Bernini

18.093 visualizações

Publicada em

Trabalho escolar feito por Ana Lourenço e Laura Figueiras

Publicada em: Tecnologia, Turismo
1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
18.093
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
59
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
290
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bernini

  1. 1. Gian Lorenzo Bernini
  2. 2. <ul><li>Foi um dos principais impulsionadores da arte barroca, juntamente com Francesco Borromini. </li></ul><ul><li>O seu trabalho alcança os principais campos escultóricos do momento: o religioso, o mitológico e o sepulcral. Em todos eles aplica os caracteres do barroco: movimento e agitação, formas amplas, efeitos teatrais e expressão exagerada do sentimento , tornando-se então, um artista altamente revolucionário e inovador. </li></ul><ul><li>As obras de Bernini foram ao mais alto nível, em termos de escultura foi um total criador nos gestos, luzes e sombras dos valores cristãos, santos e cenas bíblicas, com expressões nunca antes conseguidas. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Duas das suas primeiras obras foram Apolo e Dafne e David. Diferentemente de Miguel Ângelo, que representa David de pé e concentrado, com o olhar cravado no adversário, Bernini modela a personagem em atitude violenta, no momento do lançamento da pedra. </li></ul><ul><li>O papa Urbano VIII, foi o seu maior patrono, pois ao serviço deste, o artista criou inúmeras obras. </li></ul>David
  4. 4. <ul><li>Bernini foi durante mais de dois séculos desprezado pelos académicos e classicistas e considerado o melhor exemplo do mau gosto e da monstruosidade artística. Com a reabilitação do estilo barroco no século XX, voltou a ser reconhecido como um dos maiores escultores e arquitectos de todos os tempos. </li></ul><ul><li>Vítima de uma apoplexia, Bernini morreu em Roma em 1680 </li></ul>Apolo e Dafne
  5. 5. Baldaquino
  6. 6. Fonte dos quatro rios
  7. 7. Beata Ludovica Albertoni
  8. 8. Túmulo do papa Urbano VIII
  9. 9. Lenda de Proserpina <ul><li>Proserpina, filha de Ceres, deusa do plantio e da colheita, com Zeus , era uma jovem virgem devidamente resguardada por sua mãe superprotetora. Um dia, Hades, senhor do mundo dos mortos e dos infernos, em uma de suas passagens pela superfície avistou Proserpina, com uma saia justinha, colhendo ramos de trigo sozinha. A paixão foi avassaladora. Agarrando-a pelos claros cabelos e puxando para dentro de sua carruagem negra, Hades rapta Proserpina para o seu reino nas profundezas. Sem sua filha, Ceres tornou-se estéril, bem como a terra sob sua influência. Foi então que, louca de dor, Ceres provocou uma grande seca. A deusa estava determinada a reaver a sua filha. </li></ul><ul><li>Zeus ordenou que Hermes (Mercúrio) tentasse convencer Hades a libertá-la. Surpreendentemente, Hades disse que poderia levá-la, se assim Proserpina o desejasse. Plutão viu-se obrigado a obedecer mas antes que Proserpina partisse fê-la comer sementes de romã, fruto da fidelidade conjugal segundo as antigas tradições. Após ter comido os frutos da romãzeira oferecidos por Hades, Proserpina transformou-se numa mulher exuberante e madura, acabando por se apaixonar por Hades. Zeus decidiu que Proserpina não precisaria de abandonar Hades, mas ficaria 9 meses com sua mãe, garantindo o tempo suficiente para a florestação, maturação e colheita. Os restantes meses passaria com Hades. E assim se definiram as estações do ano, o Verão e o Inverno. </li></ul>
  10. 10. O rapto de Proserpina <ul><li>Bernini era capaz de uma doçura inigualável a desenhar lábios entreabertos, com contornos suavíssimos, de um arredondado e delicadeza extrema, e esta obra é um claro exemplo disso: Bernini retrata os lábios dela, como se estivessem a gritar, a implorar ajuda. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>É notável o afundamento dos dedos de Plutão na pele de Proserpina, deixando visível tanto o seu esforço para a fuga como o empenho do deus em agarrá-la, fazendo-nos duvidar da pedra, como duvidamos da tela quando observamos uma gota de água a escorrer. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Plutão mostra uma expressão confusa, achando que seria divertido o facto de Proserpina o estar a negar, tentando fugir dele. Bernini criou Proserpina com o olhar completamente desviado do seu raptor. </li></ul><ul><li>O rosto de Proserpina transmite uma real e verdadeira agonia. </li></ul>
  13. 14. <ul><li>O Êxtase de Santa Teresa, é a parte central de uma escultura em mármore concebida para a capela de Santa Maria della Vittoria, em Roma. Sendo uma das obras-primas com mais valor no Barroco. Realizada durante o pontificado de Inocêncio I. </li></ul>O Êxtase de Santa Teresa
  14. 15. <ul><li>As duas figuras derivam de um episódio relatado por Teresa de Ávila na sua autobiografia. O capítulo descreve visões divinas, incluindo uma em que viu um jovem, bonito e brilhante, um anjo ao lado de seu corpo. </li></ul>
  15. 16. “ Vi na sua mão uma longa lança de ouro, e, o ferro da ponta parecia ter fogo. Ele pareceu-me ser confiável por momentos no meu coração. Quebrou-me as entranhas deixando-me em chamas com o grande amor de Deus. A dor foi tão grande, que me fez gemer, e ainda assim, fui superando esta dor excessiva sem poder ver-me livre dela. A alma está agora satisfeita com Deus. A dor não é física, mas espiritual, embora o organismo tenha a sua quota-parte dela. É um sentimento de amor tão doce que agora tem lugar entre a alma e Deus.”
  16. 17. Trabalho Realizado por: Ana Lourenço Laura Figueiras 12º F

×