Guerra Colonial

5.810 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.810
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
58
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guerra Colonial

  1. 1. Guerra Colonial Memórias do Ultramar Trabalho realizado por: Susana Gonçalves e Miguel Ramalhosa
  2. 2. Introdução A Guerra Colonial (1961/1974) A Guerra Colonial Portuguesa desenrolou-se nas colónias de Moçambique, Guiné e Angola, no período de 1961 a 1974. Estiveram em confronto as Forças Armadas Portuguesas e as forças organizadas pelos movimentos de libertação de cada uma daquelas colónias. Os primeiros confrontos ocorreram em Angola, na zona a que se viria chamar Zona Sublevada do Norte, traduziram-se, a partir de 15 de Março de 1961, em bárbaros massacres de populações brancas e trabalhadores negros oriundos de outras regiões de Angola. Pela parte portuguesa, a guerra era sustentada pelo princípio político da defesa daquilo que era considerado território nacional, baseado no conceito de nação pluri - continental e multirracial, já pela parte dos Movimentos de Libertação, a guerra justificava-se pelo inalienável princípio de autodeterminação e independência, num quadro internacional de apoio ao incentivo à sua luta. O Estado Novo, primeiro com Salazar e depois com Marcelo Caetano, manteve com grande rigidez o essencial da política colonial, fechando todas as portas a uma solução credível para o problema de qualquer dos territórios. O 25 de Abril de 1974, trouxe alterações à natureza do regime político português, os novos dirigentes de Portugal, aceitavam naturalmente os princípios da autodeterminação e independência, pelo que as fases de transição foram negociadas com os movimentos de libertação, traduzindo-se rapidamente no fim das acções militares envolvendo forças portuguesas.
  3. 5. Embarque
  4. 6. Embarque dos soldados
  5. 7. Desembarque no porto de Luanda - Angola
  6. 8. Porto de Luanda
  7. 9. Soldados Portugueses
  8. 10. Assassínios cometidos em 1961 pelos membros da UPA
  9. 11. Pela forma serena e quase sorridente com que os nossos soldados se deixaram fotografar frente a cabeças espetadas em paus ou corpos esventrados - com o mesmo ar com que posam para a fotografia de fim de curso.
  10. 12. Os horrores e violações flagrantes dos mais básicos direitos Humanos passaram-se no norte de Angola.
  11. 13. São imagens da violência da guerra e, sobretudo, do terrorismo da guerra - na Fazenda Tabi, os membros da União dos Povos de Angola (UPA) liderada por Holden Roberto, mataram os administradores brancos a golpes de catana, e na Fazenda Cassoneca esventraram um soba (chefe de uma tribo) e mataram toda a sua família, porque se recusou a deixar de trabalhar para os brancos. Os negros que trabalhavam nas fazendas de café administradas por portugueses - um objectivo “militar” a atingir porque destruir a economia é uma das formas de vencer a guerra - e que eram identificados por usarem uma fita colorida á volta da cabeça, eram decapitados e as suas cabeças espetadas em paus.
  12. 14. Expedição Portuguesa em Angola
  13. 16. Momentos de descontracção
  14. 17. Patrulha de Reconhecimentos
  15. 18. Transporte de um ferido durante uma emboscada inimiga
  16. 19. Mina anti - pessoal
  17. 20. Cenário de Confronto
  18. 21. Cadáver carbonizado
  19. 22. Soldado Português
  20. 23. Desembarque em Luanda
  21. 24. Soldado Português apadrinha criança
  22. 27. Guiné Bissau 1970. Vista aérea da cidade, com o ilhéu do Rei, ao fundo. Ao centro, a Praça do Império e o palácio do Governador.
  23. 28. Na Guiné, os confrontos foram iniciados, na perspectiva portuguesa, em Julho de 1961 quando guerrilheiros do Movimento de Libertação da Guiné (MLG) lançaram ataques às povoações de S. Domingos, Suzana e Varela, junto à fronteira noroeste com o Senegal.
  24. 29. Soldados de patrulha
  25. 31. Expedição a Boé
  26. 32. Guiné , Zona Leste - 2º Grupo de Combate da CCA12
  27. 38. Moçambique
  28. 40. Partida para Moçambique
  29. 41. Acidente
  30. 42. Expedição na mata
  31. 43. Cenário de combate controlado
  32. 44. Um obus de longo alcance fotografia tirada durante a guerra colonial portuguesa em Moçambique
  33. 45. Armada Portuguesa
  34. 46. Ferido
  35. 47. Crianças Moçambicanas mutiladas
  36. 48. Crianças Moçambicanas
  37. 49. Algumas das armas eram soterradas
  38. 50. Guerrilheiros
  39. 51. Patrulha
  40. 52. Pára-quedistas
  41. 54. A troca de correspondência nem sempre era frequente
  42. 56. “ A violência alimenta a violência e é disso que são feitas as guerras. Ao ver estas fotografias não é difícil perceber como funciona este ciclo de ódio.”
  43. 57. Fotografias de Ex – combatentes João Ramalhosa Destacado em Angola

×