IPV6: A nova versão do protocolo de internet utilizado no mundo inteiro

386 visualizações

Publicada em

O IP é um protocolo da camada de rede utilizado mundialmente para o encaminhamento de dados. O IPV6 é a versão desse protocolo que começará a ser utilizada de forma unificada nos próximos meses, substituindo a versão 4 que está em uso atualmente.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
386
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

IPV6: A nova versão do protocolo de internet utilizado no mundo inteiro

  1. 1. IPV6: A nova versão do protocolo de internet utilizado no mundo inteiro Guilherme Passero <gpassero@uol.com.br> Ane Sinhuk <anesinhuk@hotmail.com> Prof. Vinícius Bueno da Silva <tato_@msn.com> Faculdade Metropolitana de Rio do Sul - UNIASSELVI/FAMESUL Bacharelado em Sistemas de Informação (INF61) – Redes de Computadores 16/11/11 RESUMO O IP é um protocolo da camada de rede utilizado mundialmente para o encaminhamento de dados. O IPV6 é a versão desse protocolo que começará a ser utilizada de forma unificada nos próximos meses, substituindo a versão 4 que está em uso atualmente. O principal motivo da mudança é o esgotamento de endereços disponíveis para o IPV4, o que impediria o crescimento da internet. Num mundo onde a tecnologia está se desenvolvendo rapidamente, surge a necessidade de tudo a nossa volta se conectar para facilitar nossa vida, e isso o IPV6 torna possível. A recomendação é que a migração ocorra gradualmente, primeiramente nas empresas que provêm serviços na internet, e após esses serviços estarem disponibilizados para IPV6, os usuário domésticos passarem para essa versão também. Havendo o desuso de NAT, que permitia separação de redes locais da mundial, tudo fica conectado diretamente, surgindo também questões de segurança antes ignoradas. É importante que os governos apoiem a migração do IPV4 para o IPV6 nos países, de outra forma podem haver problemas de conectividade com novos serviços e esses países ficarão para trás. Palavras-chave: IPV6. Internet. Rede. 1 INTRODUÇÃO Com o crescimento da internet, as limitações do IPV4, o protocolo utilizado para endereçamento e encaminhamento de dados, ficam cada vez mais preocupantes. Em certo momento seus limites se esgotarão e não será mais possível um dispositivo se conectar à rede por falta de endereço disponível. Para resolver esse problema, e também buscar novas melhorias no sistema, o IPV6 surge e já está sendo incentivado e adotado gradualmente em diversos lugares do mundo. O presente trabalho abordará no tópico dois, inicialmente, um breve histórico do protocolo de internet para contextualização. O tópico três apresentará os fatos que motivam a mudança do
  2. 2. IPV4 para o IPV6. O tópico quatro discriminará as principais vantagens do IPV6 sobre o IPV4. O tópico cinco tratará sobre como deverá estar ocorrendo a migração do IPV4 para o IPV6 para as empresas e para os usuários domésticos. O tópico seis levanta a questão de segurança para as redes locais com o uso da nova versão do protocolo IP. Enfim, o tópico sete reúne informações sobre como está a migração de versões do IP no mundo e quais o principais problemas caso o Brasil atrase nesse processo. 2 O QUE É IPV6? O IPV6 é um acrônimo para Internet Protocol Version 6, em português Protocolo de Internet Versão 6, que visa substituir o atual IPV4. O IP na versão 0 iniciou em março de 1977, mas somente a versão 4 de setembro de 1981 é que foi padronizada e entrou em uso. Trata-se do protocolo mais utilizado no mundo atual para o encaminhamento de dados entre dispositivos de rede. Atualmente estamos utilizando-o na versão 4. Enquadrando-se na camada de rede do modelo OSI, o IPV4 é considerado um protocolo não confiável no quesito segurança, onde esse requisito é passado para as camadas superiores. No entanto, é muito comum o uso do IP junto do Protocolo de Controle de Transmissão (TCP), tal uso é referido através da expressão TCP/IP. 3 NECESSIDADE DE MUDANÇA O endereçamento do IPV4 é realizado através de um bloco de 4Bytes, ou seja, 4.294.967.296 possibilidades de endereços simultâneos. Esse número já não é grande, considerando que a população mundial hoje passa dos 7 bilhões, no entanto o protocolo não havia sido criado com fins comerciais e a demanda atual não fora prevista. Embora possa ser citada a má distribuição de endereços para uso no mundo, a necessidade de mudança no protocolo atual existe essencialmente devido ao crescimento global exponencial de dispositivos em rede. Estamos em uma situação onde já se pode prever um fim para o IPV4, o seu “esgotamento”.
  3. 3. Pode-se dizer, então, que para ampliar a capacidade de consumidores da internet, surge o IPV6. 4 NOVIDADES DO IPV6 O IPV6 não só resolve o problema do “tamanho” que a internet tinha com o IPV4, mas também resolve e facilita outras situações. Segundo SISNEMA Informática (2009), as principais novidades do IPV6 são: - Espaço de endereçamento 128 bits; - Autoconfiguração de endereço; - Endereçamento hierárquico; - Formato do cabeçalho novo; - Cabeçalhos de extensão; - Suporte à qualidade diferenciada; - Capacidade de extensão; - Encriptação. (Disponível em: <http://sisnema.com.br/Materias/idmat019519.htm>) 5 MIGRAÇÃO DE IPV4 PARA IPV6 O uso do IPV4 já é habitual e comum para nós, por isso é evidente que a maioria das empresas reluta ou simplesmente ignora a necessidade de migração para o IPV6. Mais registros de endereços v4 são realizados e estamos cada vez mais perto do esgotamento do IPV4, a partir daí qualquer pessoa ou empresa que deseja ter acesso à internet deverá utilizar o IPV6. Um site na Web, por exemplo, que foi disponibilizado em um endereço IPV6, poderá ficar indisponível para um usuário que utilize e se limite ao IPV4, o que pode ser muito inconveniente. No entanto, nota-se também a necessidade de um usuário IPV6 obter acesso a um site na Web
  4. 4. disponibilizada em um endereço IPV4. A conversão de endereços é um obstáculo na migração que deverá ser resolvido pelo provedor de serviços ou pelo usuário Para migrar do IPV4 para o IPV6, o primeiro passo é analisar se os hardwares e softwares que utilizam a internet possuem suporte ao IPV6, possivelmente possuirão se foram adquiridos nos últimos 2 anos, segundo Franklin e Reed (2011, disponível em: <http://computerworld.uol.com.br /telecom/2011/06/10/ipv6-roteiro-para-a-transicao/paginador/pagina_2>). Custos poderão surgir caso surja a necessidade de adquirir novos hardwares ou softwares que realizem a conversão IPV4 para IPV6 localmente. Também é necessário que o provedor de serviço de internet tenha aderido ao IPV6. Em uma empresa, a migração de forma gradual, com realização de testes e capacitação de usuários do IPV6, é recomendada. É recomendado também que a empresa inicie a migração antes que isso se torne essencialmente necessário, a fim de evitar correrias, confusões e problemas em uma migração forçada. Haja vista que antes do IPV6 atingir o usuário doméstico, é necessária a disponibilização dos seus serviços nesse protocolo, as instituições públicas e privadas deverão ser as primeiras a realizarem a migração. Para o usuário doméstico, segundo o site do projeto do IPV6 no Brasil (disponível em: <http://www.ipv6.br/IPV6/AjudaIPV6Usuario>), a migração será transparente, pois os softwares ficarão responsáveis por se configurar. No entanto, vale lembrar que ainda ficam necessários softwares (principalmente sistema operacional) e hardwares (principalmente adaptadores de rede, modens, switches e roteadores) compatíveis com IPV6. 6 SEGURANÇA DE REDES LOCAIS Vale ressaltar que o IPV6 vai tornar desnecessário o uso de NAT, onde todos os dispositivos estarão diretamente conectados à internet, não havendo a separação tão distinta hoje de LAN e WAN. Conforme Franklin e Reed (2011), tal mudança a princípio causa receio nos usuários, pois o NAT até então era considerado um “muro” de proteção entre a rede externa e interna. A verdade, como disse o responsável pelo projeto IPV6 no Brasil, Antonio Moreiras, em vídeo disponibilizado pelo Comitê de Gestão da Internet no Brasil (cgi.br) (disponível em:
  5. 5. <http://www.youtube.com/watch?v=1QwkwwdORvY>, é que cada vez mais dispositivos com que interagimos estarão conectados na grande internet, de forma a facilitar nossa vida. A Web 3, por exemplo, é a nova versão da Web que se preocupa em se beneficiar dessa realidade, enquanto que o IPV6 visa permití-la. Sendo assim, o uso de NAT será abolido e todo dispositivo será conectado diretamente na internet, possuindo seu próprio endereço. 7 IMPLANTAÇÃO DO IPV6 NO MUNDO Segundo o site oficial do projeto IPV6 no Brasil, França, Índia, Espanha, Austrália, Japão, Estados Unidos e Malásia são países que estão incentivando o uso do IPV6 através de: ● Apoio a projetos de pesquisa sobre IPv6, e a projetos para a disseminação do novo protocolo. ● Criação de normas para aquisição de equipamentos e serviços, na esfera administrativa, com suporte obrigatório a IPv6. ● Implantação do IPv6 nas redes e serviços Internet do governo. ● Incentivos fiscais à adoção do IPv6. (Disponível:<http://www.ipv6.br/IPV6/AjudaIPV6Governo#Como_os_ governos_de_outros_pa_se>) Também cita que os EUA já possuem as redes de suas agências governamentais prontas para o IPV6 e que a União Europeia já investiu mais de 90 milhões de euros em pesquisas para a implantação do IPV6. Não ter o IPV6 implantado no Brasil a tempo teria como principal conflito a falta de acesso a serviços disponibilizados em endereços estritamente IPV6 (devido aos IPV4 terem esgotado). O segundo principal problema seria a necessidade de disponibilização de novos serviços brasileiros na internet, considerando o IPV4 esgotado.
  6. 6. 8 CONSIDERAÇÕES FINAIS Nem sempre é possível prever os impactos que novas descobertas terão sobre o mundo e a vida das pessoas. Às vezes imaginamos algo que pode ser muito grande, mas que pode, em algum momento, ultrapassar todas as expectativas. É o caso da Internet. Há alguns anos imaginávamos que a maioria das casas teriam Internet e lutávamos pela inclusão digital, de modo que todos pudessem ter um mínimo de acesso. Hoje é possível e provável que todos tenham acesso, das mais diversas formas, não só nos convencionais computadores desktops, mas em notebooks, netbooks, celulares, gps, enfim, a rede cresceu monstruosamente. Hoje as limitações do IPV4 já não suportam a demanda e por isso precisamos de um protocolo mais eficaz, maior e mais ágil, daí surge o IPV6, que tende a dominar as redes de computadores em pouco tempo tornando o endereçamento não só mais amplo, mas também mais eficiente. REFERÊNCIAS SISNEMA. IPv6 - A próxima geração de Internet. Disponível em: <http://sisnema.com.br/Materias/ idmat019519. htm>. Acesso em: 15 nov. 11. HEDER, Brian. IPv6: roteiro para a transição. Disponível em <http://computerworld.uol.com.br /telecom/2011/06/10/ipv6-roteiro-para-a-transicao/paginador/pagina_2>. Acesso em: 15 nov. 11. Comitê Gestor da Internet no Brasil. Usuário Final. Disponível em: <http://www.ipv6.br/IPV6/AjudaIPV6Usuario>. Acesso em: 15 nov. 11. OnRedes IPv6 - Momento da Transição. Disponível em <http://www.youtube.com/watch?v =1QwkwwdORvY>. Acesso em: 15 nov. 11. Comitê Gestor da Internet no Brasil. Governo. Disponível em: < http://www.ipv6.br/IPV6/AjudaIPV6Governo#Como_os_governos_ de_outros_pa_se >. Acesso em: 15 nov. 11.

×