Novos campos de investigação historiográfica: a literatura, o cinema e a arte.
Conceito de documento <ul><li>No mundo atual, o documento impera. </li></ul><ul><li>No entanto, nem sempre foi assim. As i...
Conceito de documento <ul><li>Mesmo que a escrita impere, não se pode mais negar a importância de outras fontes.  </li></u...
Conceito de documento <ul><li>Com isso, cresce a complexidade dos documentos, já que mudaram os limites de vários campos d...
Conceito de documentos <ul><li>Vamos abordar três fontes que passaram a ganhar notoriedade nas pesquisas históricas: </li>...
Cinema e História <ul><li>Linguagem de comunicação recente quando comparada a longa duração (Início em meados do séc. XIX ...
Cinema e História <ul><li>Os filmes podem suscitar várias questões: </li></ul><ul><li>Desenvolvimento técnico da época; </...
Cinema e História <ul><li>A utilização de filmes como fonte não é novidade. Nas décadas de 60 e 70, o historiador francês ...
Cinema e História – A questão da semiótica <ul><li>Entende o cinema mais como um objeto que como uma fonte de estudo. </li...
Cinema e História – A questão da semiótica <ul><li>O cinema deve ser considerado como texto e sua análise deve levar em co...
Literatura e História <ul><li>Diferentes abordagens: </li></ul><ul><li>Literatura como fonte: Trabalha com o conceito de i...
Literatura e História – Questão da narrativa <ul><li>Hayden White suprime a linha democrática entre história e literatura:...
Literatura e História – Questão da narrativa <ul><li>O retorno ao fato é impossível. </li></ul><ul><li>O historiador é suj...
Literatura e História – Questão da narrativa <ul><li>A pesquisa histórica não é apenas a narração dos resultados de um liv...
Literatura e História – Questão da narrativa <ul><li>Apesar das inevitáveis discussões teóricas, a literatura não deixa de...
Arte e História <ul><li>São fontes privilegiadas para o saber histórico: </li></ul><ul><li>Pinturas, esculturas, arquitetu...
Arte e História <ul><li>O que essa cultura material pode revelar sobre uma sociedade é relativo, dependendo do conteúdo ao...
Arte e História <ul><li>Ariès não utilizou apenas fontes escritas, utilizou também fontes iconográficas tais como construç...
Arte e História <ul><li>Outro exemplo é a obra “História Artística da Europa”, de Georges Duby. </li></ul><ul><li>O autor ...
Considerações finais <ul><li>Há uma diferença entre documento e objeto e procedimentos metodológicos diferentes para cada ...
Considerações finais <ul><li>Tratar os documentos não-gráficos como fontes trouxe uma valiosa contribuição para a história...
Considerações finais <ul><li>Centralizar as principais questões a partir de uma obra literária, de um filme, ou de uma arq...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Novos campos de investigação historiográfica a literatura, o cinema e a arte

5.061 visualizações

Publicada em

Primeiramente, obrigado por visitar meu slide. A historiografia sofreu diversas alterações ao longo do século XX, contribuindo para isto o surgimento de novos campos historiográficos. Nesse slide abordaremos o surgimento de três fontes que ganharam notoriedade: a literatura, o cinema e a arte. Trataremos de como estes campos enriquecem o estudo historiográfico.

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.061
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.941
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
86
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Novos campos de investigação historiográfica a literatura, o cinema e a arte

  1. 1. Novos campos de investigação historiográfica: a literatura, o cinema e a arte.
  2. 2. Conceito de documento <ul><li>No mundo atual, o documento impera. </li></ul><ul><li>No entanto, nem sempre foi assim. As identidades sociais eram estabelecidas por valores diferentes dos atuais. </li></ul><ul><li>A ênfase dada a escrita como registro chega a ser preconceituosa, quando estabelece-se o advento da escrita com o surgimento da História. </li></ul>
  3. 3. Conceito de documento <ul><li>Mesmo que a escrita impere, não se pode mais negar a importância de outras fontes. </li></ul><ul><li>Os Annales colocaram a discussão em torno do documento. De lá pra cá, houve uma grande ampliação de fontes e pesquisas. </li></ul>
  4. 4. Conceito de documento <ul><li>Com isso, cresce a complexidade dos documentos, já que mudaram os limites de vários campos do conhecimento e as relações estabelecidas entre eles. </li></ul><ul><li>Surgem novas especializações e profissões, diversificou-se a pesquisa e ganharam importância diferentes tipos documentais. </li></ul>
  5. 5. Conceito de documentos <ul><li>Vamos abordar três fontes que passaram a ganhar notoriedade nas pesquisas históricas: </li></ul><ul><li>Cinema </li></ul><ul><li>Literatura </li></ul><ul><li>Arte </li></ul>
  6. 6. Cinema e História <ul><li>Linguagem de comunicação recente quando comparada a longa duração (Início em meados do séc. XIX e início do séc. XX). </li></ul><ul><li>Filmes produzidos no período inicial podem ser utilizados como verdadeiros documentos para a História </li></ul>
  7. 7. Cinema e História <ul><li>Os filmes podem suscitar várias questões: </li></ul><ul><li>Desenvolvimento técnico da época; </li></ul><ul><li>Contexto histórico da produção; </li></ul><ul><li>Mensagem ideológica; </li></ul><ul><li>Como interpretar o “texto”, a imagem e a linguagem tecnológica. </li></ul>
  8. 8. Cinema e História <ul><li>A utilização de filmes como fonte não é novidade. Nas décadas de 60 e 70, o historiador francês Marc ferro, publicou, nos Annales, ensaios metodológicos sobre o assunto. </li></ul><ul><li>Para ele, o cinema é mais uma fonte do um “texto auto-significante”. </li></ul><ul><li>Diferente de utilizar o filme como documento, é tê-lo como objeto de pesquisa. </li></ul>
  9. 9. Cinema e História – A questão da semiótica <ul><li>Entende o cinema mais como um objeto que como uma fonte de estudo. </li></ul><ul><li>Vê nele um conjunto de signos e textos a serem codificados. </li></ul><ul><li>Os teóricos semióticos se dividem em dois grupos: </li></ul>
  10. 10. Cinema e História – A questão da semiótica <ul><li>O cinema deve ser considerado como texto e sua análise deve levar em conta seu caráter narrativo (Christian Metz). </li></ul><ul><li>Semiótica conotativa: O plano da expressão é uma semiótica completa e o plano do conteúdo, um “conotador”, um conjunto de convenções e restrições métricas, formais e estéticas (Emilio Garroni). </li></ul>
  11. 11. Literatura e História <ul><li>Diferentes abordagens: </li></ul><ul><li>Literatura como fonte: Trabalha com o conceito de imaginário, a literatura é eficaz na identificação dos imaginários coletivos. Importância da interdisciplinaridade. </li></ul><ul><li>Literatura como objeto de estudo. </li></ul>
  12. 12. Literatura e História – Questão da narrativa <ul><li>Hayden White suprime a linha democrática entre história e literatura: </li></ul><ul><li>história se aproxima da literatura no que diz respeito a construção do texto. </li></ul><ul><li>Critica a distinção entre fato e ficção. </li></ul><ul><li>Leva a questionar a forma textual empregada pelo historiador: O que é um texto científico? O que é um texto literário? </li></ul>
  13. 13. Literatura e História – Questão da narrativa <ul><li>O retorno ao fato é impossível. </li></ul><ul><li>O historiador é sujeito de seu tempo buscando dialogar com o passado. </li></ul><ul><li>Porém, diferente do literário, o historiador lida com o que de fato aconteceu, e nessa lógica, é certo que a história não deve competir com a ficção. </li></ul>
  14. 14. Literatura e História – Questão da narrativa <ul><li>A pesquisa histórica não é apenas a narração dos resultados de um livro. A retórica é importante na historiografia prática, mas não é, como declara White, incompatível com uma referência realista a fatos históricos. </li></ul><ul><li>Na mesma medida que literatura se aproxima da história como fonte, se distancia dela como narrativa. </li></ul>
  15. 15. Literatura e História – Questão da narrativa <ul><li>Apesar das inevitáveis discussões teóricas, a literatura não deixa de ser uma importante fonte para o historiador, revelando os hábitos e o imaginário social da época em que foi produzida. </li></ul>
  16. 16. Arte e História <ul><li>São fontes privilegiadas para o saber histórico: </li></ul><ul><li>Pinturas, esculturas, arquitetura, desenhos, monumentos, mobiliários, vestimentas, acessórios, etc. </li></ul>
  17. 17. Arte e História <ul><li>O que essa cultura material pode revelar sobre uma sociedade é relativo, dependendo do conteúdo ao qual a pergunta se refere. </li></ul><ul><li>Exemplo: Estudo de Phillipe Ariès sobre o comportamento social diante da família e da criança durante a Idade Média e a gradual mudança desse comportamento na Idade Moderna. </li></ul>
  18. 18. Arte e História <ul><li>Ariès não utilizou apenas fontes escritas, utilizou também fontes iconográficas tais como construções das casas e escolas, objetos no interior das casas e igrejas, esculturas e pinturas da época. </li></ul>
  19. 19. Arte e História <ul><li>Outro exemplo é a obra “História Artística da Europa”, de Georges Duby. </li></ul><ul><li>O autor recorre a diversas fontes, principalmente a arquitetônica, para explicar a produção artísticas da época e concluir que naquele tempo, antes de obras de arte elas eram, mais do que tudo, funcionais. </li></ul>
  20. 20. Considerações finais <ul><li>Há uma diferença entre documento e objeto e procedimentos metodológicos diferentes para cada um. </li></ul><ul><li>Uma coisa é constatar que as igrejas góticas são uma representação de uma dada realidade, outra é buscar no próprio estilo gótico o significado dessas representações. </li></ul>
  21. 21. Considerações finais <ul><li>Tratar os documentos não-gráficos como fontes trouxe uma valiosa contribuição para a história. </li></ul><ul><li>Contudo, o trabalho do historiador fica mais difícil quando seu questionamento recai sobre o próprio documento. </li></ul>
  22. 22. Considerações finais <ul><li>Centralizar as principais questões a partir de uma obra literária, de um filme, ou de uma arquitetura, por exemplo, é torná-los objeto de pesquisa e requer do historiador uma via de mão dupla, com disciplinas que prosseguem paralelamente ou transversalmente umas com as outras. </li></ul>

×