Processo evolutivo e diversidade

2.284 visualizações

Publicada em

Biologia - Processo Evolutivo e Diversidade

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.284
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Processo evolutivo e diversidade

  1. 1. Lamarck Lamarck, através de suas observações, propõe o lamarckismo, hipótese que fundamenta-se em duas premissas, sendo elas a lei do uso e desuso e a lei da herança dos caracteres adquiridos. A primeira defende a teoria de que os órgãos utilizados pelo indivíduo com maior frequência se desenvolvem mais, e aqueles pouco utilizados tendem-se a atrofiar. A segunda teoria diz que todas as características adquiridas pelo indivíduo são transmitidas para os seus descendentes.
  2. 2. CharlesDarwin Darwin, por sua vez, propôs teorias evolucionistas mais contundentes, dando origem ao darwinismo. As principais teorias darwinistas são: reprodução, que defende que todas as espécies são capazes de se reproduzir, e seus descendentes têm igual dever de se reproduzirem também; hereditariedade, em que, todas as espécies têm que apresentar características daqueles que lhe deram origem; variação, uma forma genética de permitir a diversidade da espécie; seleção natural, em que os indivíduos são selecionados pelo ambiente. Tais teorias são amplamente aceitas e Darwin hoje é um dos expoentes da biologia evolutiva.
  3. 3. Posteriormente surge o Neodarwinismo, ou Teoria Moderna da Evolução proposta por vários pesquisadores com base nas teorias darwinistas, englobando conceitos não só evolucionistas como também genéticos. A biologia evolutiva surge e se consolida através de perguntas, dúvidas relacionadas à evolução das espécies. Os estudos em evolução foram largamente repelidos pela Igreja, que acredita na teoria criacionista, ou seja, tendo Deus como criador de tudo o que existe, confronto entre ciência e religião que permeia até nos dias de hoje. Atualmente, mesmo com a gama de pesquisas desenvolvidas para sanar tais dúvidas, muitas perguntas ainda carecem de resposta, e que, se respondidas muito contribuíram para o entendimento da vida no Terra.
  4. 4. Às classificações da diversidade humana, baseadas na morfologia física e no conceito de raça, sobrepunham-se igualmente aspectos do comportamento e formas de pensar e sentir (aspectos sócio-culturais). O evolucionismo darwinista inspirara, inicialmente, uma hierarquização da diversidade humana e das “raças” em que a raça “branca” estaria no ápice da escala de evolução, devido à sua “superioridade” tecnológica e, acreditava-se, moral (etnocentrismo evolucionista que, na antropologia social ou cultural, teve também grande influência).
  5. 5. Não obstante, com a influência do evolucionismo darwinista e da biologia experimental do início do século XX, as classificações da antropologia física passaram, das características morfológicas à inclusão de parâmetros mais profundos da biologia humana, como os grupos sanguíneos; as características da hereditariedade genética; da estatística, com as seqüências médias de caracteres genéticos e da teoria da probabilidade.
  6. 6. A associação entre a antropologia biológica e a genética faz parte deste movimento que aprofundou o olhar científico da morfologia para as moléculas e que, segundo Ventura dos Santos, consistiu em um movimento metodológico significativo, designado como a “segunda revolução darwinista”. A associação entre antropologia e genética faz parte deste movimento metodológico. Os antropólogos físicos, atualmente, buscam mais medir a distribuição de certas substâncias no sangue; a pressão sanguínea e de seqüências genéticas específicas em determinados grupos humanos. Os estudos da antropologia física estariam assim, mais próximos dos estudos arqueológicos; médicos e genéticos, voltados, no contexto do processo saúde-doença, para as interações adaptativas entre a biologia humana e o meio-ambiente natural e sócio-cultural. Para uma revisão crítica e síntese dos rumos da Antropologia Física atual, ver Gould (1991).
  7. 7. A genética, aprofundando mais o enfoque metodológico, ganhou um estatuto que passou de disciplina puramente científica para a de técnica, com a engenharia genética. É particularmente decisivo para as questões atuais sobre a diversidade humana, na bioética e na antropologia social, o emprego da engenharia genética, o decifrar da cadeia de DNA humano, e a ênfase no “genoma”. A “Nova Genética”, fruto das revisões críticas pós-modernas, define-se enquanto técnica terapêutico- preventiva de doenças herdadas e como uma engenharia. Este assunto será reelaborado no próximo item, sobre a Diversidade Cultural. Para uma crítica atual das questões ligadas às implicações sócio-culturais e políticas da Nova Genética, cf. Petersen e Bunton, 2002.

×