ELEMENTOS DE ECOLOGIA E CONSERVAÇÃO                  PRÁTICA DE CAMPO“A ciência é mais do que um corpo de conhecimento, é ...
(repetidamente confirmadas há mais de 150 anos, o que as leva atualmenteao status de “fato” e não somente teoria) ainda es...
irregularidades, exceções ou aparentemente contradições na natureza e aformação de hipóteses para explicá-los. O segundo d...
olhar curioso, investigativo e questionador, não apenas contemplativo. Nestaparte da prática, procure formular tantas perg...
Passo 6: Proposição de um método       Agora, seu grupo deverá debater sobre as melhores abordagensexperimentais para se t...
BIBLIOGRAFIAAUTORES DIVERSOS. Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo, Encyclopaedia Britannica    do Brasil Publicações, 1997-...
APÊNDICE 1: Formulário para preenchimento do relatório de campoPrática de Campo: Elementos de Ecologia e ConservaçãoIntegr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Roteiro de prática de campo

270 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
270
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Roteiro de prática de campo

  1. 1. ELEMENTOS DE ECOLOGIA E CONSERVAÇÃO PRÁTICA DE CAMPO“A ciência é mais do que um corpo de conhecimento, é um modo de pensar.(...) O modo científico de pensar é ao mesmo tempo imaginativo edisciplinado. Isso é fundamental para o seu sucesso. A ciência nos convidaa acolher os fatos, mesmo quando eles não se ajustam às nossaspreconcepções. Aconselha-nos a guardar hipóteses alternativas em nossasmentes, para ver qual se adapta melhor a realidade. Impõe-nos umequilíbrio delicado entre uma abertura sem barreiras para ideias novas, pormais heréticas que sejam, e o exame cético mais rigoroso de tudo – dasnovas ideias e do conhecimento estabelecido.” Carl Sagan – O Mundo Assombrado por DemôniosINTRODUÇÃOO que é ciência? Como muitas palavras comuns no dia-a-dia das pessoas, o termo“ciência” é muito falado, porém pouco compreendido. Contudo, podemosiniciar afirmando que ciência é a forma através da qual o homem procuraentender o mundo. Além de descrever os padrões do mundo natural einanimado, a ciência é responsável por testar estes padrões. Estes testesdevem ser feitos de forma repetida, por investigadores diferentes e atravésde métodos distintos. Cada vez que um fato é confirmado, reforça aprobabilidade de este ser “verdadeiro”. Cada vez que um teste não éconfirmado, aumenta a probabilidade de a teoria concorrente ser“verdadeira”. A busca pela “verdade” absoluta sobre um fato pode serconsiderada um dos principais objetivos da ciência, mas este postoraramente é alcançado e leva muito tempo para ser atingido. Mesmo teoriascomo a evolução por seleção natural de Charles Darwin e Alfred Wallace
  2. 2. (repetidamente confirmadas há mais de 150 anos, o que as leva atualmenteao status de “fato” e não somente teoria) ainda estão sujeitas a ataques, o quemostra a dificuldade de estabelecermos a “verdade” na ciência.Qual é o objetivo da ciência? O filósofo da ciência Karl Popper definiu que “(...) a meta da ciência éencontrar explicações satisfatórias de qualquer coisa que nos impressionecomo necessitando de explicação”. Ele defende que a ciência busca não sóencontrar explicações de fatos ainda não explicados, mas também melhoraro grau de satisfação das explicações. Podemos construir explicaçõesmelhores fazendo com que a ciência constantemente se renove. Tendo essameta, podemos dizer que os principais objetivos da ciência são satisfazer acuriosidade dos seres humanos e mudar o mundo em que vivemos. Ter umavisão científica do mundo nos ajuda a compreender de forma mais clara anatureza, o nos que leva pensar em caminhos e construir ferramentas paranos ajudarem a melhorar nossa qualidade de vida e até a propor soluçõespara problemas que encontramos.Como podemos fazer ciência? As primeiras tentativas de explicar o mundo natural invocavam osobrenatural. Os antigos gregos deram início a uma abordagem diferente,tentando explicar o mundo através das forças naturais. Os gregos basearamsuas explicações em principalmente observação e reflexão. O terceiro tipo deesforço explicativo foi a ciência moderna, que é determinada pelo teste deexplicações formuladas previamente. O cientista formula explicações sobreo que não é bem conhecido ou compreendido e tenta respondê-las. Aprimeira resposta é chamada de conjectura ou hipótese (de hypos = abaixo;thesis = proposição, ideia, ou seja, uma ideia ainda não considerada fato,verdade), e serve como uma tentativa de explicação. Mas não basta apenaster uma explicação. É preciso se certificar que a resposta é verdadeira, oupelo menos é o mais próximo possível da verdade, tomando por base oconhecimento disponível. Uma discussão antiga e que perdura até hoje ésobre como essa hipótese deve ser construída e testada. Um fato que muitosfilósofos da ciência e cientistas concordam é que a ciência é um processoque se dá em dois passos. O primeiro envolve a descoberta de novos fatos,
  3. 3. irregularidades, exceções ou aparentemente contradições na natureza e aformação de hipóteses para explicá-los. O segundo diz respeito àjustificativa – os procedimentos por meio dos quais as hipóteses são testadase posteriormente validadas ou refutadas. Desta forma, para fazer ciência,precisamos praticar a descoberta e a justificativa de explicações sobre anatureza.Onde vamos praticar ciência? Ao contrário do que muitas vezes imaginamos, fazer ciência nemsempre requer laboratórios sofisticados e equipamentos caros. Muitosestudos podem ser desenvolvidos ao ar livre e com materiais simples, osquais podem ser inclusive confeccionados pelo próprio pesquisador. Empaíses como o nosso, onde infelizmente os recursos para pesquisa já forambastante escassos, pesquisas em ecologia não raro são feitas em locais quevariam desde jardins urbanos a parques nacionais, com materiais como sacose potes plásticos, régua, lupa de mão, estacas de madeira, álcool, etiquetas,lápis, papel e prancheta. Nem por isso estes estudos são inferiores oupossuem menos valia em comparação àqueles realizados com mais recursos. Deste modo, qualquer ambiente próximo à sua residência ou ao seupolo – seja ele alterado pelo homem ou não – é um local potencial pararealizarmos pesquisas em ecologia. Basta formularmos uma pergunta clarapara respondermos e dispormos de materiais e métodos adequados paranortear o nosso proceder.MÉTODO Depois de refletirmos sobre ciência e conhecermos nossa área detrabalho, vamos tentar colocar em prática o “modo de pensar” científico.Forme uma dupla ou trio (no máximo) e tente explorar o ambiente no qualvocê se encontra. Siga os passos abaixo e não deixe de discutir com osoutros grupos e com o tutor sobre as suas ideias e hipóteses. A discussãosobre qualquer padrão encontrado é válida.Passo 1: Observação Utilizando conscientemente os seus sentidos, devemos caminhar peloambiente observando atentamente seus elementos. É importante manter um
  4. 4. olhar curioso, investigativo e questionador, não apenas contemplativo. Nestaparte da prática, procure formular tantas perguntas quanto puder, para quepossa escolher a melhor para trabalhar. Aproveite para relembrar todos osassuntos abordados até este momento em seus estudos de Elementos deEcologia e Conservação e procure fazer associações com o que estáobservando em campo.Passo 2: Identificação de um padrão ou objeto de interesse A partir dos elementos observados e das questões formuladas,identifique um padrão: algo que se repita de maneira regular no ambiente; ouescolha um objeto (um tipo de pedra, de solo, de animais, de danos emfolhas, tons da vegetação, alturas das plantas, entre vários outros) ou algoque achar particularmente intrigante. Focalize-se na sua escolha e procuredescreve-la com o máximo de atenção.Passo 3: Pausa para discussão Neste momento todos os grupos e o tutor devem se reunir para discutiros padrões levantados. Seriam os padrões encontrados passíveis de teste? Seapós a discussão o padrão não for válido e o grupo for convencido deste fato,um novo padrão terá que ser escolhido. Após o novo padrão ser escolhido ogrupo pode seguir para o passo 4.Passo 4: Formulação de um problema Nesta parte você deve se questionar acerca do padrão encontrado: Porque ele ocorre? Onde ele ocorre? Como se desenvolve? A formulaçãocorreta de um problema irá facilitar muito os passos seguintes.Passo 5: Elaboração de uma hipótese Por definição, uma hipótese é o enunciado de uma soluçãoestabelecida provisoriamente para um dado problema. Ao estabelecer umahipótese, você estará fazendo uma previsão sobre o seu objeto de pesquisa,que deverá ser confirmada ou refutada por meio de evidênciasexperimentais.
  5. 5. Passo 6: Proposição de um método Agora, seu grupo deverá debater sobre as melhores abordagensexperimentais para se testar a hipótese. Como não teremos tempo de realizaros experimentos, você deve apenas avaliar as possibilidades. Você poderápropor abordagens ousadas, mas tenha em mente que sua abordagem deveráter coerência com a ciência e utilizar mecanismos possíveis.Passo 7: Debate e avaliação do trabalho Depois de formulado o seu método é hora de apresentá-lo aos seuscompanheiros de trabalho. Procure ouvir atentamente e anotar as críticas esugestões dadas por seus colegas e pelo tutor. Muitas vezes, é neste passoque surgem as melhores ideias. Lembre-se de que sua ideia deve serdefendida, mas não a qualquer custo. Considerar as colocações alheias emanter a coerência são essenciais para fazermos boa ciência. Após o campo, lembre que qualquer dúvida em relação ao padrão,hipótese ou método levantado pelo grupo pode ser discutida tanto com otutor presencial do seu polo como com os tutores à distância.O RELATÓRIO DE CAMPO DEVE CONTER:- INTRODUÇÃO: deve ser elaborada a partir de uma pesquisa bibliográfica(principalmente através de livros e artigos científicos/divulgação) efetuadapelo grupo, dissertando brevemente sobre o contexto do ambiente e dopadrão escolhido. O grupo deve falar sobre as especificidades do ambienteem questão e a importância do padrão escolhido, além de relatar como foiobservado e identificado este padrão;- OBJETIVO: enumerar os pontos a serem atingidos na prática;- HIPÓTESE: descrever a hipótese a ser testada sobre o padrão observado;- MÉTODO: propor um método para testar a hipótese formulada;- RESULTADOS: mencionar os resultados possíveis e / ou esperados doteste da hipótese;- CONCLUSÃO: tecer considerações finais sobre o ambiente observado, daimportância deste tipo de trabalho para consolidação de sua aprendizagem edemais colocações que julgar necessárias;- BIBLIOGRAFIA: citar as fontes em que o grupo se baseou para fazer apesquisa bibliográfica.
  6. 6. BIBLIOGRAFIAAUTORES DIVERSOS. Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo, Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações, 1997-2000. 18 v.MAYR, ERNST. Isto é Biologia. São Paulo, Companhia das Letras, 2008.MAYR, ERNST. Biologia, Ciência Única. São Paulo, Companhia das Letras, 2005.POPPER, KARL. Conhecimento Objetivo. Itatiaia, EDUSP, 1975.POPPER, KARL. A Lógica da Pesquisa Científica. São Paulo, Melhoramentos, 1975.SAGAN, CARL. O Mundo Assombrado Pelos Demônios. São Paulo, Companhia das Letras, 2007.
  7. 7. APÊNDICE 1: Formulário para preenchimento do relatório de campoPrática de Campo: Elementos de Ecologia e ConservaçãoIntegrantes: ________________________________________ RA: _________________ ________________________________________ RA: _________________ ________________________________________ RA: _________________Pólo:__________________________ Tutor Presencial: __________________________Localidade Visitada: ___________________________________ Data: ____/____/_____1. Introdução:________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________2. Objetivo:________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________3. Hipótese:________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________4. Método:_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

×