3920758

103 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
103
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3920758

  1. 1. Memórias. Sonhos. Erros. Escolhas. Cuidado com tudo isso em sua vida. Rótulos, ilusões e superficialidade não movimentam nada. Permita-se... QUEM ABUSA SE LAMBUZA BETHO RAGUSA 2012
  2. 2. Selma (voz gravada): “Quando era pequena minha mãe dizia que eu deveriater paciência e esperar o momento certo para poder me lambuzar com sorvete.Que esse sorvete teria um sabor inigualável. Ao passar do tempo e maiscrescida ela me ensinara que certas coisas só aconteciam na hora certa e melembrava do sorvete que eu iria saborear... Minha mãe morreu e eu melambuzei com todos os sorvetes que a vida poderia ter me dado...E MEPERDI...” QUEM ABUSA SE LAMBUZA Abertura Comprando o que não presta(Selma cruza a platéia com um guarda chuva aberto sem estar chovendo, noveFIGURANTES no palco guardam placas com inscrições que ela irá escolherpara comprar para ela, são elas: MEDO, DÚVIDA, CARÊNCIA, FRAQUEZA,INVEJA, TIMIDEZ, ANSIEDADE, AZAR, PREGUIÇA e INSEGURANÇA elapega e paga todas e guarda dentro de uma bolsa, deixa no lugar palavras dobem como FELICIDADE, AMOR, SEGURANÇA, FORÇA, UNIÃO,DETERMINAÇÃO os FIGURANTES dançam em volta dela enquanto é trocadoo cenário para um pequeno pensionato, onde Selma é recebida com festa porSeu Antonio, Paulo, Maria e Jesuína esta que lhe entrega um presente, porémtodos saem ficando apenas Selma e Seu Antonio no local) Cena 1 ONDE ESTOU? / O QUE VOCÊ CURTE?Antonio: Procurando algo moça?Selma: Aqui é a “Pensão Kennedy” ?Antonio: Exatamente. Com todo respeito, parecia não estar chovendo quandoeu estava lá fora há menos de um minuto. (ela fecha lentamente o guardachuva)Selma: Não o conheço. E desse modo devo ser gentil, mas consciente. (vira-separa ele) Eu vim aqui com o propósito de libertar a mim mesma. Tenho motivosjustos para usar o guarda chuva hoje. Não é a chuva nem o sol. Eu deveriachegar de charrete, na falta dela um ótimo guarda chuva preto resolve oproblema. Existe algo nessa vida que explica muita coisa: a vontade. 2
  3. 3. Antonio: Compreensível... Estou sendo seco para que ninguém perceba quereconheço o olhar de menina sonhadora.Selma (sentando): É estranho. (surgem pessoas estranhas) são hóspedes?Antonio: São suas outras personalidades.Selma: Estamos começando bem...Antonio: Sei como se sente frustrada por quase todas as coisas não saíremcomo você sempre planejou.Selma: Ao meu ver, só as coisas do coração não deram certo. Pessoas queamam o que você tem e o que é por fora, e não valorizam quem você é pordentro. Mesmo que elas queiram amar o seu interior e seu caráter. Estamos abeira de um colapso. Eu não. Eles... Mas isso será resolvido (Selma se levanta)Antonio: Bom, eu estive pouco presente em sua vida. Vou me retirar pois, suahistória continua.Selma: Me perdoe por ter feito tão pouco, e ter recebido muito em troca.Antonio: Haverá tempo para consertar tudo. (sai)(entra a moça da sexualidade, Mia)Mia: Oi, meu nome é Mia. E tenho pouco tempo aqui.Selma: Prazer, meu nome é Selma. (sentam na beira do palco)Mia: Você é a primeira pessoa que me recebe calorosamente. Eu possoassegurar que nunca senti algo tão provido de verdade num sentimento. O quevocê curte?Não estou falando de hobbies, nem diversão ou músicas preferidas é sobresexo mesmo.Selma: Posso devolver a pergunta?Mia: Não. O que você procura?Selma: Não perdi nada que precise ser encontrado. Peço autorização paradevolver a pergunta.Mia: Você é teimosa. Pergunte.Selma: O que curte? O que você procura?Mia: Curto o que você quiser. E procuro alguém que me faça feliz. 3
  4. 4. Selma: Talvez esteja procurando no lugar errado. Ofereço minha amizade. Eagora sim responderei a pergunta. Não te interessa o que curto.Mia: Você feriu meu coração.Selma: Não, eu estou implorando que você acorde para a vida.Mia: Eu gosto de caras malhados que exibem seus músculos usando aquelasregatas grudadas no corpo, sem exageros é claro. Eu acho fantástico malhar ocorpo e emagrecer o cérebro.Selma: Você é maluca.Mia: Olhe para você. Uma mulher que nunca foi amada. Que foi poucodesejada e que agora está a beira da loucura querendo ajudar a si mesma ou aoutrem.Selma: Eu estou fazendo alguma coisa. Não estou aqui pra mim, e sim paraquem me enviou. E minha felicidade está aqui dentro e não em alguém. Mesmotendo todo esse passado que você mencionou (a insegurança). Uma deminhas qualidades é ser sarcástica, é por isso que sou solteira. Mas ainda simestou inteira. E não me vejo recebendo metades.Mia: Você deveria estar presa num sanatório.Selma: E se por acaso você estiver sentindo a coisa certa olhando para o ladoerrado? Reflita.(Mia se levanta chorando e sai, homens encapuzados arrastam Selma para acoxia, enquanto ela se troca usando roupas parecidas com a da Angelina Jolieem Tomb Raider, uma mesa cheia de xícaras de chá e pires com bules emanteiga, leite é posta na mesa ao fundo. Bailarinos enfeitam mais a mesapara dar tempo de Selma ficar pronta, quando Selma entra arrastada peloshomens encapuzados está segurando uma boneca que simboliza sua purezaportanto quando era jovem, pessoas vestidas com diversas roupas compõemuma balada e quando ela é colocada no centro, mostra toda sua timidezquerendo se esconder atrás da boneca. Enquanto está com a boneca ninguémolha para ela, todos são indiferentes. Quando um homem encapuzado retira aboneca dela a força, ela vira a desejada, a poderosa, a sexy. [música: a baladaque me faz poderosa] ao fim da música, a luz muda e Selma cai desacordada.Em seguida entra Eliana)Eliana: Moça? Acorda... Sua criatividade não tem fim?Selma (acordando): Claro que tem. Quando eu morrer. Ah,mas nem assim,pois tudo que é construído sobre uma base sólida, permanece.Eliana: Mas isso é óbvio. (tira uma pequena caixa e dá de presente pra Selma)é pra você. Com carinho...Preciso ir...(sai correndo, a mesa é colocada nafrente e as personalidades de Selma sentam. São elas: o louco, a criativa, o 4
  5. 5. romântico [que dorme], Selma é conduzida até a mesa pelos bailarinos e chegana mesa de chá e vê que estão todos amontoados com vários lugares parasentar e escolhe sentar numa cadeira). Cena 2 UM CHÁ MAIS DO QUE MALUCO / FUTURO ESCOLHIDOTodos: Não tem lugar! Não tem lugar!Selma: Tem muito lugar... Estão brincando é?A criativa: Aqui ninguém brinca em serviço moça.O Louco: Às vezes dormimos em serviço. Mas nada que atrapalhe o curso dascoisas.. Você sempre quis ter direito a um chá digno. Apresento-lhe a criativa eo romântico.Selma: Prazer em conhecê-los.A criativa: Beba um pouco de chá. (Selma olha por entre a mesa e observaque só tem suco de laranja, cerveja, champanhe e whisky)Selma: Eu não vejo nenhum chá.A criativa: Não tem nenhum mesmo. Quem quer chá vai comprar... (todos rieme acordam o romântico) aprenda a nunca depender de alguém.Selma: Não é muito educado oferecer algo que não tem.A criativa: E não é muito educado de sua parte sentar-se sem ser convidada.O Louco: Bem vindo ao nosso chá novamente. Esta frio lá fora... Amor dá sonoou fome?Selma: Comer dá sono e dormir dá fome. O que tem a ver o amor com dormirou ter fome?O romântico: O amor deixa as pessoas no ponto certo. Eu me refiro quandohá o retorno de um amor correspondido na mesma medida. O que muitossonham e poucos sentem. Quem ama e não é correspondido perde a fome, osono.A criativa: Meu amor pelo meu marido nunca acaba. Mas depois de cinquentaanos casados que consegui tirar o vício que ele tinha de roer as unhas.Selma: Que fantástico. Como conseguiu? 5
  6. 6. A criativa: O óbvio. Escondi a dentadura (mostra a dentadura dentro de umbaú, e ao guardar dorme).O Louco: E depois sou eu o louco. (para Selma) você parece estar abatida,anêmica, sem cor. Exausta, ansiosa, tímida e insegura.A criativa: Quanto exagero, ela está apenas curiosa e ansiosa.O Louco: Ou com preguiça. Preguiça é a mãe dos pecados... Preguiça destróitodo o processo das atitudes que você teria para executar.O romântico: Ou simplesmente... Amando alguém... (volta a dormir e cochila).A criativa: Vontade de sorrir um pouco mais. (joga cerveja na cara de oromântico que acorda assustado) e com a camisola do dia ela espera o amadopara se entregar... Ele a deixou por um momento de insegurança...O romântico: Olho no olho. Curtindo o máximo daquela emoção, sentindo asbatidas do seu coração. Era a mais pura realidade...O Louco: Irá despertar a carência em nossa convidada. Vamos mudar deassunto... (a criativa se afoga no vinho e dá um tapa no rosto do romântico) mediga: o lobo mau come de tudo ou só a Chapeuzinho e a Vovó?Selma: Começou a charada... Ninguém sabe a história inteira. Como possoadivinhar?O Louco: Sabe que enfrentará muitas coisas a partir de agora. Suas escolhasrefletirão em seu futuro. Enquanto estamos aqui sendo chamados de loucos,algo está sendo preparado.Selma: Eu estou no lugar que estou pensando estar mesmo ou estou louca?O romântico: Whisky , doze anos.A criativa: Suco, duas horasSelma: Por que duas horas?A criativa: Acabei de colher as laranjas no sítio da vovó.O romântico: Conquistar alma, coração e corpo. Doar-se corpo, mente ecoração...O Louco (para Selma): O que te move? O que te tras aqui hoje? É bom vocêestar sonhando, mas consciente sobre as coisas. O momento certo de parar...Selma: Lembrarei disso. 6
  7. 7. O Louco: Estaremos perto o tempo todo. Basta perceber nossa presença. Equero que saiba o quanto torço por você...O romântico: Paciência seria a palavra. (entrega um saquinho) Ganharam issoem dobro para você. Mas por precaução, aí tem mais.A criativa: Este lugar está cheio de criatividade de todas as formas. Não sei sefico feliz ou se me entristeço. Tantas pessoas lá fora precisando de criatividadee este lugar transbordando...Selma: A culpa não é minha. Bem, eu soube de alguém que tenha estadoperdido e sem forças para lutar. Eu fico ansiosa e em dúvida do que fazer sóde pensar...O Louco: O que tem mais peso, libertar ou ser libertada?Selma: Queria eu ter a chance de alguém me libertar.O Louco: Acabou de ser invejosa. Você usa com maestria aquilo que lhe foidesignado. Seja prudente.Selma: Minha essência prefere ser jogada como alimento a um tubarão do quefazer algo errado. Vejam, ganhei uma caixa (todos riem)O Louco: É uma caixa de fósforos.Selma: Onde vocês veem apenas uma caixa de fósforos eu vejo inúmeraspossibilidades.O Louco: Você tem pouco tempo. A porta principal será aberta edesaparecemos de sua frente num piscar de olhos (as luzes se apagamficando um foco somente em Selma enquanto o cenário da criatividade em altaprotegida pela fera será montado. O cenário estará vazio, porém acendem asluzes e Selma é recebida pelo misterioso homem sorrindo)Selma: Não estou gostando disso.Atalho: O fato de você não gostar de uma coisa já te torna parte dela. (entramdois homens com a placa “FEIO” e “BONITO”) O que te atrai querida, umhomem bonito ou feio?Selma: Bom, só isso é tão superficial. Quem ama o feio, bonito lhe parece...Olhamos para o que é bonito inúmeras vezes mesmo tentando resistir. Emrelação ao que é feio eu tenho feito o contrário do que realmente fazem... (ohomem misterioso troca as placas dos homens sem mostrar os rostos)Atalho: Veja... Novamente temos um bonito e um feio. Escolha um para você eesqueça o resto. Vivencie as escolhas amargas dos outros.Selma: A beleza sempre vem acompanhada com pensamentos obscuros. 7
  8. 8. Atalho: Porque você nega todos os homens?Selma: Porque é minha tarefa.Atalho: Negar todos?Selma: Se é tão esperto, olhe com mais atenção. Eu tenho uma amiga que iriaadorar escolher. Mas estou realmente atrasada para começar... (ele a abraçafervorosamente)Atalho: Tenho tanta raiva quando negam um presente dado com carinho...Selma: Eu tenho medo das pessoas que tem raiva sem motivo sólido.Atalho: É inacreditável como você conduz bem as coisas para que tudo dêcerto. É fantástico. Quase desistiria se fosse outro. (para os homens) Por favorrapazes perfeitos,saiam... (eles se retiram ainda escondendo o rosto nasplacas)Selma: Bem lembrado. Não se apresentou ainda.Atalho: Faço parte de você. De todos. Sou tão fácil de ser aceito. A facilidadeem pessoa. Bom, tenho que dar lugar aos patrocinadores do evento. (entrambailarinos trazendo mesa e duas cadeiras de uma vidente, ela entraengatinhando com uma réstia de alho na boca enquanto o senhor vai paracoxia)Vidente: É minha vez de entrar no recinto, sei que não era esperada (debulhao alho na mesa e começa a fazer o ritual) Seu futuro está chegando...Selma: Você está prevendo meu futuro com duas cabeças de alhodebulhadas?Vidente: Três cabeças de alho. E posso-lhe assegurar. Casarás com um filhoda natureza. Sensível a lua, sensível ao sofrimento e a dor. Um protetor decrianças e idosos. Amante da sabedoria. De caráter nobre. Um tubarão dosmares. Uma fera nas decisões e atitudes. Um guerreiro.Selma: Eu não vou me casar com um homem assim. Mas já sei quem vai...Vidente: Você não. Não é você mesmo. Alguém que você representa.Selma: Isso será bom?Vidente: Bom, os obstáculos são apenas superficiais, passageiros e narealidade peças já foram movidas e o jogo tomou um rumo diferente. Para olado bom é claro. Escolhas certas, no momento certo. Quantas vezes énecessário perder alguém para que esta pessoa perceba que a vida dela évocê? 8
  9. 9. Selma: Depois da terceira vez a pessoa descobre o valor e a delícia que é teralguém.Vidente: Seu otimismo está muito ao seu favor. Mas sabe, é preciso aindaevolução. Precisam aprender a aceitar certas coisas como elas são. Caminhosque deveriam ser seguidos são trocados. São manjares saborosos que sãoapresentados na Terra e são obras da fonte da ilusão. (pisca para ela) se eufosse cega?Selma: Seus outros sentidos seriam mais aguçados.Vidente: Se eu fosse surda e muda?Selma: Seus olhos diriam a verdade duas vezes mais rápido.Vidente: Cuidado com a maneira como você fere alguém. Alguns machucadosnão cicatrizam. E estas cicatrizes tornam a pessoa amarga. Mas, eu tenho osaquinho de açúcar para você adoçar. (entrega)Selma (êxtase): Estou no caminho certo. (fica triste) a vida real é tão semgraça perto disso.Vidente: Me deve um presente. Eu estarei lá quando precisar novamente.Jogue as escolhas erradas, as tentações, a sopa e a máquina parasita tudo nolixo. (se retira)Selma: Sopa, máquina parasita? Eu hen... Cena 3 FAXINA ESTRANHA(Atalho reaparece sorridente, Selma observa ele atentamente e sorri)Selma: Se eu adivinhar quem é você, promete me deixar em paz me ajudandoa continuar?Atalho: E se não adivinhar o que recebo em troca?Selma: Eu abandono minha missão. E deixo você tomar conta de tudo. Do seujeitinho.Atalho: Estou tentado a receber a oferta, mas o que te fez acreditar tanto quesabe meu nome?Selma: Mistura de Intuição feminina, intuição masculina, e outras intuições nãonomeadas em catálogo. 9
  10. 10. Atalho: Eu adoraria ter uma filha com suas características... Eu aceito.Selma: O senhor apareceu sem que eu chamasse... É assim que “ele”aparece...Num estalo (pega na mão dele) Prazer, meu nome é Selma. Eurepresento quem quer que seja com garra mesmo. Eu fico surpresa com suaforma física. Seu nome? ATALHO!Atalho: Oh não.... Como soube? É inadmissível. Alguém te contou...Selma: Desde os tempos mais remotos o senhor acaba com a vida de muitagente. O Lobo Mau come de tudo ou só a Chapeuzinho e a Vovó?Atalho: Não tenho permissão para te responder essa pergunta. Já não bastater descoberto meu nome?Selma: Me desculpe, mas estava bem fácil. Quer saber até que ponto umapessoa vai com suas verdades? Seja verdadeiro com ela. Me deve o abandonoe a ajuda.Atalho: Como sabe que estarei mostrando o caminho correto.?Selma: Você é atalho, não a mentira em pessoa. O que encontrarei por lá?Atalho: A fonte de todo poder de você já imagina quem. Está sendo guardadapela fera da fraqueza e da preguiça. Então terá que alimentá-las levando umpouco de ansiedade (entrega um saquinho) e ofertando três delícias: torta demorango, bolo de chocolate e sorvete. (um bailarino é chamado trazendo asdelícias para Selma que coloca numa bolsa).Selma: Por acaso vou visitar uma criança?Atalho: Não disperse. Uma vez que estiverem distraídas você fará a limpezade tudo que está atrapalhando sua vida, ah você sabe de quem...Selma: Quanto tempo tenho?Atalho: A criatura vai ficar satisfeita por tempo suficiente. Lembre-se que afaxina deve ser objetiva, uma vez retirado, desfaça rapidamente da sujeira.Selma: Não substituo por nada?Atalho: Tem que ser inteligente menina. Hora de mostrar a que você veio.Refaça a trilha ou sua caminhada terá sido uma ilusão... Até uma próximatropeçada.... (Atalho se retira, Selma fica no meio do palco as luzes piscam emudam de cor para a entrada no próximo cenário. Uma bagunça organizadaseria a descrição correta da cena. Figurantes de todos os tamanhos e idadescruzarão a plateia carregando de tudo. Tudo que possa ser carregado por umapessoa só. (jornal, brinquedos, laranjas, telefones, quadros, cestos... o queestiver disponível. A intenção da cena é mostrar coisas que se passam namente de uma pessoa em determinados momentos. Ou a todo tempo. Essa 10
  11. 11. passagem dos figurantes é permanente até acabar a cena. Se precisar elesdesviarão dela trazendo e levando coisas. As coisas deixadas no palco são aslembranças boas e ruins. Os desejos e vontades, os erros de uma vida inteira.Ao fundo há uma mesinha pequena vazia com duas cadeiras onde duascriaturas feias cochilam sempre de costas. A Fraqueza e a Preguiça. Selma selembra que precisa colocar os doces (torta, sorvete e bolo) assim que a cenaestiver pronta e completa Selma inicia a tarefa)Selma: Eu amo tudo que tenho. Eu tenho tudo que amo. (um figurante trás umtubarão de pelúcia e um gato de pelúcia e sai,ela se esbarra num figurante quetrás uma cesta cheia de lembranças ruins e boas. Ela coloca os presentes paraas criaturas cuidadosamente e se retira)Selma: Enquanto algumas coisas nos abre os olhos, outras nos fecham aalma. E de lá para um coração desprevenido. (ela retira um saco grande de lixoe começa a limpar o local recolhendo as seguintes coisas: covardia, erros,teimosias excessivas, descomprometimentos, baratas, tentaçõesdesnecessárias, um prato de sopa, mentiras desnecessárias, o gato de pelúcia,timidez, frustrações, escolhas erradas, uma foto de um gato preto. E o que elaidentificou como sendo a máquina parasita. Então O Louco reaparece)O Louco: Ora veja. Você veio...Selma: Quem são essas pessoas?O Louco: Elas simplesmente aparecem. Como eu...Selma: Bom, se não pode me ajudar. Deixe-me dar atenção as pedras...O Louco: Já me viu descascando laranjas?Selma: Não.O Louco: Então você não sabe que eu não sei descascar batatas.´Selma: O Lobo Mau come de tudo ou só a Chapeuzinho e a Vovó?O Louco: Não serei eu que darei essa resposta para você. (Selma entrega osaco de lixo a ele que se retira)Selma (avista um bilhete dobrado e pega para ler e rasga em seguida, umfigurante tras papel e caneta, Selma escreverá “assim como a lua está para anoite, eu estou aqui para você. Com você ou sozinho. É alguém assim quevocê deseja” e coloca o bilhete no local)A criativa (entrando): Você é muito mais útil pra mim quando me critica do quequando me elogia. Eu sei que você não esperava esse elogio.Selma: Quem não ajuda deveria no mínimo tentar não atrapalhar... Está vendoque estou tentando deixar este local limpo? 11
  12. 12. A criativa: Deixe o “ying e yang” bem no meio. (a Fraqueza parece estaracordando, A Criativa abraça Selma) fique em silêncio,reflita os erros(a criaturase aproxima fareja e fica em dúvida,volta para a mesa e come um pedaço dobolo voltando a dormir em seguida) seu tempo está esgotando. Eu lhe trouxecoisas para você substituir rapidamente use-as! (Selma ganha de Criativaplacas com as palavras: força, dedicação, foco, determinação, paciência,franqueza, amor, conquistador, vitorioso, ela coloca e logo figurantes começama andar com as placas e um deles também pega o símbolo de ying e yang, aatividade cerebral recomeça forte, a luz vai diminuindo) Cena 4 MISSÃO CUMPRIDA(Selma é recebida por Romântico)Selma: Claro, faltava você...Romântico: Não se preocupe, está acabando... Desistir é também uma provade que não amou. E só percebe o quanto é importante não desistir, quem amade verdade. Ficar sozinho não é algo estranho para mim. Sempre fui sozinho.Caminhei sozinho, conquistei muitas coisas sozinho. Vi eclipses solares elunares sozinho. Estrelas cadentes. Eu estava sozinho. Desejei tanto que nãoestivesse...Selma: Não se preocupe, não seremos decepcionados. Nem por ele e nem porninguém. (Romântico começa a se afastar) mas já vai?Romântico: Está feito. Seus desejos se forem executados com meta e foco serealizarão. Cruzará com pessoas que se importam e muito sobre o que vocêpensa delas. Eu excluí seus favoritos e suas indecências. Última chance paramostrar o amor, que eu sei que ele existe. (sai)Selma: Não entendi...( a luz apaga e é montado o cenário do hospício, Selmaestá amarrada numa camisa de força, deitada na cama e há também umarmário onde seja possível duas pessoas ficarem atrás sem serem vistas pelaplatéia, ela fala ainda dormindo como se fosse um sonho) consumida por meusdesejos e delírios,esperando o dia amanhecer para que eu possa acreditar queé possível recomeçar mais uma vez... (acorda) Mas o que é isso? Sabe quemsou? Meu nome é Selma! Me desamarre agora. Onde estou? Porque estouamarrada aqui?Enfermeira: Você não se chama Selma. Isso aqui é um hospital psiquiátrico.Ainda delirando... Espero que tenha dormido bem... Apesar de estar amarradae em jejum forçado por dois dias. A cama pelo menos é confortável. 12
  13. 13. Selma: Idiota. Isto não é uma cama e sim uma terminação nervosa. E você éuma célula muito sem vergonha. Sabe aquele dia que você acorda com asensação de que não é a mesma pessoa de ontem?Enfermeira: Teria um futuro brilhante se não tivesse escolhido atalhos.Selma: Me desculpe, me alterei. Uma pergunta: quando você caiu docéu,doeu?Enfermeira: Quem me dera ser um anjo para proteger as pessoas...Selma: Abutres também voam e têm asas. Que azar. Que azar... Me sinto mal,odeio essa sensação de fraqueza.Voz misteriosa: Falta a preguiça Selma...Selma: Quem disse isso?Enfermeira: É tudo imaginação, coisa de sua cabeça querida. Tente ficartranquila. Hora dos remédios...Voz misteriosa: A preguiça Selma...Selma: Remédios... Não estou me importando com remédios, estou compreguiça de tomá-los.Voz misteriosa: Enfermeira? Ouça-me... ( a enfermeira percebe que a voz éreal e vem atrás do armário)Enfermeira: Há alguém aí?(a vidente reaparece como enfermeira e deixa aenfermeira amarrada que na verdade é o Atalho disfarçado)Vidente: Desculpe a demora.Selma: Não posso acreditar que depois de tanto lutar vou ficar presa dessaforma.Vidente: Rótulos. Você se deixa levar por eles?Selma: Por favor,deixe me sair daqui.Vidente: Você foi trancada. É um cadeado forte. Não tenho como te tirar daqui.Será por seu próprio esforço.Selma: Procure, veja se encontra algo. Por que está me ajudando? Voltoudiferente de trás do armário...Vidente: É que você continua me olhando com seus olhos. Veja com o olharque vem de dentro... 13
  14. 14. Selma (reparando nela): Você! Mas que maravilha, não sabe o quanto estoufeliz por você estar aqui, mas o que aconteceu com a outra?Vidente: Ficará por um bom tempo de férias. (começa a procurar, encontra acaixa de fósforos) tem apenas uma caixa de fósforos...Selma: A caixa de fósforos! Para mim ela tem outra utilidade. Abra...Vidente (abrindo, retira uma chave): Aprendendo comigo. (liberta Selma)Selma: A enfermeira me disse que eu não me chamo Selma.Vidente: Fato. Lembra porque veio?Selma: Claro.Vidente: Nasceu em berço de ouro. Perdeu a mãe. O pai pouco estevepresente. Se tornou a gata borralheira dos anos noventa. Não haviam fadasmadrinhas. A vassoura era o cavalo e o chinelo a carruagem. Cadernosserviam de chinelo. Carrega dentro de si o romântico, a criativa e o louco. Seiludiu muito e conheceu o amor de uma forma inusitada. O céu é o limite.Selma: Pessoas que têm memória de elefante.Vidente: Pessoas que tem memória de coiote. Você fez tudo certo. Hora dereceber a liberdade. Direito de recomeço.Selma (notando a plateia):Nossa quantas pessoas... Elas estavam nos vendo otempo todo?Vidente: Eles estavam torcendo para que você conseguisse se libertar porquemuitos também vão recomeçar como você. Então vá... Hora de enfrentar omundo real.Selma: Só uma pergunta... “O Lobo Mau come de tudo ou só a Chapeuzinho ea Vovó?”Vidente (sorrindo): Não é a resposta que você deve levar em consideração.Porque cada um terá uma resposta diferente. Mas sim o que estavaacontecendo ao seu redor quando a pergunta foi feita pra você pela primeiravez... Agora vá, quando cruzar o portal, você estará de volta quatro mesesatrás. Acredita nisso?Selma: Claro. Mas que prêmio perfeito. Quem me enviou ficará satisfeito.Vidente: São quatro meses que fizeram a diferença para uma vida. Paraalgumas pessoas poderiam ser anos, espero que aproveite cada oportunidadenova. E não desistir, nunca!Selma: Darei o recado. 14
  15. 15. Vidente: O que ele fez de tão importante que o torna especial?Selma: Ele trancou seu coração num baú e um tubarão engoliu. (olha pracima) as nuvens se dividem céu acima. Isso é tão familiar pra mim...Vidente: Isso é tão complexo... (Selma olha novamente para a plateia e desceenquanto rasga as placas que ela comprou no início da peça. Até desaparecer)a vida é uma transformação. Para ser entendida deve ser vivida. Claro que ainterpretação é tão pessoal como a palma da mão de cada um. Só uma dica:Tudo o que aconteceu aqui deve ser analisado com a mesma delicadeza queuma formiga usa para andar sobre a água. (a vidente sai e retiram o armáriomostrando que a enfermeira era ele disfarçado tentando atrapalhar a missão deSelma, e a vidente cumpriu o que prometera salvando-a e amarrando oAtalho)Voz misteriosa: E o que você diria para uma vidente que acabou de pedir paraler sua mão: “andei brincando demais com meu destino nos últimos tempos.Obrigado”. FIMContato:zantacedumont@yahoo.com.br 15

×