Stress

6.363 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.363
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
39
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
171
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Stress

  1. 1. Psicossociologia das Organizações Stress Ocupacional Docentes: Fátima Perloiro e Miguel Andrade César Sá; Inês Margarido; Lídia Marques; Paula Almeida; Vânia Palma Discentes:
  2. 2. Relevância e Significância Condições de stress cada vez mais prevalentes no sector da prestação de cuidados de saúde (Schmitz et al , 2000) Identificar eventuais fontes de stress numa organização de saúde Implementar programas de gestão do stress
  3. 3. O que é o Stress Ocupacional? <ul><li>“ Inter-acção das condições de trabalho com características do trabalhador, de tal modo que as exigências que lhe são criadas ultrapassam a sua capacidade em lidar com elas” </li></ul><ul><li>(ROSS e ALTMAIER, 1994 cit. por SERRA, 2002) </li></ul>Funcionamento da instituição Custos de produção Repercussões negativas (Ex: variações de humor)
  4. 4. Modelos Teóricos <ul><li>Teoria dos Acontecimentos da Vida </li></ul><ul><li>Modelo de Ajustamento Pessoa-Ambiente </li></ul><ul><li>Modelo Exigência-Controlo </li></ul>
  5. 5. Stressores Organizacionais <ul><li>Indivíduo </li></ul><ul><li>Características do trabalho </li></ul><ul><li>Autonomia de decisão </li></ul><ul><li>Papel a desempenhar na organização </li></ul><ul><li>Relações inter-pessoais na empresa </li></ul><ul><li>Carreira profissional </li></ul><ul><li>Clima de organização </li></ul>
  6. 6. Programas de Gestão do Stress Ocupacional Objectivo: Melhorar a saúde física e mental <ul><li>Redução dos custos aos trabalhadores </li></ul><ul><li>Reintegração das vítimas de stress no ambiente de trabalho </li></ul>Instruídos a ficar alerta para quaisquer eventos stressantes Desenvolvidas estratégias mais eficazes de coping (PINA e CUNHA, 2003)
  7. 7. Programas de Gestão do Stress Ocupacional Classificação Intervenção Locus de Intervenção Primárias Secundárias Terciárias Individuais Organizacionais (PINA e CUNHA, 2003)
  8. 8. Burnout “ Estado de exaustão física, emocional e mental causado pelo envolvimento, por longo tempo, em situações emocionalmente desgastantes” PINES e ARONSON (1993; cit. por SERRA, 2002) <ul><li>Três dimensões do burnout : </li></ul><ul><li>Exaustão </li></ul><ul><li>Despersonalização </li></ul><ul><li>Baixa realização profissional </li></ul><ul><li>(CHOPRA, 2004 e MASLACH et al., 2001) </li></ul>
  9. 9. Burnout Intervenção a três níveis : <ul><li>Organização </li></ul><ul><li>Grupo </li></ul><ul><li>Indivíduo </li></ul>Diminuição do número de dias de baixa Diminuição da recorrência a serviços médicos Aumento da produtividade (SERRA, 2002)
  10. 10. Análise de Conteúdo dos Artigos Seleccionados Bourbonnais et al – Job Strain, Psychological Distress, and Burnout in Nurses. American Journal of Industrial Medicine. 1998 Objectivo: Determinar se os enfermeiros que experienciam tensão no trabalho e baixo suporte social, têm maior prevalência de stress e exaustão emocional, do que os enfermeiros que não são sujeitos a estes factores. Amostra: 1891 enfermeiros, com idades entre os 23 e os 65 anos, trabalhadores em seis hospitais centrais do Canadá.
  11. 11. Análise de Conteúdo dos Artigos Seleccionados <ul><li>Metodologia: </li></ul><ul><li>Aplicados questionários, distribuídos em Maio/1994 e recolhidos em Dezembro/1994: </li></ul><ul><ul><li>The Psychiatric Symptom Index (ansiedade, agressividade e depressão) </li></ul></ul><ul><ul><li>Maslach Burnout Inventory (exaustão emocional, despersonalização, realização pessoal) </li></ul></ul><ul><ul><li>Job Content Questionnaire (exigências laborais, nível de decisão no trabalho) </li></ul></ul><ul><ul><li>Friedman and Rosenman Scale (comportamento tipo A) </li></ul></ul>
  12. 12. Análise de Conteúdo dos Artigos Seleccionados <ul><li>Discussão/Conclusão: </li></ul><ul><li>28,3% dos enfermeiros apresentam altos níveis de stress; </li></ul><ul><li>Forte associação entre tensão no trabalho e stress /exaustão emocional nos enfermeiros; </li></ul><ul><li>Esta associação aparece relacionada com as elevadas exigências laborais e baixo poder de decisão; </li></ul><ul><li>A falta de suporte social foi igualmente associada a factores de stress. </li></ul>
  13. 13. Análise de Conteúdo dos Artigos Seleccionados Schmitz et al – Stress, Burnout and Locus of Control in German Nurses. International Journal of Nursing Studies. 2000 Objectivo: Investigar a relação existente entre burnout e stress associados ao trabalho e locus de controlo, em enfermeiros que trabalham em contexto hospitalar. Amostra: 361 enfermeiros (82%-fem./62%-masc.) provenientes de 9 unidades de 5 hospitais alemães. Idade média de 35 anos (21-52) e 60% tinha mais de 10 anos de prática clínica.
  14. 14. Análise de Conteúdo dos Artigos Seleccionados <ul><li>Metodologia: </li></ul><ul><li>Aplicados questionários: </li></ul><ul><ul><li>Maslach Burnout Inventory (exaustão emocional, despersonalização e realização pessoal); </li></ul></ul><ul><ul><li>Levenson locus of control Scale ( locus de controlo); </li></ul></ul><ul><ul><li>Nursing-Stress-Questionnaire ( stress no trabalho). </li></ul></ul>
  15. 15. Análise de Conteúdo dos Artigos Seleccionados <ul><li>Discussão/Conclusão: </li></ul><ul><li>Stress ocupacional e burnout estão relacionados com locus de controlo baixos em enfermeiros; </li></ul><ul><li>Indivíduos com locus de controlo baixos apresentam estratégias de coping desadequadas; </li></ul><ul><li>A baixa participação em tomadas de decisão tem implicações na satisfação no trabalho; </li></ul><ul><li>Pessoas com síndrome de burnout são menos produtivas e não prestam serviços de qualidade. </li></ul>
  16. 16. Relevância dos artigos <ul><li>Influência de diversos factores no Stress e Burnout </li></ul><ul><li>Profissionais de Saúde em contexto hospitalar </li></ul><ul><li>Conclusões concordantes com a fundamentação teórica </li></ul>
  17. 17. Contexto Clínico <ul><ul><li>Equipa multidisciplinar (em regime de turnos, excepto fisioterapeuta) </li></ul></ul><ul><ul><li>Espaço físico pequeno </li></ul></ul><ul><ul><li>Fisioterapeuta trabalha nesta unidade há 15 anos </li></ul></ul>Unidade de Cuidado Intensivos Gerais em contexto Hospitalar
  18. 18. Interpretação das situações específicas do contexto clínico Situações potencialmente causadoras de stress Sobrecarga de trabalho Várias áreas de intervenção Ocorrências em simultâneo Realização da outras actividades Cansaço geral Convívio precário Presença de riscos biológicos e físicos Condições infecto-contagiosas Ruído (VELEZ, 2003)
  19. 19. Interpretação das situações específicas do contexto clínico Lidar com o sofrimento Sofrimento/morte de utentes Responsabilidade por pessoas Casos clínicos de prognóstico reservado Relações de trabalho Incompatibilidade de horários Perspectivas de promoção Ausência de uma progressão notória na carreira Conflito casa-trabalho Flexibilidade de horários Trabalho aos fins-de-semana VELEZ, 2003
  20. 20. Interpretação das situações específicas do contexto clínico STRESS Minimizar o impacto negativo dos stressores Estratégias psico-educacionais que auxiliem na gestão do stress
  21. 21. Interpretação das situações específicas do contexto clínico Lidar com o stress <ul><li>Resolver problemas </li></ul><ul><li>Planear actividades agradáveis </li></ul><ul><li>Tirar partido das pessoas do seu meio </li></ul><ul><li>Gerar ideias, pensamentos e emoções </li></ul><ul><li>(FORTIN, 1992; cit. por SERRA, 2002) </li></ul>Individual Organizacional
  22. 22. Conclusão Adequação do tipo de programa à especificidade do trabalho Comunicação entre todos os membros da instituição Conceitos Teóricos Prática Clínica STRESS Sucesso da Intervenção
  23. 23. FIM! Obrigado pela atenção!
  24. 24. Estratégias Individuais Diminuir sobrecarga de trabalho Gestão e organização do seu tempo Estabelecimento de prioridades hierarquizadas pelo seu grau de importância Evitando que estas fossem interrompidas por outro tipo de tarefas reactivas fora do âmbito dos utentes
  25. 25. Estratégias Individuais Estilos de vida saudáveis Exercício físico Alimentação equilibrada Repouso adequado Minimizar conflito entre membros da equipa Assertividade nas relações interpessoais
  26. 26. Estratégias Organizacionais Mais direccionadas para as competências inerentes às chefias Proporcionar uma atmosfera de confiança e suporte Exposição dos problemas Contratação de mais fisioterapeutas Diminuir a carga laboral e responsabilidade acarretada Diminuir a sobrecarga de trabalho Organização da carga horária Pausas de trabalho mais frequentes Acções que visem o desenvolvimento de competências sociais

×