sobre a lareira. Como uma designer de interiores, eu começava a colocar as coisas mentalmente, em quase todos os espaços que eu frequentava. Isso levava minhas amigas a loucura às vezes, pois eu ficava constantemente modificando suas bugigangas. Após mergulhar na velha e incrivelmente profunda garra pé banheira até que eu tinha passado a fase de poda, arrumei minha bunda cansada na cama e gozei dos rangidos e guinchos de um novo lar. Ouvi o semáforo lá fora, e o clique reconfortante do meu gato Clive andando em torno de sua nova casa, explorando. O clique veio de suas unhas no piso... Eu caí em um sono tranquilo, muito satisfeita com a minha nova casa. Isso é o porquê de eu ter ficado tão surpresa quando eu fui acordada tão abruptamente às... vamos ver... 2h37. Enquanto eu olhava estupidamente o teto, tentando descobrir por que eu estava acordada, eu estava assustada quando senti a cama se mexer debaixo de mim. Ela pulou um pouco, e depois pulou novamente. Eu resmunguei, e me movi cansada pelo portal. Depois de crescer no Norte da Califórnia, eu estava acostumada a tremores. Embora eu nunca tivesse experimentado um "grande", eu achava melhor prevenir do que remediar, e sempre seguia o protocolo do terremoto. "Vamos Clive, venha até aqui", eu o repreendi, percebendo que ele ainda estava na cama. Ele me olhou desinteressadamente, e em seguida levantou a perna para limpar o seu bumbum. Huh, estranho. Clive sempre ficava assustado quando acontecia o menor tremor, na verdade, ele que geralmente me deixava saber que algo estava acontecendo. Os animais eram os melhores
  3. 3. premeditores de terremotos normalmente. Eu não senti mais tremores, assim eu bocejei muito e voltei para o meu quarto. Ouvi outro baque e vi minha cama se mexer. A cabeceira primeiro. OK, isso é estranho... Então eu ouvi, muito claramente, "Porra Edward, isso é tão bom! Mmm baby, yeah," Oh Deus... Revirei os olhos, desperta agora e um pouco fascinada pelo que estava claramente acontecendo ao lado. Olhei para Clive, ele olhou para mim, e eu juro que ele piscou. Voltei para cama e tentei conseguir voltar a dormir. Acho que alguém deveria estar dando uma. Eu estava em um pequeno período de seca. Um tempo muito longo. Um sexo ruim e uma inoportuna ficada de uma noite tinham me roubado meu orgasmo... isso tinha sido nas férias há 6 meses. Seis Longos Meses. Eu me concentrei tentando me desligar, mas fiquei em um hiato quase permanente. Não querendo imitar a Oprah. Eu empurrei os pensamentos da ausência de O* pra longe de mim, e me enrolei ao meu lado. Tudo parecia tranquilo neste momento, e assim comecei a derivar de volta ao sono, Clive ronronou satisfeito ao meu lado. *Ela chama seus orgasmos de O. Então todo o inferno quebrou rapidamente.
  4. 4. "Fuck yes! Fuck yes! Oh Deus... Meu Deus!" Minha pintura do cardeal do Vaticano caiu da prateleira acima da minha cama e bateu na minha cabeça fortemente... Oh Deus, de fato. Esfregando minha cabeça e amaldiçoando o suficiente para fazer corar o cardeal, olhei de volta na parede atrás de mim novamente, e vi que minha cabeceira de ferro forjado estava literalmente batendo contra a parede enquanto a foda toda continuava na casa ao lado. "Fuck me baby, sim sim sim!" Eu ouvi, e eu suspirei alto. Então eu ouvi, pelo amor de tudo que é santo, tapas. Você não pode interpretar mal uma boa surra, e alguém estava recebendo uma boa surra. "Oh Deus, Edward, sim. Eu tenho sido uma garota má, sim, papai sim, sim, SIM!" Mãe de pérola... Mais tapas, e então o inconfundível som de uma voz masculina baixa, gemendo e rosnando. Levantei-me, movi a porra da cama toda a poucos centímetros de distância da parede, e soltei de volta a cama, olhando para a parede o tempo todo. Adormeci jurando que eu bateria na parede se eu ouvisse mais um pio. Ou uma foda. Ou um tapa. Bem-vinda à vizinhança. Capítulo 2 - Uma Gata Preta 2.0 (Referencia a musica do U2 “A Cat Dubh”) Na manhã seguinte, na minha primeira manhã oficial no meu novo apartamento, encontrei-me contente bebendo uma xícara de café e comendo uma rosquinha dos restos de ontem, da minha festa de mudança*. Rose e Alice tinham vindo mais tarde para supervisionar o grupo em movimento. O que quis dizer foi que elas sentaram-se em suas bundas lendo a InStyle enquanto
  5. 5. eu dirigia pelo tráfego. Mas elas trouxeram donuts, e por isso eu estava agradecida. Eu estava mais do que agradecida, eu estava em um coma açúcar. * No Brasil é como um ‘Chá de Casa Nova’ Finalmente eu tinha dormido a noite passada, após as travessuras do lado terem terminado. A menina foi espancada, arada, ela gozou, ela dormiu. O mesmo aconteceu com Edward. Achei que seu nome era Edward, pois era o que a menina-que-gostava-de-ser-espancada ficava gritando. E realmente, se ela estava inventando nomes não eram nomes mais quentes do que Edward gritava em agonia. A agonia de Deus... eu sentia falta dessa agonia. "Ainda nada, hein O*?" Eu suspirei, olhando para a minha perseguida. Durante quatro meses de A Ausência de O, eu continuava a falar sobre ele como se ele fosse real, uma entidade real. Eu achava que ela era real quando ele estava balançando meu mundo há vários meses, mas, infelizmente, agora ele havia me abandonado, eu nem sabia se eu iria reconhecê-lo se eu o visse. É um dia muito triste quando uma garota não reconhece nem mesmo o seu próprio orgasmo... *Ela se refere aos seus orgasmos como O Fui lavar a minha xícara de café, colocando-a na segunda pia para lavar. Eu empurrei o meu cabelo para trás, e olhei ao redor, o caos que me cercava. De tantas vezes que eu tinha me mudado desde que eu terminei o ensino médio, (a cada ano em Berkley, e os quatro anos desde então) eu tive que criar uma programação. Ainda assim, era uma merda o tempo todo. Não importava o quão bem você planejasse, não importava o quão bem você rotulava aqueles caixas, não importava quantas vezes você dizia pro filho da puta do cara que fazia a mudança, que onde estava escrito COZINHA não pertencia ao banheiro, ainda era uma bagunça total. "O que você acha Clive, devemos começar por aqui ou pela sala?" Perguntei ao meu gato, que estava enrolado em uma das janelas profundas. Eu admito, quando eu estava procurando por novos lugares para viver, eu sempre olhava para os peitoris das janelas. Eu sei como ele gosta de olhar sobre o mundo, e eu gosto de vê-lo esperando por mim quando eu chego em casa. Eu era totalmente a de cadela de Clive.
  6. 6. Neste momento ele olhou para mim e, em seguida para a sala de estar. "OK sala, sala de estar então," eu disse, percebendo que eu tinha falado apenas três vezes desde que eu tinha acordado esta manhã, e cada palavra pronunciada tinha sido dirigida a um animal. Hmm... Fiquei cerca de 20 minutos arrumando meus DVDs de volta para a estante da TV quando ouvi vozes no corredor. Cada andar só tinha dois apartamentos, e eu estava na cobertura. Havia uma boa chance de que fossem os meus vizinhos barulhentos. Corri para a porta e apertei meu olho no olho mágico, tentando ver se eu estava certa. Eu era uma pervertida, honestamente. Eu não conseguia ver muito, mas daqui eu podia ouvir a conversa. Eu ouvi a voz do homem, baixa e suave, e eu podia ouvi-la rir. "Mmm Edward, a noite passada foi fantástica" "Eu acho que esta manhã foi fantástica, também", disse ele, plantando o que soou como um beijo estalado nela. Huh. Devem ter sido em outro quarto, esta manhã, eu não ouvi nada. Apertei meus olhos de volta para o olho mágico. Pervertida suja. "Sim, foi. Ligue para mim em breve?", pediu ela, inclinando-se para outro beijo. "Claro, vou chamá-la da próxima vez eu estiver na cidade", prometeu ele, golpeando-a em sua parte inferior enquanto ela ria novamente e se afastava. Eu realmente não podia vê-la, ela estava no canto. Bye Bye Surrada. Eu não podia ver esse Edward, ele estava de volta em seu apartamento antes que eu pudesse dar uma boa olhada nele. Interessante, portanto, essa menina não morava com ele. E eu não ouvi nenhum Eu te amo quando ela saiu, mas eles pareciam muito confortáveis um com o outro.
  7. 7. Eles tinham que ser, com a surra e tudo mais. Sim, uma surra de fato. Eu empurrei os pensamentos de espancamentos e de Edward da minha mente, e voltei para os meus DVDs. Eu os organizei por ordem alfabética, e eu guardei somente até o G's. Goonies veio depois Garfields Halloween Spectacular. Eu amava assistir filmes antigos em minhas férias. Edward Bate Parede. Era um grande nome para uma banda... Eu estava colocando o Mágico de Oz após Willy Wonka quando ouvi uma batida na porta. Eu podia ouvir uma briga no corredor, e quando me aproximei da porta, eu pude ouvir as minhas duas amigas. "Não deixe essa porra cair, sua idiota", eu ouvi Rose xingar. "Oh, cale-se, não seja tão mandona", Alice retrucou. Revirei os olhos e abri a porta para vê-las ali, segurando uma grande caixa. "Senhoras sosseguem, vocês duas são ótimas," eu ri, levantando uma sobrancelha para elas. "Ha ha, engraçado Bella", Alice respondeu, revirando os olhos e entrando como um furação. "Que diabos é isso? E eu não posso acreditar que vocês duas trouxeram isso por quatro lances de escada!" Exclamei. Minhas meninas não faziam trabalho manual quando poderiam ter alguém para fazê-lo. "Acredite em mim, esperei fora do carro por qualquer um morador para podermos pedir para
  8. 8. trazer isso para dentro, mas não tive sorte. Então nós carregamos isso nós mesmas. Feliz casa nova!" Rose disse, quando a colocou para baixo e caiu na poltrona junto à lareira. "Você se muda tanto, estamos cansadas de comprar essas merdas," Alice riu, deitando no sofá e dramaticamente colocando os braços sobre o rosto. Cutuquei a caixa com o meu dedo do pé e perguntei: "Então o que é? E eu nunca disse que vocês tinham que me comprar nada. O Jack Lalane Juicer* não era necessário no ano passado, realmente." *Máquina de fazer suco. "Não seja ingrata, basta abri-lo," Rose instruiu, apontando para a caixa com seu dedo médio, quando ela o segurou e exibiu em minha direção. Eu suspirei e sentei no chão em frente a ela. Eu sabia que era da Williams Sonoma*, a contar com a fita com um abacaxi pequeno vinculada a ela. A caixa era pesada, o que quer que fosse. *Loja de Elétrodomésticos da classe média americana. "Jesus, o que vocês compraram?" Eu perguntei, dando uma piscadela de Alice Rose. Eu abri a caixa, e fiquei feliz da vida com o que eu encontrei. "Meninas, isso é demais!" "Nós sabemos o quanto você sente falta do seu antigo," Alice riu-se, sorrindo para mim. Eu tinha herdado uma batedeira Kitchenaid velha de uma tia que havia falecido há anos atrás. Tinha mais de 40 anos, e ainda trabalhava muito bem. Essas coisas foram construídas por Deus para durar, e não foi até poucos meses atrás que ela tinha finalmente parado de funcionar. Ela
  9. 9. fumaçou e travou em uma tarde, enquanto a massa de pão de abobrinha era batida, e tanto quanto eu odiava fazer isso, ela foi jogada fora. Agora que eu olhava para a caixa, e uma nova e brilhante batedeira Kitchenaid em aço inox olhava para mim, as visões de biscoitos e tortas dançavam na minha cabeça. "Meninas, é lindo", eu suspirei, olhando com alegria em meu novo bebê. Ergui-a suavemente para admirar. Corri minhas mãos sobre ela, esparramando os meus dedos para sentir as linhas suaves e pressionando o metal frio contra minha pele. Eu gemi suavemente, e realmente abracei- a. "Vocês duas querem ficar sozinhas?" Rose perguntou, rindo um pouco. "Não, tudo bem, eu quero que estejam aqui para testemunhar o nosso amor. Além disso, este é o único instrumento mecânico que provavelmente irá trazer-me algum prazer no futuro próximo. Obrigado meninas. É muito caro, mas eu realmente adorei," Eu respondi. Clive veio, cheirou a batedeira, e rapidamente saltou para a caixa vazia. "Apenas a promessa de nos fazer quitutes saborosos vale tudo, querida," Alice suspirou, sentando e olhando para mim com expectativa. "O quê?" Eu perguntei cautelosamente. "Posso começar a arrumar suas gavetas agora?" ela perguntou, pulando um pouco. "Você pode começar a fazer o que com minhas gavetas? Eu disse, hesitante, puxando meu cinto um pouco mais apertado em volta da minha cintura. "Sua cozinha! Estou morrendo de vontade de começar a organizar tudo!" exclamou ela, saltando mais alto agora.
  10. 10. "Oh inferno sim, faça isso! Feliz Natal show das loucas", respondi, e ela pulou para a outra sala, deixando Rose e eu rindo dela. Alice era uma organizadora profissional. Ela tinha nos deixado tão loucas na faculdade com suas tendências TOC* e sua atenção aos detalhes loucos que um dia Rose sugeriu que ela se tornasse uma organizadora profissional. Após a formatura, ela fez exatamente isso. Ela já trabalhou em toda a área da baía, ajudando famílias a conseguir juntar suas porcarias, literalmente. A empresa de design da Esme, por vezes, a consultou sobre um trabalho ou dois, e ela ainda apareceu em alguns shows na HGTV** que estavam filmando na cidade. O trabalho se adequava a ela com perfeição. *Transtorno Obsessivo Compulsivo *Canal de TV a cabo americano. Rose e eu a deixávamos fazer seu trabalho, sabendo que minhas coisas seriam tão perfeitamente organizadas que eu ficaria espantada. Rose e eu continuamos a conversar na sala, rindo sobre os DVDs que tínhamos assistido ao longo dos anos. Paramos sobre cada filme Brat Pack* dos anos 80, debatendo sobre se Judd terminou com Molly, uma vez que todos voltaram para a escola na segunda-feira. Votei a favor do não, e eu aposto que ela nunca conseguiu seu brinco de volta... *O "Brat Pack" foi um apelido dado a um grupo de jovens atores e atrizes que frequentemente apareciam juntos em filmes pra adolescentes nos anos 80. E o filme ao qual elas se referem é The Breakfast Club (br: Clube dos cinco) é um filme americano de 1985, do gênero drama, dirigido John Hughes. Mais tarde naquela noite, Clive e eu estávamos liquidados no sofá da sala, assistindo reprises no canal de receitas. Eu já estava sonhando com as criações eu faria com a minha nova batedeira, e pensando em como um dia eu queria uma cozinha como a da Ina Garten*, quando ouvi passos no corredor de fora da minha porta. Ouvi duas vozes, e eu rolei meus olhos para Cliver ao pensar que a Surrada devia estar de volta. Eu pulei do sofá e apertei o meu olho contra o olho mágico, uma vez mais, tentando dar uma olhada no meu vizinho. Eu o perdi de novo, vendo apenas suas costas enquanto andava em seu apartamento por trás de uma mulher muito alta, com longos cabelos castanhos.
  11. 11. *Apresentadora do prgrama de culinária Barefoot Contessa. Ela já foi citada por Martha Stewart, Oprah Winfrey, e Patricia Wells por seu programa como sendo a melhor dos EUA. Interessante. Duas mulheres diferentes em poucos dias... Safado. Eu vi a porta se fechar, e eu senti Clive andar em torno de minhas pernas, ronronando. "Não, você não pode ir lá fora, menino bobo," Eu rugi, abaixando e pegando-o em meus braços. Eu esfregava sua pele sedosa contra a minha bochecha, sorrindo para ele quando ele estava de volta em meus braços. Clive era a prostituta por aqui; ele se deitava com quem esfregava sua barriga. Eu me deitei para trás no sofá, e vi quando Barefoot Contessa nos ensinava como ser um anfitrião de um jantar nos Hamptons com uma elegância simples. E um monte de dinheiro. Poucas horas depois, com a marca da almofada do sofá pressionada firmemente em minha testa, eu fiz meu caminho de volta para o meu quarto para ir dormir. Alice tinha organizado meu armário de forma tão eficiente, que tudo o que foi deixado para fazer aqui foi pendurar minhas fotos e arranjar uns tchotchkes*. Eu tinha colocado o Cardeal em segurança do outro lado da sala. Eu estava arriscando nada essa noite. Eu estava no meu quarto e ouvi os sons da porta ao lado. Tudo calmo na frente ocidental. Tão longe, tão bom. Talvez a noite passada tenha sido uma coisa única. * A palavra vem da língua Eslávica para brinquedos. E ela pode significar artigos de decoração, coisas desnecessárias e supérfluas. Quando eu estava pronta para deitar, olhei para os quadros com fotos da minha família e amigos. Meu pai, Charlie, e eu na minha formatura da faculdade. Minha mãe, Renee, e seu marido Phil esquiando em Tahoe alguns anos atrás. Eu e minhas amigas na Coit Tower. Rosalie gostava de tirar fotos ao lado de qualquer coisa. Ela tocava violoncelo com a Orquestra de San Francisco, e embora tivesse ficado próxima a instrumentos musicais por toda a vida, ela nunca poderia deixar passar uma piada quando ela via uma flauta. Ela estava presa. Nós três estávamos livres no momento, algo que nunca tinha acontecido. Normalmente, pelo menos, uma de nós estava namorando alguém, mas desde que Rose tinha terminado com Royce
  12. 12. há vários meses atrás, tínhamos estado em um período de seca. Felizmente para elas, a sua magia não era tão seca quanto a minha. Elas pelo menos podiam se conectar com seus O’s. Lembrei-me da última vez que o O e eu estávamos juntos. Eu tinha saído de uma série de primeiros encontros ruins, e eu estava tão sexualmente frustrada em um momento que eu realmente me permiti voltar ao apartamento com um cara que eu não tinha intenção de jamais ver novamente. Não era que eu estava adversa ao sexo de uma noite, eu tinha feito a caminhada da vergonha de manhã muitas vezes. Mas eu geralmente gostava do cara, e talvez até mesmo planejava um segundo encontro, ou pelo menos uma outra ficada. Mas não com esse cara. Mike Newton, blá, blá, blá. Sua família possuía uma cadeia de lojas de produtos esportivos para cima e para baixo na costa oeste, ótimo no papel, certo? Apenas no papel. Ele era bom o suficiente, mas chato e enjoativo. Mas eu não estive com um homem em algum tempo, e depois de vários martinis e uma conversa de vitalidade no carro no caminho para lá, cedi e deixei Mike "ter o seu momento comigo." Agora, até este ponto em minha vida, eu tinha levado a crença de que o sexo é como pizza. Mesmo quando é ruim, ainda é muito bom. Agora eu odeio pizza. Este era o pior tipo de sexo. Ele era do estilo lebre, rápido rápido rápido como se ele estivesse tentando ganhar uma corrida. Isso foi 30 segundos nos seios, 60 segundos sobre meu clitóris, e depois dentro e fora. E dentro e fora. E dentro e fora. Mas pelo menos era mais rapidinha certo? Claro que não, esta merda durou meses. Pois não... mas por quase 30 minutos. De dentro e fora. E dentro e fora. Minha pobre perseguida ficou como se tivesse sido polida. No momento em que tinha acabado, e ele gritou: "Mamãe!" antes de desabar em cima de mim, eu tinha mentalmente reorganizado todos os meus temperos e estava começando a limpar embaixo da pia. Vesti-me, o que não demorou tanto tempo, pois eu ainda estava quase totalmente vestida, e me dirigi para casa. Na noite seguinte, depois de deixar a Pobre Bella se recuperar, eu queria tratá-la com uma sessão longa e agradável de amor-próprio, acentuada pela minha fantasia favorita, Jordan Catalano. Mas, para meu grande pesar, O tinha deixado o edifício. Dei um tempo a ele,
  13. 13. pensando que talvez ele só precisasse de uma noite de folga, ainda experimentando um pouco do EPT* do Newton. * EPT: Estresse pós-traumático Mas na noite seguinte? O O ainda não chegou. Nenhum sinal dele naquela semana, ou na próxima. Quando durou um mês, eu chamei reforços. Liguei para o meu favorito "camarada" de Berkeley, Tyler Crowley. O homem poderia bater em você como ninguém... nunca bateu. Ele me deixou quase em lágrimas depois que eu gritei para ele "Me faz gozar maldito Deus! Que diabos você está fazendo aí?" À medida que a semana tornou-se um mês e os meses se esticaram sobre o outro, eu desenvolvi um profundo ódio fervilhado de Mike Newton. Essa lebre filho da puta... Eu balancei minha cabeça, meus pensamentos sobre o O se esclareceram sobre a minha mente enquanto eu caía na cama. Clive esperou até que eu parasse antes de aconchegar no espaço entre minhas pernas. Ele soltou um ronronado baixo quando eu apaguei as luzes. "Boa noite Clive", sussurrei e caí no sono. Thump. "Oh Deus". Thump Thump. "Oh Deus". Inacreditável....
  14. 14. Eu acordei mais rápido desta vez, sabendo o que eu estava ouvindo. Revirei os olhos e me sentei na cama, olhando para trás. A cama ainda estava puxada em uma distância segura da parede, então não havia nenhum movimento, mas eu tinha uma certeza infernal que algo se movia ali. Então eu ouvi assobios. Surpresa, eu olhei para Clive, que estava com seu rabo eriçado. Suas costas estavam arqueadas e ele andava para trás e para frente, ao pé da cama. "Hey rapaz, está tudo bem... nós só temos um vizinho barulhento, isso é tudo," Eu o acalmei, esticando a mão para ele. Foi quando eu ouvi. "Meow", Eu virei a minha cabeça para os lados, ouvindo mais atentamente. Era a porra de um gato? "Meow! Oh Deus miau!" Sem. Chance. A garota ao lado estava miando. Meu vizinho tinha o poder de fazer uma mulher miar. Clive neste momento ficou totalmente assustado, e lançou-se na parede. Ele começou a arranhar a parede, escalando, literalmente, tentando chegar ao local onde o barulho estava vindo. "Oooh sim, bem desse jeito Edward mmmm... me foda bem... meow meow MEOW!"
  15. 15. Doces Jesus! Tinham dois gatos fora de controle em ambos os lados da parede hoje à noite. A mulher tinha um sotaque, embora eu não poderia saber qual. Leste Europeu, com certeza. Tcheca? Polonesa? Eu estava acordada mesmo... vamos ver... 1h16 da manhã e tentando adivinhar a origem nacional da mulher sendo fodida ao lado? Tentei segurar Clive e acalmá-lo. Ele foi castrado, mas ele ainda era um menino, e ele queria aquela que estava do outro lado da parede. Ele continuou a gritaria, os seus meows misturaram com os meows dela, até que foi tudo que tive para não começar a chorar com este momento hilário. Minha vida tornou-se o teatro do absurdo. Agora eu podia ouvir Edward, ouvi-o gemer. Sua voz era baixa e espessa, e enquanto a mulher e Clive continuavam a chamar uns aos outros... Eu escutei apenas ele. Ele gemia alto, e começou a bater na parede. Ele estava tremendo a casa. A mulher miou mais alto e mais alto quando ela, sem dúvida, chegou ao seu clímax. Seus meows viraram gritos absurdos, e ela finalmente gritou: "Da! Da! Da!" Ela era russa. Pelo amor de São Petersburgo. Um ultimo estrondo na parede, um último gemido, e um último miau, e depois tudo estava abençoadamente silencioso. Exceto por Clive. Ele continuou a miar para seu amor perdido até quatro da manhã. Se Edward trouxesse Purina* para casa outra vez, eu teria de matá-la. A guerra fria estava de volta.... *Marca de ração de gato. Capítulo 3 - Uma Celebração
  16. 16. Depois de Clive finalmente se acalmar e parar de gritar por sua gata, eu estava completamente esgotada, e bem acordada. Saber que eu tinha que levantar-me em apenas uma hora para outro dia, me fez perceber que eu já tinha conseguido dormir o que eu iria precisar, e poderia muito bem levantar-me e fazer um café da manhã. "Meow o caralho..." Eu apontei para a parede atrás da minha cabeça e fui para o sofá da sala. Liguei a TV para pegar o programa de hoje (East Coast feed*), liguei a máquina de café e vi a luz da madrugada começar a espreitar nas minhas janelas. Clive se enrolou em torno de minhas pernas, e eu rolei meus olhos para ele. *Canal americano só de programas de culinária. "Oh, agora você quer um pouco de amor de mim hein? Depois de abandonar-me para ir atrás da Purina na noite passada? Que idiota você é Clive," eu murmurei, esticando o pé e esfregando-o com o meu calcanhar. Ele deitou no chão, e olhou para mim. Ele sabia que eu não podia resistir quando ele me olhava. Eu ri um pouco, e me ajoelhei ao lado dele. "Yeah yeah, eu sei. Você me ama, porque agora que eu sou a única que continua a te alimentar", eu suspirei, coçando sua barriga. Eu voltei para a cozinha, Clive nos meus calcanhares, e derramei um pouco de comida na tigela. Agora que ele tinha o que precisava, fui rapidamente esquecida. Fiz umas rabanadas, derramei um pouco de café, e voltei para a sala para Matt, Meredith, Al e Anne. Eu posso ter plantado um beijo na minha batedeira quando passei. Desde que eu tinha tanto tempo extra, resolvi relaxar um pouco e tomar de manhã que estava chegando. Eu estava voltando ao trabalho hoje depois de tomar alguns dias de folga e no fim de semana para me organizar, mas eu estava ansiosa para voltar. Eu amava o meu trabalho. Não, quer dizer que eu amava o meu trabalho. Eu tive sorte o bastante quando eu estava no meu último ano em Berkeley e estagiei com uma das empresas de design mais famosas da cidade, e assim cheguei a Esme Platt. Eu trabalhava de perto com ela, e sua paixão e seu amor por esta
  17. 17. indústria me deixou ainda mais animada para finalmente começar a trabalhar na pós-graduação em design de interiores. Ela me ensinou mais no semestre que eu estava com ela do que eu tinha aprendido em quase quatro anos na faculdade. No último dia do meu estágio, quando eu estava arrumando minha mesa pequena no canto de seu escritório, ela me perguntou se eu consideraria me mudar pra cá, após a graduação. Era totalmente não profissional, mas eu corri por seu escritório e lhe disse que gostaria de fazer sexo com ela se ela um dia se decidisse a balançar para o outro lado. Depois de ter se recuperado do choque do meu desabafo, e se recuperado de todo riso, começamos a falar de negócios. Esme era extremamente sensível, doce, quente e amável. Ela também era uma das mais inteligentes, mais fortes, empresárias mais hardcore que eu já encontrei, e tudo que eu queria ser quando crescesse era Esme Platt. Em seus 30 anos, mas parecendo ter seus 20, ela tinha feito um nome para si mesma no seio da comunidade de design em uma idade adiantada. Ela desafiou a convenção, foi a primeira a varrer Shabby Chic* para fora do mapa, e foi essencial em trazer de volta a as neutras e calmas estampas geométricas, que dominavam o look “moderno”, que era o mais usado agora. * Shabby Chic é um estilo de design de interiores, onde os mobiliários são escolhidos pela sua idade e sinais de desgaste ou novos itens são desgastados para alcançar a aparência de antiguidade. Ela me trouxe como um designer júnior, pagando minhas contas e me ajudando em projetos menores. Projetos residenciais eram a minha preferência, mas eu ajudei em muitos trabalhos de projetos comerciais, assim, isso me apresentou a um lado completamente diferente do negócio. Após apenas um ano mais ou menos, eu comecei a atender os meus próprios clientes, construindo o meu "book", e ganhando um nome para mim dentro da comunidade. Agora, eu tinha um escritório, uma assistente compartilhada, o meu nome na porta, e um Rolodex* preenchido com alguns dos melhores nomes da sociedade em toda a San Francisco. * Rolodex é um arquivo de dispositivo giratório usado para armazenar informações para contatos comerciais, atualmente é fabricado pela Newell Rubbermaid.
  18. 18. Eu suspirei em minha xícara de café, olhando para meu apartamento, mais uma vez. Fiquei tão sensibilizada de Esme ter me alugado seu apartamento. Esme estava namorando Carlisle Cullen, um empresário muito importante, desde antes de eu conhecê-la. Tinham estado juntos durante anos, nunca se casaram, mas eram muito comprometidos. Ele tinha sabiamente evitado a grande crise que atingiu o Vale do Silício há vários anos, silenciosamente movendo muito de seus riscos de negócios para canais mais convencionais. Agora, ele era um capitalista de risco, embora ele estivesse semi-aposentado. Com 44. Semi-aposentado de 44 anos. Jesus... Os dois estavam em processo de reforma de uma casa na baía de Sausalito, e viviam uma vida encantada. Esme não tinha realmente vivido neste apartamento por anos, mas ela sempre o teve. Era tão de baixa renda, que ela nunca poderia ganhar o bastante com ele, e tinha, por vezes, ao longo dos últimos anos alugado aos amigos dela. Após ter estado essencialmente livre por mais de um ano, ela me ouviu falando sobre o desejo de ter minha própria casa. O aluguel era o que tinha nessa cidade, e isso ainda era caro ha alguns anos. Ela ofereceu, eu aceitei, e agora eu estava aqui. Quando eu estava fazendo meu caminho para o chuveiro, ouvi um movimento no corredor. Como a Bella Bisbilhoteira que estava me tornando rapidamente, apertei meus olhos no olho mágico para ver o que estava acontecendo com Edward e Purina. Ele estava em pé atrás da porta, longe o suficiente e eu não pude ver seu rosto. Purina estava de pé na porta, e eu pude ver sua mão correndo através de seus longos cabelos. Porra, eu podia ouvir seu ronronar através da maldita porta. "Mmm Edward, a noite passada foi... mmmm," ela ronronou, se apoiado em sua mão que estava pressionado contra seu rosto. "Concordo, uma bela maneira de descrever a noite e esta manhã", disse ele calmamente, como se ambos rissem. "Me ligue quando estiver de volta a cidade?" ela perguntou, enquanto varria os cabelos do rosto.
  19. 19. Com uma cara de recém fodida. Eu sinto falta daquela cara. "Oh, você pode contar com isso", respondeu ele, e depois a puxou de volta para a porta para o que eu só posso supor ter sido um beijo estalado. Seu pé subiu como se estivesse posando. Revirei os olhos, mas isso doeu. Ele estava pressionado tão firmemente contra a janelinha que doeu. "Do svidaniya*", ela sussurrou em seu sotaque exótico. Pareceu-me muito melhor agora que ela não estava miando como um gatinho no cio. *‘Até logo’ em russo. "Te vejo por ai", ele riu e, com isso, ela normalmente se afastou. Esforcei-me para vê-lo antes que ele voltasse para dentro de seu apartamento, mas não. Não o vi novamente. Eu tive que admitir, após a surra e depois das miadas, eu estava morrendo para ver como ele se parecia. Tinha uma proeza sexual morando na porta ao lado. Eu só não via o porque ele precisava afetar os meus hábitos de sono. Eu me coloquei longe da porta e fui para o chuveiro. Eu tinha cansado todas as duas mãos massageando meu lugar no chuveiro enquanto eu ainda tinha uma esperança em o O regressar, mas desisti quando me lembrei da eco-amiga que eu estava sendo, drenando o abastecimento de água da cidade. Esme havia renovado seu apartamento há alguns anos e, mesmo ela continuando com a banheira de pés de garra existente, tinha instalado um chuveiro novo, completo com Box em anexo. Eu continuei em baixo dele, imaginando como diabos ele conseguia fazer uma mulher miar... As 07h30 saí de lá, eu estava no BART* e rumei em direção ao meu escritório. Eu estava ansiosa para voltar ao trabalho. Eu estava começando um novo projeto para um novo cliente que estava entrando no escritório pela primeira vez hoje, e eu também iria almoçar com Esme. *BART (acrónimo de Bay Area Rapid Transit) é um sistema público de transporte rápido que serve parte da área da baía de São Francisco, na Califórnia.
  20. 20. A empresa de design de Esme era em uma parte bonita da cidade, chamada Russian Hill. Velhas mansões bonitas, ruas tranquilas e uma visão de matar dos picos mais altos. Algumas das casas mais velhas tinham sido convertidas em espaços comerciais, e a casa que nós chamávamos de “nosso escritório” era simplesmente deslumbrante. Eu passei pela recepção, pela sala de estar da entrada, e disse olá para algumas pessoas no meu caminho para o meu escritório. Eu era extremamente sortuda de trabalhar onde eu trabalhava, e do meu escritório eu realmente tinha uma visão da baía. Eu ainda me beliscava quando chegava em algumas manhãs. Esme me fez parar com isso, porque isso estava me deixando contusões e tendia a afastar as pessoas. Uma mulher adulta se beliscando e tudo... Eu respirei um suspiro quando entrei no meu escritório. Esme queria que cada designer fizesse seu próprio espaço, e eu passei uma semana inteira criando o meu espaço de trabalho. Leves e claras paredes cinzentas, acentuadas por cortinas de veludo rosa salmão. Minha mesa era de ébano negro, com uma cadeira coberta de um couro macio e seda champagne. A sala era contemporânea distinguida com um toque de extravagância. O capricho proveniente de minha coleção de anúncios das sopas Campbell's dos anos 30 e 40. Eu encontrei um monte deles em uma loja da marca, todos cortados a partir de edições antigas da revista Life*. Eu tinha os colocado em uma moldura e montado, e cada vez que olhava para elas eu ficava louca. *Life foi o nome de duas revistas norte-americanas extintas. A revista Life foi conhecida pelos Cartoons, séries de Pin-up, textos humorísticos e pelas críticas de teatro e cinema. Passei a poucos minutos jogando fora as flores da semana passada, e arranjando um novo display. Toda manhã eu parava em uma loja de flores local para escolher flores para a semana. As flores mudavam, mas as cores tendiam a cair na mesma paleta. Eu gostava muito de laranjas e rosas profundos, pêssegos e dourados quentes. Hoje eu tinha escolhido rosas chá híbridas que foram uma bela cor coral, as pontas tingidas de framboesa. Eu tinha as adorado no altar da Martha Stewart* já que eu estava no colegial, e até tentei mandar cookies a ela quando ela foi para a prisão. *Martha Stewart (Nova Jérsei, 3 de Agosto de 1941) é uma apresentadora de televisão e empresária estadunidense. Em Março de 2005, teve sua prisão decretada por envolvimento com fraude e outros possíveis crimes relacionados a investimentos na ImClone Systems, uma companhia de biotecnologia dirigida por um amigo.
  21. 21. Desisti quando percebi que ela provavelmente não os comeria, mas criticaria a entrega. Desisti sob pressão... Eu reprimi um bocejo e me sentei na minha mesa, preparando-me para o meu dia. Avistei Esme quando ela entrou rapidamente passando minha porta, e acenei para ela. Ela voltou e enfiou a cabeça na porta. "Hey girl! Como está o apartamento?" ela perguntou, caminhando dentro e sentando na cadeira em frente a minha mesa. "Fantástico, obrigado mais uma vez tanto! Eu nunca poderei pagar por isso, você é a melhor", eu sai. Ela me parou com um aceno de sua mão. "Psiu, não é nada. Eu sei que deveria livrar-me dele, mas foi o meu primeiro lar na cidade, e o vender iria apenas quebrar o meu coração por deixá-lo ir! Além disso, eu gosto da idéia de ele estar habitado novamente, aquele bairro é tão bom", ela sorriu, e eu sufoquei outro bocejo. Seus olhos afiados perceberam. "Bella, é manhã de segunda-feira? Como você pode já estar bocejando?" repreendeu. Eu ri e rolei os olhos. "Quando foi a última vez que você dormiu lá Esme?" Eu perguntei, olhando para ela sobre o aro da minha xícara de café. Foi meu terceiro já, eu estaria cruzando em breve. "Oh menina, faz um bom tempo. Talvez um ano atrás? Carlisle estava fora da cidade e eu ainda tinha algumas coisas lá, inclusive uma cama. Às vezes eu ia lá se eu estivesse trabalhando até tarde eu fosse ficar na cidade durante a noite. Por que você pergunta?" "Você ouviu alguma coisa do apartamento ao lado?"
  22. 22. "Não, não, eu acho que não. Como o quê?" "Hmm, só ruídos? Ruídos na noite?" "Não quando eu estava lá. Eu não sei quem mora lá agora, mas acho que alguém que apenas recentemente se mudou e nunca o conheci, o que você ouviu?" Eu corei furiosamente, e tomei um gole do meu café. "Ruídos no meio da noite Bella? Sério? Você ouviu alguém fazendo sexo?" ela empurrou, e eu bati minha cabeça na mesa. Sem mais batidas. Olhei para ela, e ela teve a cabeça jogada para trás no riso. "Aw Jesus Bella, eu não tinha idéia! O vizinho passado eu me lembro que vivia lá estava em seus 80 anos e o único ruído que eu já ouvi vindo de seu quarto foi reprises de Gunsmoke*. Pensando bem, eu podia ouvir sua TV notavelmente bem..." ela sumiu. *Gunsmoke é um marco na história da TV americana, já que foi o segundo seriado mais longo de todos os tempos (Sendo superado apenas por Os Simpsons). "Sim, bem, Gunsmoke não é o que está vindo através daquelas paredes agora, o sexo está chegando por essas paredes. E não quero dizer que é um sexo doce e chato... quero dizer... interessante", sorri. "O que você ouviu?" ela perguntou, seus olhos se iluminando. Não importa se você está velho, ou como você está, há duas verdades universais. Nós sempre rimos... ahem ... se gases quando eles acontecem na hora errada, e nós sempre estamos curiosas sobre o que acontece nos quartos de outros povos. E eu odeio piadas de banheiro.
  23. 23. "Esme, sério... foi como nada que eu já ouvi antes! Na primeira noite, minha cama estava sendo empurrada. Fiquei na moldura da porta como uma tola, pensando que era um terremoto!" Seus olhos se arregalaram, e ela se inclinou para frente em minha mesa. "Sério!" "Eu não agüentei e finalmente voltei para a cama, e então ouvi... Jesus... eu ouvi tapas" Eu estava conversando sobre tapas com a minha chefa. Você vê por que eu amava a minha vida? "Nãooo," ela respirou, e riu como uma colegial. "Simmm. E fez a minha cama se mexer Esme, ela se mexeu! Eu vi na manhã seguinte, quando a Surrada estava saindo. E o mesmo na noite passada", "Duas noites seguidas! A Surrada levou uma surra novamente?" "Oh não, a noite passada eu fui incomodada por uma aberração da natureza que tenho chamado de Purina," eu continuei, revivendo a noite em minha mente. "Purina? Eu não entendi..." ela franziu o cenho. "A Russa que miava na noite passada" Ela riu novamente, fazendo com que Tyler, lá da contabilidade, enfiasse a cabeça na porta.
  24. 24. "O que essas duas galinhas estão cacarejando por aqui?" perguntou ele, sacudindo a cabeça para nós. "Nada", nós respondemos ao mesmo tempo, e então nos viramos novamente. "Duas mulheres, duas noites. Uau, você sabe o nome dele?" "Eu sei na verdade, porque a Surrada e a Purina gritavam mais e mais novamente. Eu pude ouvir isso em meio as batidas na parede. Seu nome é Edward. Bate parede estúpido..." Murmurei. Ela ficou em silêncio por um momento, e então ela sorriu. "Edward Bate Parede, eu amei!" "Sim, você o ama. Você não teve o seu gato tentando acasalar com a Purina através da parede na noite passada," Eu ri tristemente, e coloquei minha cabeça sobre a mesa, enquanto continuamos a rir. "Ok, eu espero que você acolha os novos clientes hoje, quando os Black chegarem para se encontrar com você?" ela finalmente disse, enxugando as lágrimas dos seus olhos. "Ah, o Sr. e a Sra. Black virão aqui. Eu tenho a apresentação dos planos e tudo pronto para eles. Eu acho que eles vão realmente gostar da maneira como eu redesenhei o quarto deles. Nós vamos ser capazes de oferecer um banheiro, sala de estar e closet totalmente novos. É muito bom". "Eu acredito em você, você pode repassar suas idéias comigo as 11?" "Sim, estou focada nisso", eu respondi quando ela fez seu caminho em direção à porta.
  25. 25. "Você sabe Bella, se você conseguir os ter como clientes, isto seria muito bom para esta empresa", disse ela com cuidado, olhando-me sobre seus óculos de tartaruga. "Esme, espere até ver o que eu criei para o novo home theater deles". "Eles não têm um home theater". "Eles vão querer um quando eu fizer a minha apresentação", eu disse, arqueando as sobrancelhas e sorrindo diabolicamente para ela. "Legal", ela avaliou, e deixou-me para começar o seu dia. Olhei para o bloco de notas em frente a mim onde eu tinha rabiscado as palavras Edward Bate Parede. "Bate Parede", eu disse em minha respiração, e as risquei. Passei a manhã colocando os toques finais na minha apresentação para mostrá-la a Esme. Eu estava animada para me encontrar com os Black hoje, pois eles eram um casal interessante. Jessica Stanley Black era rica. Antigos ricos de San Francisco, desde antes do grande terremoto. A debutante e formada em Vassar*, ela se virou contra toda sua família quando ela se casou com Jacob Black. Ele era um jovem empresário arrivista que agora possui uma das maiores cadeias de lojas de peças de automóveis na Costa Oeste. *Vassar College é uma das mais antigas, tradicionais e renomadas instituições privadas mista de ensino e de artes, de alto nível dos Estados Unidos. Os rumores em torno da cidade que tinha sido que o Sr. Stanley tinha ficado muito chateado, inicialmente, por seu casamento ser com alguém que era menos do que um cheio de sangue azul. Mas com o passar do tempo, Jacob Black foi aceito dentro dos círculos da sociedade da velha San Francisco, bem como qualquer pessoa que tivesse dinheiro também poderia. Jessica poderia ter voltado ao antigo modelo e se transformado em outra dona de casa aborrecida insípida, mas o casal era agora uma potência. Eles estavam fortemente envolvidos em
  26. 26. instituições de caridade e filantropia, e eram conhecidos especificamente por seu trabalho com a LNP (Lobos do Noroeste do Pacífico). Alice tinha feito algum trabalho para eles quando se mudaram para sua nova casa em Nob Hill no ano passado. Ela ajudou Jessica a organizar sua cozinha e seu escritório. Eles se mantiveram em contato e quando chegou a hora de refazer o seu quarto principal, Alice os colocou em contato comigo. Fiquei emocionada ao começar a trabalhar com eles, e mediante a apresentação de hoje estaria tudo bem. Eu coloquei meus patos em uma fileira, arrumei meu cabelo, e quando ouvi a minha assistente me chamando da recepção, eu coloquei minha cara de jogadora. "Fantástico Bella, simplesmente fantástico", Jessica jorrou enquanto eu caminhava até ela e seu marido na porta da frente. Tínhamos passado quase duas horas vendo os planos de remodelação, e embora houvesse alguns pontos-chave que tínhamos comprometido ia ser um projeto excitante. Jacob e Jessica era um casal muito legal, e tivemos um bom tempo conversando sobre o que eles queriam fazer. "Então, você acha que é a designer certa para nós?" Jacob perguntou, seus profundos olhos castanhos cintilaram para mim enquanto ele embrulhava o braço em volta da cintura da esposa. "Você que tem que saber" Eu brinquei de volta, sorrindo para os dois. "Eu acho que nós gostaríamos de trabalhar com você neste projeto", Jessica sorriu quando nós apertamos as mãos. Eu internamente dei as mãos com meu maldito ego, mas mantive meu rosto composto. "Excelente. Vou estar em contato muito em breve e nós podemos marcar um horário", eu respondi enquanto eu segurava a porta para eles. Eu estava na porta, quando eu acenei, e depois voltei para dentro. Eu deixei a porta fechar atrás
  27. 27. de mim, e olhei para Leah, nossa recepcionista. Ela ergueu as sobrancelhas para mim, e eu levantei meu braços. "Então?", perguntou ela. "Oh yeah, contratada", eu suspirei, e ambas gritamos. Esme estava descendo as escadas quando estávamos dançando em torno e ela parou. "Que diabos aconteceu aqui?" ela perguntou, sorrindo para nós. "Bella foi contratada pelos Black!" Leah gritou novamente, elevando sua voz tão alta que os cães da vizinhança em breve começariam a contribuir com a conversa. "Legal", ela elogiou e se aproximou de mim para um abraço rápido. "Estou orgulhosa de você, garota", ela sussurrou em meu ouvido, e eu sorri de alegria. Eu sorri loucamente. Dancei de volta ao meu escritório, colocando um pequeno solavanco quando eu fiz o meu caminho perto do Running Man* perto da mesa. *Ela se refere ao DVD do Running Man (O sobrevivente) é um filme estadunidense de 1987 do gênero ficção científica. Roteiro de Steven E. de Souza, vagamente baseado na novela do mesmo nome de Stephen King. Sentei-me, rodei na minha cadeira e olhei para a baía. Bem jogado Bella, bem jogado eu pensei para mim e sorriu. Naquela noite eu saí para tomar uns cocktails com Rose e Alice e posso ter bebido mais de uma ou até cinco margaritas. Era necessário, eu estava comemorando. Eu continuei com as tequilas,
  28. 28. e ainda lambendo o sal não existente no interior do meu pulso, enquanto Alice e Rose levaram- me a minha escada. "Rose, você é tão bonita... você sabe disso certo?" Eu arrulhei, inclinando-me sobre Rose enquanto nós rastejávamos até as escadas. "Sim, Bella, eu sou bonita. Boa compreensão sobre o óbvio," ela disse enquanto revirava os olhos. Alice riu, e eu virei para ela. "E você Alice, você é minha melhor amiga. E você é tão pequena! Eu poderia levar você comigo no meu bolso", eu ria enquanto eu tentava encontrar meu bolso. "Nós deveríamos ter cortado a bebida dela depois que a guacamole acabou, ela nunca mais terá permissão para beber de novo se não houver mais comida", ela murmurou quando ela me arrastou até os últimos degraus. "Não fale sobre mim como se eu não estivesse aqui", queixei-me, tirando o meu casaco e, puxando minha camisa junto. "Ok Shelby, mas não vamos ficar peladas aqui no corredor hein?" Rose atirou de volta, pegando as chaves da minha bolsa e abrindo a minha porta. Tentei beijar Rose na bochecha, e ela me empurrou. "Você cheira a tequila e repressão sexual Bella, me solta", ela riu e abriu a minha porta. Quando fizemos o nosso caminho de volta para o quarto, avistei Clive no peitoril da janela. "Ei você aí Clive. Como está meu grande menino?" Eu cantei para ele. Ele olhou para mim, e se afastou em direção a sala. Ele desaprovou o meu consumo de álcool. Eu dei língua para ele, e fiz meu caminho de volta para o quarto. Eu desabei sobre a cama, e avistei as minhas meninas
  29. 29. na porta. Elas estavam rolando os olhos de um jeito você-está-bebada-e-nós-não-então-te- julgamos. "Não ajam todas superiores e poderosas senhoras, eu vi vocês beberem mais do que isso em muitas ocasiões", eu murmurei, minha calça foi no caminho da minha blusa. Pergunte-me como eu me mantive em meus calcanhares, eu nunca serei capaz de lhes dizer. As duas se apoderaram de ambos os lados do meu edredom, e puxaram-no para baixo. Eu fiquei debaixo das cobertas e olhei para elas, espiando de volta para fora. Elas me cobriram tão bem que o que estava ressaltando eram meus olhos e meu cabelo bagunçado. "Porque esse quarto está girando, o que diabos vocês fizeram com o apartamento da Esme? Ela vai me matar se eu ferrar seu apartamento alugado!" Eu chorei, gemendo enquanto eu observava o movimento em torno do quarto. "O quarto não está girando Swan, sossegue," Alice riu, sentando ao meu lado e atirando um braço em volta do meu ombro. "E essas batidas, que porra são essas batidas?" Sussurrei na axila de Alice, que eu cheirei e depois elogiei a escolha do desodorante. "Nada tem nada batendo. Jesus, você deve ter começado a beber antes de chegarmos lá!" Rose exclamou, se sentando no final da cama. "Não Rose, estou aqui também. Você não consegue ouvir?" Alice disse em voz baixa. Rose estava calma e nós três ouvimos tão cuidadosamente como podíamos. Houve uma batida distinta e, em seguida um gemido inconfundível. "A gatinha está de volta. Vocês estão prestes a conhecer o Bate Parede," eu disse, e me coloquei de volta contra os travesseiros.
  30. 30. Os olhos de Rose e Alice cresceram de largura na minha declaração, mas ficamos quietas. Seria a Surrada? Seria Purina? Antecipando a última, Clive havia andado pelo quarto e pulado na cama. Ele estava olhando para a parede, com extrema atenção. Nós quatro nos sentamos e esperamos. Eu mal posso descrever ao que nos submetemos neste momento. "Oh Deus..." Thump. "Oh Deus..." Thump Thump. Alice e Rose olharam para Clive e eu. Nós dois apenas sorrimos. Um sorriso lento apareceu no rosto de Rose quando ela percebeu o que estávamos ouvindo. Eu estava mais interessada no que eu ouvia da voz que vinha através da parede. A voz era diferente, o tom era mais baixo, e o sotaque era diferente. Essa não era Surrada ou Purina... "Olá tutor, me dê esse seu pau!" Huh??
  31. 31. "O Senhor te ama meu bem!" Ah caramba... era britânica. "Gordon Bennett!* Você é muito bom!" * Uma exclamação britânica de confusão. Eles dizem isso quando desejam expressar surpresa, incredulidade, ou exasperação. Não, não era uma greve, ela era Londrina*. *Cockney, natural de Londres, londrino. Nós três ficamos quietas até que ouvimos a imoralidade acontecendo ao lado. Clive, percebendo rapidamente que sua amada não estava fazendo uma aparição, bateu em retirada apressado de volta para a cozinha. "Que diabos é isso?" Alice sussurrou, os olhos tão grandes como tortas de maçã. "Esta é a merda que eu tenho escutado nas últimas duas noites, vocês não tem idéia", eu rosnei, ainda sentindo os efeitos da tequila. "Eliza Doolittle* está se acabando assim nas ultimas duas noites?" Rose gritou, batendo a mão sobre sua boca quando ouvimos mais palavras indecifráveis através da parede. *Nome do personagem do filme Minha Bela Dama de 1964. O filme conta a história de Eliza Doolittle, uma mendiga que vende flores pelas ruas escuras de Londres em busca de uns trocados. Em uma dessas rotineiras noites, Eliza conhece um culto professor de fonética Henry Higgins e sua incrível capacidade de descobrir muito sobre as pessoas apenas através de seus sotaques. Quando ouve o horrível sotaque de Eliza, aposta com o amigo Hugh Pickering, que é capaz de transformar uma simples vendedora de flores numa dama da alta sociedade, num espaço de seis meses.
  32. 32. "Oh diabo, não, esta noite é a primeira dela, tive o prazer de estar em sua estréia. A primeira noite foi a Surrada, ela foi uma menina desobediente demais e precisava ser punida. E a noite passada Clive conheceu o amor da sua vida quando Purina fez sua estréia." "Por que você a chama de Purina?" "Porque ela fodidamente mia quando ele a faz gozar", disse eu, escondendo-me debaixo das cobertas. O zumbido estava começando a desaparecer, e eu estava começando a sentir a falta de sono que eu vinha experimentando desde que me mudei para este antro de devassidão. As duas puxaram o cobertor do meu rosto quando a garota gritou "Dispare minha rolha!*" *É uma expressão usada por cowboys em cima do touro. Como se estivesse incitando o animal. Em inglês seria ‘Pop my cork!’ "O cara ao lado pode fazer uma mulher miar?" Rose perguntou, levantando uma sobrancelha. "Aparentemente sim," Eu ri, sentindo a primeira onda de náusea começar a passar por mim. "O que ela está dizendo, alguém tem idéia do que ela está dizendo?" Alice perguntou ao quarto. "Nenhum indício do caralho, apesar de eu assumir que ela está se divertindo. Quem é Gordon Bennett?" perguntou Rose. "Você ainda não viu esse cara?" Alice perguntou, ainda olhando para a parede. "Não. Meu olho mágico está começando a falhar, embora." "Fico feliz em ver que pelo menos um orifício está recebendo algo por aqui", murmurou Rose, e eu olhei para ela.
  33. 33. "Encantada Rose, encantada. Eu vi a parte traseira de sua cabeça, e é isso aí", respondi, sentando-me. "Uau, três meninas em poucas noites. Isso é algum tipo de resistência", disse Alice, ainda olhando com espanto para a parede. "Pois bem, essa merda do Bate Parede está prestes a me fazer derrubar alguém se essa merda continuar. Eu não consigo nem dormir à noite!" Eu gemi enquanto eu ouvia os rosnados e gemidos dele. "Por que você o chama de Bate Parede?" Rose perguntou, e eu levantei a minha mão. "Espere por favor", eu disse, e então ele começou a arrastar a cama. A parede começou a tremer com a bater constante, e os gritos da mulher estavam cada vez mais altos. Rose e Alice pareciam maravilhadas, enquanto eu apenas balançava minha cabeça. Eu podia ouvir Edward gemendo, e sabia que ele estava chegando perto. Seus sons foram rapidamente abafados por sua amiga. "É isso aí, me faça gozar tutor, não se segure? Bem ai, caramba sim, aí Eddie! Gordon Bennett é isso!" E com um ultimo estrondo, e um último caramba, o silêncio caiu sobre a terra. Rose e Alice se entreolharam, e Rose disse: "Santo..." "Porra..." Alice respondeu.
  34. 34. "Merda", disseram elas em conjunto. "E é por isso que o nome dele é Edward Bate Parede" Enquanto nós três nos recuperamos da Londrina*, Clive se jogou no canto como uma bola de algodão. Londrina, eu acho que te odeio mais do que tudo... Capítulo 4 – Uma sorte no regresso para casa As semanas seguintes foram abençoadamente silenciosas. Nenhuma batida na parede, nem gatas miando, nem apanhando, e nem falando com sotaque inglês. Embora reconheça que Clive se sentiu um pouco abandonado ao longo do tempo, todo o resto em todo o apartamento estava bem. Eu finalmente conheci alguns dos meus vizinhos, incluindo um casal muito legal que morava no apartamento abaixo de mim. Felix e Demetri trabalhavam com importação e exportação, e nós descobrimos que na verdade conhecíamos muitas pessoas em comum de dentro do mundo do design. Eles eram realmente doces, e viviam no edifício há quase tanto tempo como Esme tinha vivido. Eles se lembravam dela quando ela era uma jovem arrivista designer, todos os mijo e vinagre, e que prazer ouvir as histórias de seus dias de gata infernal, antes de ela conhecer Carlisle e acabar se domesticando. Eles também deram um pequeno insight sobre o meu ruidoso, e ainda misterioso, vizinho. Eu não tinha ouvido ou visto Edward desde a noite passada com a Londrina, e enquanto eu estava grata pelas noites de sono perfeito, eu admito que eu estava curiosa para saber onde ele se meteu. Felix e Demetri estavam muito contentes em me encher de detalhes. Eles estavam juntos há tanto tempo, eles eram o tipo de casal que termina a frase um do outro. Eles eram uma piada. "Querida, espere até ver o nosso querido Edward, que espécime é aquele menino!" Felix exclamou em uma noite de coquetéis em seu apartamento. Eu tinha começado o hábito de após o trabalho nas sextas-feiras parar para tomar bebidas com eles e descobri que realmente eu ficava ansiosa para visitá-los. "Oh sim, ele é excelente! Se eu fosse alguns anos mais jovem", Demetri guinchou dramaticamente, se abanando enquanto Felix o olhava por cima do seu Bloody Mary*.
  35. 35. * Bloody Mary (em inglês "Maria, a sanguinária", em referência à rainha Maria I da Inglaterra) é um coquetel feito com vodca, suco de tomate, suco de limão, sal, molho inglês, tabasco e pimenta. "Se você fosse alguns anos mais jovem, você faria o quê? Por favor, você nunca teria conseguido nada de Edward, ele é filé, quando se refere ao amor, você e eu somos os rolinhos de bifes." "Você sabe", gargalhou Demetri, sugando incisivamente o seu talo de aipo. "Senhores, por favor, me falem sobre esse cara. Admito, após o show que ele deu no mês passado, eu estou um pouco intrigada para encontrar o homem por trás do harém." Eu tinha desembuchado e dito a eles sobre suas travessuras da noite depois de perceber que se eu não falasse as sujeiras, eles não retribuiriam. Eles se agarravam a cada palavra como um garoto gordo em um buffet. Eu disse a eles sobre as senhoras que ele fez o doce amor, e eles preencheram um pouco mais do branco. Edward era um fotógrafo freelancer*, que viajava por todo o mundo. Eles adivinharam que ele estava atualmente em serviço, o que explica o bom sono que eu estava tendo. Edward trabalhava com atribuições para a Discovery Channel, a Sociedade Cousteau, National Geographic**, etc. Ele ganhou prêmios por seu trabalho, e até mesmo passou algum tempo cobrindo a guerra no Iraque há alguns anos atrás. Ele sempre deixava seu carro para trás quando ele estava viajando, um velho Range Rover preto, um de verdade. Como do tipo que você encontra no mato na África, o tipo sem capota. O tipo que pessoas dirigiam antes dos mauricinhos resolverem usar. *Freelancer: em tradução literal, autônomo. É o termo inglês para denominar o profissional autônomo, que se auto-emprega em diferentes empresas ou, ainda, guia seus trabalhos por projetos, captando e atendendo seus clientes de forma independente. **Todos Canais de TV a cabo. Ele era da área da baía, educado em Stanford. Entre o que Felix e Demetri me disseram sobre o carro, o trabalho e a Casa Internacional do Orgasmo do outro lado da parede, eu estava começando a juntar um perfil deste homem que eu ainda tinha que ver. E estava ficando cada vez mais intrigada a cada dia. Na frente de trabalho, as coisas estavam indo muito bem. Nós estávamos no bom caminho na casa dos Black, criamos uma suíte máster totalmente nova. Tínhamos encontrado um monte de espaço extra por derrubar uma parede entre o quarto principal e um quarto pequeno. Remover
  36. 36. uma outra parede e consolidar um armário também nos deu espaço suficiente para o dobro do tamanho do banheiro as suíte máster, adicionamos uma suíte a sala de estar, e fizemos o fluxo no espaço inteiro. Alice veio trabalhar comigo alguns dias, enquanto estava no processo de concepção de um sistema novo de armários para ambos, Jacob e Jessica. Jessica trabalhava em casa na maior parte do tempo e, normalmente, se juntava a nós para o almoço. Ela era sagaz, e eu me vi olhando para o tempo que passei com ela. Às vezes, o marido dela se juntava a nós, e um dia nós quatro realmente paramos de trabalhar cedo para beber Martinis no telhado. Eles eram um grande casal, e eu estava curtindo os novos amigos que encontrei em meus clientes. Uma tarde, eu trouxe um monte de amostras de telha para ela escolher as cores e uma amostra do chuveiro e da pia. Os Black’s me deram uma chave para que eu pudesse entrar, e eu encontrei Jessica na cozinha. Ela estava sentada na ilha, a cabeça nas mãos. "Oi?" Eu perguntei, a sala estava muito silenciosa. Ela se levantou, e acidentalmente derrubou seu copo de água no chão, o quebrando em pedaços. "Merda!" ela chorou e ajoelhou-se para começar a pegar cacos de vidro. "Hey, hey calma. Me deixe te ajudar", corri, e me ajoelhei ao lado dela. Ela estava chorando, e eu podia ver que ela estava tentando esconder suas lágrimas. "Ei, o que houve?" Perguntei gentilmente, colocando minha mão em seu joelho. Ela parou de pegar o vidro e caiu no chão. As lágrimas corriam pelo seu rosto inchado. "Eu sinto muito Bella. Estou tão envergonhada." "Por quê? Você deveria ver as coisas que se quebram em uma base diária. Eu mesma quebrei algo seu outro dia, eu não lhe disse," Eu ri, tentando fazê-la sorrir. Ela riu um pouco, e exalou forte, enxugando o rosto com a costa da mão. "Me desculpe por isso. Você me pegou de surpresa. Você já teve um daqueles dias em que você sabe que vai acabar com algo quebrado?", perguntou ela, quando nós nos levantamos do chão. Ela puxou uma vassoura da despensa, e eu segurei a pá de lixo, enquanto ela varria. "Sim, o tempo todo. Quer falar sobre isso?" Eu perguntei, olhando para ela. "Eh, é apenas uma daquelas coisas. Queremos ter crianças, não podemos ter filhos, isso é horrível", ela disse com naturalidade, pegando a pá de mim e despejando os cacos de vidro no lixo. Eu fiquei lá, não completamente certa do que dizer.
  37. 37. "Desculpe, eu sei que não é o que você quer ouvir hoje, Bella. Recebi algumas notícias hoje que eu sabia que aconteceriam, mas isso não as torna mais fáceis, sabe?" "Está bem, você quer um chá?" Eu perguntei, indo até onde eu sabia que era a chaleira. "Por que todos fazer um chá quando as pessoas estão chateadas?", perguntou ela, rindo um pouco quando ela se sentou. Coloquei a chaleira de volta para baixo, e levantei uma sobrancelha para ela. "Bloody Mary?" Eu perguntei, sorrindo um pouco. "É 1h30 da tarde Miss Thing*", ela repreendeu, mas parecia interessada. *Termo homossexual para alguém que “se acha alguma coisa” e pensa que está acima das pessoas. Em português seria algo como “Dona Coisa”. "Oh diabo, você está me pagando para estar aqui, você que manda." "É verdade, Bloody Mary para todos", ela riu e puxou o Stoli* do congelador. *Stolichnaya é uma marca de vodca russa pertencente ao grupo Pernod Ricard. Nós rimos enquanto fazíamos as bebidas, e passamos à tarde agradável de modo atrevido enquanto nós falávamos sobre livros de design e escolhíamos telhas. Conversamos sobre como ela tentou, e descobri que o casal vinha tentando engravidar a quase dois anos. Jessica já tinha tido três abortos, e eles estavam se consultando com um especialista em fertilidade. A notícia tinha sido confirmada hoje sobre o que ela pensava o tempo todo, só que as crianças não estariam vindo para eles. Ela contou sua história ao longo da tarde e eu ouvi e falei quando necessário. Quando Jacob chegou a casa, nós dois estávamos sentadas no chão da sala rindo histericamente. "Bem Senhoras, vejo que vocês mataram à tarde", ele riu, tirando o casaco enquanto caminhava dentro. "Matamos totalmente querido, mas conseguimos escolher os azulejos!" Jessica gritou do chão, lutando para levantar-se e tropeçou no chão com ele. "Que diabos você fez com a minha mulher?" Ele sorriu quando a pegou antes que ela escorregasse e caísse. "Ela era o barman, eu só a acompanhei", eu ri, vendo os dois. Ele tinha seu corpo enorme dobrado solidamente ao seu lado, e ela tinha os braços em torno dele. Senti uma pontada de
  38. 38. inveja passar por mim quando ele empurrou seus cabelos para trás de seu rosto e sorriu para ela. Eles pareciam perfeitamente adequados para o outro. "Ok crianças, eu vou pegar a estrada. Vou parar até amanhã e me certificar de que nós não escolhemos coisas terríveis hoje sob a influência de Mr.&Mrs. T*", brinquei no meu caminho em direção à porta. Jessica me pegou pela mão, e apertou. *Oh yeah... ela se refere a tequila "Obrigada Bella", ela sorriu para mim, e eu sorri de volta. "Absolutamente", eu respondi, e caminhei em direção à porta. Jacob me seguiu para fora depois de beijar a esposa na testa. "Você quer que eu chame um táxi?" ele perguntou, olhando-me cuidadosamente. "Nah, é uma noite linda. Vou caminhar um pouco, eu pego um teleférico* se eu ficar cansada", eu respondi. *Teleférico: é o nosso famoso bondinho, aqui no Brasil. Um dos mais conhecidos é o do Pão- de-Açúcar, no Rio de Janeiro. Ele ficou em silêncio por um momento, olhando para a noite de São Francisco da varanda da frente. "Ela teve uma má notícia hoje, não é?" ele perguntou baixinho, com os olhos tristes. Ele quebrou meu coração nesse segundo, seu amor por ela era tão palpável. "Vá tomar seu café, ela vai ficar bem," eu respondi, batendo em seu ombro. Ele sorriu e acenou com a cabeça bem. "Tchau Bella", ele gritou para mim enquanto eu descia os degraus da varanda. "Tchau Jake", eu respondi, e comecei a andar para casa. Gostei da minha caminhada, e mesmo que ela tenha sido um pouco longa, o passeio me deixou sóbria. Quando eu dobrei a esquina do meu apartamento, eu notei que a Range Rover não estava em seu lugar habitual atrás do edifício. O que significava que ele estava fora e próximo. Edward estava de volta a São Francisco. Os próximos dias foram tranqüilos. Eu trabalhei, eu andei, eu Clivei*. Eu saí com minhas amigas, eu fiz um pão de abobrinha mortal na minha bem agora nova Kitchenaid, e passei
  39. 39. algum tempo pesquisando minhas férias. Todos os anos, eu tirava uma semana e ia totalmente sozinha a algum lugar. Em algum lugar aleatório e emocionante para mim, e eu sempre fui sozinha. Um ano eu passei uma semana caminhando em Yosemite**. Um ano eu fui fazer trilha através de uma floresta tropical na Costa Rica. Em outro ano eu passei uma semana mergulhando ao largo da costa de Belize. E neste ano, eu não tinha certeza de onde eu pretendia ir. Ir para a Europa estava ficando proibitivamente caro nesta economia, de modo que não ia dar. Eu estava pensando em uma viagem ao Peru. Eu sempre quis conhecer Machu Picchu. O outro destino na lista curta era o Alaska, e passar uma semana acampando no Parque Nacional Denali***. Eu tinha muito tempo para decidir, mas eu freqüentemente constatei que metade da diversão era decidir onde eu queria passar minhas férias. *Ok, ela se refere a ter passado um tempo com o seu gato... Clive. =p **Yosemite: é um parque nacional, localizado nas montanhas das serras de N evada, e tem basicamente muita vegetação e cachoeira. Foi considerado patrimônio da humanidade em 1984. Lá está a Yosemite Falls, maior queda d’água dos EUA. ***Parque Nacional Denali: fica nos EUA, no estado do Alaska. Lá é onde fica o Monte McKinley, o ponto mais alto da América do Norte. Também passei uma quantidade excessiva de tempo no meu olho mágico. Sim, é verdade. Sempre que ouvia sua porta fechar, eu realmente corria para minha porta. Clive olhava com um sorriso, ele sabia exatamente o que eu estava fazendo. Não pense que eu não percebia como suas orelhas se animavam toda vez que ele ouvia passos subindo as escadas. Gato esperto. Eu ainda não tinha visto o BateParede. Um dia cheguei à janelinha a tempo para vê-lo entrando em seu apartamento, mas tudo que eu pude ver foi uma camiseta preta e uma confusão de cabelos. Parecia ser de cor de cobre, mas eu tinha certeza de que era apenas a luz no corredor. Quem realmente tinha cabelos cor de cobre? Outra vez eu vi a Range Rover estacionando, bem quando eu estava chegando à esquina do meu caminho de casa ao trabalho. Ele ia passar pela direita, e quando eu estava prestes a virar para ele, para ver realmente o homem por trás do BateParede, eu tropecei e caí e me esborrachei de bunda na calçada. Felizmente Felix me viu e me ajudou, meu ego ficou ferido, e minha bunda machucada pelo concreto e precisei de um Bactine* com um uísque. * Anti-séptico, um anestésico local produzido pela Bayer. Mas tudo estava calmo durante a noite. Eu sabia que ele estava em casa, e eu podia ouvi-lo ocasionalmente. A perna da cadeira se deslocando pelo chão, um riso silencioso ou dois. Mas nem batidas na parede, nem harém.
  40. 40. Uma noite, eu fui recebida com um concerto improvisado, quando eu adormeci ouvindo a melodia de Duke Ellington e Glenn Miller* através das paredes. Meu avô costumava tocar seus discos antigos à noite, e era reconfortante ouvir, assim que eu adormeci Clive se enrolou ao meu lado. *Ambos são cantores, compositores e pianistas famosos de jazz nos EUA. A sensação de calma e tranqüilidade era boa demais para durar, e o BateParede voltou forte e orgulhoso algumas noites mais tarde. Em primeiro lugar, suportei mais uma rodada com a Surrada. Ela tinha sido mais uma vez uma menina muito má, e certamente mereceu a surra que recebeu retumbante. A surra que durou quase meia hora, e acabou com as chamadas de "É isso Paizão, ai, Deus, sim, ai!" antes que as paredes começassem a tremer realmente. Deixei que a noite acabasse, rolando os olhos e ficando cada vez mais frustrada enquanto a noite continuava. Na manhã seguinte, no meu momento no olho mágico, vi a Surrada sair e dei uma boa olhada nela. Rosto rosado e brilhante, era um uma menina pequena com quadris e coxas delineadas, e carregava um lixo enorme no tronco. Ela era baixa, muito baixa, como Alice era baixa, e um pouco gorda. Ela ficou na ponta dos pés quando ela deu um beijo de adeus no BateParede, e eu perdi de vê-lo enquanto eu a assisti na ponta dos pés. Fiquei maravilhada com o seu gosto por mulheres, era o total oposto do que eu tinha visto na Purina, que parecia uma modelo. Prevendo que Purina seria a próxima na lista, na noite seguinte dei a Clive uma tigela cheia de catnip* e uma tigela de atum. Minha esperança era que eu poderia deixá-lo um pouco perdido e dormisse antes que a ação começasse. Isso teve o efeito oposto, o meu menino estava pronto para a festa quando as primeiras estirpes de Purina vieram gritando através das paredes de cerca de 1h15 da manhã. * CatNip é uma planta, considerada erva medicinal e aromática, que pode ser traduzida como a Erva do Gato Se Clive pudesse ter colocado um mini smoking, ele teria. Ele espreitava da sala, andando para trás e para frente na frente da parede, pulando e arranhando. Quando Purina começou seus miaus porém, ele não se conteve e lançou-se na parede. Ele saltou da cabeceira para a prateleira da cômoda, nas almofadas e até mesmo escalou uma lâmpada para se aproximar de sua amada. Quando ele percebeu que nunca seria capaz de se enterrar sob o gesso, ele fez uma serenata para ela com algum tipo estranho de Gato Barry White*, seus miaus e seus uivos combinaram uns aos outros em intensidade. Quando as paredes começaram a tremer, e Edward estava a fazendo gozar, fiquei estupefata com a forma como eles poderiam manter o controle e o foco com as
  41. 41. batidas que estavam acontecendo. Claramente, se podíamos ouvi-los, eles devem ter sido capazes de ouvir Clive gritando a noite toda. Embora, se eu estivesse espetada no Maravilhoso Pau do BateParede, imagino que eu pudesse me concentrar também... *Barry White foi um cantor norte-americano. Ele ficou conhecido por seus inúmeros sucessos, mas o cara arrasava mesmo com baladas românticas. A Bella quis dizer que o gato dela estava numa versão Barry White, ou seja, que ele estava cantando canções de amor. Mais tarde naquela noite eles foram para a segunda rodada, e cada vez que ela dizia "Da!" Eu respondia de volta em uma voz entediada. Eu estava cansada, eu estava com tesão, sem orgasmos a vista, e meu gato tinha um contonete engasgado em sua boca que parecia assustadoramente como um cigarro minúsculo. Na manhã seguinte, eu arrastei minha bunda perseguidora de vizinhos para o olho mágico para outra rodada de Assistindo o Harém, e fui recompensada nesta manhã com um breve perfil lateral de Edward enquanto ele se inclinava para dar um beijo de adeus em Purina. Foi rápido, mas tudo que eu vi foi sua mandíbula. A mandíbula era forte. A mandíbula era definida. A mandíbula era boa. Ele tinha a mandíbula grande... A melhor coisa nesse dia foi a visão da mandíbula. O resto do dia foi uma merda. Primeiro, houve um problema com o empreiteiro geral da casa dos Black. Parece que ele não tinha apenas tomado pausas para o almoço extremamente longas, ele estava realmente queimando um em seu sótão todos os dias. O terceiro andar inteiro de sua casa cheirava a um concerto de Dead*. *Per Yngve Ohlin era mais conhecido como "Dead", foi vocalista da banda Mayhem. Era um homem alto, magro e de pele muito branca, que por vezes até parecia azul. Maquilhava-se como um cadáver (dead, que significa morto.) até durante os ensaios da banda. Em seguida, um palet inteiro de azulejos para o chão do banheiro veio rachado e trincado. A quantidade de tempo que ia levar para outra encomenda chegar ao local e redefinir todo o projeto de novo, duraria pelo menos mais duas semanas, não deixando qualquer possibilidade de
  42. 42. terminar a tempo. Qualquer construção importante ocorre com a data de término do projeto e é sempre um tempo estimado de conclusão. No entanto, eu nunca tinha perdido um prazo. Eu sempre fui capaz de concluir os meus projetos na hora, e este seria um trabalho de alto nível, isso me deixou muito estressada para perceber que não havia nada que eu pudesse fazer além de voar para a Itália e trazer de volta aqueles azulejos malditos por mim mesma. Eu tive um almoço tardio com Rose naquele dia, a encontrei no nosso lugar favorito, Harvest and Roe*. Era perto do centro de design, e eles faziam a melhor salada da cidade. Nós pedíamos pra viagem normalmente, mas desde que nós chegamos lá em torno de 2:30, ficamos ali. *Restaurante de comida japonesa . Está situado em São Francisco "Então, qual é a mais recente sobre o BateParede, ele trouxe para casa qualquer outra cigana? Ou uma dançarina argentina?", perguntou ela, quando ela mordeu um pedaço de aipo. "Oh Deus. As coisas ficaram em silêncio por um tempo, mas agora os orgasmos começaram, novamente, o tempo inteiro. Embora ele pareça ficar com suas galinhas regulares. Londrina não fez uma aparição, mas eu estou apenas esperando isso em qualquer dia agora. Eu mesmo assisti Mary Poppins* na outra noite se preparando para o ataque", eu suspirei, cavando através da minha salada para chegar a todas as coisas boas da parte inferior. Por que eu ainda me incomodava em pedir com alface, quando claramente tudo o que eu queria era o abacate e queijo parmesão? E os croutons. E o palmito. E o... *Mary Poppins: é um filme estadunidense de 1964, do gênero fantasia musical, dirigido por Robert Stevenson, baseado em livro de Pamela Lyndon Travers e produzido pelos Estúdios Disney. Este filme ocupa a 6ª colocação na Lista dos 25 maiores Musicais Americanos de todos os tempos. "Hey, já colocou os olhos nele. Você o conheceu?" Rose interrompeu meu devaneio com a salada. "Nope. Embora eu finalmente tenha dado uma pequena espiada nele esta manhã quando Purina estava se despedindo dele", eu respondi, chupando um pedaço de alcachofra. "E?"
  43. 43. "Eu só vi seu perfil, mas o maxilar era muito lindo", eu respondi, pensando na maneira como ele o apertou quando ele se inclinou para beijar seu adeus em sua gatinha russa. Bebi minha Pellegrino* pensando nesta manhã. *Agua mineral gaseificada italiana. "Bella Swan, olhe para esse rubor", ela riu, e eu olhei para o meu guardanapo. "Cale-se", eu insisti, sentindo meu rosto ficar ainda mais quente. "Você tem uma queda por seu vizinho mulherengo que você nem sequer viu ainda! Tão completamente fodida", brincou ela. "Sério, cale a sua boca bonita. Tudo o que eu vi foi o lado do seu rosto, quem sabe como o outro lado parece. Isso pode ser uma situação ridícula, sabe" Eu fiz uma careta, não acreditando nisso por um segundo. O mesmo Deus que deu a este indivíduo o poder de fazer uma mulher miar também é o mesmo Deus que o fez pecaminosamente bonito. "Claro, claro, independentemente disso Swan. Você está tão ferrada." Depois do almoço eu fiz meu caminho de volta ao trabalho, parando em na loja para olhar algumas botas novas. Eu tinha feito planos com um amigo que conheci de Berkeley para caminharmos ao longo da Marina do pontal neste fim de semana. Eu estava checando os modelos diferentes, quando senti uma respiração quente no meu ouvido que eu instintivamente me encolhi. "Ei, você," eu ouvi, e eu congelei em terror. Flashbacks derramaram sobre mim, e vi manchas. Eu senti frio e calor ao mesmo tempo, e minha visão oscilou de dentro para fora. A única experiência mais aterrorizante da minha vida passou diante dos meus olhos, e eu os fechei tentando parar o ataque de imagens que ameaçavam me fazer desmaiar. Eu me virei e vi...
  44. 44. Mike Newton Maldito. Eu posso ter vomitado um pouco na minha boca. "Bella Swan, olhando bem a vizinhança", ele cantava, canalizando seu Tom Jones* interior. Engoli de volta a bile, e me esforcei para manter a compostura. * Tom Jones, nascido Thomas Jones Woodward, é um cantor de música pop do País de Gales. "Mike, bom vê-lo. Como está?" Eu consegui. "Não posso reclamar, apenas trabalhando com turismo para idosos. Como você está? Como está o negócio de decoração?" "O negócio de Design, e está bom. Na verdade, eu estava no meu caminho de volta ao trabalho, então você vai me desculpar", eu gaguejei, começando a o empurrar e passar por ele. "Ei, sem pressa coisa bonita. Será que você quer comprar esses sapatos? Eu posso te dar um desconto, como é que cinco por cento soa para você?" disse ele. Se fosse possível ele soar arrogante, ele o fez. "Uau, cinco por cento. Tanto quanto isso parece bom, eu vou passar", eu ri. "Então Bella, quando posso vê-la novamente? Naquela noite, porra. Foi muito foda né?" Ele piscou, e minha pele me pediu para rasgá-la de meu corpo e jogá-la em cima dele. "Não. Não Mike. E inferno não." Eu saí, a bile subindo de novo. Flashes de dentro e fora e dentro e fora e dentro e fora. Minha perseguida estava começando a gritar por sua própria defesa. Concedido, nós duas não estávamos em condições de grandes palavras depois, mas mesmo assim eu sabia o meu medo era de minha perseguida ser submetida a essa lebre novamente. Não sob meus olhos.
  45. 45. "Oh, vamos, baby, vamos fazer alguma mágica de novo", ele balbuciou. Inclinou-se, e eu poderia dizer que ele comeu salsicha no almoço. "Mike, você deve saber que estou prestes a vomitar nos seus sapatos, então se afaste", Ele empalideceu e recuou. "E eu prefiro costurar minha cabeça em um tapete do que fazer alguma mágica com você novamente. Você e eu e o desconto de cinco por cento, não vai acontecer. Bye bye agora," eu disse com os dentes cerrados, e me virei saindo da loja. Minha perseguida quebrada e eu caminhamos de volta ao trabalho, raivosas e sozinhas. Sem azulejos, sem sapatos, sem homens, e sem o O. Filho da puta. Passei a noite no sofá, assustada. Eu não atendi ao telefone. Eu não fiz o jantar. Eu comi tailandês da caixinha e rosnei de volta para Clive quando ele tentou roubar um camarão. Ele babou até a mesa e me olhou de baixo da cadeira. Eu disse a ele que se lascasse. Eu assisti A Condessa Descalça*. Que normalmente me animava. Hoje à noite eu a vi fazer Sopa de Cebola francesa e, em seguida, foi à praia para almoçar com Jeffrey. Normalmente, ver os dois me deixava animada e excitada. Eles eram tão bonitos. Hoje à noite eles me deram náuseas. Eu queria ficar sentada na praia de South Hampton, enrolada em um cobertor comer sopa com Jeffrey. Bem, não Jeffrey em si, mas um equivalente a Jeffrey. Meu próprio Jeffrey. * Barefoot Contessa, no Brasil, A Condessa Descalça, é um filme ítalo-estadunidense de 1954 escrito e dirigido por Joseph L. Mankiewicz, com diálogos em inglês, espanhol e italiano. Conta o auge e a decadência de Maria Vargas, uma estrela de cinema. Foda-se Jeffrey. Foda-se A Condessa Descalça. Foda-se a noite solitária. Ouvi passos na escada, dois pares. Eu estava muito irritada para me arrastar para o olho mágico. Quando eu não ouvi nada por um tempo, eu respirei um suspiro de alívio. Eu não estava com disposição para qualquer parede batendo esta noite.
  46. 46. Poucas horas depois, eu arrastei meu corpo triste de volta para o meu quarto. Fui vestir meu pijama, e percebi que não tinha pegado nenhuma roupa. Fiz uma busca na minha gaveta de pijamas, à procura de algo, qualquer coisa. Eu tinha muito pijamas sexys e pequenos, desde o dia em que eu e o O estávamos na mesma página. Eu resmunguei e me irritei e, finalmente, puxei um baby doll rosa para fora. Era com babados e doce, e enquanto eu adorava dormir com uma bela lingerie, agora eu odiava. Era uma lembrança física da minha falta do O. Apesar de fazer um tempo desde que eu tinha tentado entrar em contato com ele. Talvez hoje à noite fosse a noite. Eu certamente estava tensa, e ninguém poderia usar essa versão mais do que eu. Fechei a porta para o Clive. Eu não precisava de ninguém assistindo. Coloquei alguma música, esta noite eu precisava de toda a ajuda que eu poderia receber. Escolhi INXS*. Michael Hutchence** sempre me seduz. * INXS é uma banda de Rock australiana formada em 1977 por Andrew Farriss, Michael Hutchence, Tim Farriss, Jon Farriss, Garry Gary Beers e Kirk Pengilly. **Participa da Banda INXS. Eu subi na cama, arrumando as almofadas atrás de mim e deslizando entre os lençóis. Vestindo a camisola minúscula, minhas pernas deslizaram ao longo do algodão fresco. Não há nada como a sensação de pernas depiladas sobre lençóis limpos. Fechei os olhos e tentei retardar a minha respiração. As últimas vezes que eu tinha tentado encontrar o O, eu estava tão completamente frustrada no final que eu estava quase chorando. Hoje à noite, eu comecei com a rodada usual de fantasias. Comecei com um pouco de Catalano, permitindo que as minhas mãos deslizassem sob o fundo da minha camisa e começassem a vir até meus seios. Quando eu pensava em Jordan Catalano*, dando beijos em Angela Chase** no porão da escola, eu imaginava que era eu. Sentia seus beijos espessos e pesados nos meus
  47. 47. lábios, e continuava deslizando as mãos até a minha pele para os meus mamilos. Quando os meus dedos/Jordan começaram a massagear os meus mamilos, eu senti um tremor familiar abaixo da minha barriga, estava ficando quente por toda parte. *Personagem da série ‘My So-Called Life’, no Brasil conhecida como ‘Minha vida de Cão’. Era interpretado por Jared Joseph Leto que é um ator estadunidense e vocalista da banda 30 Seconds to Mars. **Par romântico de Catalano na série. Foi interpretada por Claire Danes. Com meus olhos fechados, a imagem mudou e agora ele era Jason Bourne*/Matt Damon que estava atacando a minha pele. Com nós dois correndo pelo governo, era tudo o que podíamos fazer para ficar ligados. Meus dedos/Jason se arrastaram para baixo levemente em minha barriga, deslizando dentro da minha calcinha levemente. Eu podia sentir que isso estava funcionando, o meu toque estava acordando algo, algo se mexia lá dentro. Engoli em seco ruidosamente quando eu senti como eu estava pronta para Jason, e para Jordan. *Personagem interpretado por Matt Damon no filme A Supremarcia Bourne. Jesus, o pensamento dos dois juntos, trabalhando para trazer de volta o O de fato me fez estremecer. Eu gemi, e depois fui para as grandes armas. Fui para Clooney*. *George Clooney. Flashes de Clooney vieram a mim, quando meus dedos esmiuçavam e giravam, giravam e insultavam. Danny Ocean*... *Personagem principal do Filme Onze Homes de um segredo. Interpretado por George Clooney. George de Fatos da Vida...
  48. 48. E então eu fui para ele. Dr. Ross*. Terceira temporada de ER**, após o corte de cabelo que César tinha corrigido. *Personagem de Clooney na série ER. **ER: No Brasil, Plantão Médico. A série mostra o cotidiano dos médicos e enfermeiras que trabalham numa sala de emergência do County General Hospital, um fictício hospital de Chicago, Illinois. Mmmm... Eu gemi e gemi quando eu pude me sentir ficando mais úmida e pingando. Isso estava funcionando, eu estava realmente ficando muito excitada. Rolei para o meu lado, a mão entre minhas pernas quando eu vi o Dr. Ross ajoelhado diante de mim. Ele lambeu os lábios, e me perguntou quando foi a última vez que alguém me fez gritar. Dr. Ross, você não tem idéia. Faça-me gritar Dr. Ross, me faz gritar. Atrás dos olhos bem fechados, eu o vi inclinando-se para mim, sua boca cada vez mais perto de mim. Ele estava pressionando suavemente os joelhos mais afastados, colocando beijos no interior de cada coxa. Eu podia sentir a sua respiração nas minhas pernas, me fazendo tremer. Sua boca se abriu, e essa língua perfeita do Clooney cintilou para me provar. Thump. "Oh Deus,"
  49. 49. Thump Thump. "Oh Deus," Não. Não. Não! "Mais forte!" Eu não podia acreditar. Até mesmo o Dr. Ross parecia confuso. "É melhorr você me foderr tão forte que eu sinta você em minha garrganta!" Eu gemi quando eu senti o Dr. Ross me deixar. Eu estava molhada, eu estava frustrada, e agora eu odiava Mary Poppins. Não, não me deixe Dr. Ross, não você! "É isso aí! É isso aí! Pooooooorraaaa eu vou!" As paredes começaram a tremer e começaram a bater. É isso aí. Agora eu vou chutar alguns traseiros... Eu saltei para os meus pés, O Catalano, o Bourne e o sempre amado Clooney desapareceram em nuvens de fumaça carregadas de testosterona.
  50. 50. Eu joguei as cobertas e sai do meu quarto. Clive começou a censurar-me por fechar a porta para ele, mas quando viu a minha cara, ele sabiamente me deixou passar. Eu bati a minha porta da frente, meus saltos batendo no chão de madeira. Eu estava além de irritada. Eu estava louca. Eu estava tão perto. A Londrina pagaria com seu sangue. Com o sangue real de preferência. Abri a porta com a força de uns mil O´s irritados, ficaria sem isso por séculos. Atravessei o corredor rapidamente, e comecei a bater na porta. Bati duro e forte, como Clooney iria bater em mim. Bati de novo e de novo, nunca cedendo, nunca desistindo. Eu podia ouvir os pés batendo na direção da porta, mas eu ainda não desisti. Eu continuei a bater e bater, a frustração do dia e da semana e os meses sem o O desencadeando-se num discurso sexual do tipo que nunca ninguém tinha visto. Ouvi o barulho da fechadura e da corrente se desfazendo, mas eu ainda bati. Eu comecei a gritar. "Abra essa porta seu idiota filho da puta ou eu vou derrubar essa parede!" "Acalme-se, pare de bater..." Eu ouvi Edward dizer que do outro lado da porta. Boa escolha das palavras. A porta se abriu e eu olhei. Lá estava ele. Edward BateParede. Sua silhueta brilhava pela luz suave de trás, uma mão estava na porta. A outra mão estava segurando um lençol branco ao redor de sua cintura. Olhei para ele de cima para baixo, a minha mão ainda no ar e em um punho cerrado. Minha mão estava pulsando por bater tão forte.
  51. 51. Seu cabelo estava todo arrepiado, provavelmente das mãos da Londrina sendo enterradas quando ele se chocava contra ela. Seus olhos eram verdes em chamas, as maçãs do seu rosto eram tão forte como a mandíbula. Lábios inchados de beijos, e o que parecia ser um pescoço firme. Jesus, tinha o pescoço. Como eu tinha perdido isso esta manhã? Olhei para baixo de seu corpo longo e magro. Ele estava com a respiração pesada, e seu peito subia e descia com sua respiração ofegante e pesada. Sua pele estava revestida de um brilho fino de suor do sexo e, quando meus olhos viajaram mais para baixo, vi que ele tinha um punhado de cabelos cor acaju abaixo de seu torso, indo para baixo do lençol. Abaixo do V sexy. Ele era impressionante. Claro que ele era impressionante. E por que tinha aquele pescoço? Eu, inadvertidamente, engoli em seco quando o meu olhar foi mais longe do que eu tinha inicialmente previsto. Meus olhos foram atraídos, como um ímã, cada vez mais pra baixo. Abaixo do lençol, que já estava abaixo dos quadris, pelo que deveria ser ilegal. Capítulo 5 Moça com a cabeça giratória EPOV "Oh Deus". Thump "Oh Deus". Thump Thump Ela estava ao meu redor. Eu podia sentir suas costas arquearem debaixo de mim e seus seios se apertarem contra meu peito, chegando a cumprir o meu impulso cada vez. Seus pés estavam envoltos solidamente em torno de mim, escavando seus saltos nas costas das minhas coxas. Isso
  52. 52. encheu todos os meus sentidos. Seu toque, sua pele deslizando sob a minha, quente e escorregadia do suor delineando suas curvas. Seu perfume, aquele perfume feminino secreto que eu conhecia, foi arrebatando e enchendo em torno de nós. O seu gosto ainda estava preso na minha língua, doce e salgado e feminino. Seu rosto abaixo de mim era lindo. Não havia nada mais incrível no meu mundo do que a visão de uma mulher se desfazendo. Ver esta mulher forte, pouco antes de ela gozar e saber que eu tinha feito isso a ela era uma visão que eu nunca poderia viver sem. Seus sons? Bem, ela era única... "É isso aí! É isso aí! Pooooooorraaaa eu vou!" Eu sorri silenciosamente quando a ouvi. Ela era uma mulher única, e nunca se arrependia. Eu me dirigi nela forte, rápido e furioso. Levei o meu prazer, ela tomou o dela, sentindo sua vinda ao meu redor. Ela gritou por seu orgasmo, lutando debaixo de mim. Eu estava perto, eu podia sentir a construção crescer em baixo, muito em baixo. Encontrei os olhos dela, e ela piscou para mim. Ela sempre era tão calma e tão doce depois que ela vinha, mas continuei a cumprir a minha ferocidade e me dirigi para minha própria libertação. Levantei-me quando ela embrulhou as pernas mais firmemente em torno de mim. Suas mãos correram pelas minhas costas que eu agarrei na cabeceira da cama de ferro, dando-me força de alavancar enquanto eu me pressionava em seu corpo mais plenamente. Eu balançava para trás e para frente sobre ela, olhando para ela enquanto eu sentia os gemidos deixando meus lábios enquanto eu continuava a entrar. Tão perto... Tão fodidamente perto... BANG BANG BANG
  53. 53. Que porra é essa? Eu gelei, perigosamente perto de gozar, mas em um silêncio chocado. BANG BANG BANG Eu olhei para baixo quando nos entreolhamos. Ela encolheu os ombros, e armei uma sobrancelha para ela. "Você de repente tem um marido ciumento que eu não conheço?" Eu perguntei. Ela revirou os olhos pra mim. Relutantemente, eu lentamente deslizei para fora dela, me sentindo estremecer quando eu a deixei em protesto e o meu próprio pênis sentia a ausência da menina. Ele acenou com raiva no ar, e queria mergulhar de novo dentro dela. Eu sabia como ele se sentia. Eu andei em direção à porta, envolvendo o lençol que havia caído no chão ao redor da minha cintura. Olhei por cima do ombro para a cama, onde uma mulher linda acenou levemente para mim, quando ela se virou, mostrando-me o seu traseiro. Jesus... Eu suspirei e comecei a fazer o meu caminho em direção a porta da frente. Quem estava lá agora batendo sem parar, não parava nunca. Eu considerei brevemente agarrar o atiçador da lareira para trazer comigo, mas decidi contra isso. Comecei a desfazer as trancas, e estava prestes a escorregar a corrente para fora, quando ouvi gritos de uma mulher feroz. "Abra essa porta seu idiota filho da puta ou eu vou derrubar a parede!" Oh pelo amor de tudo que é sagrado... "Acalme-se, pare de bater", eu murmurei, quando ela continuou seu ataque na porta. Eu balancei a porta aberta e olhei para o rosto de uma mulher raivosa. Sua mão ainda estava no ar, em um punho cerrado, enquanto ela continuava a bater, mesmo que a porta tivesse sido removida do seu caminho.
  54. 54. Ela estava respirando com dificuldade, o peito arfante quando ela me olhou de cima para baixo. Pousei uma mão sobre a porta enquanto eu olhava para ela. Vi ser rosto descer, olhando para meu corpo sem nenhum sinal de modéstia. Eu observei que a porta do apartamento em frente ao corredor estava aberta, e um gato estava espreitando pela porta com curiosidade. Hmmm, nova vizinha. Enquanto seus olhos estavam para baixo, eu aproveitei a oportunidade para avaliar bem ela. Seu cabelo estava sujo e amarrotado, especialmente na parte traseira. O rubor estava forte em seu rosto, e se espalhava pelo seu pescoço. Foi quando eu percebi. Rosa... Camisola Rosa... Camisola Rosa Linda... Jesus, por que é que tinha que ser rosa? Ouvi seu leve suspiro, e eu vi que ela estava me olhando. Meu pau ainda estava duro, e agora, inexplicavelmente estava se esticando para ela. Eu sorri levemente, e quando os olhos dela viajaram de volta até encontrar os meus, eu esperei que ela falasse. Pensando bem... eu podia ter feito algo sem que ela falasse. Ela tinha uma boca assim... "Você é um idiota." "Não, você é uma idiota!" "Eu? Você é um idiota total!" Suspirei e olhei para meus dois amigos, provocando uns aos outros como alunos da quarta série.
  55. 55. Eu peguei meu equipamento e joguei-o na parte de trás da Rover. "Meninas, vocês duas são bonitas. Agora, entrem no carro antes que eu os deixe aqui para lutar", eu gemi docemente enquanto Jasper e Emmett tomaram a última cerveja da geleira. Observando enquanto os dois continuavam a confusão, cheguei sobre o banco de trás até a segunda geleira bem onde eu tinha escondido, e joguei uma Killian* fria ao alcance de Emmett. *Marca de cerveja "Bom Masen, muito bom", ele assobiou apreciativo e agarrou a cerveja, deixando a Jasper sem motivos para brigar. Eu balancei e rolei meus olhos para os dois e depois comecei a tirar minha roupa molhada. Windsurf* na baía nos fins de semana tinha sido algo de nós três vínhamos fazendo desde a faculdade, quando o tempo permitia. Hoje era um bom dia para estar na água fria e clara. De volta à praia, a brisa não era tão forte e quando o sol bateu ficou finalmente quente o suficiente para começar a tirar as roupas molhadas que eram absolutamente necessárias, quando estávamos na água. * O windsurf, windsurfe ou prancha à vela é uma modalidade olímpica de vela. É praticado com uma prancha idêntica à prancha de surf e com uma vela entre 2 e 5 metros de altura e consiste em planar sobre a água utilizando a força do vento. Como os outros dois continuaram... bem... conversando, logo estávamos todos empoleirados no pára-choque de trás do Range Rover assistindo a outros surfistas na água e aproveitando o dia. Com todas as viagens que havia feito recentemente, era raro um dia em que nós três podíamos ficar juntos. Normalmente quando eu estava na cidade íamos de cabeça para fora da cidade ou assistíamos a um jogo. Emmett era um esportista local afiliado da NBC*, e sempre conseguia para nós grandes assentos para o Giants ou os 49ers*. *NBC é o estádio da Baía que eles moram, os Giants são os 49ers são os times principais. Enquanto nós estávamos ficando mais confortáveis, um grupo de meninas se instalou em um cobertor nas proximidades. Nós todos fizemos como todos os homens. Nós cobiçamos. Quando eles se recuperaram, Jasper trouxe de volta a nossa atenção à nossa conversa, quando ele me perguntou como tinha sido minha última tarefa.
  56. 56. "Foi bom, ótimo clima e tirei todas as fotos que eu precisava", eu respondi. Eu tinha retornado recentemente de uma viagem de Galápagos*. Sendo um fotógrafo muito procurado por ser especializado em destinos exóticos e estudos em animais é possível para eu escolher as missões que eu esteja realmente interessado e quando a Discovery Channel, com quem eu tinha beneficiado de uma grande relação de trabalho por anos, me chamou e me pediu para participar de um estudo sobre os efeitos do Eco-turismo em um lugar como Galápagos, eu saltei na possibilidade. * As Galápagos (ou Arquipélago de Colombo) formam um grupo de 58 ilhas, das quais apenas quatro são habitadas, situadas no Oceano Pacífico, Equador. Eu tinha estado lá uma vez antes, trabalhando na série Planeta Azul e eu estava ansioso para voltar. Locais como esse, onde a natureza estava perto o suficiente para chegar e tocar faziam do meu trabalho o melhor emprego do mundo. Na minha humilde opinião. "Então você cavalgou sobre as tartarugas?" Emmett perguntou, inclinando para trás a sua cerveja e drenando a metade da lata em um único gole. Jasper e eu zombamos dele, seus olhos se arregalaram olhando para nós. "Não é um parque temático seu burro, você não monta nas tartarugas. E elas são tartaruga, não cágados", eu brinquei com ele, depositando de volta a minha própria cerveja. "As tartarugas e os cágados têm umas conchas do caralho! E eu sei que eu tenho fotos de pessoas andando por aí sobre elas para esfregar em você Masen", ele disparou de volta. Ele se levantou para se esticar e ouvi o grupo de meninas suspirar um pouco. Ele havia sido reconhecido. Emmett era um homem de perfil muito elevado sobre a cidade. Estar na TV todas as noites definitivamente tinha suas vantagens quando se tratava de encontros. Ele ainda tinha sido o linebacker* na Universidade de Stanford, e ele tinha muita atenção do sexo oposto. Ele era sutil em sua abordagem, mas letal quando ele cercava uma fêmea. * Um Linebacker (LB) é uma posição do futebol americano e canadense. Eles se posicionam atras da linha de defesa do time. O objetivo do Linebacker é defender contra passes curtos, e atacar o atacante do adversário. "As duas espécies são muito diferentes, você deve tentar assistir um dos especiais que o Eddie aqui já trabalhou de vez em quando", Jasper chiou, levantando-se bem e atirando um olhar na direção das Folias de Praia*. Eu observava Jasper e suas maneiras de interceptação com as

×