Apresentaauto Trab2aval.1

159 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
159
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentaauto Trab2aval.1

  1. 1. Modelo de Auto – avaliação um novo olhar sobre as Bibliotecas Escolares
  2. 2. Recordando Alice no País das Maravilhas <ul><li>Quando pergunta ao gato qual o melhor caminho para sair dali. </li></ul><ul><li>Para onde queres ir ? - perguntou-lhe o gato. </li></ul><ul><li>Para qualquer lugar, retorquiu Alice. </li></ul><ul><li>Mas… para ir a qualquer lugar, qualquer caminho serve, exclamou o gato . </li></ul>Recordando Alice no País das Maravilhas… Recordando Alice no País das Maravilhas…
  3. 3. Apresentação Gestão participada do Modelo Adaptação do modelo ao contexto (oportunidade/constrangimento) Organização estrutural/ funcional do modelo Modelo como instrumento pedagógico e de aperfeiçoamento Porquê um Modelo de Avaliação? Biblioteca Escolar
  4. 4. Lemaire justificou, como Ross Todd, a pertinência da auto-avaliação: <ul><li>Develop a shared vision </li></ul><ul><li>Transparency </li></ul><ul><li>Demonstrate your value </li></ul><ul><li>Support whole school strategic planning </li></ul><ul><li>Basis for development / improvement </li></ul><ul><li>Support budget bids </li></ul><ul><li>Evidence for school Inspectors, school Governors, SMT </li></ul><ul><li>Salary and status </li></ul><ul><li>Comparison with national/local benchmarks </li></ul><ul><li>sem evidências, somos invisíveis, somos fantasmas </li></ul><ul><li>Ross Todd </li></ul>Lemaire justificou como Ross Todd a pertinência da avaliação:
  5. 5. <ul><li>Avaliar é : </li></ul><ul><li>estimular a reflexão sobre o sistema escolar e a pluralidade dos agentes intervenientes na acção educativa (visão holística), é orientar a acção; </li></ul><ul><li>criar condições para que esta complexa tarefa seja realizada de forma eficaz (definição de pressupostos, metas, objectivos, criação de instrumentos – indicadores de desempenho, padrões, medidas - práticas e espaços de reflexão) e eficiente, capaz de gerar sucesso; </li></ul><ul><li>É desenvolver a capacidade de identifica, prever e ultrapassar problemas, de definir prioridades, de avaliar o impacto; </li></ul><ul><li>Definir áreas nucleares (elementos determinantes com impacto na acção a desenvolver/filosofia a adoptar) que permitam uma abordagem de carácter eminentemente qualitativo. </li></ul>Apresentação - O que é avaliar? Para quê? Como?
  6. 6. <ul><li>Partindo do estudo do contexto onde se insere (necessidades e valências da comunidade, do espaço físico, do material existente,,do tipo de utilizador, do perfil do prof.bibliotecário e da equipa )conduzir à reflexão para: </li></ul><ul><li>Mobilizar a atenção de todos os actores sociais para a importância deste espaço e da sua dinâmica na vida e sucesso da escola; </li></ul><ul><li>Definir metas/objectivos comuns ao agrupamento/escola; </li></ul><ul><li>Pensar, repensar ou reformular estratégias para consecução dos mesmos desenvolvendo parcerias; </li></ul><ul><li>Desenvolver materiais que permitam auscultar todos os potenciais utilizadores/fruidores deste espaço e realizar uma sua gestão democrática e participada; </li></ul><ul><li>Potenciar o impacto deste espaço na vida escolar revendo atitudes, detectando falhas, determinando prioridades, sublinhando pontos fortes, enfim investindo de uma forma orientada/concertada numa reformulação da actividade do mesmo com regularidade. </li></ul>Objectivos
  7. 7. <ul><li>A – Apoio ao desenvolvimento curricular </li></ul><ul><li>A1 – articulação curricular da BE com estruturas pedagógicas e docentes: </li></ul><ul><li>A2 – Desenvolvimento da literacia da informação </li></ul><ul><li>B – Leitura e literacias </li></ul><ul><li>C – Projectos, parcerias e actividades Livres e de Abertura à comunidade. </li></ul><ul><li>C1 – Apoio a actividades livres, extracurriculares e de enriquecimento curricular; </li></ul><ul><li>C2 – Projectos e parcerias </li></ul><ul><li>D –Gestão da BE </li></ul><ul><li>D1 – Articulação da BE com a escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE; </li></ul><ul><li>D2 – Condições humanas e materiais para a prestação de serviços; </li></ul><ul><li>D3 – Gestão da colecção. </li></ul>Áreas nucleares objecto de reflexão
  8. 8. Metodologia <ul><li>Recolha , leitura e comunicação de evidências como suporte da avaliação (de forma sistemática e ao longo do ano e que incida sobre os diferentes níveis de escolaridade existentes); </li></ul><ul><li>Envolvimento nesta reflexão de todos os intervenientes para que a qualidade deste espaço resulte de um compromisso comum; </li></ul><ul><li>passagem da situação do Tell us para a do Show us! Comunicação da reflexão realizada, das conclusões retiradas e do caminho a empreender com o objectivo de melhorar o seu desempenho. </li></ul><ul><li>Be, Do, Become! </li></ul><ul><li>Ross Todd </li></ul><ul><li>in linhadeleitura.wordpress.com/tag/ ross - todd / acedido em12/11/2009 </li></ul>

×