OrientaçõEs Sexuais

3.938 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.938
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
33
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

OrientaçõEs Sexuais

  1. 1. Orientações Sexuais
  2. 2. Este trabalho foi realizado por: <ul><li>André Mesquita nº3 </li></ul><ul><li>Catarina Salgado nº5 </li></ul>
  3. 3. Heterossexualidde <ul><li>Heterossexualidade (também algumas vezes identificada por heterossexualismo ) refere-se a atracção sexual </li></ul><ul><li>e/ou romântica entre indivíduos de sexos opostos, e é considerada a mais comum orientação sexual nos seres humanos. A utilização corrente do termo tem as suas raízes na abrangente tradição da taxinomia da personalidade no século XIX. Esta continuou a influenciar o desenvolvimento do conceito moderno de Orientação sexual, sendo associada ao Amor romântico e identidade adicionalmente ao seu exclusivo significado sexual. </li></ul><ul><li>O adjectivo heterossexual é usado para descrever relações íntimas e/ou sexuais entre indivíduos do sexo masculino e do sexo feminino, os quais podem ou não identificar-se como heterossexuais. </li></ul>
  4. 4. Homossexualidade <ul><li>Em 1870, um texto de Westphal intitulado &quot;As Sensações Sexuais Contrárias&quot; definiu a homossexualidade em termos psiquiátricos como um desvio sexual , uma inversão do masculino e do feminino. A partir de então, no ramo da Sexologia, a homossexualidade foi descrita como uma das formas emblemáticas da degeneração. Nessa época já existiam leis que proibiam as relações entre pessoas do mesmo sexo. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>No século XX, essa tendência alterou-se e a homossexualidade deixou de ser considerada doença e a maioria dos países não criminaliza as relações entre pessoas do mesmo sexo, havendo alguns que as tratam em absoluta igualdade com as relações entre pessoas de sexo oposto. </li></ul><ul><li>A partir dos movimentos de liberação homossexual e sobretudo após o incidente de Stonewall em Nova York, em Junho de 1969, emergiu o termo gay como meio para apagar o teor psiquiátrico por trás da palavra homossexual. Assim, gay é um termo politizado e menos estigmatizante. Chamava-se originariamente gay ao homossexual masculino passivo. Hoje em dia, o termo gay aplica-se indistintamente quer ao homem que se relaciona sexualmente com outro homem, quer à mulher que se relaciona sexualmente com outra mulher. </li></ul>
  6. 6. Bissexualidade <ul><li>A bissexualidade consiste na atracção física, emocional e espiritual por pessoas tanto do mesmo sexo como do oposto, com níveis variantes de interesse por cada um, e à identidade correspondente a esta orientação sexual. </li></ul><ul><li>Bissexual é portanto o termo aplicado a seres e, mais comummente, pessoas, que se sentem atraídos por ambos os sexos, servindo portanto de um quase meio-termo entre o hetero e o homossexual. O número de indivíduos que apresentam comportamentos e interesses de teor bissexual é maior do que se suporia à primeira impressão, devendo-se a pouca discussão desta situação essencialmente a uma tendência geral para a polarização da análise da sexualidade, tanto em nível académico como, muito mais marcadamente, em nível popular, entre a Heterossexualidade e a homossexualidade. </li></ul>
  7. 7. Assexualidade <ul><li>Assexualidade é a ideia de orientação sexual caracterizada pela indiferença à prática sexual, ou seja, o assexual é um indivíduo que não sente atracção sexual , tanto pelo sexo oposto quanto pelo sexo igual. Algumas pessoas acreditam que a assexualidade não é uma orientação sexual mas uma disfunção sexual, enquanto há a probabilidade de um terceiro tipo de pessoas que não acreditam na assexualidade. </li></ul>
  8. 8. Metrossexualidade <ul><li>Metrossexual é um termo originado nos finais dos anos 90, pela junção das palavras metropolitano e heterossexual , sendo uma gíria para um homem heterossexual urbano excessivamente preocupado com a aparência, gastando grande parte do seu tempo e dinheiro em cosméticos, acessórios e roupas de marca. </li></ul><ul><li>Foi usado pela primeira vez em 1994 pelo jornalista britânico Mark Simpson e foi aproveitado pelas revistas masculinas britânicas e norte-americanas para fazerem desta definição o seu público-alvo. Depois da sua utilização ter decrescido nos EUA, o termo foi reintroduzido em 2000 a par da diminuição dos tabus relativos à cultura gay (e com a qual este termo era frequentemente confundido). </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Mas só em 2002 é que o termo se vulgarizou. Tudo começou com um novo artigo de Mark Simpson, onde afirma que um exemplo conhecido de alguém que se encaixa no perfil do Metrossexual é David Beckham, atleta do Los Angeles Galaxy, que gosta de passar o dia nas compras, arranjar as unhas, ir ao cabeleireiro ou cuidar do corpo. Após a publicação de tal artigo, a firma Euro RCSG Worldwide adoptou-o numa pesquisa de mercado e o jornal New York Times deu uma grande destaque à metrossexualidade , difundindo amplamente o termo. </li></ul><ul><li>Os metrossexuais são conhecidos por não viverem sem a sua marca predilecta de hidratante para a pele, apreciarem um bom vinho, sonharem com o último modelo de carro desportivo e gostarem de comprar peças de design . São heterossexuais. Estes seres vaidosos estão geralmente bem colocados profissionalmente. </li></ul>

×