FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS
ENGENHARIA CIVIL
MATERIAIS DE CONSTRUÇAO CIVIL II
PAVIMENTAÇÃO
Salvador – Ba
2014
PAVIMENTAÇÃO
Trabalho apresentado à disciplina Materiais de construção civil II do curso de Engenharia Civil
da Faculdade ...
INTRODUÇÃO
Assim como a necessidade de deslocamento periódico entre dois pontos gerou a
construção dos caminhos e das estr...
DEFINIÇÃO
Segundo a NBR-7207/82 da ABNT tem-se a seguinte definição:
Pavimento é a estrutura construída sobre a terraplena...
CAMADAS QUE COMPÕEM O PAVIMENTO
Num pavimento rodoviário, distinguimos as seguintes camadas:
Sub-leito: É o terreno de fu...
CLASSIFICAÇÃO DOS PAVIMENTOS
A classificação de pavimentos adotada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas é
consubs...
Assim, a TB-7 e a maioria dos, que se preocupam com classificação de pavimentos
preferem dar terminologia às bases e, inde...
MATERIAIS
A construção de um pavimento exige não só o conhecimento dos materiais constituintes das
camadas desse pavimento...
 Preço competitivo ou vantajoso em relação a materiais destinados às mesmas funções.
Com o desenvolvimento da indústria d...
DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS
O dimensionamento de um pavimento consiste na determinação das camadas da sub-base,
base e r...
REFERÊNCIAS
ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 7207 - Terminologia e classificação
de pavimentação, Rio ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Historia dos pavimentos

2.133 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.133
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Historia dos pavimentos

  1. 1. FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ENGENHARIA CIVIL MATERIAIS DE CONSTRUÇAO CIVIL II PAVIMENTAÇÃO Salvador – Ba 2014
  2. 2. PAVIMENTAÇÃO Trabalho apresentado à disciplina Materiais de construção civil II do curso de Engenharia Civil da Faculdade de Tecnologia e Ciências, como requisito da 2ª avaliação do 2º semestre, sob orientação doProf. Paulo Oliveira. EQUIPE : Alisson Gabriel Camila ribeiro Halysson Mafra Hellen Amorim Salvador – BA 2014
  3. 3. INTRODUÇÃO Assim como a necessidade de deslocamento periódico entre dois pontos gerou a construção dos caminhos e das estradas, a necessidade de que esses caminhos, ou essas estradas, permitissem o tráfego em qualquer época do ano gerou os revestimentos do leito, evoluindo até o que hoje se conhece como pavimento. A estrutura que se constrói sobre o leito de terra pode variar, quer no que e refere à espessura quer no que se refere aos materiais utilizados, em consonância não só com as solicitações, como também com a própria função que a estrada está exercendo, ou deverá exercer. HISTORICO Na evolução dos meios de transporte terrestres, com o homem dirigindo seu próprio veículo, o transporte rodoviário — muito embora nem sempre seja possível situar as épocas exatas de passagem de um estágio de desenvolvimento a outro, pois a evolução teve início com a picada e atingiu o elevado nível das vias expressas e auto-estradas de hoje. Com o aumento cada vez maior da freqüência das viagens, na medida em que o transporte mais e mais se tornava necessário para a própria sobrevivência dos povos, um outro grave problema tinha que ser resolvido ou, pelo menos, ter seus efeitos atenuados os caminhos e as estradas precisavam ser transitáveis em qualquer época do ano. A forma natural de resolver esse crucial problema, evitando que, em muitas regiões, as estradas não dessem passagem praticamente por metade do ano, foi revestir o leito carroçável, dando-lhe estabilidade, inclusive na época das chuvas. PAVIMENTOS DE BAIXO CUSTO  É de baixo custo o pavimento cuja vida útil, no dimensionamento, for considerada como perfazendo de metade a um terço da vida útil normal dos pavimentos;  É de baixo custo o pavimento executado a fim de garantir tráfego permanente na estrada, sem qualquer outra exigência que levaria a um dispêndio de dinheiro.
  4. 4. DEFINIÇÃO Segundo a NBR-7207/82 da ABNT tem-se a seguinte definição: Pavimento é a estrutura construída sobre a terraplenagem e destinada, técnica e economicamente, a:  resistir e distribuir os esforços verticais oriundos do tráfego;  melhorar as condições de rolamento quanto ao conforto e segurança;  resistir aos esforços horizontais (desgaste), tornando mais durável a superficie de rolamento. A figura abaixo mostra a disposição normal de um pavimento completo, ou um pavimento em que as condições da fundação não permitiram a eliminação de nenhuma camada. De cima para baixo, os materiais utilizados nas camadas são mais nobres, sendo o revestimento ou capa de rolamento a camada mais nobre de um pavimento. 14.00m 3.50m 7.00m 3.50m 3.50m 3.50m0.80m revestimentooucapaderolamento base sub-base reforçodosub-leito regularizaçãodosub-leito sub-leito
  5. 5. CAMADAS QUE COMPÕEM O PAVIMENTO Num pavimento rodoviário, distinguimos as seguintes camadas: Sub-leito: É o terreno de fundação do pavimento. No caso mais comum, isto é, estrada já em tráfego já há algum tempo, e a qual se pretende pavimentar, apresenta-se com a superfície irregular, exigindo a regularização. Regularização: É a camada de espessura irregular, construída sobre o sub-leito e destinada a conformá-lo, transversal e longitudinalmente, com o projeto. Deve ser executada sempre em aterro, evitando-se: — sejam executados cortes difíceis no material da “casca”, já compactada pelo tráfego; — seja substituida uma camada, já compactada, por uma camada a ser compactada, nem sempre atingindo a porcentagem de compactação existente. Reforço do sub-leito: Sua definição é ainda motivo de discussões mais ou menos acadêmicas. É uma camada de espessura constante, construída, se necessário, acima da regularização, com características técnicas inferiores ao material usado na camada que lhe for superior, porém superiores às do material do sub-jeito. Se o reforço do sub-leito deve ser considerado camada do pavimento ou da fundação, é um problema que não afeta a espessura total do pavimento, pois as diversas camadas devem ter capacidade de suporte para receber os esforços transmitidos através das camadas superiores. Sub-base: É a camada complementar à base, quando, por circunstâncias tecno- econômicas, não for aconselhável construir a base diretamente sobre a regularização ou reforço do sub-leito. Base: É a camada destinada a receber e distribuir os esforços oríundos do tráfego, e sobre a qual se constrói o revestimento.  Revestimento (capa de rolamento): É a camada, tanto quanto possível impermeável, que recebe diretamente a ação do tráfego, é destinada a melhorar a superfície de rolamento quanto às condições de conforto e segurança, além de resistir ao desgaste (durabilidade).
  6. 6. CLASSIFICAÇÃO DOS PAVIMENTOS A classificação de pavimentos adotada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas é consubstanciada na “Terminologia Brasileira TB-7”. Sendo o pavimento constituído de diversas camadas, é muito difícil chegar-se a um termo que defina toda a estrutura.  Pavimento rígido Pavimento rígido é aquele pouco deformável, constituido principalmente de concreto de cimento.  Pavimento flexível Pavimento flexivel é aquele em que as deformações, até um certo limite, não levam ao rompimento. São os pavimentos não rígidos. Os exemplos seguintes mostram as dificuldades que decorrem das definições acima: Vias /Anchíeta e Anhangüera (até Jundiaí) Base: macadame hidráulico (flexivel) Revestimento: lajes de concreto de cimento (rígido) Recapeamento executado: concreto betuminoso (flexível). Na maioria de sua extensão, a rede rodoviária do Estado de São Paulo, apresenta o seguinte pavimento: Base: solo cimento (rígido) Revestimento: pré-misturado a quente (flexivel) Podemos encontrar também outros tipos de pavimentos, como: Base: macadame hidráulico (flexível) Revestimento concreto betuminoso (flexível) E assim por diante. Vê-se, assim, que não há restrições quanto utilização de uma base rígida superposta por revestimento flexivel, e vice-versa, tornando difícil estabelecer um critério único de classificação.
  7. 7. Assim, a TB-7 e a maioria dos, que se preocupam com classificação de pavimentos preferem dar terminologia às bases e, independentemente, aos revestimentos. Teriamos, então: Terminologia dos pavimentos Concreto de cimento Macadame de cimento Solo cimento Solo estabilizado Granulométricamente Solo-betume Macadame hidráulico Macadame betuminoso Alvenaria poliédrica Paralelepipedos Brita graduada Rígida Flexível Base Concreto de cimento Macadame de cimento Flexível Paralelepípedos rejuntados comcimento Betuminoso Concreto betuminoso Pré misturado a frio Pré misturado a quente Tratamento superficial Alvenaria poliédrica Paralelepípedos Blocos de concreto pré moldados e articulados Calçamento Rígido Revestimento
  8. 8. MATERIAIS A construção de um pavimento exige não só o conhecimento dos materiais constituintes das camadas desse pavimento, mas também dos materiais constituintes do sub-leito e dos materiais que possam interferir na construção dos drenos, acostamentos, cortes e aterros. ASFALTO Os asfaltos constituem, um dos tipos dos materiais betuminosos. Há uma grande variedade de materiais betuminosos que podem ser empregados em pavimentação, quer na construção de bases, quer na construção de revestimentos. A escolha depende da natureza dos serviços e do equipamento disponível. Materiais betuminosos são hidrocarbonetos, de cor, dureza e volatilidade variáveis, que se encontram, às vezes, associados a materiais naturais. Em geral, são solúveis no bisulfeto de carbono – S2C. Betumes são combinações de hidrocarbonetos produzidos naturalmente ou por combustão, ou por ambos associados, encontrados freqüentemente acompanhados por derivados não metálicos e sempre completamente solúveis no bi-sulfeto de carbono -- S2C. Em geral, o termo betume engloba asfaltos e alcatrões. A utilização dos asfaltos em pavimentação deve-se às propriedades dos mesmos, no que se refere principalmente à impermeabilidade e poder aglutinante. Os egípcios já utilizavam os materiais betuminosos na impermeabilização das múmias. Os gregos, por sua vez, fabricavam, com esses materiais, bolas de fogo, que eram arremessadas por catapultas dentro das muralhas dos inimigos. Os romanos impermeabilizavam os aquedutos com materiais betuminosos, e os incas usavam rochas impregnadas de betume na pavimentação de ruas. Por volta de 1800, os materiais betuminosos passaram a ser utilizados em pavimentação, ainda sob a forma de rocha asfáltica. As principais qualidades que fizeram com que os pavimentos cada vez mais fossem construídos com materiais betuminosos são:  Adesividade entre o betume e os agregados, que permite a ligação entre as pedras;  Impermeabilidade;  Durabilidade das misturas e manutenção das propriedades do betume por muitos anos;  Possibilidade de trabalho a diversas temperaturas;
  9. 9.  Preço competitivo ou vantajoso em relação a materiais destinados às mesmas funções. Com o desenvolvimento da indústria do petróleo, gradativamente a utilização dos asfaltos nativos cedeu lugar à utilização dos asfaltos de petróleo. CONTROLE DE COMPACTAÇÃO Em um grande número de obras de Engenharia Civil há a necessidade de se proceder à escavação, transporte e deposição de solo em outro local. Exemplo típicos são: a construção de barragens de terra, aterros para obras viárias, ou sobre os quais irão ser construidos quaisquer tipos de edifício. Existem vantagens técnicas e econômicas de submeter a deposição do solo a um processo que densifique, isto é, que reduza a proporção de vazios. O controle de execução de um aterro com respeito às características limita-se, principalmente:  Controle da densidade e do teor de umidade de compactação.  Peso específico seco bem como o teor de umidade de compactação são comparados com o peso específico máximo e com o teor de umidade ótimo determinados em ensaio de compactação padronizado.  Grau de compactação, que é a relação entre o peso específico seco do aterro e o peso específico máximo obtido no ensaio.  Diferença entre o teor de umidade de compactação e o teor de umidade ótimo, obtido também no ensaio a servir de referência. A compactação tem como finalidade a determinação direta do grau de compactação, desprezando no momento do controle, o conhecimento da umidade e do peso específico seco do solo. E evidente que, quanto maior o grau de compactação de um solo, maior sua resistência à deformação. Para solos granulares essa regra é rigorosamente válida. No entanto, para solos argilosos, um excesso de compactação pode resultar em maior deformação, devido a outros fatores que podem ser influenciados por esse excesso de compactação. O equipamento adequado dará ao solo compactação conveniente.
  10. 10. DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS O dimensionamento de um pavimento consiste na determinação das camadas da sub-base, base e revestimento, de forma que essas camadas sejam suficientes para resistir, transmitir e dístribuir as pressões ao sub-Ieito, sem sofrer deformações. Antes de qualquer cálculo, deve-se fazer um estudo compreendendo a coleta de amostras e ensaios de laboratório dos materiais do sub-leito, assim como dos materiais que serâo usados nas diversas camadas do pavimento. MÉTODOS DE DIMENSIONAMENTO  Método do índice de Grupo (IG)  Método California Bearing Ratto (CBR)  Método de HVEEM  Método do Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER).  Método de IVANOV  Método A.A.S.H.O. CONCLUSÃO Pode-se concluir que com a evolução dos meios de transporte terrestres a pavimentação tem exercido um papel fundamental na facilidade, rapidez e segurança de locomoção nos dias de hoje, resultando assim, uma significativa melhoria de vida da população.
  11. 11. REFERÊNCIAS ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 7207 - Terminologia e classificação de pavimentação, Rio de Janeiro, 1982. SENÇO, Wlastermiler de, 1929 - Manual de técnicas de pavimentação: volume 1 / Wlastermiler de Senço. -- 2. ed. ampl. — São Paulo: Pini, 2007.

×