Rafael Nunes Carvalho 6º ano turma - H nº 23
D.João IV Restauracão da Independência
<ul><li>O dia 1 de Dezembro é feriado no nosso país pois comemora-se o Dia da Restauração da Independência, ou seja, o dia...
<ul><li>O que é certo é que não faltavam pretendentes ao trono já que todos os netos de D. Manuel se achavam com direitos ...
<ul><li>A reunião nas Cortes terminou e o trono continuava sem herdeiro. D. Henrique morre e, entretanto, Portugal fica a ...
<ul><li>Ainda nas Cortes de Tomar, D. Filipe I promete que, apesar de governado por Espanha, Portugal manteria a sua língu...
<ul><li>Chega então o dia 1 de Dezembro de 1640. Os quarenta fidalgos invadem o Paço da Ribeira, onde estava a Duquesa de ...
<ul><li>E assim deu-se início à Quarta e última Dinastia - a Dinastia de Bragança.  </li></ul><ul><li>Sabias que os quaren...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Rafael 1 De Dezembro

816 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
816
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rafael 1 De Dezembro

  1. 1. Rafael Nunes Carvalho 6º ano turma - H nº 23
  2. 2. D.João IV Restauracão da Independência
  3. 3. <ul><li>O dia 1 de Dezembro é feriado no nosso país pois comemora-se o Dia da Restauração da Independência, ou seja, o dia em que o nosso país recuperou a sua liberdade no ano de 1640. E agora perguntas tu: &quot;Para Portugal ter recuperado a sua independência quer dizer que era prisioneiro !!... E de quem? &quot;.  Vamos então explicar-te o que é que realmente se passou.   </li></ul><ul><li>A morte de D.Sebastião (1557-1578) na batalha de Alcácer-Quibir deixou o nosso país sem rei. Como o seu parente mais próximo era o Cardeal D. Henrique, foi este aclamado rei de Portugal. No entanto, a questão do trono não ficou aqui resolvida pois D. Henrique era já uma pessoa de idade e bastante doente. Além disso era sacerdote e, como tal, não tinha descendentes.  </li></ul>Cardeal D. Henrique
  4. 4. <ul><li>O que é certo é que não faltavam pretendentes ao trono já que todos os netos de D. Manuel se achavam com direitos para tal. Por um lado havia D. António, Prior do Crato, por outro D. Catarina de Bragança e até Filipe II de Espanha! </li></ul><ul><li>Reúnem-se, então, as Cortes de Almeirim em 1580 para se discutir de quem seria a sucessão do trono, mas as opiniões dividiam-se...Uns apoiavam D. António, outros apoiavam D. Catarina,... enfim, uma grande confusão! Pensa-se até que D. Filipe II de Espanha deu dinheiro e fez promessas às escondidas a vários membros da corte para ganhar pontos a seu favor. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>A reunião nas Cortes terminou e o trono continuava sem herdeiro. D. Henrique morre e, entretanto, Portugal fica a ser governado por uma Junta de Governantes, nomeada pelo Cardeal. </li></ul><ul><li>D. António, Prior do Crato, um dos pretendentes à coroa não se conforma com a ideia de o trono ir parar às mãos de um espanhol e não cruza os braços. Entre 1580 e 1581 governa Portugal, após ter sido aclamado rei pelo povo, mas logo, logo, teve que se confrontar com uma invasão espanhola... </li></ul><ul><li>  É então nas Cortes de Tomar que, em 1581, D. Filipe II de Espanha é reconhecido como rei de Portugal, passando a ser D. Filipe I de Portugal. É o fim da Dinastia de Avis (Segunda Dinastia) e o início da Dinastia Filipina (também conhecida pela Terceira Dinastia), que vai durar sessenta anos! Os três reis desta dinastia foram: </li></ul><ul><li>D. Filipe I de Portugal,  II de Espanha (1581-1598) </li></ul><ul><li>                                       </li></ul><ul><li>D. Filipe II de Portugal, III de Espanha (1598-1621) </li></ul><ul><li>                                       </li></ul><ul><li>D. Filipe III de Portugal,  IV de Espanha (1621-1640) </li></ul><ul><li>                                       </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Ainda nas Cortes de Tomar, D. Filipe I promete que, apesar de governado por Espanha, Portugal manteria a sua língua e cultura, as leis e os direitos, o império ultramarino seria respeitado, os cargos administrativos seriam ocupados por portugueses, etc. </li></ul><ul><li>Mas como de boas intenções está o inferno cheio, as coisas não foram bem assim... As promessas de D. Filipe I não foram cumpridas e o nosso país passou a estar totalmente sob o domínio de Espanha. Os impostos aumentaram, a população estava cada vez mais pobre, os burgueses sentiam-se afectados nos seus interesses comerciais, a nobreza perdia regalias, até o nosso domínio além-mar era governado por Espanha... </li></ul><ul><li>Estávamos no ano de 1640 e a situação de Portugal era já insuportável. Tinha que se pôr fim a este domínio estrangeiro, que durava há já sessenta anos... </li></ul><ul><li>É então que quarenta fidalgos se reúnem e planeiam a revolução que irá restaurar a independência de Portugal. Vê lá tu que eles agiram com tanto cuidado que os espanhóis não desconfiaram de nada! </li></ul><ul><li>E quem iria suceder a D. Filipe III de Portugal? Quando houve a questão da sucessão, quem deveria ter ficado com o trono era D. Catarina de Bragança e não D. Filipe II de Espanha. Pois agora deveria ser D. João de Bragança, casado com D. Luísa de Gusmão, o legítimo herdeiro da coroa. O futuro rei estava encontrado. Faltava agora expulsar os espanhóis das nossas terras. </li></ul>D. João IV
  7. 7. <ul><li>Chega então o dia 1 de Dezembro de 1640. Os quarenta fidalgos invadem o Paço da Ribeira, onde estava a Duquesa de Mântua, prima do rei de Espanha e vice-rainha de Portugal e o seu secretário Miguel de Vasconcelos, um português que se pusera às ordens de Espanha. A Duquesa de Mântua rendeu-se aos portugueses pois não tinha outra saída e o seu secretário esconde-se dentro de um armário! Mas não tardou para que os fidalgos descobrissem este traidor e acabassem com ele, atirando-o pela janela! Lá fora, o povo vibrava de alegria e gritava: </li></ul>Liberdade! Liberdade! Viva D. João IV de Portugal! Liberdade! Liberdade! Viva D. João IV de Portugal!
  8. 8. <ul><li>E assim deu-se início à Quarta e última Dinastia - a Dinastia de Bragança. </li></ul><ul><li>Sabias que os quarenta fidalgos ficaram conhecidos como os &quot;Restauradores&quot;? Existe até uma praça em Lisboa chamada &quot;Praça dos Restauradores&quot;. É uma praça que fica entre a Avenida da Liberdade e o Rossio e onde se pode admirar um belíssimo obelisco (monumento em forma de agulha) que comemora a Restauração da Independência de 1640.   </li></ul>FIM

×