<ul><li>Neste trabalho vamos falar substancialmente sobre Religião. Vamos também discutir diferentes teorias e argumentos,...
<ul><li>Religião </li></ul><ul><li>  Religare   ou  Relegere   </li></ul><ul><li>(voltar a juntar;  unir)  (respeitar;  pr...
<ul><li>Albert Einstein afirma que podemos conceber a religião, ou seja, explicar o porquê da sua existência, de  três for...
<ul><li>Trata-se de movimentos e actos extremistas levados a cabo em nome de certa religião. Um fundamentalista acredita n...
<ul><li>Sagrado : </li></ul><ul><li>Plano ou dimensão de realidade para além do sensível ( o sobrenatural) </li></ul><ul><...
<ul><li>Dimensão pessoal </li></ul><ul><li>de carácter intimista, baseia-se nas orações que cada um formula </li></ul><ul>...
<ul><li>Numa tentativa de dar resposta às questões “Para que vivemos?” ou “Qual o valor da vida?”, deparamo-nos com duas r...
<ul><li>Razão : é a faculdade que nos permite investigar e explicar os fenómenos através do uso de sistemas lógicos e disc...
<ul><li>Argumentos a favor da existência de Deus  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><u...
<ul><li>O problema da existência de Deus afecta a forma como orientamos a nossa vida e também como a interpretamos.  Desta...
<ul><li>Kant verificou que os argumentos tradicionais acerca da existência de Deus não apresentam provas lógicas sobre ela...
<ul><li>O Cristianismo é uma religião monoteísta centrada na vida e nos ensinamentos de Jesus de Nazaré, tais como são apr...
<ul><li>A Religião, dada a sua importância à escala mundial e a sua existência em qualquer parte do mundo tem estado, ao l...
<ul><li>Manual adoptado : “Pensar Azul” </li></ul><ul><li>Websites : Wikipédia e Google </li></ul><ul><li>Trabalho realiza...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça, Hugo Almeida e Pedro Faustino do 10ºB

5.490 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.490
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
87
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A religião. Trabalho realizado pelos alunos António Fernandes, Diogo Mendonça, Hugo Almeida e Pedro Faustino do 10ºB

  1. 2. <ul><li>Neste trabalho vamos falar substancialmente sobre Religião. Vamos também discutir diferentes teorias e argumentos, mas também posições relativas de alguns filósofos. </li></ul><ul><li>Serão abordados temas como a questão da existência de Deus e a relação de determinados conceitos, como a fé e a razão. </li></ul><ul><li>Esperamos que apreciem. </li></ul>
  2. 3. <ul><li>Religião </li></ul><ul><li> Religare ou Relegere </li></ul><ul><li>(voltar a juntar; unir) (respeitar; prestar culto) </li></ul><ul><li>Com base nas definições de duas entidades - Cícero (político, filósofo e orador do séc. I a.C.) e Michael Petterson (professor contemporâneo de Filosofia), podemos explicitar o conceito de Religião: </li></ul><ul><li>É o respeito profundo que cada um sente por qualquer ser que disso seja digno, particularmente o divino ou o sagrado. Manifesta-se através de ritos e outras formas tradicionais de prática do culto a tal divindade. Constitui também um conjunto de experiências tanto individuais como colectivas e, consoante a crença, baseia-se num conceito de Realidade Última (uma realidade transcendente) ou insere-se no próprio quotidiano imanando do sensível. </li></ul>
  3. 4. <ul><li>Albert Einstein afirma que podemos conceber a religião, ou seja, explicar o porquê da sua existência, de três formas distintas : </li></ul><ul><li>A religião-temor , quando há a necessidade de compensar as grandes dificuldades da vida a nível mundial, como a fome, a doença, a morte e a guerra; há a esperança de que Deus, com o seu poder, possa remediar a situação ou mudar o rumo dos acontecimentos </li></ul><ul><li>(Kant designa este tipo por religião do simples culto) </li></ul><ul><li>A religião-moral , existe para reforçar os mecanismos de controlo social, aludindo à imagem de Deus como Pai, Legislador e Juíz Supremo e expressa-se através do respeito pelos mandamentos </li></ul><ul><li>A religiosidade-cósmica , baseia-se numa admiração pela majestosidade e grandiosidade da Natureza e da perfeição do seu funcionamento </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Trata-se de movimentos e actos extremistas levados a cabo em nome de certa religião. Um fundamentalista acredita nos seus dogmas como verdade absoluta e indiscutível, sem se submeter ao diálogo. Como exemplos de fundamentalismos religiosos temos, por exemplo: </li></ul><ul><li>o Cristão - criação da Inquisição, tribunal que combatia a heresia na Igreja Católica, isto é, a oposição e pensamento contrário </li></ul><ul><li>o Muçulmano - que se manifesta actualmente com os atentados de bombistas suicidas palestinianos que se fazem explodir em Israel. </li></ul>
  5. 6. <ul><li>Sagrado : </li></ul><ul><li>Plano ou dimensão de realidade para além do sensível ( o sobrenatural) </li></ul><ul><li>Natureza espiritual </li></ul><ul><li>Captável apenas através da experiência religiosa </li></ul><ul><li>Hierofania (manifestação do sobrenatural) </li></ul><ul><li>Experiência que provoca tanto perturbação ou serenidade </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Profano: contrariamente ao sagrado, designa o plano ou dimensão de realidade com o qual lidamos no quotidiano </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Dimensão pessoal </li></ul><ul><li>de carácter intimista, baseia-se nas orações que cada um formula </li></ul><ul><li>Dimensão social </li></ul><ul><li>prática colectiva do culto como, por exemplo, baptizados, peregrinações, etc.. </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Numa tentativa de dar resposta às questões “Para que vivemos?” ou “Qual o valor da vida?”, deparamo-nos com duas respostas possíveis: </li></ul><ul><li>Ainda há experiências religiosas que dão sentido ao mundo </li></ul><ul><li>Segundo estudos efectuados e a própria experiência de vida, a religião tem vindo a mudar a vida de muitas pessoas, que ao seguirem certa religião ou se converterem encontram um novo sentido para a vida, uma outra orientação. Adoptam uma nova forma de encarar a vida e começam a sentir a alegria de viver. De facto, há também estudos realizados por especialistas da mente que afirmam que as pessoas verdadeiramente crentes se defendem melhor das doenças e têm um sistema imunitário mais forte. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>O mundo não tem sentido: o Existencialismo, uma filosofia do absurdo </li></ul><ul><li>Esta resposta baseia-se no que defende o Existencialismo. Assim, a vida não possui por si própria um sentido: as próprias pessoas vão construindo um sentido para as suas vidas. Não é possível uma compreensão racional do Universo e a vida humana encontra-se permanentemente no limiar do absurdo. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Razão : é a faculdade que nos permite investigar e explicar os fenómenos através do uso de sistemas lógicos e discursivos. </li></ul><ul><li>Fé : é a atitude emotiva de aceitação dos mistérios; tem duas vertentes: a) a passiva, que aceita apenas porque se limita a acreditar; </li></ul><ul><li>b)activa, que aceita mas não se limita a acreditar, procurando esclarecer-se. </li></ul><ul><li>A relação entre a fé e a razão sempre foi incompatível ao longo do tempo. Com a fase terminal da idade média e com o início da idade moderna, devido ao aparecimento progressivo de conhecimento, o cristianismo (assim como outras religiões) foi posto em causa e muitas vezes questionado através da razão e do conhecimento racional. </li></ul><ul><li>Assim, a religião nunca aceitou a imposição do conhecimento racional na fé assim como a razão muitas vezes discordava com a religião. Um exemplo é uma frase muito célebre que é “a religião é o ópio do povo”. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Argumentos a favor da existência de Deus </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Cosmológico (ou da Causa Primeira) Teleológico </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>1) Verificamos constantemente que Apoia-se na ideia de que um </li></ul><ul><li>todas as coisas e acontecimentos têm uma objecto construído pelo Homem </li></ul><ul><li>causa, sendo causados por outros acontecimentos (p.e. um relógio) é semelhante </li></ul><ul><li>anteriores; em vários aspectos a um </li></ul><ul><li>2) Como não é possível uma série infinita de objecto natural (como um olho) </li></ul><ul><li>causas, teve de haver uma primeira causa que mas é concebido de forma muito </li></ul><ul><li>iniciou a série de causas e efeitos que deram menos habilidosa, o que apontará </li></ul><ul><li>como resultado o universo tal como o conhecemos para a existência de algo divino </li></ul><ul><li>hoje. tenha criado a Natureza com </li></ul><ul><li>tanta mestria e inteligência. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  10. 11. <ul><li>O problema da existência de Deus afecta a forma como orientamos a nossa vida e também como a interpretamos. Desta questão acerca da existência ou não de uma verdadeira divindade, surgem três doutrinas: </li></ul><ul><li>O Teísmo , que defende a existência de um Deus único que é omnipotente, omnisciente e benevolente, tendo criado o Universo. </li></ul><ul><li>O Ateísmo (ateus) que afirma não haver razões que nos levam a afirmar a existência de Deus, o que leva a exclui-la. </li></ul><ul><li>O Agnosticismo , que não se posiciona nem a favor nem contra, ou seja, considera possível a existência de Deus, mas também que não temos dados suficientes para o provar. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  11. 12. <ul><li>Kant verificou que os argumentos tradicionais acerca da existência de Deus não apresentam provas lógicas sobre ela, ou seja, que não se baseiam em nenhum conhecimento objectivo. Assim, perante a questão “Como será possível o conhecimento da existência de Deus?”, Kant formula o seu argumento: </li></ul><ul><li>Nós, humanos, não podemos ter experiências extra-sensoriais </li></ul><ul><li>Deus, se existir, tem de ter uma natureza extra-sensorial ou extra-fenoménica (para além da experiência sensorial) </li></ul><ul><li>Assim, só podemos conhecer o mundo sensorial e não podemos afirmar que Deus existe </li></ul><ul><li>Mas o facto de não termos uma verdade objectiva acerca desta existência, não significa que não haja uma e que Deus não exista. Por isso, Kant afirma também que embora não conheçamos, podemos agir como se conhecêssemos. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  12. 13. <ul><li>O Cristianismo é uma religião monoteísta centrada na vida e nos ensinamentos de Jesus de Nazaré, tais como são apresentados no Novo Testamento. A fé cristã acredita essencialmente em Jesus como o Cristo, Filho de Deus, Salvador e Senhor. </li></ul><ul><li>Os seguidores do cristianismo acreditam que Jesus seja o Messias profetizado na Bíblia Hebraica. A teologia cristã ortodoxa alega que Jesus teria sofrido, morrido e ressuscitado, de forma a abrir o caminho para o céu aos humanos. Os cristãos acreditam que Jesus teria ascendido aos céus, e na maior parte dos ensinamentos consta que Jesus irá regressar para julgar todos os seres humanos, vivos e mortos, e conceder a imortalidade aos seus seguidores. Jesus também é considerado para os cristãos como modelo de uma vida virtuosa e tanto como o revelador quanto a encarnação de Deus. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  13. 14. <ul><li>A Religião, dada a sua importância à escala mundial e a sua existência em qualquer parte do mundo tem estado, ao longo da História, na origem de um grande número de conflitos. Assim, torna-se pertinente explicar o que significa “lutar em nome de Deus”. Será correcto entrar em excessos em defesa daquilo em que acreditamos? Devemos aceitar a posição dos outros, independentemente de não se regerem pelos mesmos ensinamentos? </li></ul><ul><li>Pretende-se, desde o nascer da Religião, debater sobre aquele que é o maior problema colocado pela humanidade: “Será que existe, realmente, Deus?”. </li></ul><ul><li>É aqui que a Filosofia entra em cena, com a sua habitual procura de respostas, entrando num jogo entre argumentos e posições onde não há vitória prevista. Devemos acreditar pelo facto de acreditar ou devemos, por outro lado, partir em busca de factos que nos permitam dar sentido a essa fé? </li></ul><ul><li>São incontáveis os problemas gerados pelo assunto que abordámos. Como referido anteriormente, “o problema da existência de Deus afecta a forma como orientamos a nossa vida e também como a interpretamos”, o que dependerá daquilo em que cremos e daquilo em que temos fé. </li></ul>
  14. 15. <ul><li>Manual adoptado : “Pensar Azul” </li></ul><ul><li>Websites : Wikipédia e Google </li></ul><ul><li>Trabalho realizado por: </li></ul><ul><li>António Fernandes, nº2 </li></ul><ul><li>Diogo Mendonça, nº7 </li></ul><ul><li>Hugo Almeida, nº12 </li></ul><ul><li>Pedro Delfino, mº25 </li></ul>

×