Prova de ganho de peso

2.962 visualizações

Publicada em

Prova de Ganho de Peso (PGP) é um teste de desempenho que objetiva identificar indivíduos geneticamente superiores para características de interesse econômico. Os testes de desempenho individual se aplicam a características mensuráveis no próprio animal e que possuam herdabilidade de medianas a altas

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.962
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prova de ganho de peso

  1. 1. Prova de Ganho de Peso de Sertãozinho “ 60 Anos a Serviço da Pecuária Nacional” Joslaine N. S. G. Cyrillo Abril - 2010
  2. 2. Governo do Estado de São Paulo Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios Instituto de Zootecnia Centro de Pesquisa em Pecuária de Corte Sertãozinho-SP
  3. 3. Centro de Pesquisa em Pecuária de Corte Sertãozinho-SP ÁREA (ha)
  4. 4. Definição de Provas de Ganho de Peso <ul><li>Prova de Ganho de Peso (PGP) é um teste de desempenho que objetiva identificar indivíduos geneticamente superiores para características de interesse econômico. Os testes de desempenho individual se aplicam a características mensuráveis no próprio animal e que possuam herdabilidade de medianas a altas. </li></ul><ul><li>Peso padronizado a determinadas idades </li></ul><ul><li>Ganho de peso diário </li></ul><ul><li>Conversão Alimentar </li></ul><ul><li>Medidas Morfométricas </li></ul><ul><li>Medidas ultra-sônicas </li></ul>
  5. 5. Histórico das PGPs de Sertãozinho <ul><li>1951 – João Barisson Villares, realizou a primeira “Prova de Ganho de Peso” no Recinto de Exposições em Barretos (SP). </li></ul><ul><li>1955 - A Prova de Ganho de Peso foi transferida para a Estação Experimental de Zootecnia de Sertãozinho (SP). </li></ul><ul><li>1976 – Início do Projeto de Melhoramento das Raças Zebuínas e Caracu de Sertãozinho. </li></ul><ul><li>2010 – Realização da 60 a Prova de Ganho de Peso de Sertãozinho. </li></ul>
  6. 6. Histórico - Evolução Técnica <ul><li>As principais modificações: </li></ul><ul><li>Idade dos animais ao início do teste (7 a 14 meses) . </li></ul><ul><li>Duração do período de adaptação (14 - 56 dias). </li></ul><ul><li>Duração do período de teste (112 - 154 dias). </li></ul><ul><li>Participação de fêmeas nas provas. </li></ul><ul><li>Preocupação pela obtenção de dados comparativos de desempenho entre as raças. </li></ul><ul><li>Características avaliadas : </li></ul><ul><ul><li>ganho de peso; </li></ul></ul><ul><ul><li>pesos padronizados as diferentes idades (460, 392, 378 dias de idade); </li></ul></ul><ul><ul><li>Índices empíricos contendo ambos caracteres anteriores . </li></ul></ul>
  7. 7. Ra ç a N º de Animais Ra ç a N º de Animais Aberdeen Angus 67 Marchigiana 49 Blonde D'Aquitaine 76 Nelore 7079 Brangus 30 Nelore Mocho 458 Bubalinos 118 Nelore x Guzer á 33 Canchim 1125 Pardo-Su íç o 46 Caracu 1370 Piemontesa (1/2) 152 Charoles 38 Pitangueiras 49 Chianina (1/2) 53 Red Polled 18 Dinamarquesa 4 Santa Gertrudis 832 Flamenga 4 Simbrasil 57 Gir 1363 Simental 133 Guzer á 2191 Tabapuã 359 Guzer á x Nelore 46 Indubrasil 136 Ibaje 16 Lav í nia 23 TOTAL GERAL     15925 Número de animais e raças participantes nas Provas Oficiais do Governo do Estado de São Paulo - Período 1951 - 2009.
  8. 8. A Importância das Provas de Ganho de Peso <ul><li>Instrumento auxiliar em sistemas de avaliações genéticas, entre rebanhos, sobretudo em populações que não possuem boa conectabilidade genética em seus bancos de dados. </li></ul><ul><li>Por não utilizar informações de genealogia, aplica-se, inclusive, a populações que fazem uso de touros múltiplos . </li></ul><ul><li>Permite a avaliação precoce dos progenitores e conseqüente diminuição do intervalo de gerações. </li></ul>
  9. 9. A Importância das Provas de Ganho de Peso <ul><li>Avaliação Precoce = Aceleração da mudança genética. </li></ul><ul><li>DS m + DS f </li></ul><ul><li> G = h 2 ----------------- </li></ul><ul><li>IG m + IG f </li></ul><ul><li>h 2 = herdabilidade do caráter </li></ul><ul><li>DS m = diferencial de seleção em machos </li></ul><ul><li>DS f = diferencial de seleção em fêmeas </li></ul><ul><li>IG m = intervalo de geração em machos </li></ul><ul><li>IG f = intervalo de geração em fêmeas </li></ul>
  10. 10. Normas de Execução da PGP de Sertãozinho
  11. 11. Normas de Execução da PGP de Sertãozinho (Boletim Técnico 40) <ul><li>O número mínimo de animais de cada grupamento racial deve ser 20, e pertencer a pelo menos dois criatórios. </li></ul><ul><li>O grupo contemporâneo de cada raça é de responsabilidade de Associação de Criadores. Sugere-se uma pré-seleção ao desmame no intuito de reduzir variações excessivas de pesos de entrada e permitir uma maior eficiência de identificação de genótipos superiores, para características de crescimento, dentro do grupamento genético </li></ul><ul><li>Os animais devem pertencer ao sexo masculino, com idade média de 210 dias, comprovado em registro genealógico, com nascimentos de 15 de Agosto a 15 de Novembro. </li></ul>
  12. 12. Normas de Execução da PGP de Sertãozinho (Boletim Técnico 40) <ul><li>Os animais devem ser enviados a Estação Experimental acompanhados do controle de registro genealógico, incluindo informações de peso ao nascer e de regime alimentar durante o aleitamento (ex.: pasto ou pasto + suplemento) e com os atestados de vacinação e exames sanitários pertinentes. </li></ul><ul><li>Devem dar entrada na Estação Experimental na segunda quinzena de abril, de acordo com o calendário anual. </li></ul>
  13. 13. Normas de Execução <ul><li>Ao inicia da Prova, os animais são pesados em jejum e seus pesos são padronizados à idade de 210 dias: </li></ul><ul><li>onde: </li></ul><ul><li>P210 = peso à desmama aos 210 dias; </li></ul><ul><li>PV = peso verificado na Estação; </li></ul><ul><li>PN = peso ao nascer; </li></ul><ul><li>I = idade em dias. </li></ul>
  14. 14. Normas de Execução <ul><li>Permanecem em confinamento durante 56 dias, em fase de adaptação, recebendo ração constituída de: </li></ul><ul><li> 45% de feno (jaraguá ou braquiária), </li></ul><ul><li> 33% de quirera de milho, </li></ul><ul><li> 22% de farelo de algodão ou outra fonte protéica e sal mineral. </li></ul><ul><li>No início do período supra, são executadas atividades de caráter sanitário, como vacinações e vermifugações. </li></ul><ul><li>Após a pesagem de 56 dias, inicia-se o período da prova, com duração de 112dias, com uma pesagem intermediária aos 56 dias. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Após 112 dias, os animais são pesados, em jejum, obtendo-se o peso final (PFP). O ganho diário no período de 112 dias de prova será obtido pela fórmula: </li></ul><ul><li>onde: </li></ul><ul><li>PFP = peso final da prova; </li></ul><ul><li>PIP = peso inicial da prova; </li></ul><ul><li>G112 = ganho diário no período de 112 dias da prova. </li></ul>Normas de Execução
  16. 16. <ul><li>O peso final padronizado aos 378 dias (P378) é calculado pela seguinte fórmula: </li></ul><ul><li>P378 = peso padronizado à 378 dias </li></ul><ul><li>P210 = peso padronizado à 210 dias </li></ul><ul><li>G112 = ganho diário no período da prova </li></ul>Normas de Execução
  17. 17. Normas de Execução <ul><li>A ordenação e classificação dos animais na Prova é feita por meio do IPGP ou Índice de Desempenho na Prova de Ganho de Peso, com base na média e desvio padrão do referido índice. </li></ul>IPGP = (0,6 x IG112) + (0,4 x IP378) onde: G112 = valor individual do ganho diário pós- adaptação. P378 = valor individual de P378.
  18. 18. <ul><li>A classificação dos animais é dada em função da variação ocorrida dentro de cada raça ou grupamento genético, com base na média e no desvio padrão de IPGP. Os animais são classificados em 6 categorias: </li></ul>ELITE (E SUPERIOR (S) SUPERIOR MEDIANO (M) REGULAR (R) COMUM (C) INFERIOR (I)
  19. 19. Exemplo <ul><li>= 10 </li></ul><ul><li>ELITE (E) ...................... > 110,0 </li></ul><ul><li>SUPERIOR (S) > 02,5  110,0 </li></ul><ul><li>SUPERIOR MEDIANO (M)> 100,0  102,5 </li></ul><ul><li>REGULAR (R)...  97,5  100,0 </li></ul><ul><li>COMUM (C)..  90,0 < 97,5 </li></ul><ul><li>INFERIOR (I)---< 90,0 </li></ul>Média do Índice: 100,0
  20. 20. A Prova de Ganho de Peso Como Ferramenta de Seleção Dentro de Rebanhos Resultados Efetivos no Melhoramento Genético de Bovinos de Corte Marel do IZ
  21. 21. <ul><li>CRITÉRIOS DE SELEÇÃO </li></ul>Marisco do IZ
  22. 22. REBANHOS SELEÇÃO (NeS ) <ul><ul><li>CRITÉRIOS: </li></ul></ul><ul><ul><li>> D.S. em P378 </li></ul></ul><ul><ul><li>Ausência de defeitos e dentro os padrões raciais (ABCZ) </li></ul></ul><ul><ul><li>Não mais que 2 filhos mesmo reprodutor </li></ul></ul><ul><ul><li>Não mais que 3 filhos mesmo reprodutor (nos 2 anos) </li></ul></ul><ul><ul><li>SELEÇÃO ANUAL DE MACHOS </li></ul></ul>3 Machos (8,5%) Média=374kg DS T =+38kg
  23. 23. <ul><ul><li>CRITÉRIOS </li></ul></ul><ul><ul><li>> D.S. em P550 </li></ul></ul><ul><ul><li>Ausência de defeitos e dentro os padrões raciais (ABCZ) </li></ul></ul>REBANHOS SELEÇÃO (NeS ) <ul><ul><li>SELEÇÃO ANUAL DE FÊMEAS </li></ul></ul>fêmeas (63%) Média=318kg DS V =+17,3kg
  24. 24. RESULTADOS APÓS 28 ANOS DE PROGÊNIES Caracteres de Crescimento Cupido do IZ
  25. 25. Médias de P378 de Machos por Ano de Nascimento(1981-2007) e R ebanho.
  26. 26. Médias de P550 de Fêmeas por Ano de Nascimento(1981-2007) e R ebanho.
  27. 27. Estimativas de ganho genético nos rebanhos Nelore Controle (NeC) e Nelore Seleção (NeS ) Rebanho PN P210d P210m P378 P550 ALT PE PTOR NeC kg ou cm/ano -0,01kg -0,02kg 0,14kg 0,02kg 0,03kg -0,03cm 0,01cm 0,03cm % média/ano -0,03% -0,01% 0,08% 0,01% 0,01% -0,02% 0,04% 0,02% NeS kg ou cm/ano 0,19kg 0,64kg 0,24kg 2,13kg 1,74kg 0,29cm 0,05cm 0,26cm % média/ano 0,67% 0,38% 0,14% 0,72% 0,72% 0,22% 0,22% 0,16% PN: peso ao nascer, P210d: efeito direto do peso ao desmame, P210m: efeito materno do peso ao desmame, P378: peso final na PGP, corrigido para 378 dias, P550: peso final em pastagem, corrigido para 550 dias, ALT: altura na garupa obtida ao ano nos machos e ao sobreano nas fêmeas (média estimada nos dois sexos), PE: perímetro escrotal obtido ao ano, PTOR: perímetro torácico obtido ao ano de Mercadante et al. (2007).
  28. 28. Disseminação de Material Genético COMERCIALIZAÇÃO DE REPRODUTORES E MATRIZES EM LEILÕES COMERCIALIZAÇÃO DE SÊMEN E EMBRIÕES EM CENTRAIS CONVENIADAS Marisco do IZ Acetinando do IZ Cupido do IZ RESULTADOS EM SUMÁRIOS DE TOUROS
  29. 29. SUMÁRIO de TOUROS NELORE IZ - 2009 VERSÃO COMPLETA – www.iz.sp.gov.br
  30. 30. Desempenhos dos Touros selecionados dentro de rebanhos na PGP de Sertãozinho, quando avaliados pelas diferentes metodologias de v á rias institui ç ões
  31. 31. Sum á rio PAINT Consolidado 2009 - 1 DECA PAINT = classifica ç ão em 10 n í veis (DECA) para o í ndice PAINT; DECA GNS = classifica ç ão em 10 n í veis (DECA) para a caracter í stica ganho de peso do nascimento ao sobreano. Touros IZ Avaliados DECA PAINT DECA GNS Provador 1 1 Tapuan 1 1 Cupido 1 1 Sapirão 2 1 Marisco 2 2 Marel 2 4 Sobrado 3 2 Genético 3 4 Terso 3 4 Jogo 3 5 Pacará 4 3 Radial 5 2
  32. 32. Sum á rio PAINT Consolidado 2009 - 2 DECA PAINT = classifica ç ão em 10 n í veis (DECA) para o í ndice PAINT; DECA GNS = classifica ç ão em 10 n í veis (DECA) para a caracter í stica ganho de peso do nascimento ao sobreano. Touros IZ Avaliados DECA PAINT DECA GNS Tango 5 3 México 5 4 Vindouro 5 6 Quadril 6 1 Fosfato 6 5 Gabinete 7 5 Facultoso 7 8 Estanho 8 8 Sandil 8 8 Ganhoso 9 4 Jardel 9 6 Cívico 9 9 Induzido 10 9
  33. 33. Sumário de touros ABCZ-EMBRAPA 2009 IQG = índice de qualidade genética; TOP = percentil. Touros IZ Avaliados IQG (máx = 6,34) TOP (%) Provador 5,08 0,1 Tango 4,65 0,1 Quadril 3,84 0,5 Pacará 3,82 0,5 Sapirão 3,56 0,5 Sobrado 3,54 0,5 Quinado 2,85 2 Radial 2,55 3 Orange 1,66 10 Teredo 1,57 11
  34. 34. Sumário Aliança de touros Nelore 2009 DEP GNS = diferen ç a esperada na progênie na caracter í stica ganho de peso do nascimento ao sobreano. Touros IZ Avaliados Índice Aliança (máx = 22,46) DEP GNS (kg) Provador 17,02 17,22 Álamo 14,87 17,08 Marisco 11,91 11,88 Genético 11,86 11,27 Ganadero 10,84 9,19 Cupido 9,49 8,96 Marel 8,83 7,46 Tapuan 7,87 7,36 Gabinete 6,15 8,38 Vindouro 5,41 5,61 Sapirão 4,85 5,75 Pacará 4,02 6,54 Orange 3,39 2,12 Ganhoso 3,29 6,62 Facultoso 2,52 3,93 México 1,66 7,68
  35. 35. Considerações <ul><li>È possível obter ganho genético constante e significativo por meio da seleção pelo desempenho individual em Prova de Ganho de Peso, considerando características de média herdabilidade, como o peso ao sobreano e ganho de peso diário. </li></ul>
  36. 36. Inovações <ul><li>A busca pela inovação, aliada à excelência científica, faz parte da história do Instituto de Zootecnia, nesse contexto, o estudo e a formação de uma linha de Seleção para a característica “Consumo Alimentar Residual (CAR) ”, trará, a exemplo da PGP, benefícios incomensuráveis para a Pecuária Nacional. </li></ul>
  37. 37. Muito Obrigada! www.iz.sp.gov.br

×