Referencial de CLC

10.920 visualizações

Publicada em

1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.920
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
71
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
182
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Referencial de CLC

  1. 1. Operacionalização do Referencial de Competências Área de Comunicação Língua e Cultura (CLC)
  2. 2. Área de Competência Cultura, Língua e Comunicação (CLC) – Núcleos geradores <ul><li>  Equipamentos e Sistemas Técnicos : compreender o funcionamento de equipamentos domésticos e profissionais; identificar as transformações e evoluções técnicas. </li></ul><ul><li>Ambiente e Sustentabilidade : identificar questões relacionadas com o consumo energético, resíduos, reciclagem, recursos naturais e clima. </li></ul><ul><li>Saúde : identificar cuidados básicos e preventivos de saúde. </li></ul><ul><li>Gestão e Economia : definir orçamentos, preencher formulários, domínio de terminologias que facilitem cálculos; perceber os impactes das evoluções técnicas na gestão do tempo. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Tecnologias de Informação e Comunicação : comunicar através de meios tecnológicos; compreender símbolos e suportes de comunicações; lidar com micro e macro electrónica; relacionar-se com os mass media ; perceber os impactos das redes de internet. </li></ul><ul><li>Urbanismo e Mobilidade : participar no processo de planeamento e construção de edifícios; identificar sistemas de administração territorial; relacionar mobilidades e fluxos migratórios. </li></ul><ul><li>Saberes Fundamentais: formular opiniões, críticas, demonstrar saberes e competências culturais, linguísticas e comunicacionais; identificar principais factores que influenciam a mudança social, reconhecendo nessa mudança o papel da cultura, língua e comunicação. </li></ul>
  4. 4. Perfil de competências (CLC) <ul><li>Interagir em língua portuguesa, com clareza e correcção, evidenciando espírito crítico, responsabilidade e autonomia. </li></ul><ul><li>Compreender textos longos em língua portuguesa e/ou língua estrangeira, reconhecendo os seus significados implícitos, as suas tipologias e respectiva funcionalidade. </li></ul><ul><li>Evidenciar reflexão sobre o funcionamento da língua portuguesa, apreciando-a enquanto objecto estético e meio privilegiado de expressão de outras culturas. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Compreender as ideias principais de textos em língua estrangeira e expressar-se oralmente e por escrito com à-vontade sobre diferentes temáticas. </li></ul><ul><li>Evidenciar conhecimento sobre várias linguagens, em diferentes suportes, que lhe permitam perceber as diferenças socioculturais, sociolinguísticas e técnico-científicas, visando uma tomada de consciência da sua própria identidade e da do outro. </li></ul><ul><li>Evidenciar competências interculturais que lhe proporcionem uma maior abertura e aceitação de novas experiências linguísticas e culturais. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Ter um entendimento amplo de Cultura, reconhecendo neste conceito, desde áreas designadas clássicas e eruditas até novas linguagens e expressões integradoras de formas da cultura popular. </li></ul><ul><li>Compreender os mecanismos de funcionamento e produção de contéudos nos mass media, posicionando- </li></ul><ul><li>-se criticamente sobre os mesmos. </li></ul><ul><li>Perspectivar a área da Cultura enquanto sector articulável com outras esferas de intervenção. </li></ul><ul><li>Reconhecer que o acesso dos indivíduos, desde idades jovens, a actividades de sensibilização para a cultura e as artes constitui uma condição significativa da participação activa dos cidadãos na Cultura. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Reconhecer o impacto das novas tecnologias de comunicação no acentuar de alguns traços característicos (flexibilidade, pluriactividade) da organização do trabalho cultural. </li></ul><ul><li>Compreender o aparecimento de novas ocupações e profissões no sector cultural como resultante, entre outros factores, do crescente relevo do processo de difusão na existência dos bens culturais e artísticos. </li></ul>
  8. 8. Domínios de Referência <ul><li>Os Domínios de Referência para a Acção (DR) correspondem a elementos contextualizadores do accionamento das competências a evidenciar. O mundo em que cada um vive inclui, cada vez mais, uma pluralidade de dimensões, entre as quais, a sua vida privada, a sua vida profissional, também o viver institucional, ou seja, a interacção contínua com diversos sistemas e organizações e ainda a compreensão da vida quotidiana com base em processos espácio-temporais mais amplos, permitindo-se perspectivar as relações entre lugares, o passado, o presente e o futuro. </li></ul>
  9. 9. Contexto privado (DR1) <ul><li>DR1 – A grande diversidade de experiências e saberes de foro privado adquiridos na vida quotidiana dos indivíduos é o ponto de partida para a definição de competências de âmbito cultural, linguístico e comunicacional a serem evidenciadas neste domínio. </li></ul>
  10. 10. Contexto profissional <ul><li>DR2 – Os contextos socioprofissionais dos indivíduos e/ou as interacções quotidianas com profissionais de diferentes áreas de especialização constituem um campo significativo de aquisição e aplicação de competências culturais, linguísticas e comunicacionais que poderão ser evidenciadas neste domínio. </li></ul>
  11. 11. Contexto institucional (Saberes, Poderes e Instituições) <ul><li>DR3 – As interacções entre indivíduos e instituições sociais diversas jogam-se face a saberes e poderes instituídos que se traduzem ao longo da vida também através de competências culturais, linguísticas e comunicacionais, cujas práticas requerem a identificação, compreensão e intervenção adequadas a partir das competências a evidenciar neste domínio. </li></ul>
  12. 12. Contexto macro-estrutural (Estabilidade e Mudança: da Sociedade ao Universo) <ul><li>DR4 – A compreensão do indivíduo como elemento de um Universo e de uma sociedade em permanente mudança, com um presente, um passado e também um futuro, requer um grau de abstracção que é adquirido regra geral, formalmente, mas também através da observação, da procura e do esforço pessoal, e que se pode traduzir em competências culturais, linguísticas e comunicacionais a evidenciar neste domínio. </li></ul>
  13. 13. HISTÓRIA DE VIDA
  14. 14. <ul><li>O senhor Horácio, com 38 anos, é a 3º filho de 5 irmãos. </li></ul><ul><li>Deixou de estudar aos 16 anos para ajudar a família, uma vez que o pai, dono duma pequena oficina de automóveis, abriu falência. </li></ul><ul><li>Deixou a Escola Secundária da Ponte, onde frequentava um curso Técnico-profissional, na área da Mecanotecnia, no décimo ano. </li></ul>
  15. 15. Ingressando no mundo laboral, <ul><li>Começou a sua actividade num armazém de ferragens, onde registava as encomendas e verificava os stocks. </li></ul><ul><li>Entretanto, o armazém fechou. Então surgiu-lhe a hipótese de ingressar numa multinacional, na secção de produção, mas agora com um salário bem melhor. </li></ul><ul><li>Nesta empresa, tem beneficiado dum vasto leque de acções de formação que abarcam desde conteúdos e competências estritamente técnicas, a outras de feição mais geral, p. e., nas áreas da Informática e do aprofundamento da língua inglesa . </li></ul>
  16. 16. Interacção com a sociedade <ul><li>O senhor Horácio é casado e pai de duas crianças em idade escolar. </li></ul><ul><li>Reside numa das freguesias da área urbana de Braga. </li></ul><ul><li>É o responsável pelo condomínio do seu prédio. </li></ul><ul><li>E faz parte dos corpos sociais da Associação de Pais da escola onde os filhos estudam. </li></ul><ul><li>Na empresa onde labora, sindicalizou-se e é um membro muito activo da comissão de trabalhadores. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Faz parte da direcção do clube desportivo da sua localidade. </li></ul><ul><li>Como membro da assembleia de freguesia, tem realizado esforços para lançar campanhas locais de combate à poluição das linhas de água e de promoção da reciclagem, estando em vias de formalização uma associação ambientalista . </li></ul>
  18. 18. <ul><li>No núcleo gerador: «Equipamentos e Sistemas Técnicos». </li></ul><ul><ul><li>Ao fazer uma acção de formação sobre componentes de electrónica, e dominando conhecimentos aprofundados desta área, usa linguagens técnicas e está à-vontade na redacção de relatórios sobre incidentes e sobre índices de produtividade. </li></ul></ul>Na Área de competência-chave de Cultura Língua e Comunicação pode obter créditos, por exemplo:
  19. 19. Núcleo gerador: «Ambiente e sustentabilidade» <ul><li>Como o sr. Horácio está envolvido em campanhas ambientalistas, poderá obter um crédito através da demonstração de que tem uma atitude assertiva perante as questões ambientais. </li></ul><ul><li>Pode ainda demonstrar que a sua preocupação com a preservação das linhas de água se traduziu em actos concretos e verbais (orais e escritos) devidamente documentados (Isto poderá conferir-lhe outro crédito). </li></ul>
  20. 20. <ul><li>No núcleo gerador – «Gestão e Economia» </li></ul><ul><li>Como é responsável pela gestão dum condomínio, poderá ser creditado, porque utiliza modelos de gestão, sabe interagir com os condóminos, produz textos necessários à divulgação de comunicados, gere conflitos de interesses… </li></ul>
  21. 21. <ul><li>Em situações de vida o senhor Horácio, além dos diversos cursos de formação que frequentou na empresa, usa diariamente a internet, o correio electrónico e está a criar uma página para o clube do seu bairro. </li></ul><ul><li> </li></ul>Núcleo gerador - Tecnologias e Informação e Comunicação
  22. 22. <ul><li>Na gestão do condomínio o sr. Horácio tem consciência de que há residentes imigrantes, com diferenças de cultura e língua, e da alteração do perfil social do bairro que já foi uma aldeia pacata dos arredores de Braga. </li></ul><ul><li>E sobre isso tem intervenções num pequeno jornal local e através de iniciativas da assembleia de freguesia, fomentando uma atitude tolerante e aberta. </li></ul>Núcleo gerador – Urbanismo e mobilidade
  23. 23. <ul><li>A este nível serão valorizados os saberes culturais e de comunicação oral e escrita em situações de vida: </li></ul><ul><ul><li>Quando redige documentos, textos para jornais, palestras; </li></ul></ul><ul><ul><li>Quando evidencia o gosto pela leitura e a capacidade de interpretação e de argumentação sobre temas da sua vida pessoal, profissional e cívica. </li></ul></ul>Núcleo Gerador – Saberes Fundamentais
  24. 24. <ul><li>As acções de formação em áreas mais ou menos específicas, através duma reflexão pessoal sobre as mais valias em termos de conhecimentos e da alteração de atitudes poderão ser evidenciadoras de competências, desde que se articulem com os temas integrantes dos núcleos geradores. </li></ul>Formação Profissional
  25. 25. <ul><li>Os temas a trabalhar nesta área deverão ser escolhidos em articulação com as áreas de Cidadania e Profissionalidade (CP) e de Sociedade, Tecnologia e Ciência (STC). </li></ul><ul><li>Confere-se à área de CLC uma feição mais reflexiva e de competência de comunicação. </li></ul>

×