SORVETERIA CARIOCA: A LOGÍSTICA EMPREGADA NESTE SEGMENTO DE MERCADO

3.449 visualizações

Publicada em

Este projeto trata de uma sorveteria em Jacarepaguá. A Sorveteria Carioca, estamos usando este nome fictício por solicitação da empresa, fabrica sorvetes artesanais e revende picolés de uma marca já conhecida. Atua há 22 anos no bairro e no momento encontra-se com o crescimento estagnado. Após uma rápida busca sobre as particularidades do sorvete e de sua produção, visitamos o local e percebemos que algumas mudanças poderiam ser implementadas para que essa empresa possa alcançar o crescimento sem precisar causar desconforto aos proprietários.
Palavras-chave: Sorveteria. Crescimento.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

SORVETERIA CARIOCA: A LOGÍSTICA EMPREGADA NESTE SEGMENTO DE MERCADO

  1. 1. HENRIQUE DACHEUX JOB DIAS LUDMILLA VIANA SORVETERIA CARIOCA: A LOGÍSTICA EMPREGADA NESTE SEGMENTO DE MERCADO RIO DE JANEIRO 2012
  2. 2. HENRIQUE DACHEUX JOB DIAS LUDMILLA VIANA SORVETERIA CARIOCA: A LOGÍSTICA EMPREGADA NESTE SEGMENTO DE MERCADO Trabalho de conclusão da Ação Educativa de Projeto (1º período) do Curso de Graduação Tecnológica em Logística, da Faculdade Senac Rio. Docente orientador: Mauricio de Figueiredo Preger RIO DE JANEIRO 2012
  3. 3. Faculdade Senac Rio Curso: Graduação Tecnológica em Logística Ano: 2012 Semestre: 1º Módulo: 1 Turno: Noite Nome do aluno(s): Henrique Dacheux, Ludmilla Viana, Job Dias. Título: Sorveteria Carioca: a logística empregada neste mercado. Nome do docente orientador: Mauricio de Figueiredo Preger Conceito: O . Recomendações: ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ Rio de Janeiro, 28 de junho de 2012. _______________________________ Orientador _______________________________ Docente _______________________________ Docente Mauricio Preger
  4. 4. AGRADECIMENTOS Agradecemos a todos aqueles que, direta ou indiretamente, colaboraram para a conclusão deste trabalho. Em primeiro lugar, obrigado(a) à minha família, especialmente aos meus pais, por terem me proporcionado a educação e a base familiar necessária para que eu pudesse chegar até aqui. A Bibliotecária Marcele de Lima Rodrigues por toda a dedicação e paciência com estes discentes. Ao professor Mauricio de Figueiredo Preger pela valiosa orientação na condução deste trabalho.
  5. 5. RESUMO Este projeto trata de uma sorveteria em Jacarepaguá. A Sorveteria Carioca, estamos usando este nome fictício por solicitação da empresa, fabrica sorvetes artesanais e revende picolés de uma marca já conhecida. Atua há 22 anos no bairro e no momento encontra-se com o crescimento estagnado. Após uma rápida busca sobre as particularidades do sorvete e de sua produção, visitamos o local e percebemos que algumas mudanças poderiam ser implementadas para que essa empresa possa alcançar o crescimento sem precisar causar desconforto aos proprietários. Palavras-chave: Sorveteria. Crescimento.
  6. 6. LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Evolução do mercado brasileiro de sorvetes....................................................... 10 Figura 2 Produção e consumo .......................................................................................... 11 Figura 3 Consumo per capita internacional....................................................................... 11 Figura 4 Organograma..................................................................................................... 14 Figura 5 Diagrama da cadeia logística da sorveteria....................................................... 16 Figura 6 Sistema de produção........................................................................................... 17 Figura 7 Maquinário de embalagem automática................................................................ 17 Figura 8 Organograma da nova estrutura da empresa........................................................ 20
  7. 7. LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABIS – Associação Brasileira da Indústria de Sorvetes. INDI - Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas gerais. SICONGEL – Sindicato da Indústria Alimentar de Congelados, Supercongelados, sorvetes, Concentrados e Liofilizados.
  8. 8. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO........................................................................................ 08 1.1 Problema................................................................................................. 11 1.2 Justificativa................................................................................................ 12 1.3 Objeivos.................................................................................................... .. 12 1.3.1 Objetivo geral........................................................................................... 12 1.3.2 Objetivos específicos................................................................................ 12 1.4 Metodologia............................................................................................... 13 2 DESENVOLVIMENTO.............................................................................. 14 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS...................................................................... 19 3.1 Conclusão................................................................................................. 19 3.2 Sugestões................................................................................................ 19 REFERÊNCIAS........................................................................................ 22 ANEXOS................................................................................................... 23
  9. 9. 8 1 INTRODUÇÃO O sorvete existe há mais de três mil anos, sua história começa na China, com uma mistura de neve com frutas. Esta técnica foi posteriormente passada aos árabes, que logo começaram a fazer caldas geladas chamadas de sharbet e que mais tarde se transformaram nos famosos sorvetes franceses sem leite, os sorbets. Nos banquetes de Alexandre, o Grande, na Grécia e nas famosas festas gastronômicas do imperador Nero, em Roma, os convidados já degustavam frutas e saladas geladas com neve. O Imperador mandava seus escravos buscarem neve nas montanhas para misturar com mel, polpa ou suco de frutas. O gelo era estocado em profundos poços construídos pelo povo. Porém, a grande revolução no mundo dos sorvetes aconteceu com Marco Polo, que trouxe do Oriente para a Itália, em 1292, o segredo do preparo de sorvetes usando técnicas especiais. Assim a moda dos sorvetes espalhou-se por toda a Itália, e quando Catarina de Médici casou-se na França com o futuro rei, Henrique II, entre as novidades trazidas da Itália para o banquete de casamento, estavam às deliciosas sobremesas geladas, as quais encantaram toda a corte. Mas o grande público francês só teve acesso a estas especialidades um século depois quando Francesco Procópio abriu um café em Paris, em 1686, que se tornou o estabelecimento mais antigo existente, que serve bebidas geladas e sorvetes tipo sorbet. Os sorvetes se espalharam por toda a Europa e logo chegaram também aos Estados Unidos onde a primeira produção de sorvete em escala industrial ocorreu, há 40 anos. No Brasil, o sorvete ficou conhecido em 1834, quando dois comerciantes cariocas compraram 217 toneladas de gelo, vindas em um navio norte-americano, e começaram a fabricar sorvetes com frutas brasileiras. Na época, não havia como conservar o sorvete gelado e, por isso, tinha que ser tomado logo após o seu preparo. Sobre o assunto, o Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (1984, p. 2) registrou:
  10. 10. 9 Hoje, o sorvete é um alimento refrescante e nutritivo, acondicionado e apresentado em diversos formatos. As matérias primas mais utilizadas para a indústria sorveteira são o leite, inclusive em pó e condensado, nata, iogurte, açúcar, glicose, gemas de ovos frescos ou em pó, sucos e polpas de frutas ou frutas naturais, etc. Os estabilizantes, os aromas e emulsionantes completam os produtos que compõe a mistura para sorvetes. O mercado brasileiro de sorvetes está dividido entre os produtos industrializados e os fabricantes em escala artesanal. As formas mais comuns de apresentação do sorvete são: Picolé: Sorvete solidificado, preso à extremidade de um palito; Produtos tipo leve para casa: acondicionados em caixas de isopor, latas, tijolos e potes e massas: servidas em taças, copos e casquinhas. O mercado em geral está passando por um aumento no consumo de sorvetes. Explicamos isso observando alguns fatores. O aumento da temperatura global provoca um aumento na demanda em nosso país, já que aqui se vê o sorvete como sobremesa. A elevação da renda da classe C e um maior investimento dos fabricantes em pontos de venda explicam o aumento do consumo no Brasil. Sabemos que o maior consumo per capita de sorvete ou creme gelado é na Europa, já que tem seu consumo enraizado no hábito alimentar e não somente como sobremesa. Temos também um novo diferencial com a chegada do frozen yogurt. Após um ano, o produto se tornou uma febre de consumo, em virtude do menor teor de gordura. Esta fábrica de sorvete tem em seu mix de produtos um diferencial em relação aos concorrentes, pois seu público demanda por qualidade, diferencial e quantidade de sabores, mesmo pagando mais pelo produto. Seus concorrentes diretos, Kibon e Nestlé tem o preço de mercado para o pote de 2L, em quinze reais e noventa centavos (R$15,90). Enquanto na Sorveteria Carioca, o preço do pote de 1L custa onze reais e sessenta centavos (R$11,60). Se compararmos, realmente seria um absurdo a diferença de custo, o sorvete dos concorrentes em relação ao mesmo volume 1L custaria sete reais e noventa e cinco centavos (R$7,95). A diferença em percentuais seria de 145,91%, desta forma mostramos que qualidade supera a facilidade de compra em grandes supermercados padarias e lojas de conveniências. A produção de sorvetes atingiu 895 milhões/litros com um acréscimo de 14,1% sobre o ano anterior. O faturamento atingiu R$ 5,521 bilhões com um crescimento de 13,4% sobre 2009. O crescimento teve como principais motivos a melhoria do rendimento médio real das pessoas ocupadas, de 3,8%, a expansão de 5,2% do emprego, segundo o IBGE, o clima propício e a
  11. 11. 10 valorização da moeda brasileira em relação ao dólar americano. As exportações totalizaram US$0,8 milhões em 2010, com expansão de 21% sobre o ano anterior, já as importações apresentaram alta de 267%, totalizando US$ 29,4 milhões. O consumo, em volume, cresceu 15,4% sobre o ano anterior, atingindo acifra de 908 milhões de litros, e 14,1% em valor, alcançando R$ 5,571bilhões. No mesmo período o consumo per capita, elevou-se de 4,0/litros por habitante para 4,5/litros por habitante, patamar superior ao da Argentina, mas ainda muito distante da Itália com 8,2 l/hab. A geração de emprego no setor de sorvetes no Brasil apresentou crescimento de 5,0 % atingindo a marca de 19.604 empregos formais. Em São Paulo, o número de empregos formais cresceram 3,6%, totalizando 4.529 postos de trabalho (ABIA / SICONGEL, 2010). Como demostrado pelas figura 1 e 2. Figura 1 - Evolução do mercado Brasileiro de sorvetes. Consumo. Fonte: Abia/Sicongel (2010).
  12. 12. 11 Figura 2 – Produção e consumo de sorvetes. Fonte: Abia / Sicongel (2010). Podemos destacar na figura 3 o consumo per capita internacional no ano de 2010. Figura 3 – Comparação Internacional (Consumo Per Capita). Fonte: Abia / Sicogel (2010). 1.1 Problema Depois de vinte e dois anos de mercado e já tendo se estabilizado no bairro, com variados sabores de sorvetes, percebe-se certa acomodação de seus proprietários, desta maneira a empresa encontra-se estagnada. Não aproveitando a crescente demanda em seu bairro.
  13. 13. 12 1.2Justificativa Para uma empresa se manter no mercado, a satisfação do cliente é a base do sucesso, pois caso contrário, abre-se espaço para a concorrência, perdendo participação no mercado e colocando em risco a existência do negócio. A não continuidade na elaboração de certos sabores geram insatisfação de clientes que já haviam consumido estes sorvetes. Dessa forma deixam de atender a demanda do bairro, cada vez maior devido à sua expansão populacional. 1.3Objetivos 1.3.1Objetivo geral Analisar as possibilidades de crescimento da empresa. 1.3.2 Objetivos específicos  Analisar a possibilidade de expansão por franquia.  Pesquisar a capacidade instalada.  Avaliar a concorrência no bairro.
  14. 14. 13 1.4 Metodologia Conforme VERGARA (2010, p. 41), “A investigação exploratória, que não deve ser confundida com leitura exploratória, é realizada em área na qual há pouco conhecimento acumulado e sistematizado. Por sua natureza de sondagem, não comporta hipóteses que, todavia, poderão surgir durante ou ao final da pesquisa.” Pesquisa bibliográfica e investigação exploratória com entrevista, onde o proprietário da Sorveteria Carioca nos atendeu adequadamente, porém se reservou a responder algumas perguntas do questionário e não nos permitiu a visitação a área de produção.
  15. 15. 14 2 DESENVOLVIMENTO Após 22 anos de atuação e sucesso no bairro da Taquara, a Sorveteria Carioca tenta resistir à pressão das grandes empresas do ramo. Já que não existe nas proximidades outra sorveteria artesanal. Os clientes estão bastante satisfeitos com a qualidade dos produtos, atendimento, espaço físico e preços dos sorvetes, porém alguns sabores deixaram de ser vendidos em virtude da complexidade da sua fabricação, mesmo com a indignação dos clientes. A demanda é grande, apesar de ser uma sorveteria de pequeno porte, pois se trata de uma empresa familiar e o seu quadro de funcionários é pequeno para atendimento no balcão, sendo de seis colaboradores, conforme demonstrado na figura 4. Figura 4 – Organograma. Fonte: Autores (2012). Proprietário Químico 1 Departamento de RH e Gerência de loja. 1 Departamento de Produção. 1 Loja Venda (varejo) 6
  16. 16. 15 O funcionamento da mesma é de terça-feira a domingo, pois na segunda-feira, além de ser folga dos colaboradores é o dia de recebimento dos insumos para a fabricação do sorvete, sendo duas empresas de frutas e polpa de frutas e dois distribuidores de alimentos e bebidas, que fornecem: leite em pó, achocolatado, açúcar, gordura hidrogenada, essências de vários sabores, confeitos, granulados, formas para pesagem a quilo e potes de 500 ml, 1L e 10L. A empresa fica situada em um ponto estratégico, pois existem vários condomínios residenciais, colégios e em uma rua de bastante movimento, tanto de transeuntes, como de circulação de veículos. O grande diferencial da Sorveteria Carioca, não é o preço, mas sim a diversificação dos sabores e a sua qualidade, fazendo com que grande parte das pessoas da região, opte em consumir na própria loja ou até mesmo levar para a sua residência esse típico sorvete artesanal, deixando de lado as grandes marcas existentes no mercado. A Sorveteria Carioca trabalha com 31 sabores diversos de sorvete e 10 sabores de fruta. Além disso, a sorveteria aceita encomendas de tortas feitas com 2 sabores escolhidos entre os 41. Para que uma empresa se mantenha no mercado, não basta mais apenas atender as normas estabelecidas pelo órgão competente fiscalizador, mas sim procurar acompanhar os avanços tecnológicos no que tange ao processo produtivo, financeiro, controle de estoque e preocupação com o meio ambiente. Já em relação aos potes de sorvetes e colheres descartados pelos clientes na loja, não existe a mínima preocupação com o meio ambiente, pois os mesmos são deixados nas lixeiras sem a separação adequada e esses recolhidos pela Comlurb e despejados nos lixões da Cidade do Rio de Janeiro. Conforme demostrado na figura 5, temos o diagrama da cadeia logística da sorveteria.
  17. 17. 16 Figura 5- Diagramada cadeia logística. Fonte: Autores (2012). A fábrica possui os equipamentos de fabricação conforme a figura 6. Verificar necessidade de reposição Não Sim Não Sim Dar baixa no estoque Emite o pedido de compra Faz contato com fornecedor Recebeu a mercadori Conferência da mercadoria Est á ok? Estocagem da matéria prima Produção Estocagem do produto acabado Exposição no balcão Venda do produto
  18. 18. 17 Figura 6 - Sistema de produção. Fonte: R.Camargo máquinas e equipamentos para sorveterias (2012).. Há embalagens de diversos tipos e tamanhos que se adaptam a todos os produtos, com envasamento automático ou manual, conforme figura 7. Figura 7 – Maquinário de embalagem automática. Fonte: Tecnologia do alimento (2010). 1 - Tina de aquecimento de 150 litros a gás com emulsor e agitador. 2 - Bomba sanitária para transferência de calda com filtro. 3 - Bomba de homogeneização 250 litros/h. 4 - Trocador de calor a placas 5 - Tina tripla de maturação com capacidade para 450 litros (3 x 150) com banco de água gelada. 6 - Produtora 250/300 litros.
  19. 19. 18 Sua capacidade instalada é de 2.000L por dia sendo que sua produção é de apenas três dias por semana, tendo uma venda de 200 potes de 500ml por dia com um total de 2.600L a 3.100L por mês. Tendo a capacidade de crescer mais cinquenta por cento de seu limite atual. Sua instalação poderia produzir 60.000L de sorvete por mês, teria apenas que trabalhar todos os dias e não somente os doze dias atuais. Em pesquisa no bairro pudemos observar alguns concorrentes, são eles, três supermercados e quatro padarias. Os supermercados além de serem estabelecimentos de presença constante dos moradores do bairro, sempre possuem suas geladeiras de sorvetes cheias com sabores aos quais os clientes já estão habituados a ter em suas casas. Apresentam também oscilações de preços e promoções devido a validade dos sorvetes ser de mais ou menos seis meses. As padarias tem as mesmas vantagens dos supermercados, com um pequeno detalhe, é mais comum encontrar em freezers de padarias poucos potes de 2 litros e uma grande quantidade de picolés de marcas famosas no varejo, tendo um diferencial em relação aos sabores encontrados na Sorveteria carioca. Pois na sorveteria em questão, a variedade de sabores é maior e também possui opções diets e lights.
  20. 20. 19 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS 3.1Conclusão Há todo um potencial de crescimento da Sorveteria Carioca, tanto na parte produtiva, quanto na de vendas e colaboradores, porém na contramão desse crescimento, existe a acomodação de seus proprietários, pois os mesmos se encontram satisfeitos com esta estagnação. 3.2 Sugestões Falando sobre franquias, PEREIRA (2006, p. 33) registra que: Atualmente, crescer exclusivamente com recursos próprios é uma tarefa muito difícil e de alto risco. Não há de se admirar que as taxas de mortalidade das empresas sejam altas, logo nos primeiros anos de funcionamento. O Franchising está se mostrando um estratégia de expansão mais segura para os empresários que pretendem estender seus negócios com um volume de investimento inicial menor que de outras formas de desenvolvimento de negocio, além de possuir um controle apropriado do canal de distribuição de seus produtos e /ou serviços. As empresas que estão trabalhando através do sistema de franquia apresentam resultados que mostram que as vantagens são maiores que as desvantagens, e se desvantagens forem vistas como desafios, suas conseqüências podem ser diminuídas através de uma formação profissional e de uma implantação bem realizada para atuar no sistema. Importante salientar os dois principais participantes no processo: O franqueador que é o empresário que propõe um formato de empreendimento para o investidor que deseja ser dono do próprio negócio; e o franqueado que é o investidor interessado na oportunidade de abrir uma franquia.
  21. 21. 20 Essa é uma modalidade de negócio em que há vantagens para ambos os participantes. São vantagens para o franqueador pois ele necessitará de menos recursos para expandir seu negócio e ganhará um maior poder de barganha nas negociações com fornecedores. Teria apenas que aumentar seu quadro em sete colaboradores em virtude do aumento da demanda dos novos franqueados. Como vantagens para o franqueado vemos que o negócio já foi testado anteriormente pelo franqueador e como o modelo já está pronto e testado, o franqueado perde menos tempo com etapas como a de planejamento e implementação do negócio. Com sua capacidade ociosa teria como produzir 26.000L de sorvete por mês. Podendo abrir mais quatro franquias, pois teria capacidade de venda para todas de 5.000L inicial por mês e ficando com margem de 6.000L para atender alguma das lojas em que a demanda surpreendesse. Após este primeiro momento de adaptação compraria mais um sistema de produção e continuaria a crescer pois tem espaço para instalação em sua fabrica sem necessidade de obras ou compra de outro terreno. Conforme fosse crescendo teria que contratar mais sete colaboradores, entre eles um nutricionista para manter maior controle de qualidade sobre seus produtos, demostrado na figura 8. Figura 8 – Organograma da nova estrutura da empresa. Fonte: Autores (2012). Departamento de RH e Gerência de loja. 1 Proprietário Químico 1 Departamento de Produção. Gerente1 Loja Venda (varejo) 6 Nutricionista 1 Auxiliar de produção 4 Motorista de distribuição 1 Ajudante 1
  22. 22. 21 Conforme nosso entendimento o filho, co-proprietário, deverá ter uma percepção de crescer quando seus pais não mais tiverem à frente dos negócios, pois só assim terá como se manter frente à demanda crescente e concorrência que surgirá no bairro. Podendo ainda atender como fábrica o comércio ao seu redor com potes de 1L criando uma fidelização dos que ainda não conhecem a marca, pois sendo próximo a sua residência o consumidor acaba experimentando, indica aos amigos e familiares criando uma das melhores propagandas do mercado, o boca a boca.
  23. 23. 22 REFERÊNCIAS INDI. Sorvete artesanal. Belo Horizonte, Minas Gerais: INDI, 1984. PEREIRA, André Luis Soares. Franquia: 100% varejo & serviços. Rio de Janeiro: Outras Letras, 2006. R. CAMARGO MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS PARA SORVETERIAS. Sistema de produção. Disponível em: <http://www.rcamargo.com.br/2007/index.php?option=com_content&task=view&id=2 3&Itemid=51>. Acesso em: 24 abr. 2012. SICONGEL. Consumo per capita internacional. Disponível em: <http://www.sicongel.org.br/arquivos/dadosestat%C3%ADsticosdosetor2010.pdf>. Acesso em: 26 mai. 2012. SICONGEL. Evolução do mercado brasileirodo sorvete: produção. Disponível em: <http://www.sicongel.org.br/arquivos/dadosestat%C3%ADsticosdosetor2010.pdf>. Acesso em: 26 mai. 2012. TECALIM. Maquinário de embalagem automática. Disponível em: <http://tecalim.vilabol.uol.com.br/sorvetes.html>. Acesso em: 24 abr. 2012. VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 12. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
  24. 24. 23 ANEXO A – Termo de autenticidade FACULDADE SENAC RIO Graduação Tecnológica em Logística Termo de Declaração de Autenticidade de Autoria. Declaramos, sob as penas da lei e para os devidos fins, junto à FACULDADE SENAC RIO, que nosso trabalho de conclusão da ação educativa de projeto (1º período) é original, de única e exclusiva autoria. E não se trata de cópia integral ou parcial de textos e trabalhos de autoria de outrem, seja em formato de papel, eletrônico, digital, audiovisual ou qualquer outro meio. Declaramos, ainda, ter total conhecimento e compreensão do que é considerado plágio, não apenas a cópia integral do trabalho, mas também de parte dele, inclusive de artigos e/ou parágrafos, sem citação do autor ou de sua fonte. Declaramos, por fim, ter total conhecimento e compreensão das punições decorrentes da prática de plágio, através das sanções civis previstas na lei de direito autoral¹ e criminais previstas no Código Penal², além das cominações administrativas e acadêmicas que poderão resultar em reprovação no Trabalho de Conclusão de Curso. Rio de Janeiro, 28 de junho de 2012. 1 - LEI N° 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998. Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. 2 - Art. 184. Violar direitos de autor e os que lhe são conexos: Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa. HENRIQUE DACHEUX Matrícula: 34977 CPF 824919927-87 ASSINATURA. JOB DIAS Matrícula: 34755 CPF 801.803.297-15 ASSINATURA. LUDMILLA VIANA Matrícula: 34939 CPF 055.581.457-22 ASSINATURA.

×