Disfunção erétil

4.775 visualizações

Publicada em

O que é a Disfunção Erétil e Disfunção Sexual e como a Nutrição Funcional pode ser a chave fundamental para o tratamento. Contato: hannahms@gmail.com

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.775
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.132
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
104
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Disfunção erétil

  1. 1. Disfunção Erétil Dra Hannah Médici Scielzo Nutricionista Clínica – CRN3 – 32179 Esp. Nutrição Clínica Funcional – VP Esp. Nutrigenômica e Nutrição Ortomolecular – FAPES Medicina Esp. Nutrição Esportiva Funcional - VP Esp. Medicina Funcional – Institute for Functional Medicine (IFM) Membro da Sociedade Brasileira de Nutrição Funcional (SBNF) Atendimento em consultório - Contato: hannahms@gmail.com / www.hannahmedici.com.br
  2. 2. O que é disfunção sexual?  Incapacidade de participar do ato sexual com prazer, devido à distúrbio fisiológico, psicológico ou dor.  Causas principais:      Disfunção Erétil Ejaculação precoce Ejaculação retardada Falta de desejo Falta de orgasmo
  3. 3. Epidemiologia  Mais de 100 milhões de homens no mundo sofrem de Disfunção Erétil (DE)  Cerca de 50% dos homens entre 40-70 anos  Apenas 10% procuram ajuda médica  Procuram ajuda após 2 anos convivendo com o problema
  4. 4. Fatores de risco para a DE  Cardiovasculares       Doença vascular periférica Doença vascular cerebral Doença coronariana Infarto do miocárdio Insuficiência cardíaca sugestiva Aneurisma de aorta  Endocrinológicos       Diabetes Hipogonadismo Hipertireoidismo Hipotireoidismo Hiperprolactinemia Doenças da Adrenal  Psiquiátricos  Esquizofrenia  Ansiedade  Depressão Paranhos e Srougi, 2007
  5. 5. Fatores de risco para a DE  Neurológicos      Acidente vascular cerebral Doença de Parkinson Trauma raquimedular Neuropatia periférica Tumores do sistema nervoso central  Esclerose Múltipla  Epilepsia  Doença de Alzheimer  Gastrintestinais  Insuficiência Hepática  Renais  Insuficiência renal crônica  Doença vascular renal Paranhos e Srougi, 2007
  6. 6. Principais fatores de risco para a DE  Diabetes  35 a 75 % dos homens com diabetes podem ter disfunção  Homens com diabetes desenvolvem de 5 a 10 anos antes.  Em diabéticos, a enzima NOS endotelial está reduzida.  Acúmulo de radicais livres, alguns derivados de produtos de glicosilação avançada, depletam o óxido nítrico (NO) responsável pela vasodilatação e afetam os canais de potássio. Arch Intern Med. 2006; 166:207-212; Bhasin et al.. Lancet. Vol 369. Feb, 2007.
  7. 7. Principais fatores de risco para a DE Tabagismo  Aumento de espécies reativas de oxigênio (EROS) e prejuízo na síntese endógena de NO Arch Intern Med. 2006; 166:207-212
  8. 8. Principais fatores de risco para a DE Obesidade  A disfunção endotelial tem um papel fundamental. Giugliano D. et al, 2006. Sexual dysfunction and the mediterranean diet.  Há maior prevalência de DE em obesos. Arch Intern Med. 2006; 166:207-212; Giugliano D. et al, 2006.
  9. 9. Principais fatores de risco para a DE Hipertensão  A impotência sexual pode preceder a doença cardiovascular Tamler et al. Endocrinol Metab Clin N Am 36 (2007) 533–552 Arch Intern Med. 2006; 166:207-212
  10. 10. Principais fatores de risco para a DE Todos os fatores de risco são somatórios Arch Intern Med. 2006; 166:207-212
  11. 11. Fisiologia da Ereção
  12. 12. Fatores envolvidos na ereção  Psicológicos  Neurais  Simpático (Inibe)  Parassimpático (Estimula)  Vasculares
  13. 13. Bioquímica da Ereção  Relaxamento do corpo cavernoso  Óxido Nítrico (NO) tem papel chave  Existem 3 formas de NOS (óxido nítrico sintase)  Neuronal (NOn)  Endotelial (NOe)  Induzível (NOi)  O corpo cavernoso possui as 3
  14. 14. Proteína-C reativa x NO  Níveis de PCr são mais elevados em obesos  Aumento da PCr está correlacionada com a diminuição da disponibilidade de NO Giugliano D. et al, Public Health Nutrition: 9(8A), 1118-1120, Nov 2006 Esposito K et al.JAMA. 2004;291(24):2978-2984
  15. 15. Obesidade x NO  Obesidade e Síndrome Metabólica são estados crônicos de estresse oxidativo e inflamação  Aumentam a formação de radicais livres que impedem a formação de NO Giugliano D. et al, 2006
  16. 16. Radicais Livres x NO
  17. 17. Nutrientes x NO  Nutrientes que auxiliam na síntese endógena de NO  Antioxidantes exógenos (alimentação)        Ascorbato Flavonoides Ácido Lipóico α – Tocoferol Carotenóides Ubiquinona (Coenzima Q10) Niacina Neuroscience and Biobehavioral Reviews 35 (2011) 878–893
  18. 18. Antioxidantes
  19. 19. Nitrato x NO Conteúdo de nitrato (mg/100g peso do alimento fresco) Variedade de vegetais Muito baixo (< 20) Alcachofra, aspargo, fava, berinjela, alho, cebola, feijão verde, cogumelos, ervilha, pimenta, batata, abobrinha, batata-doce, tomate, melancia. Baixo (20 a 50) Brócolis, cenoura, couve-flor, pepino, abóbora, chicória. Médio (50 a 100) Repolho, endro, nabo, couve. Alto (100 a 250) Rabanete, Couve chinesa, endívia, funcho, broto de rabanete, alho-poró, salsa. Muito Alto (>250) Aipo, agrião, salsa, alface, beterraba, espinafre, rúcula. Am J Clin Nutr 2009;90:1–10.
  20. 20. L-arginina  A suplementação regular de L-arginina pode melhorar a função sexual e outros aspectos da doença vascular MacKay D. Alternative Medicine Review. Volume 9, Number 1, 2004.
  21. 21. Pycnogenol  Pycnogenol é uma proantocianidina oligomérica extraída do pine bark  Estimula a NOS
  22. 22. Pycnogenol + Arginina  Resultados...  1ª. Semana  5% ereção normal  2ª. Semana  82% ereção normal  3ª. Semana  92,5% ereção normal Stanislavov R, Nikolova V. J Sex Marital Ther 2003;29:207-213.
  23. 23. Papel da Nutrição Funcional  Contribuição na prevenção e tratamento da Disfunção Erétil  Fornecimento substratos para a síntese de NO  Prevenção e tratamento do estresse oxidativo  Redução da inflamação  Melhora da função endotelial  Melhora do fluxo sanguíneo Journal of Controlled Release 153 (2011) 56–63.
  24. 24. "Ter de comer mantendo a consciência de tudo o que está em jogo pode parecer carregar um fardo, mas na prática poucas coisas na vida podem nos proporcionar tanta satisfação. Comer é um ato agrícola, ecológico, humano, além de um ato político. O que e como comemos determinam, em grande parte, o que fazemos do nosso mundo e o que vai acontecer com ele." (Michael Pollan - O Dilema do Onívoro)

×